Contentamento descontente: Niketche e poligamia | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 25/8/2020
Contentamento descontente: Niketche e poligamia
Renato Alessandro dos Santos
+ de 3700 Acessos


Qu’importa a cor, se as graças, se a candura,
Se as formas divinaes do corpo teu
Se escondem, se adivinhão, se apercebem
Sob esse tão subtil, ligeiro véu?
Cândido Furtado

Niketche, quarto romance de Paulina Chiziane, trata de um tema caro às mulheres moçambicanas: a poligamia. Rami, há duas décadas, é casada com Tony e, juntos, têm filhos, posses, estabilidade social. Mas ela descobre que o marido tem outras mulheres, e sua vida vira de ponta-cabeça. Em Moçambique, como em outros países da África, a poligamia é permitida ― para a tristeza de muitas mulheres, que têm de aceitá-la sem nada que possam fazer.

Ciente dessa condição e partindo do princípio de que mulheres não deveriam passar por tal humilhação e injustiça, obrigadas que são a viver resignadas e submetidas aos caprichos dos homens, Rami vai acabar por reconhecer nas amantes do marido, não, rivais, mas pessoas que, como ela, carregam nas costas o fardo da submissão feminina, e, numa sucessão de reviravoltas admiráveis, essa mulher de caráter extraordinário vai mostrar que é uma luz acesa, uma ideia em movimento.

Há uma cena em que Rami e todas as outras mulheres de seu marido trancam-se nuas em um quarto com ele. O leitor magano e lobo mau esfrega as mãos e, em seguida, as pontas do bigode, seguro de que virá pela frente uma cena de sexo. Mas Niketche não busca 50 tonalidades cinzas, e os leitores descobrem que tal situação, para qualquer homem nas condições de Tony, é uma experiência terrível e cheia de agouro.

Paulina Chiziane foi a primeira mulher a publicar um romance em Moçambique, Balada de amor ao vento, algo que ocorreu apenas em 1990, mas ela, mais do que romancista, considera-se uma contadora de histórias. Os leitores podem entender essa diferença, à medida que avançam na narrativa. Para o bem: o texto flui como água doce de rio. Para o mal: ao final, não restam muitas pedras pelo caminho, algo que sempre faz diferença em literatura. Porém, essa fluidez assegura tanto a adesão como o interesse do leitor, que se surpreende com as peripécias que o enredo vai tomando e, cheio de fôlego, segue até o fim, virando as páginas com uma velocidade de leitura surpreendente.

A dança da criação
O que faz um escritor decidir-se por apertar essa ou aquela tecla? O que quer que seja levou Chiziane a focar menos em temas que nas literaturas africanas de língua portuguesa são mais comuns (política, colonialismo, guerra civil ― embora também estejam ali) e mais em questões que remetem ao amor, ao sexo, à vida conjugal vista de dentro e de fora do casamento; daí emergir termos como kutchinga, licabo, makanga e niketche ― dança de amor tradicional do norte de Moçambique:


"Niketche. A dança do sol e da lua, dança do vento e da chuva, dança da criação. Uma dança que mexe, que aquece. Que imobiliza o corpo e faz a alma voar. As raparigas aparecem de tangas e missangas. Movem o corpo com arte saudando o despertar de todas as primaveras. Ao primeiro toque do tambor, cada um sorri, celebrando o mistério da vida ao sabor do niketche. Os velhos recordam o amor que passou, a paixão que se viveu e se perdeu. (...) Quando a dança termina, podem ouvir-se entre os assistentes suspiros de quem desperta de um sonho bom ― O Tony devia celebrar e não chorar. Cinco esposas dançando niketche só para ele ― diz a Mauá. ― Que maior prova de amor espera ter?"


Com isso, ao discutir poligamia, Chiziane enfatiza, também, as diferenças culturais entre norte e sul de Moçambique ― diferenças que nas mãos e na alma das mulheres expõem a violência física e psicológica do sufocante patriarcado exerci-do, lá em África, fora e dentro de casa. Por último, vale afirmar que homens e mulheres têm muito a aprender com o romance de Chiziane: os primeiros, para se envergonhar da secular vilania masculina; já as mulheres, para se desvencilhar de uma subserviência legada a elas a ferro e fogo, e que não tem mais lugar de existir.

Nota do Autor
Este texto foi publicado originalmente no Tertúlia On-line e na revista África e africanidades e, em seguida, em Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - volume 1. A ilustração é de Helton Souto.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 25/8/2020

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
03. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020
04. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
05. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) - 16/6/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês