Um grande romance para leitores de... poesia | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 14/7/2020
Um grande romance para leitores de... poesia
Renato Alessandro dos Santos
+ de 3300 Acessos

Acabei de ler Os detetives selvagens. Dizer que é o Ulisses ou o Visões de Cody de Roberto Bolaño seria exagero; ao menos com Joyce, embora o romance de Kerouac não fique atrás. A leitura levou dias, semanas, meses, talvez até mais de um ano. Lia-o e ia intercalando-o com outras páginas. Não tinha pressa. Vieram obrigações inadiáveis, projetos e outros arcabouços, mas, hoje, acabei de ler Os detetives selvagens, de Roberto Bolaño.


Quando terminei a leitura, deitado que estava, ouvindo The rise & fall of the third stream, o livro foi encaixar-se entre meu queixo e meu peito. Mirava a parede branca, enquanto a visão periférica não se esquecia da janela à direita – janela cuja imagem, neste momento, traz pra mim, num relâmpago, a última página de Os detetives selvagens, e chegar ao last but not least parágrafo de um romance, brindado pelo autor com o desenlace surpreendente que ele nos dá, levantando a taça, é algo que a literatura sabe oferecer como nenhuma outra forma de expressão artística. Lembrei de uma leitura recente de Eça (A relíquia), mas seria uma comparação disparatada não fosse apenas no sentido de atrelar duas obras que oferecem uma recompensa, um brinde à saúde do leitor, congratulando-o pela viagem. É que Teodorico Raposo, prestes a despencar, vive aquele clímax queirosiano que Eça tão bem sabia oferecer aos leitores.

Daqueles quebra-cabeças que, com a última peça, fazem sentido, a vereda de Os detetives selvagens expande-se por 622 páginas e é dividida em três partes. A primeira é narrada por Juan García Madero, estudante de 17 anos que entra para o grupo dos reais-visceralistas – poetas que se organizam ao redor de dois rebeldes: Arturo Belano e Ulises Lima. São os principais personagens do romance de Bolaño e são, também, dois eclipses sombreando toda a segunda parte não mais narrada por Madero, mas por nada menos que 50 personagens que, na sucessão de depoimentos, vão dando pistas sobre o paradeiro de Belano e Lima. Haja alteridade. Se a primeira parte ocupa-se dos dois últimos meses de 1976 e passa-se no DF (Distrito Federal), no México, os 50 personagens cobrem um período que vai de 1976 a 1996 e estão também na Espanha, nos EUA, mas principalmente no país da tequila, dos tacos e de Octavio Paz.


A última parte retorna, exatamente, ao fim da primeira, e encontramos Belano, Lima, Madero e Lupe fugindo de um cafetão e seguindo para os desertos de Sonora, no México. Durante pouco mais de um mês, eles estarão em busca do paradeiro de Césarea Tinajero, poeta que, supostamente, desapareceu numa bruma de mistério, sem mais nem menos, feito Rimbaud. Foi ela ícone dos visceralistas originais, grupo vanguardista de poetas dos anos 1920 – e, de supetão, está invertida a fórmula de se contar uma história de detetives, porque, embora o leitor tenha de unir as pontas, como em toda boa narrativa de mistério, não é um crime que motiva todas as peripécias que a última parte deixa, mas – sério – entender o que está acontecendo. Não ri, leitora. Porque há na narrativa de Bolaño todos os indícios de que o autor, cirurgicamente, sabe o que faz e, por isso, não faz sentido desistir do virar de páginas, mesmo que a duração leve meses. Genial Bolaño, pois é justamente a terceira parte que ilumina tudo, e é aquela surpresa que cada descoberta traz que premia os leitores ao final, e só tal pinhata já seria motivo de sobra para se deixar levar por cada uma das centenas de páginas do romance. É uma das últimas grandes narrativas deste limiar entre a cultura dos livros e a rapidez tecnológica de novas plataformas e formas de leitura, algo que, nessa modernidade apressada, pode inviabilizar a produção mais caudalosa dos romancistas atuais, mas que, de Bolaño, não recebe concessão, que o digam as imperdíveis 852 páginas que outra de suas obras, 2666, tem. É um autor para leitores de fôlego; é um autor já falecido precocemente mas que pôde deixar um espólio onde mais livros vêm surgindo, para a alegria de todos os leitores que – caminhando por Os detetives selvagens e admirados da destreza técnica do autor e das possibilidades criativas que sua literatura oferece – têm consciência de que, a cada página virada, restará, um dia, a última de Bolaño a ser sorvida ― sorvida com, com pleonasmo literário e tudo, contente contentamento.

Bolaño vive; em seus livros, Bolaño vive, para admiração de leitores que mantêm acesos projetos de leitura capazes de esgotar toda a literatura dele. Toda. Toda uma literatura que é capaz de capturar nada menos que os subterrâneos de nossa vida contemporânea.

Fica assim então. O autor chileno espera ali, nos intervalos de leitura de Os detetives selvagens, esse romance engenhoso que trata, acima de tudo, de... poesia – sim, poesia – aquela espécie mágica de versos cuja verve remete às mais altas esferas do pensamento, lá onde a imaginação vive à altura de arranha-céus – fruto das mais “soberbas pontes e edifícios”, como sugere Drummond a respeito do engenho e da arte de toda a gente naquele admirável verso de Claro enigma.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras. A ilustração acima é de Rodrigo Caldas e foi feita especialmente para o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 14/7/2020

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
03. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
04. Os defeitos meus - 15/12/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Antologia Poética (ed de Bolso)
Vinicius de Moraes
Companhia de Bolso
(2010)



Cadernos de Pagu / Trânsitos
Adriana Piscitelli e Marcia Vasconcelos
Unicamp
(2008)



What a Carve Up
Jonathan Coe
Penguin Books
(1994)



Educando para a Vida - Sexualidade e Saúde
Dr. Vagner Lapate
Sttima
(1998)



Rebeca e Sua Rabeca
Celso Sisto
Salesiana
(2009)



Conhecimento Empresarial
Davenport & Prusak
Campus
(1999)



Muito Além das Fronteiras (1997)
Thereza Mattos
Universalista
(1997)



Construtivismo: Fundamentos e Práticas
Maria de Lourdes Carvalho
Lisa Sa
(1993)



Janela Janelinha - Coisas Que Andam
Vera Pereira
Girassol
(2016)



Sons dos Animais - Fofudo, o Coelho
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês