Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
COLUNAS

Terça-feira, 16/6/2020
Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2300 Acessos

Quincas Borba é um romance estranho. A começar pelo título: que história é essa de Joaquim Borba dos Santos, Quincas 1, bater as botas logo ao início da trama e, de repente, um enfermeiro, Rubião, ex-professor e néscio, subir ao palco, assumindo o protagonismo, amparado por Sofia e seu LEGO, o Palha, oportunista até o roer dos ossos? Ou seria o cão, Quincas 2, o verdadeiro merecedor da homenagem de Joaquim Maria Machado de Assis, o Mestre dos Magos do Cosme Velho, que sem minar a importância do rafeiro alça-o à condição de razão social – se é que algo assim é possível – quando era só o nome fantasia da empresa? Na última página, aquele narrador onisciente impecável – voltaremos a ele – pergunta o que a gente acha disso, mas não dá uma resposta capaz de sossegar o espírito confuso dos leitores, e ficamos sem saber se é o cão ou se é o homem que, através do espelho, recebe tal honraria do brujo. O que vocês acham, Ursa Maior e Urso do Cabelo Duro?


Eu, se me perguntasse, diria, “Os dois, oras”, mas é um chute apenas; um chute que, se vai na direção do gol e contando com a boa vontade do arqueiro, pode dar certo e virar golo. Até Rubião imagina que o humanitas vai lá dentro do animal, ocupando a alma do bicho. Ao vencedor, as batatas fritas! Mas deixemos essa questão onde está, isto é, no lugar onde as perguntas sem respostas repousam, rutilando que nem as estrelas que, de lá da Via Láctea, neste tempos de pande-mia, fazem lives apenas aos apaixonados ― como grifou Bilac. Questões sem respostas? A quem atravessa outro romance de Machado, Dom Casmurro, ao final da peleja, a pergunta fica lá, na retina do leitor (Capitu: traiu ou não?), e, ao lado dela, decerto fica Quincas 1, pensando em batatinhas que se esparramam pelo chão, enquanto Quincas 2 gira, gira, sem nunca alcançar o próprio rabo, como sói acontecer. Vai entender. A gente sabe que a obra machadiana nunca circulou ao rés do chão, sempre volitando – sideritas que preferem o percurso inesperado ao GPS incapaz de oferecer qualquer transtorno. É Garrincha Pernas Tortas em campo e Machado dirigindo tudo, diretamente do estúdio; até Brás Cubas aparece, tocando a bola num único e decisivo lance. Um clássico.

Vamos ao derby.

Rubião ama Sofia, que ama Palha, que ama "publicar" a mulher: nos bailes, o marido gosta que outros mirem a esposa, desejando-a, mas sem que consigam que ela lhes dê a menor bola. Ao menos até que surge Carlos Maria, um Fitzwilliam Darcy meio deslocado aqui nos trópicos e que é mais apaixonado por si mesmo do que por qualquer outra pessoa. Sofia não tem a menor chance. Do adultério, que não se concretiza, o máximo que conseguem, juntos, é formar uma rima: Carlos Maria e Sofia, como tão bem ressalta o narrador. Não passa disso. Não porque ela não queira, ou ele, mas ambos são tão autossuficientes que, claro, se bastam. Carlos Maria é Narciso, enquanto Sofia, por dentro, não é grande coisa, para tristeza dela mesma. Mesmo assim, as figuras geométricas surgem, e estão menos para um triângulo e – mais – para um quadrado: Sofia, Palha, Carlos Maria e Rubião, eis o quarteto fantástico no sofá da sala especial, e nas mãos de Joaquim Maria agonizam.


Quincas Borba é um grande Machado, e o mérito recai sobre o narrador, que está à vontade, acompanhando tudo, de bermuda e Havaianas, de lá da salinha VIP, de onde mergulha até chegar aos fundilhos dos trapézios de todos os personagens que, aguardando, revelam o amor, a inveja, a vaidade, a cobiça, a paixão e a loucura que habitam a gira moringa deles. O narrador, por conta da correria de acontecimentos que se atropelam, nunca descuida da leitora e do leitor, chamando-os sempre para perto de si, onde rapidamente, aos seus pés, nos aconchegamos. É como se, em vez de ler, ouvíssemos uma história, enquanto o bruxo gago carioca, de cartola e tudo, vai tirando e atirando os coelhos à plateia, que se anima, aplaudindo.

Sem contar que Machado, quando quer ser engraçado...


"Era uma vez uma choupana que ardia na estrada; a dona, – um triste molambo de mulher, – chorava o seu desastre, a poucos passos, sentada no chão. Senão quando, indo a passar um homem ébrio, viu o incêndio, viu a mulher, perguntou-lhe se a casa era dela.
– É minha, sim, meu senhor; é tudo o que eu possuía neste mundo.
– Dá-me então licença que acenda ali o meu charuto?"


Este é o capítulo XXXX de Quincas Borba, que, como outros capítulos de sua alma gêmea (o romance Memórias póstumas de Brás Cubas), não é moroso ou sem por quê. É que sempre há aquele carinhoso contato de cílios aos leitores. É um expediente que, com Machado, é sempre bem-vindo. Eis um ótimo romance do bruxo que, na lista da Fuvest por três anos, só vai fazer aumentar o número de leitores que, de um lado a outro, vão perseguir Rubião e Cia., mesmo que, ao final, fiquem sem saber se, no título, vai Joaquim Borba dos Santos ou o cão. Será que faz frio na Catalunha?

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras. A ilustração acima é de Rodrigo Caldas e foi feita especialmente para o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 16/6/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
02. Demorou de Eduardo Carvalho


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
02. Os defeitos meus - 15/12/2020
03. Meu malvado favorito - 22/9/2020
04. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grã Bretanha na Nova Fase da Impressão e da Embalagem;
Revista Remag, Nº 113, Ano Xi de 1974
Métodos
(1974)



Diccionario Practico de Sinonimos y Antonimos
Armando Ghio
Do Autor
(1968)



Gestão de Pessoas: uma Vantagem Competitiva?
Maria Zélia de a Souza e Vera Lúcia de Souza
Fgv
(2016)



Pauixão, Paixão
Munir Guérios
Nagycolor
(1991)



Conselhos Municipais de Educação: Organização e Atribuições Nos
Bertha de Borja R do Valle e Maria C Chaves
Quartet
(2012)



A Mala Encantada
Hans Christian Andersen
Prazer de Ler
(2010)



Guia Azul
Lourival Gomes
Brasvias (sp)



Papos de Anjo
Sylvia Orthof
Galera Junior
(2014)



Lecture et Prise de Notes: Gestion Mentale et Acquisition de Meth
Brigitte Chevalier
Armand Colin
(1992)



Chimie Term S
André Durupthy
Hachette
(1995)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês