Um grande romance para leitores de... poesia | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> No rala-rala
>>> Guerra de Egos
>>> Duas noites, dois momentos culturais
>>> Falta alguma coisa ali no meio
Mais Recentes
>>> Creative Divorce de Mel Krantzler pela A Signet Book (1975)
>>> Letras de Músicas Cavc Idiomas 2º Semestre 1999 de Vários Autores pela Cavc Idiomas (1999)
>>> Cinquanta sfumature di rosso de E L James pela Mondadori (2012)
>>> Diccionario de Bolsillo Portugués - Español - Español - Portugués de Lexicon Sopena pela Ramón Sopena (1978)
>>> Hausbuch fur die deutsche familie de Frankfurt pela Standesamtswesen (1956)
>>> Um Cidadão do Mundo que Ama a Paz de Sun Myung Moon pela Parma Gráfica (2012)
>>> Rainer Maria Rilke de J. F. Angelloz pela Nymphenburger Verlagshandlung - munchen (1955)
>>> Seleções de Livros 3 em 1 de Varios autores pela Reader's Digust
>>> Deutsch Fur Auslander 2 de Hermann Kessier pela Leichte (1955)
>>> Die jungfrau von orleans de Schiller pela Reclam (1961)
>>> Spider's Web de Agatha Christie pela Samuel French (2011)
>>> Elelal all - Uenekus de José Nicolau Gregorin Filho pela Falenica Book (1967)
>>> Venha até nós de Corporation of the president of the church of jesus christ pela Corporation of the president of the church of jesus christ (1988)
>>> Vinte Suratas do Alcorão de Samir El Hayek pela Samir El Hayek
>>> Our perfomance in 2010 de Ubs pela Ubs (2010)
>>> Ano acadêmico de 1984 de Faculdade de teologia nossa senhora da assunção pela Faculdade de teologia nossa senhora da assunção (1984)
>>> Sidur para Minchá e Cabalat Shabat Zichron Nissim de Vários Autores pela Sinagoga de moema
>>> Sujeito: da sintaxe ao discurso de Eunice Souza Lima Pontes pela Ática (1986)
>>> Comentários sobre purim e Meguilat Ester transliteraria de Congregação Mekor Haim pela Congregação Mekor Haim
>>> O Novo Testamento de Nosso Senhor Jesus Cristo de Os Gideões Internacionais pela Os Gideões Internacionais (1987)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 7 de Vários Autores pela Amorc
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 5 e 6 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Cidade dos ossos de Cassandra Clare pela Galera (2021)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 1,2 3 e 4 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Novo Testamento de Ave-maria pela Ave-maria (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 14/7/2020
Um grande romance para leitores de... poesia
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2800 Acessos

Acabei de ler Os detetives selvagens. Dizer que é o Ulisses ou o Visões de Cody de Roberto Bolaño seria exagero; ao menos com Joyce, embora o romance de Kerouac não fique atrás. A leitura levou dias, semanas, meses, talvez até mais de um ano. Lia-o e ia intercalando-o com outras páginas. Não tinha pressa. Vieram obrigações inadiáveis, projetos e outros arcabouços, mas, hoje, acabei de ler Os detetives selvagens, de Roberto Bolaño.


Quando terminei a leitura, deitado que estava, ouvindo The rise & fall of the third stream, o livro foi encaixar-se entre meu queixo e meu peito. Mirava a parede branca, enquanto a visão periférica não se esquecia da janela à direita – janela cuja imagem, neste momento, traz pra mim, num relâmpago, a última página de Os detetives selvagens, e chegar ao last but not least parágrafo de um romance, brindado pelo autor com o desenlace surpreendente que ele nos dá, levantando a taça, é algo que a literatura sabe oferecer como nenhuma outra forma de expressão artística. Lembrei de uma leitura recente de Eça (A relíquia), mas seria uma comparação disparatada não fosse apenas no sentido de atrelar duas obras que oferecem uma recompensa, um brinde à saúde do leitor, congratulando-o pela viagem. É que Teodorico Raposo, prestes a despencar, vive aquele clímax queirosiano que Eça tão bem sabia oferecer aos leitores.

Daqueles quebra-cabeças que, com a última peça, fazem sentido, a vereda de Os detetives selvagens expande-se por 622 páginas e é dividida em três partes. A primeira é narrada por Juan García Madero, estudante de 17 anos que entra para o grupo dos reais-visceralistas – poetas que se organizam ao redor de dois rebeldes: Arturo Belano e Ulises Lima. São os principais personagens do romance de Bolaño e são, também, dois eclipses sombreando toda a segunda parte não mais narrada por Madero, mas por nada menos que 50 personagens que, na sucessão de depoimentos, vão dando pistas sobre o paradeiro de Belano e Lima. Haja alteridade. Se a primeira parte ocupa-se dos dois últimos meses de 1976 e passa-se no DF (Distrito Federal), no México, os 50 personagens cobrem um período que vai de 1976 a 1996 e estão também na Espanha, nos EUA, mas principalmente no país da tequila, dos tacos e de Octavio Paz.


A última parte retorna, exatamente, ao fim da primeira, e encontramos Belano, Lima, Madero e Lupe fugindo de um cafetão e seguindo para os desertos de Sonora, no México. Durante pouco mais de um mês, eles estarão em busca do paradeiro de Césarea Tinajero, poeta que, supostamente, desapareceu numa bruma de mistério, sem mais nem menos, feito Rimbaud. Foi ela ícone dos visceralistas originais, grupo vanguardista de poetas dos anos 1920 – e, de supetão, está invertida a fórmula de se contar uma história de detetives, porque, embora o leitor tenha de unir as pontas, como em toda boa narrativa de mistério, não é um crime que motiva todas as peripécias que a última parte deixa, mas – sério – entender o que está acontecendo. Não ri, leitora. Porque há na narrativa de Bolaño todos os indícios de que o autor, cirurgicamente, sabe o que faz e, por isso, não faz sentido desistir do virar de páginas, mesmo que a duração leve meses. Genial Bolaño, pois é justamente a terceira parte que ilumina tudo, e é aquela surpresa que cada descoberta traz que premia os leitores ao final, e só tal pinhata já seria motivo de sobra para se deixar levar por cada uma das centenas de páginas do romance. É uma das últimas grandes narrativas deste limiar entre a cultura dos livros e a rapidez tecnológica de novas plataformas e formas de leitura, algo que, nessa modernidade apressada, pode inviabilizar a produção mais caudalosa dos romancistas atuais, mas que, de Bolaño, não recebe concessão, que o digam as imperdíveis 852 páginas que outra de suas obras, 2666, tem. É um autor para leitores de fôlego; é um autor já falecido precocemente mas que pôde deixar um espólio onde mais livros vêm surgindo, para a alegria de todos os leitores que – caminhando por Os detetives selvagens e admirados da destreza técnica do autor e das possibilidades criativas que sua literatura oferece – têm consciência de que, a cada página virada, restará, um dia, a última de Bolaño a ser sorvida ― sorvida com, com pleonasmo literário e tudo, contente contentamento.

Bolaño vive; em seus livros, Bolaño vive, para admiração de leitores que mantêm acesos projetos de leitura capazes de esgotar toda a literatura dele. Toda. Toda uma literatura que é capaz de capturar nada menos que os subterrâneos de nossa vida contemporânea.

Fica assim então. O autor chileno espera ali, nos intervalos de leitura de Os detetives selvagens, esse romance engenhoso que trata, acima de tudo, de... poesia – sim, poesia – aquela espécie mágica de versos cuja verve remete às mais altas esferas do pensamento, lá onde a imaginação vive à altura de arranha-céus – fruto das mais “soberbas pontes e edifícios”, como sugere Drummond a respeito do engenho e da arte de toda a gente naquele admirável verso de Claro enigma.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras. A ilustração acima é de Rodrigo Caldas e foi feita especialmente para o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 14/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O cão da meia-noite de Gian Danton
02. A jornada do herói de Gian Danton
03. O humor no divã de Freud de Carina Destempero
04. A vida muda no ponto de Elisa Andrade Buzzo
05. Pensar Não é Viver de Carina Destempero


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
02. Os defeitos meus - 15/12/2020
03. Meu malvado favorito - 22/9/2020
04. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020
05. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
Wanderley Oliveira
Dufaux
(2012)



Cândido Ou o Otimista
Voltaire
Abril
(2010)



Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos
Rubem Fonseca
Circulo do Livro



Direito Processual Civil
Eduardo Arruda Alvim
Rt
(2008)



Doença Valvar Com Cd
Max Grinbert - Roney Orismar Sampaio
Manole
(2006)



Encontre Deus na Cabana
Randal Rauser
Planeta
(2010)



Crítica da Razão Prática - 1ª Edição - Coleção Pensamento Humano
Immanuel Kant
Vozes
(2016)



Caminheiros
Iron Junqueira
Ceia
(1973)



O Buda e o Executivo - 1ª Edição
Franz Metcalf, Bj Gallagher
Cultrix
(2014)



Como Escutar um Geminiano - 1ª Edição
Mary English
Pensamento
(2014)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês