Um grande romance para leitores de... poesia | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
60303 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> A terra das oportunidades
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Sudório dormiu na despensa
>>> A Mulher-mais-ou-menos
>>> Por que Harry Potter é boa literatura
>>> Cabeça de Francis
>>> Eat the Rich
Mais Recentes
>>> O Que Aconteceu na Historia de V. Gordon Childe pela Zahar (1977)
>>> Sociologia da Administração de Eva Maria Lakatos pela Atlas (1997)
>>> Educação & Sociedade: Ilusão Política Desilusão Pedagógica de Vários pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Manual para Viajantes - o Passaporte para Viagens Perfeitas de Teresinha Costa pela Bom Texto (2003)
>>> A Cidade Antiga de Fustel de Coulanges pela Edipro (2009)
>>> A Tatuagem de Dragão de Thomas Brezina pela Atica (2007)
>>> A Educação Musical e o Novo Paradigma Moema de Moema Craveiro Campos pela Enelivros (2000)
>>> Mister God, This is Anna de Fynn pela Ballantine (1976)
>>> Droga: a fina flor do crime de Clara Amélia e Antonio M Costa pela Jornal Paulista (1987)
>>> O Monge e o Executivo uma História Sobre a Essência da Liderança de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> O Benfeitor de Susan Sontag pela L&pm (1989)
>>> Blade - a Lâmina do Imortal - Nº 11 de Hiroaki Samura pela Conrad (2004)
>>> Almanaque Abril - II Guerra Mundial 60 Anos - 4 Volumes Encadernados de Abril pela Abril
>>> Maturidade e Estagnação no Capitalismo Americano - Col. os Economistas de Josef Steindl pela Abril (1983)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1982)
>>> Morrer Bem de Isa Fonnegra de Jamarillo pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Estados e Mercados - os Estados Unidos e o Sistema Multilateral... de Sebastião Carlos Velasco e Cruz pela Unesp (2017)
>>> O Neofreudismo a Procura da Verdade de V. I. Dobrenkov pela Civilização Brasileira (1978)
>>> A Sociedade Planetária de Marcio Bontempo pela Best Seller (1991)
>>> Meus Demônios de Edgar Morin pela Bertrand Brasil (1997)
>>> Cultivo de Camarões de Água Doce de Wagner C. Valenti pela Nobel (1985)
>>> 30 Sonetos de William Shakespeare pela Nova Fronteira (1991)
>>> Talento 15: Marketing Promocional - Fotografia, Design, Ilustração de Vários Autores pela Talento
>>> Direito Tributario Contemporâneo Homenagem a Geraldo Ataliba de Aires Fernandino Barreto pela Malheiros (2011)
>>> Reanimator de H. P. Lovecraft; Juscelino Neco pela Veneta (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 14/7/2020
Um grande romance para leitores de... poesia
Renato Alessandro dos Santos

+ de 3100 Acessos

Acabei de ler Os detetives selvagens. Dizer que é o Ulisses ou o Visões de Cody de Roberto Bolaño seria exagero; ao menos com Joyce, embora o romance de Kerouac não fique atrás. A leitura levou dias, semanas, meses, talvez até mais de um ano. Lia-o e ia intercalando-o com outras páginas. Não tinha pressa. Vieram obrigações inadiáveis, projetos e outros arcabouços, mas, hoje, acabei de ler Os detetives selvagens, de Roberto Bolaño.


Quando terminei a leitura, deitado que estava, ouvindo The rise & fall of the third stream, o livro foi encaixar-se entre meu queixo e meu peito. Mirava a parede branca, enquanto a visão periférica não se esquecia da janela à direita – janela cuja imagem, neste momento, traz pra mim, num relâmpago, a última página de Os detetives selvagens, e chegar ao last but not least parágrafo de um romance, brindado pelo autor com o desenlace surpreendente que ele nos dá, levantando a taça, é algo que a literatura sabe oferecer como nenhuma outra forma de expressão artística. Lembrei de uma leitura recente de Eça (A relíquia), mas seria uma comparação disparatada não fosse apenas no sentido de atrelar duas obras que oferecem uma recompensa, um brinde à saúde do leitor, congratulando-o pela viagem. É que Teodorico Raposo, prestes a despencar, vive aquele clímax queirosiano que Eça tão bem sabia oferecer aos leitores.

Daqueles quebra-cabeças que, com a última peça, fazem sentido, a vereda de Os detetives selvagens expande-se por 622 páginas e é dividida em três partes. A primeira é narrada por Juan García Madero, estudante de 17 anos que entra para o grupo dos reais-visceralistas – poetas que se organizam ao redor de dois rebeldes: Arturo Belano e Ulises Lima. São os principais personagens do romance de Bolaño e são, também, dois eclipses sombreando toda a segunda parte não mais narrada por Madero, mas por nada menos que 50 personagens que, na sucessão de depoimentos, vão dando pistas sobre o paradeiro de Belano e Lima. Haja alteridade. Se a primeira parte ocupa-se dos dois últimos meses de 1976 e passa-se no DF (Distrito Federal), no México, os 50 personagens cobrem um período que vai de 1976 a 1996 e estão também na Espanha, nos EUA, mas principalmente no país da tequila, dos tacos e de Octavio Paz.


A última parte retorna, exatamente, ao fim da primeira, e encontramos Belano, Lima, Madero e Lupe fugindo de um cafetão e seguindo para os desertos de Sonora, no México. Durante pouco mais de um mês, eles estarão em busca do paradeiro de Césarea Tinajero, poeta que, supostamente, desapareceu numa bruma de mistério, sem mais nem menos, feito Rimbaud. Foi ela ícone dos visceralistas originais, grupo vanguardista de poetas dos anos 1920 – e, de supetão, está invertida a fórmula de se contar uma história de detetives, porque, embora o leitor tenha de unir as pontas, como em toda boa narrativa de mistério, não é um crime que motiva todas as peripécias que a última parte deixa, mas – sério – entender o que está acontecendo. Não ri, leitora. Porque há na narrativa de Bolaño todos os indícios de que o autor, cirurgicamente, sabe o que faz e, por isso, não faz sentido desistir do virar de páginas, mesmo que a duração leve meses. Genial Bolaño, pois é justamente a terceira parte que ilumina tudo, e é aquela surpresa que cada descoberta traz que premia os leitores ao final, e só tal pinhata já seria motivo de sobra para se deixar levar por cada uma das centenas de páginas do romance. É uma das últimas grandes narrativas deste limiar entre a cultura dos livros e a rapidez tecnológica de novas plataformas e formas de leitura, algo que, nessa modernidade apressada, pode inviabilizar a produção mais caudalosa dos romancistas atuais, mas que, de Bolaño, não recebe concessão, que o digam as imperdíveis 852 páginas que outra de suas obras, 2666, tem. É um autor para leitores de fôlego; é um autor já falecido precocemente mas que pôde deixar um espólio onde mais livros vêm surgindo, para a alegria de todos os leitores que – caminhando por Os detetives selvagens e admirados da destreza técnica do autor e das possibilidades criativas que sua literatura oferece – têm consciência de que, a cada página virada, restará, um dia, a última de Bolaño a ser sorvida ― sorvida com, com pleonasmo literário e tudo, contente contentamento.

Bolaño vive; em seus livros, Bolaño vive, para admiração de leitores que mantêm acesos projetos de leitura capazes de esgotar toda a literatura dele. Toda. Toda uma literatura que é capaz de capturar nada menos que os subterrâneos de nossa vida contemporânea.

Fica assim então. O autor chileno espera ali, nos intervalos de leitura de Os detetives selvagens, esse romance engenhoso que trata, acima de tudo, de... poesia – sim, poesia – aquela espécie mágica de versos cuja verve remete às mais altas esferas do pensamento, lá onde a imaginação vive à altura de arranha-céus – fruto das mais “soberbas pontes e edifícios”, como sugere Drummond a respeito do engenho e da arte de toda a gente naquele admirável verso de Claro enigma.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras. A ilustração acima é de Rodrigo Caldas e foi feita especialmente para o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 14/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A LPB e o thriller verde-amarelo de Luis Eduardo Matta
02. Quentin Tarantino: violência e humor de Maurício Dias
03. Para pecar, vá de manga de Vera Moreira


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
03. Os defeitos meus - 15/12/2020
04. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ensinando a Cuidar da Criança
Nébia Maria Almeida de Figueiredo ( Org )
Yendis
(2003)



O Código da Vinci
Dan Brown
Sextante
(2004)



Educação Financeira
Laura Coutinho
Senac
(2018)



O homem de fevereiro ou março
Rubem Fonseca
Nova Fronteira
(2010)



Estudante Matematica 2
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2008)



A Cultura do Contentamento
John Kenneth Galbraith
Pioneira
(1992)



Noite-égua
Nelson Rego
Terceiro Selo
(2015)



Comédias - Coleção Prestígio
Martin Pena
Ediouro



The Big Picture- Workbook and Students Book
Ben Goldstein
Richmond
(2013)



De Boas Intenções as Empresas Estão Cheias
Robert Henry Srour
Campus Elsevier
(2009)





busca | avançada
60303 visitas/dia
1,8 milhão/mês