Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 16/6/2020
Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
Renato Alessandro dos Santos
+ de 3100 Acessos

Quincas Borba é um romance estranho. A começar pelo título: que história é essa de Joaquim Borba dos Santos, Quincas 1, bater as botas logo ao início da trama e, de repente, um enfermeiro, Rubião, ex-professor e néscio, subir ao palco, assumindo o protagonismo, amparado por Sofia e seu LEGO, o Palha, oportunista até o roer dos ossos? Ou seria o cão, Quincas 2, o verdadeiro merecedor da homenagem de Joaquim Maria Machado de Assis, o Mestre dos Magos do Cosme Velho, que sem minar a importância do rafeiro alça-o à condição de razão social – se é que algo assim é possível – quando era só o nome fantasia da empresa? Na última página, aquele narrador onisciente impecável – voltaremos a ele – pergunta o que a gente acha disso, mas não dá uma resposta capaz de sossegar o espírito confuso dos leitores, e ficamos sem saber se é o cão ou se é o homem que, através do espelho, recebe tal honraria do brujo. O que vocês acham, Ursa Maior e Urso do Cabelo Duro?


Eu, se me perguntasse, diria, “Os dois, oras”, mas é um chute apenas; um chute que, se vai na direção do gol e contando com a boa vontade do arqueiro, pode dar certo e virar golo. Até Rubião imagina que o humanitas vai lá dentro do animal, ocupando a alma do bicho. Ao vencedor, as batatas fritas! Mas deixemos essa questão onde está, isto é, no lugar onde as perguntas sem respostas repousam, rutilando que nem as estrelas que, de lá da Via Láctea, nestes tempos de pandemia, fazem lives apenas aos apaixonados ― como grifou Bilac. Questões sem respostas? A quem atravessa outro romance de Machado, Dom Casmurro, ao final da peleja, a pergunta fica lá, na retina do leitor (Capitu: traiu ou não?), e, ao lado dela, decerto fica Quincas 1, pensando em batatinhas que se esparramam pelo chão, enquanto Quincas 2 gira, gira, sem nunca alcançar o próprio rabo, como sói acontecer. Vai entender. A gente sabe que a obra machadiana nunca circulou ao rés do chão, sempre volitando – sideritas que preferem o percurso inesperado ao GPS incapaz de oferecer qualquer transtorno. É Garrincha Pernas Tortas em campo e Machado dirigindo tudo, diretamente do estúdio; até Brás Cubas aparece, tocando a bola num único e decisivo lance. Um clássico.

Vamos ao derby.

Rubião ama Sofia, que ama Palha, que ama "publicar" a mulher: nos bailes, o marido gosta que outros mirem a esposa, desejando-a, mas sem que consigam que ela lhes dê a menor bola. Ao menos até que surge Carlos Maria, um Fitzwilliam Darcy meio deslocado aqui nos trópicos e que é mais apaixonado por si mesmo do que por qualquer outra pessoa. Sofia não tem a menor chance. Do adultério, que não se concretiza, o máximo que conseguem, juntos, é formar uma rima: Carlos Maria e Sofia, como tão bem ressalta o narrador. Não passa disso. Não porque ela não queira, ou ele, mas ambos são tão autossuficientes que, claro, se bastam. Carlos Maria é Narciso, enquanto Sofia, por dentro, não é grande coisa, para tristeza dela mesma. Mesmo assim, as figuras geométricas surgem, e estão menos para um triângulo e – mais – para um quadrado: Sofia, Palha, Carlos Maria e Rubião, eis o quarteto fantástico no sofá da sala especial, e nas mãos de Joaquim Maria agonizam.


Quincas Borba é um grande Machado, e o mérito recai sobre o narrador, que está à vontade, acompanhando tudo, de bermuda e Havaianas, de lá da salinha VIP, de onde mergulha até chegar aos fundilhos dos trapézios de todos os personagens que, aguardando, revelam o amor, a inveja, a vaidade, a cobiça, a paixão e a loucura que habitam a gira moringa deles. O narrador, por conta da correria de acontecimentos que se atropelam, nunca descuida da leitora e do leitor, chamando-os sempre para perto de si, onde rapidamente, aos seus pés, nos aconchegamos. É como se, em vez de ler, ouvíssemos uma história, enquanto o bruxo gago carioca, de cartola e tudo, vai tirando e atirando os coelhos à plateia, que se anima, aplaudindo.

Sem contar que Machado, quando quer ser engraçado...


"Era uma vez uma choupana que ardia na estrada; a dona, – um triste molambo de mulher, – chorava o seu desastre, a poucos passos, sentada no chão. Senão quando, indo a passar um homem ébrio, viu o incêndio, viu a mulher, perguntou-lhe se a casa era dela.
– É minha, sim, meu senhor; é tudo o que eu possuía neste mundo.
– Dá-me então licença que acenda ali o meu charuto?"


Este é o capítulo XXXX de Quincas Borba, que, como outros capítulos de sua alma gêmea (o romance Memórias póstumas de Brás Cubas), não é moroso ou sem por quê. É que sempre há aquele carinhoso contato de cílios aos leitores. É um expediente que, com Machado, é sempre bem-vindo. Eis um ótimo romance do bruxo que, na lista da Fuvest por três anos, só vai fazer aumentar o número de leitores que, de um lado a outro, vão perseguir Rubião e Cia., mesmo que, ao final, fiquem sem saber se, no título, vai Joaquim Borba dos Santos ou o cão. Será que faz frio na Catalunha?

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras. A ilustração acima é de Rodrigo Caldas e foi feita especialmente para o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 16/6/2020

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
03. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
04. Os defeitos meus - 15/12/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês