Contentamento descontente: Niketche e poligamia | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
>>> MAB FAAP recebe a exposição Ensaios de Inclusão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lee Aaron: de Metal Queen a Diva do Jazz
>>> Ensaios de Literatura Ocidental, de Erich Auerbach
>>> Pink Floyd 1972
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> The Book of Souls
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Depressão
>>> Útil paisagem
>>> Tradução e acesso
Mais Recentes
>>> Administração na Propagandas de Edson Roberto Schard pela Qualitymark (2006)
>>> O senhor dos Bonsais de Manuel Vázquez Montalbán pela Companhia das Letras (1999)
>>> Outras Novas Histórias Antigas de Rosane Pamplona e Dino Bernardi Junior pela Brinque - Book (1999)
>>> A Gente se Acostuma a Tudo de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (2006)
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2009)
>>> Uma rosa no ano 2104 de José Teles pela Bagaço (1993)
>>> O Medico e o Mostro de Robert Luis Stevenson pela L&pm (2002)
>>> Moleque de Rua de Roberto Freire pela Moderna (2013)
>>> Vida Conjugal-um Caminho para Se Construir a Dois de José Junior e Ielane de Mendonça pela Palavra da Fe (2007)
>>> Nostradamus - uma Biografia Romanceada de Liz Greene pela Ediouro (1992)
>>> Literatura Brasileira Em Quadrinhos - a Nova Califonia de Lima Barreto pela Escala Educacional (2010)
>>> O Mulato - Coleção Prestigio de Álvaro Calzá pela Ediouro (1991)
>>> Sabores e Práticas- Guia para Ensino e Aprendizado de Enfermagem de Genilda Ferreira Murta pela Difusão Editora (2006)
>>> História para sala de aula de Walcyr Carrasco pela Moderna (2015)
>>> Guia de Aprovação em concursoa de William Douglas pela Campus (2007)
>>> Você, Vendedor de Mario Crieco pela Geração (2011)
>>> Contos -- Bom Livro de Machado de Assis pela Àtica (2011)
>>> Feito para Crescer de Arthur Rubinfeld pela Bookman (2007)
>>> Inteligência Espiritual de Silas Malafaia pela Central Godpel (2010)
>>> A Segunda Vida das Mulheres de Chistiane Collange pela (2005)
>>> Ética na Gestão Pública de Zita Ana Lago Rodrigues pela Intersaberes (2016)
>>> Projetos de Estágio e de Peaquisa Em Administração de Silvia Maria Azevedo Roesch pela Atlas (1999)
>>> Felicidade é algo que aprende de Lúcia Cominatto pela Eme (2013)
>>> Encontre Deus na Cabana de Randal Rauserb pela Planeta (2009)
>>> O Monte Cinco- Sebo Tradição de Paulo Coelho pela Rocco (1996)
COLUNAS

Terça-feira, 25/8/2020
Contentamento descontente: Niketche e poligamia
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2600 Acessos


Qu’importa a cor, se as graças, se a candura,
Se as formas divinaes do corpo teu
Se escondem, se adivinhão, se apercebem
Sob esse tão subtil, ligeiro véu?
Cândido Furtado

Niketche, quarto romance de Paulina Chiziane, trata de um tema caro às mulheres moçambicanas: a poligamia. Rami, há duas décadas, é casada com Tony e, juntos, têm filhos, posses, estabilidade social. Mas ela descobre que o marido tem outras mulheres, e sua vida vira de ponta-cabeça. Em Moçambique, como em outros países da África, a poligamia é permitida ― para a tristeza de muitas mulheres, que têm de aceitá-la sem nada que possam fazer.

Ciente dessa condição e partindo do princípio de que mulheres não deveriam passar por tal humilhação e injustiça, obrigadas que são a viver resignadas e submetidas aos caprichos dos homens, Rami vai acabar por reconhecer nas amantes do marido, não, rivais, mas pessoas que, como ela, carregam nas costas o fardo da submissão feminina, e, numa sucessão de reviravoltas admiráveis, essa mulher de caráter extraordinário vai mostrar que é uma luz acesa, uma ideia em movimento.

Há uma cena em que Rami e todas as outras mulheres de seu marido trancam-se nuas em um quarto com ele. O leitor magano e lobo mau esfrega as mãos e, em seguida, as pontas do bigode, seguro de que virá pela frente uma cena de sexo. Mas Niketche não busca 50 tonalidades cinzas, e os leitores descobrem que tal situação, para qualquer homem nas condições de Tony, é uma experiência terrível e cheia de agouro.

Paulina Chiziane foi a primeira mulher a publicar um romance em Moçambique, Balada de amor ao vento, algo que ocorreu apenas em 1990, mas ela, mais do que romancista, considera-se uma contadora de histórias. Os leitores podem entender essa diferença, à medida que avançam na narrativa. Para o bem: o texto flui como água doce de rio. Para o mal: ao final, não restam muitas pedras pelo caminho, algo que sempre faz diferença em literatura. Porém, essa fluidez assegura tanto a adesão como o interesse do leitor, que se surpreende com as peripécias que o enredo vai tomando e, cheio de fôlego, segue até o fim, virando as páginas com uma velocidade de leitura surpreendente.

A dança da criação
O que faz um escritor decidir-se por apertar essa ou aquela tecla? O que quer que seja levou Chiziane a focar menos em temas que nas literaturas africanas de língua portuguesa são mais comuns (política, colonialismo, guerra civil ― embora também estejam ali) e mais em questões que remetem ao amor, ao sexo, à vida conjugal vista de dentro e de fora do casamento; daí emergir termos como kutchinga, licabo, makanga e niketche ― dança de amor tradicional do norte de Moçambique:


"Niketche. A dança do sol e da lua, dança do vento e da chuva, dança da criação. Uma dança que mexe, que aquece. Que imobiliza o corpo e faz a alma voar. As raparigas aparecem de tangas e missangas. Movem o corpo com arte saudando o despertar de todas as primaveras. Ao primeiro toque do tambor, cada um sorri, celebrando o mistério da vida ao sabor do niketche. Os velhos recordam o amor que passou, a paixão que se viveu e se perdeu. (...) Quando a dança termina, podem ouvir-se entre os assistentes suspiros de quem desperta de um sonho bom ― O Tony devia celebrar e não chorar. Cinco esposas dançando niketche só para ele ― diz a Mauá. ― Que maior prova de amor espera ter?"


Com isso, ao discutir poligamia, Chiziane enfatiza, também, as diferenças culturais entre norte e sul de Moçambique ― diferenças que nas mãos e na alma das mulheres expõem a violência física e psicológica do sufocante patriarcado exerci-do, lá em África, fora e dentro de casa. Por último, vale afirmar que homens e mulheres têm muito a aprender com o romance de Chiziane: os primeiros, para se envergonhar da secular vilania masculina; já as mulheres, para se desvencilhar de uma subserviência legada a elas a ferro e fogo, e que não tem mais lugar de existir.

Nota do Autor
Este texto foi publicado originalmente no Tertúlia On-line e na revista África e africanidades e, em seguida, em Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - volume 1. A ilustração é de Helton Souto.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 25/8/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O assassinato de Herzog na arte de Jardel Dias Cavalcanti
02. O conto como labirinto em Milton Hatoum de Marcelo Spalding
03. Barba e bigode de Guga Schultze
04. O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular de Ana Elisa Ribeiro


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
03. Os defeitos meus - 15/12/2020
04. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020
05. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




New Age - a Nova era à Luz do Evangelho
Gerard Sautter (editor)
Vida Nova
(1992)



Como as pessoas funcionam
Maurício Horta
Abril
(2013)



Mercado Financeiro Objetivo e Profissional
Gilson Oliveira
Fundamento
(2005)



O que a Bíblia realmente ensina?
Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania
Watch Tower Bible
(2013)



Anjos - Mensageiros da Luz / Guia para o Crescimento Espiritual
Terry Lynn Taylor
Pensamento



Boa Semente - Devocional 2013
Varios Autores
Deposito de Literatura Crista
(2013)



O Luar na Avenida da Fé
Gina B. Nahai
Geração
(2002)



Odisseia
Ruth Rocha
Companhia das Letrinhas
(2000)



Tenha Um Pouco de Fé Uma História Real
Mitch Albom
Sextante
(2021)



Câmera na Mão, o Guarani no Coração
Moacyr Scliar
Ática
(2002)





busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês