Gerald Thomas: uma autobiografia | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como no céu & Livro de visitas
>>> Drummond: Procura da Poesia
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> Preconceitos
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> So much that was good but is gone
>>> Decálogo (Comentado) do Perfeito Contista, de Horacio Quiroga
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Patrícia Melo mergulha no ciúme e na loucura
>>> Sobre viver em qualquer lugar
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Dia de Reunião - Ano 8 - Nº 94 de Vários pela Quantum (2002)
>>> História do Ceará dos índios à Geração Cambeba de Aírton de Farias pela TRopical (1997)
>>> Informática: teoria e questões de concursos com gabarito de Rogério Amigo de Oliveira pela Campus/ Elsevier (2007)
>>> Economia da Consciência: Construindo Um Novo Paradigma Econômico a Partir dos Princípios da Física Quântica de Amit Goswami pela Goya (2015)
>>> A Plenitude Do Cosmos: A Revolução Akashica Na Ciência E Na Consciência Humana de Ervin Laszlo pela Cultrix (2018)
>>> A Revolução Mindfulness: Um guia para praticar a atenção plena e se libertar da ansiedade e do estresse de Sarah Silverton pela Alaúde (2018)
>>> Uma Amizade Com Deus - Um diálogo incomum de Neale Donald Walsch pela Sextante (2000)
>>> Teoria do conhecimento de Johannes Hessen pela Martins Fontes (2012)
>>> Introdução à epistemologia de Luiz Henrique de Araujo Dutra pela Unesp (2010)
>>> Exercícios d'alma: A Cabala como sabedoria em movimento de Nilton Bonder pela Rocco (2010)
>>> Tratado da Pedra Filosofal e a Arte da Alquimia de Santo Tomás de Aquino pela Isis (2015)
>>> Guia Prático para Redação Científica de Gilson L. Volpato pela Best Writing (2015)
>>> Emmanuel Bassoleil - Uma Cozinha sem Chef de J. A. Dias Lopes... et al. (Textos) pela DBA - Dórea Books and Art (1994)
>>> Psicologia da Evolução Possível ao Homem de P. D. Ouspensky pela Pensamento (2019)
>>> As Ciências das Religiões de Giovanni Filoramo pela Paulus (1999)
>>> Ordens do Executivo de Tom Clancy pela Record (1999)
>>> Airline Transport Pilot Test Prep 2019 de Asa Test Prep Board pela Aviation Supplies & Academics (2019)
>>> Enciclopédia Agrícola Brasileira - Vol 1 - A-B de Julio Sousa pela Edusp (1995)
>>> Rainbow de Tom Clancy pela Record (2000)
>>> Educação e Empreendedorismo de Carmen Luan de Castro Dias Coelho pela Clube De Autores (2018)
>>> Las Posturas Claves En El Hatha Yog - Vol 2 de Ray Long pela Blume-acanto-naturart (2009)
>>> Filosofia da ciência: Introdução ao jogo e a suas regras de Rubem Alves pela Loyola (2015)
>>> Coleção Rock’n’roll Hambúrguer, Sorvetes & Milk-shakes de Editora Melhoramentos pela Melhoramentos (2013)
>>> Carreiras Típicas de Estado de Regina Tamami Hirose pela Fórum (2019)
>>> Guia de Nutrição Desportiva de Nancy Clark pela Artmed (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 27/12/2016
Gerald Thomas: uma autobiografia
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2900 Acessos



Tornei-me consciente de ser um – eu e a vida –, o que significava, em meu caso, buscar uma expressão artística para minha existência. A frase de Oskar Kokoschka poderia ter saído da boca de Gerald Thomas. A sua autobiografia Entre duas fileiras, editada agora pela Record, apresenta como o dramaturgo encontrou para sua vida o caminho da expressão artística. Nem a autobiografia escapou de ser, também, uma obra de arte, um exercício de escrita artística.

O que Gerald Thomas faz não é um relato de fait divers de sua vida (fait divers como o refugo desorganizado das notícias informes, segundo Barthes). Ao contrário, o que pressentimos é um mergulho do homem do presente, com suas angústias atuais, revendo o passado (e o presente) de uma forma, por vezes, impiedosa. Para ele e para os outros, como para os mundos onde viveu e vive.

GERALD THOMAS, BENVENUTO CELLINI E GOETHE

Estamos numa época narcísica, com as livrarias recheadas de biografias e autobiografias. Sintoma do caráter individualista burguês da nossa cultura selfítica? No entanto, não é de hoje que existem autobiografias, e nem sempre elas são apenas o reflexo de um narcisismo decadente. Para ficar em alguns casos célebres, temos Cellini, Goethe... e, atualmente, essa de Gerald Thomas.

CELLINI

Talvez a primeira autobiografia de um artista na história tenha sido escrita no Renascimento (sec. XVI) pelo ourives e escultor florentino Benvenuto Cellini, época onde já se havia superado o conceito medieval de que escrever as próprias memórias seria um ato de extrema vaidade. Cellini escreveu sua Vita quando o artista era sexagenário e, diferente das outras autobiografias da época, chamadas de libri di ricordanze, onde apenas se anotava a circulação financeira, batismos, casamentos, funerais etc, ou seja, registros de fatos cotidianos, sem a intensão de registrar uma determinada imagem de uma pessoa, diferente disso, Cellini acreditava estar escrevendo, ao narrar as suas memórias, uma obra literária.

Uma autobiografia, para ser importante, não deve fornecer dados apenas sobre a pessoa que escreve, ela deve ser culturalmente importante, sendo também uma reflexão sobre uma época. Outra questão que envolve a autobiografia, essa dada pelo próprio Cellini em sua justificativa de redação de suas memórias, é que são os homens que praticaram atos virtuosos, e já estando em alta idade, que devem deixar registradas suas experiências para a posteridade. Diz ele: “Todo homem que produz qualquer obra de mérito deveria, sendo sincero e honesto, escrever com o próprio punho a sua vida; mas essa empresa não deve ser encetada antes dos quarenta anos.” Em um soneto ele resumiu seu desejo: “Escrevo a minha vida acidentada// altas coisas eu fiz na minha estrada.”

Do ponto de vista da escrita, Cellini seguiu como inspiração a obra Le Vite de Giogio Vasari, mas partindo de um modelo, buscou superá-lo, opondo-se ao estilo polido da narração clássica, escrevendo uma narrativa mais espontânea e agressiva. Outra questão que chama a atenção é que sua autobiografia foi escrita depois da fundição de seu Perseu e que a segunda parte trata justamente do processo de elaboração de sua obra prima e as agruras que teve que passar até concluí-la. Ou seja, trata-se do homem virtuoso que supera as agruras da vida para terminar sua grande obra. Por isso, pode tornar sua memória pública.

GOETHE

A proclamação da individualidade dos artistas e o culto ao gênio atormentado pelo Romantismo deu impulso ao acesso à Vita de Cellini. Goethe ficou muito impressionado com a autobiografia de Cellini durante sua viagem à Itália. Não só leu como a traduziu para o alemão e prefaciou em 1796 a obra do florentino, existindo inclusive entre os críticos a ideia de que a cena de uso de necromancia em pleno Coliseu para conquistar uma mulher, presente na obra de Cellini, influenciou o Fausto. Ou seja, a autobiografia de Cellini estava presente no berço do pensamento romântico alemão.

Goethe também escreveu suas memórias, cujo título é Memórias: poesia e verdade. O objetivo de sua autobiografia foi apresentar a história de sua formação interior, do seu intelecto, e as transformações a que passou ao longo da vida. Suas emoções íntimas, no entanto, não são expostas. Segundo observa o comentador da tradução brasileira “a biografia, segundo Goethe, deve apresentar o homem em relação com sua época, determinando até que ponto a situação histórica o contraria ou favorece, que tipo de cosmovisão decorre dessa influência e – quando se trata de um artista – como suas concepções se refletem em sua obra”. O que suas memórias revelam são as circunstâncias peculiares que deram origem a cada obra, expondo impulsos interiores, influências externas e etapas vivenciais vencidas na teoria e na prática, numa inter-relação tão estreita com sua obra poética que as fronteiras entre a escritura ficcional e a autobiografia se perdem e o resultado é uma espécie de Bildungsroman da vida real.

O GÊNIO ACIMA DA LEI

Outro leitor romântico apaixonado pela Vita de Celinni foi Byron que a traduziu para o inglês, embora não tivesse publicado a sua tradução. A mais famosa tradução para o inglês foi feita por John A. Symonds. Na tradução de Symonds algumas passagens foram retiradas. Uma delas chama a atenção. A ideia do artista como gênio acima da lei é mencionada quando Cellini, acusado de assassinato, é defendido pelo Papa Paolo III nos seguintes termos: “Você não sabe que um homem como Benvenuto, único na sua profissão, não deve obrigações à lei.”

Na França a autobiografia de Cellini foi traduzida por Lamartine em 1866 e o compositor romântico Hector Berlioz compôs uma ópera em 1838 com o nome de Benvenuto Cellini. O autoretrato do artista elevado à condição de arte.

GERALD THOMAS

Chamei para esta resenha a presença de Cellini e Goethe porque vejo uma identidade entre a obra autobiográfica dos dois e a autobiografia Entre duas fileiras, de Gerald Thomas. Na verdade, no caso particular de Gerald, se acentua o que neles é apenas ainda um anúncio tímido da liberdade de expor elementos da sua intimidade e personalidade, enquanto, pensando na identidade entre os três, o que os une é a ideia de revelar a constituição de sua formação pessoal, de suas obras e a crítica ao seu próprio tempo.

A não separação entre a própria vida e a obra (não que a obra derive diretamente da vida) é o que Gerald faz mais do que os outros. A vida, e não apenas as suas obras, tratada em suas façanhas como obra de arte, ou como algo excepcional, eis o que pretende a narrativa de Thomas. Um pouco mais além, a própria escrita de suas memórias sendo elevada à categoria de construção ficcional, o tal Bildungsroman da vida real, como me referi no caso de Goethe.

Explicar sua obra, elevando a própria vida à categoria de arte, é o que Gerald Thomas parece, no fundo, buscar. A autobiografia é mais um capítulo da vida do dramaturgo, um dos momentos em que quer continuar construindo-se, só que agora de dentro para fora. Construindo-se e criando uma ficção-vida tão interessante como sua obra.



CULPEM KAFKA

A trajetória cultural de Gerald Thomas impregna sua autobiografia. A importância atribuída aos livros lidos, às obras de arte visitadas, aos artistas conhecidos e admirados revela suas opções estéticas e suas posturas frente à vida. Revela como foi afetado por todo esse manancial. A sua formação é o resultado da vivência de uma cultura que vai do clássico ao moderno e às vanguardas, do erudito ao popular, em todas as áreas de interesse: música, dança, teatro, literatura, política, filosofia, ciência, com acesso a autores como Goethe, Rembrandt, Schiller, Kafka, Gertrude Stein, Joyce, Haroldo de Campos, Schoënberg, Wagner, Freud, Beckett, Phillip Glass, Sontag, Fernanda Montenegro, Hélio Oiticica, Alban Berg, Borges, Francis Bacon, Warhol, Duchamp, Kantor, Nelson Rodrigues, Zé Celso, Led Zeppelin, Roling Stones, Deleuze, Artaud etc. Basta visitar o índice onomástico do livro para se perceber a dimensão dessa praia.

As frustrações, depressões e irrealizações são tratadas na autobiografia como parte constituinte de Gerald Thomas tanto quanto as suas realizações invejáveis. Seu lado humano é acentuado a cada página, seja confessando sua compulsão sexual, seu uso de drogas, sua vida sexual bastante variada, suas fadigas existenciais, seu tédio, seu desejo de morrer, de viver, de foder, de criar... Sempre, em seguida à narrativa desses fatos relativos à sua vida e aos seus problemas pessoais, descreve, já em um código literário, o resultado reflexivo dessas experiências. Por exemplo:

“O que importa é que a batida da vida parece ser marcada por um estranho relógio. E os ponteiros desse relógio não apontam para as realizações de alguém. Eles apontam para os desempenhos ruins, para as frustrações insolúveis e para a tristeza, e eu me pergunto porque é assim.”

Descrente da ideia de uma “realidade” (credos, guerras, ideologias, políticas falidas), Gerald Thomas dedica seu livro aos “ARTISTAS”, aqueles que fazem da arte e da utopia um compromisso. E é descrendo da “realidade” que decidiu escrever uma autobiografia não dos fatos apenas, mas a partir de sua mente atual, de seus sentimentos atuais, de suas observações críticas sobre o passado à luz do que é hoje. Por isso o caráter ficcional da escrita, esse jogo de sombra e luz sobre si mesmo, foi a forma mais apropriada para não cair numa descrição objetiva e linear dos fatos passados.

Gerald Thomas avisa aos seus leitores: “Embora meus sentimentos sejam obviamente pessoais, ao serem expressos e exteriorizados, eles passam a pertencer a vocês, e já não a mim.” A danação do leitor é também um desejo do autor. Expondo-se, está sujeito à crítica, ao ataque, ele que já sofreu todos os tipos de ataques (e todos os tipos de elogios). Mas também ataca, seja um grande músico como Luciano Berio ou apenas uma situação social por ele observada mas que não desceu pela garganta.

Sendo um “encenador de si mesmo”, aliás título de um livro sobre ele e com textos dele, Gerald sabe, ao provar da comida modernista de Rimbaud, que o artista é outro, “atuando” tanto fora como dentro da sua obra. Sua condição é a do judeu errante, envolvido na criação de um grande mosaico, gerado a partir de sua observação e participação no mundo. Como ele mesmo diz: “Este palco é meu rosto, e meu rosto é, acima de tudo, um lugar neutro, uma plataforma a partir da qual construir. Meus genitais são minhas salas de ensaio, a coxia é meu pau e minha bunda; minha mente, um mosaico abrangente de imagens se desdobrando em palavras, palavras, palavras sendo ditas”.

Esta autobiografia tende a ser polêmica, como sempre foi seu autor. Mas isso é a ponta do iceberg. Gerald é uma espécie de discípulo de Andy Warhol. Sabe que um pouco de lama faz bem para a fama. Sob a ponta do iceberg, existe, no entanto, um mundo de criação tão importante quanto esses “descaminhos do demo”. A polêmica é apenas “o tiro durante o concerto”, não tem nada a ver com a música, mas nos chama a atenção. Mas logo passa, e o que fica é um universo mais amplo de criatividade.

Como bem disse Fernanda Montenegro: “Gerald Thomas existe por sua qualidade demolidora, por sua inconstância, por seu inconformismo (...) por ser um monstro de criatividade, por sua diabólica, eterna e inconformada Arte.”

Autobiografia como um retrato esfumado da existência interior (e externamente tumultuada) de um criador ousado, jamais tranquilizado por nada, que atordoou o teatro e a crítica brasileira com suas intervenções excepcionais, com um referencial de vanguarda que ora encenava Beckett, Kafka ou Wagner, como sua própria produção, também ousada.

A generosidade de Gerald Thomas suplanta sua vaidade (como não ser vaidoso com tamanha produção?). Pegue-se o caso da adoração do dramaturgo pelo poeta Haroldo de Campos (que era grande admirador do seu teatro). São infinitas as vezes em que Gerald Thomas expõe publicamente sua profunda admiração por Haroldo de Campos. Escandaliza-se com o fato de que um gênio desse porte tenha recebido (ou receba) um tratamento tão acanhado no Brasil. Como se a ausência de uma estátua em praça pública do poeta fosse um atentado suicida contra o próprio processo civilizatório do país - desse país que renega seus grandes talentos. Na autobiografia registra seu interesse pelo poeta que chamou de o “Fausto brasileiro”: “A vontade de conhecer Haroldo era mais que um capricho ou fascinação que eu sentia por sua obra. Era profundamente importante para mim. Eu queria saber como ele se sentava, como bebia, e queria ouvir sua respiração.”

Atravessa aqui e acolá na autobiografia a verve pessimista do autor (a visão de quem viu a cara do mundo e conhece sua história e sabe de suas malditas tragédias diárias... centenárias, milenares). Diz Gerald: “O mundo de Fausto nos afeta em grande parte porque expõe nossa vulnerabilidade de merda e nossas vidas dispensáveis de merda.”

Vulnerabilidade que quase o levou à morte, numa tentativa (ainda bem que fracassada) de suicídio. Descrença absoluta nos rumos do mundo, da própria vida, do resultado de sua arte? Não fica claro na autobiografia. Mas juntando-se os fatos relatados na obra e como Gerald Thomas os percebe, as suas contrariedades pessoais (como artista), ter que aturar a cafonice do mundo atual, amigos que desaparecem, as traições, o consumir-se nas notícias diárias dos assassinatos de guerra e fome... diante de um artista à flor da náusea, o que resta?

A verve literária continua, ao longo do riverrun autobiográfico, em escritos irônicos como o seguinte, que traduz de alguma forma o lugar que ocupamos no mundo, esse mundo que ele ama e odeia em igual intensidade. Com esse texto visionário, terminamos nossa resenha:

“As janelas OLHAM de volta porque, no século XXI, cada janela olha para outra janela. E, na OUTRA janela, existe um ser, como eu, olhando para fora e se perguntando.

E, notando os milhões de olhos olhando para o nada e contemplando O TEMPO, o tempo da Terra, o tempo passando por nós nesta Terra, eu...

Eu mesmo. Meu rosto se obliterando.

A janela também se pergunta, me olhando nos olhos, pois o que é aquilo que vejo refletido nela?

Eu mesmo, e meu rosto, o tempo todo.

E que mentira tem sido isso.

Tchau.

Adeus e obrigado por permitirem que eu existisse – brevemente – entre vocês.

O FIM???

É claro que não.

Se precisarem de uma pausa para banheiro, drinques, e assim por diante...

Fiquem à vontade! Dez minutos, e estaremos de volta.”



PARA IR ALÉM:

Para um conhecimento mais objetivo da trajetória artística de Gerald Thomas recomendo o livro Gerald Thomas: cidadão do mundo, organizado por Edi Botelho.

Para uma discussão sobre a questão da autobiografia do artista Cellini, que consultei para essa resenha, indico a tese de Taís de Freitas Souza, A autobiografia de Benvenuto Cellini no Brasil do século XX, defendida na USP.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
02. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fragmentos sobre as Relações Nipo-brasileiras no pós-guerra
Paulo Yokota
Topbooks
(1997)



2º Prêmio Caixa Melhores Práticas Em Gestão Local - 2001 / 2002
Indisponível
Caixa Econômica Federal
(2002)



Trem Bom É Coisa Boa (que Não Se Perde Não)
Márcia Batista
Mazza
(1993)



Neoliberalismo sim ou não?
Gregório Iriarte
Paulinas
(1995)



É Tudo Verdade Its All True - 4º Festival Documentários
Amir Labaki Diretor
Ccbb Sesc
(1999)



Mahatma Gandhi Personagens Que Marcaram época
Marleine Cohen
Globo
(2006)



Imposto de Renda das Empresas Interpretação e Prática
Hiromi Higuchi Fábio Hiroshi Higuchi
Atlas
(1993)



Petroladrões - a História do Saque à Petrobras
Ivo Patarra
Vide
(2016)



Dulcina e o Teatro de seu tempo
Sérgio Viotti
Lacerda
(1987)



O Noviço Coleção o Globo
Martins Penna
Klick/o Globo
(1997)





busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês