Chiquinho Inteligente | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Quinta-feira, 24/5/2007
Chiquinho Inteligente
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos

Ele está em todas. Ou melhor, está e não está, pois sua onipresença é tão certa quanto sua ausência. O grande público ainda o ignora. Clown triste e altivo, fará rir, inspirará ódio, compaixão? Oxímoro mor, busca reconhecimento, mas ostenta leve desprendimento pela obra literária. Eis aí Chiquinho Inteligente, esta nossa personagem síntese.

O sonho de ser escritor começou cedo na vida do pequeno Francisco. Vivia cercado de livros desde a tenra idade. Lia os títulos mais abaixo na estante, onde sua altura alcançava. Foi uma época de muitos enredos rocambolescos, livros de parapsicologia, sobre o ocaso de Atlântida e a origem dos sonhos - Até que o sol se apague, O fenômeno UFO, Eram os deuses astronautas?, Um "toc" na cuca. Clássicos de outra época, best-sellers ensebados, títulos aos quais seus pais já não davam lugar de destaque na estante, restando o porão da primeira prateleira.

Era de se esperar que Chiquinho crescesse, virasse um latagão. Mas não seguiu a linhagem paterna, tendo abandonado cedo os livros das prateleiras mais altas. Trata de dar uma chaleira na máquina de escrever elétrica (onde datilografava seus primeiros manuscritos e praticava o plágio, copiando trechos dos 1001 Dálmatas) ao ganhar do pai um MSX da Gradiente.

Com o passar dos anos e das tecnologias, rato velho de BBS em tempos de internet e banda larga, tornou-se adepto dos blogs literários. Há quem diga que foi o primeiro a vender o peixe da literatura confessional em primeira pessoa do particípio (assim chamada porque os internautas eram convidados a participar da vida do moço). A idéia que Chiquinho teve foi simples, ainda que demorada. Se a questão a ser respondida era: sobre o quê posso começar a escrever?, a solução aparecera ao se lembrar de O Quinze, obra pinçada do alto da estante. Como era possível alguém conceber uma narrativa bem escrita e envolvente com apenas 17 aninhos, impulso para notoriedade e respeito como escritor? Foi então que Chiquinho Inteligente deu uma de Rachel de Queiroz e começou a rascunhar sua realidade urbanóide.

Hoje, em plena maturidade, projeto de celebridade, Chiquinho Inteligente sai nas colunas sociais mais prestigiadas e influentes do país, nas revistas dos bairros elegantes da cidade, é convidado de honra dos festivais e festas literárias badalados do Atlântico Sul. Como ele conseguiu tamanha projeção? Ninguém sabe ao certo, nem ousa palpitar. Talvez um charme cultivado, auto-estima nas alturas, fadiga mental dos editores.

Vira e mexe aparece em algum programa de tevê madruguento. Mas, por que você escreve? pergunta sobriamente o apresentador. Eu escrevo pra não morrer. Então você escreve pra se manter vivo? Sim, quer dizer, não. Não é nada físico, eu não ganho dinheiro com isso de escrever, entende?

Faz pose de modelo, pois hoje não basta ser escritor, tem que ser escritor-artista, escritor-palestrante, escritor-ator-de-cinema, escritor-designer-ilustrador, escritor-profissional-liberal, escritor-blogueiro, escritor-crítico-editor. Só não dá pra entender como dá tempo de escrever (bem) com tantas atividades... realmente, é um verdadeiro milagre o escritor escrever! Não dê uma de Machado de Assis, Chiquinho. Arranque este monóculo. E esse azedume de Lima Barreto? Tire a casaca. Entorne umas. E põe alegria nessa cara linda, que um sorriso vale mais do que mil palavras...

Fotos, imagens em geral, são difundidas na imprensa ou nos fotologs, componentes importantes ao novo escritor da era internet total. Na orelha do livro, a foto já não traz mais a máquina de escrever à la Danielle Steel, mas o teclado da labuta sudorífera madrugada adentro, do catar letrinhas na sopa experimental da era digital.

Pois escritor que é escritor não se escraviza num blog, nem em offset, muito menos gráfica rápida. De alguma forma, ele acontece. A conjunção dos astros é determinante na carreira meteórica, por assim dizer, de um autor. Acredite, Chiquinho, acredite. E ele crê mesmo. Pois você, mesmo obscuramente, e de forma canastrona, é a bola da vez. A vida vai levando, as situações vão se configurando num misto de paciência e nascimento virado pra lua. Saiba que o escritor, antes de tudo, é um persistente.

E Chiquinho, cão corredor, galga posições nos melhores suplementos, jornais, revistas literárias e de cultura do país. Por que não cavucar um espacinho nas revistas de celebridade e auto-ajuda, levando aos leitores a leveza do texto literário autêntico como pensata semanal? E as publicações do exterior, logicamente, pois é no mínimo chique ser publicado fora, nem que seja na banca do zé da esquina, estender tentáculos em todos os oceanos, ser linkado por blogs nunca dantes navegados.

Deveras se acha muito esperto... e ele realmente é, só que acaba se esquecendo de que o sol está aí para todos, embora possa queimar. Afinal, por mais que digam que há espaço de menos para a literatura, é a falta que irá gerar o gradiente inverso e, logo, por meio de um processo de difusão simples, irá se estabelecer o equilíbrio natural de todas as partículas elementares do universo.

A vida, literária ou não, é uma sucessão de fatos, lugares na hora certa, hora certa no lugar certo, pessoas certas no lugar e hora certos, simpatias, empatias. Mas fique longe das antipatias, Chiquinho, estas não te levam a lugar algum, a não ser que queira trocar meia dúzia de sopapos. Mas come, come tudo o que puderes, e esquece este papo, e me enfia os talheres.

Pois se a dúvida for qual veículo escolher ou privilegiar, seja livro ou internet, a resposta para Chiquinho é simples. Invista nos dois e com o que lucrar mais, tanto melhor. Mais valem dois pássaros nas mãos, ambos convergindo num único animal híbrido - o livro em sua dureza metálica: objeto definitivo, desejável, mercadológico, por que não? - o blog: maleável, propagando sua escrita aos quatro cantos, fazendo menção à obra impressa, influenciando sua maneira de escrever para sempre.

E por que seria diferente, se Chiquinho está em todas as frentes, mirradas ou em seara dourada? Depende da maré. Publicou seu livro de estréia - fragmentos, poeira estelar da blogosfera - em tiragem tímida, se bem que expressiva, pela Paperback. Borda canoa, numa reverência aos cadernos verdes de caligrafia do prézinho. Querem cartão de visitas, digo, primeiro livro, melhor que esse?

Anos depois, turbinado por gorda onda, recebeu um convite suculento. A Hardcover Associated Publishers não lhe exigiu um tostão para inflar, imprimir e distribuir a nova coletânea; design de ponta. E ainda acaba de vender os direitos de tradução para o neo-aramaico, o chinês tradicional e o javanês (acabo de receber um e-mail eufórico de Chiquinho com esta notícia). Dá-lhe.

Enfim, o próximo passo (ou cartada, diriam os doloridos) de Chiquinho Inteligente é criar um pseudônimo. Necessário ser algo de bom agouro, tipo Pé de Coelho, Ferradura Bem Relacionada. Depois, descoberto o gênio da obra - ele próprio - resta colher os louros da vitória, da premiação, do sonho realizado...


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 24/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A História de Alice no País das Maravilhas de Marcelo Spalding
02. A nova escola de Urariano Mota


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA EM DIÁLOGO COM OUTRAS LIT E LING
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2005)
R$ 18,00



VEJA 25 ANOS REFLEXÕES PARA O FUTURO
HEBERT DE SOUZA E OUTROS
ABRIL
R$ 12,00



DIE LANDUNG IN DER NORMANDIE
DR. CHRISTIAN ZENTNER
MOEWIG
(1998)
R$ 55,00



CONTOS CLASSICOS-PATINHO FEIO, O
VÁRIOS AUTORES
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 9,90



ESTUDOS DE LÍNGUA E LITERATURA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1978)
R$ 5,00



TRANSPORTES, SEGUROS E A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA INTERNACIONAL DE MERCADOR
MARCOS MAIA PORTO; CLÁUDIO FERREIRA DA SILVA
ADUANEIRAS
(2000)
R$ 45,00



O SEGREDO DOS SONHOS
PEDRO MESEGUER
PAULINAS
(1965)
R$ 12,00



O MAPA DO AMOR
AHDAF SOUEIF
EDIOURO
R$ 12,80



VEDA - VISÃO CONTEMPORÂNEA DA MILENAR CULTURA VÉDICA
ISWARA SWAMI COORD. / EDITOR
BHAKTIVEDANTA
R$ 10,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 7,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês