Fragmentos de Leituras e Sentido | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/8/2016
Fragmentos de Leituras e Sentido
Ricardo de Mattos

+ de 1800 Acessos

"De repente, a montanha apareceu
Cinzenta na distância; alta, tão alta
Como jamais tinha visto alguma
"
(Homero).

As Brumas do Sentido

Que a existência humana tem um Sentido é divisa que adotei com plena convicção. Certas questões seguiram meus passos, deitaram no meu travesseiro à noite e aguardaram-me pela manhã sentadas na cadeira do quarto. Que este Sentido não é dado nem prescrito, mas deve ser encontrado pelo indivíduo por meio de certa atitude espiritual parece evidente. Evidente porque superado, isto é, tendo-o encontrado, resta cumpri-lo. Olhando para trás, posso perceber que ele estava encoberto. Poderia até percebê-lo entre as brumas, mas ignorava de que já se tratava dele. "Então era isso?!" constato hoje.

O pobre indivíduo nasce esquecido de tudo que já experimentou. Precisa reaprender tudo repetidas vezes. O espírito padece de cansaço. No caminho, vozes tentam contagiá-lo com o próprio desânimo. "És apenas mais um animal". "Deus está morto". "Não há Sentido". E o vira-lata segue acossado, desanimado. Perde-se nesta estrada. Encontrar-se-á na próxima?

O vira-lata fortalece-se e posiciona-se. Diante da montanha da alma, a decisão de escalá-la é dele. Alguém o levará? Não. Deverá subir sozinho. Ou sobe, ou ficará largado na base, observando aqueles que já decidiram escalar. Falo em escalada, ascensão, em elevação, propositadamente. Na dificuldade da subida, o indivíduo deixará o que pesa demais. A cada dia terá uma visão mais ampla da paisagem. Vivenciando as dificuldades do caminho, calará melhor sua boca diante das dificuldades enfrentadas pelos demais. Pode-se subir acompanhado, é certo, mas cada um escolherá o apoio de seu pé. A partir de certa altura, o retorno é impraticável.

A montanha da alma, monumental livro de Gao Xingjian, escritor chinês ganhador do prêmio Nobel de Literatura do ano 2000, traz passagens em que o Sentido desvela-se, indo o autor da negação à desconfiança de sua presença. Recomendo com veemência a leitura desta obra, verdadeira rapsódia com capítulos de busca pessoal, reflexões e acertos com o passado, encontros, narrativas de lenda e históricas. Notadamente autobiográfica, importante reparar na rejeição do autor ao comodismo esperado pela sociedade e sua decisão de deixar de esperar por um milagre. Há uma vontade que se manifesta interiormente e impede a permanência em estado que não responda a anseios profundos. É necessário seguir, e seguir pode trazer dores: "Mas, uma vez que você está na montanha, prepare-se para sofrer!". Não sou defensor do sofrimento nem do martírio como forma de ascese, mas como fazem parte do pacote existencial, resta utilizá-los de maneira inteligente. Bater o prego na parede para pendurar o quadro envolve o risco de acertar um dedo com o martelo, perder a unha, etc. Imperioso pendurar o quadro, então assuma-se o risco da atividade. Ao abrir-se para o mundo, o indivíduo encontrará companhia, mas também decepções. Acertos e erros. Verá exaltado, mas também vilipendiado aquilo em que acredita. Haverá pessoas a seu lado e pessoas contrárias. Tudo constituirá seu patrimônio espiritual.

Sentido e Parcialidade

Depois de tanta informação a respeito da segunda guerra mundial e dos horrores cometidos contra os prisioneiros nos campos de extermínio, a leitura de É isto um homem?, de Primo Levi, acabou sendo morna. Já estaria eu anestesiado, assim como reconheço-me já insensível ao debate político-criminológico de cada dia, durante o qual políticos ainda pensam enganar alguém com as mais estapafúrdias desculpas para suas falcatruas? De qualquer forma, não poderia desencarnar sem ler o livro de Levi. Agora estou atrás de Assim foi Auschwitz, do mesmo escritor, em co-autoria com Leonardo Benedetti. Por que tanto interesse por período tão sinistro? Porque o estudo de campo de Viktor Frankl realizou-se em lugares assim e porque a desumanização, a visão reducionista, a visão do humano como objeto e meio grassam sutilmente e podem contaminar as melhores casas e famílias. Porque mantendo o Sentido diante dos olhos, fica cada vez mais fácil distinguir o que pode favorecê-lo e o que pode prejudicá-lo.

Inicialmente Levi nega um Sentido para tudo o que presenciou. No capítulo intitulado Um dia bom, porém, ele afirma: "A convicção de que a vida tem um objetivo está enraizada em cada fibra do homem; é uma característica da substância humana. Os homens livres dão a esse objetivo vários nomes, e muitos pensam e discutem quanto à sua natureza. Para nós, a questão é mais simples. Hoje, e aqui, o nosso objetivo é aguentarmos até a primavera. No momento, não pensamos em outra coisa". Sem medo de ser feliz, o leitor leia "Sentido" onde está escrito "objetivo". Pode-se argumentar que a vontade de Sentido seja característica do homem, ainda que este não exista de fato. Contudo, assim como a noção de um Criador é comum à humanidade em todos os quadrantes do planeta, embora ninguém possa definir com exatidão quem é este Criador, a suspeita de um Sentido ontológico inspira as mais diversas mentes. Há um Criador e a maturidade dispensa-me de pretender definí-Lo, pois minha definição não é Ele. Há um Sentido para cada ser que rasteja neste vale de lágrimas em meio ao choro e ao ranger dentes, mas cada rastejante deverá encontrar o seu próprio e cumpri-lo por meio de sua missão. Por "missão", não queremos dizer que cada pessoa deverá fazer cair as muralhas de Jericó. Se criar direito o filho que trouxe ao mundo já está bom demais.

Esta parcialidade de Sentido que Levi menciona e exemplifica com a chegada da primavera, deve-se, segundo Frankl, ao fato de que o Sentido da vida sempre se modifica, mas jamais deixa de existir. Então a vida teria mais de um sentido? Ou é o mesmo Sentido encontrado no passo a passo da jornada? Na Tese do otimismo trágico, texto integrante do livro Em busca de sentido, o fundador da Logoterapia esclarece. Há um sentido maior, um sentido a logo prazo, como ele diz. Utilizando os recursos de sua época, compara a vida humana a um filme composto por inúmeros quadros sucessivos "cada um deles vem carregado de sentido e traz um significado, mas o sentido do filme todo não pode ser visto antes que sua sequência seja mostrada". A expressão "só por hoje" dos grupos anônimos revela sua carga terapêutica: só por hoje manter-se limpo e na sucessão das 24 horas configura-se a abstenção, a sobriedade, a recuperação. O Sentido é a saúde do sujeito.

Agressão ao Sentido

Pela manhã, havia lido no jornal a respeito do lançamento de uma antologia de contos do norte-americano O. Henry (1862-1919). Lembrando-me da possibilidade de haver algum texto deste escritor, procurei na estante por determinada coleção. Leitores de sessenta anos atrás talvez lembrem-se de uma coleção de contos em que o título de cada volume começa com "Maravilhas": Maravilhas do conto português,Maravilhas do conto inglês. Ignoro se a editora Cultrix ainda atua no mercado, mas um de seus melhores trabalhos é o lançamento desta coleção. Acreditava limitar-se a dez volumes, mas já encontrei outros que fogem ao nacionalismo e ligam-se a um tema: Maravilhas do conto de humor, por exemplo. Os dez volumes inicialmente herdados de meu avô foram encadernados com capa marrom café.

Lá estava o conto de O. Henry, pseudônimo de William Sidney Porter. Prisão sem grades. Percebi que poucos contos foram lidos deste volume e decidi dedicar-me a mais alguns. Caro leitor: as voltas que dou nesta coluna para chegar ao ponto refletem as voltas que dei para chegar ao texto que realmente quero mencionar. É que gosto da coleção de contos e há tempos não a consultava. Várias páginas adiante escolhi Os crisântemos, de John Steinbeck (1902-1968), ainda encarnado à época da edição (1958).

Narra o conto o encontro entre uma fazendeira e um trabalhador ambulante, dedicado a consertos em geral, enquanto o marido encerrava alguns trabalhos no campo. Steinbeck já havia descrito a dedicação de Elisa - a fazendeira - ao seu canteiro de flores, entre as quais os crisântemos "com um palmo de diâmetro". Percebe-se que a este cultivo a personagem dedicava suas melhores energias de sua existência, no mais, apagada. Enlevada pela jardinagem e na expectativa de outra esplêndida florada, Elisa vê adentrar a propriedade o ambulante, simplesmente referido como "o homem". Depois de conversarem e de ele realizar pequeno reparo numa panela, o homem informa à fazendeira que certa vizinha gostaria muito de ter flores como as que ele estava vendo no jardim. Afetada naquilo que a justifica perante si mesma e perante o mundo, Elisa cede alguns brotos para o homem levar a tal vizinha. A partir deste momento, dois estados de ânimo verificam-se na personagem.

Primeiro, espécie de orgulho invade-a, decorrente da satisfação de ver seu trabalho reconhecido e disseminado. Percebeu que o homem tomou outro caminho, não o que o levaria até a propriedade mencionada. Mas sua visão foi comprometida pelo sentimento agradável de ver uma pessoa levar para outra um "vaso vermelho e grande" com os frutos de sua dedicação. Apesar de cumprir a rotina junto ao marido, parecia ter encontrado a consagração. O que realmente é próprio de quem exerce a tarefa que encontrou para si. Dentro dos limites de sua vida pacata, o entusiasmo de Elisa fê-la considerar algumas pequenas mudanças. Alma satisfeita com o reconhecimento parece expandir-se e procura caminhos por onde isso possa ocorrer, as chamadas "válvulas de escape". Contudo, mesmo diante do reconhecimento "de boca" de uma tarefa, é necessária maturidade para acolhê-lo. Maturidade que faltou à personagem e levou-a ao segundo estado de ânimo.

Seguindo com o marido pela mesma estrada do homem, deparou-se com cena que lhe afetou o orgulho inicial. Os brotos selecionados e acomodados no vaso foram atirados à beira da estrada pelo homem que, ao que tudo indica, jamais dar-se-ia ao trabalho de levá-los tão longe. O recipiente era tudo o que lhe interessava. "Se rotas, em pedaços,/ as coisas por que tu sacrificaste a vida,/ curvado as reconstróis com os teus doridos braços", versejou Kipling... Mas Elisa, afastada do convívio social e provavelmente desconhecedora do poeta, não conseguiu ficar "sem uma queixa, uma palavra de lamento" (a tradução é de Gondin da Fonseca). Esta intromissão entre o ser e sentido pode ser dolorosa. É mais fácil aceitar que um empreendimento falhe pela própria inépcia que pela intervenção dolosa de outrem. Cada broto despejado à beira da estrada era um "crisântemo de mais de um palmo" que foi abortado, um poder-ser que não se concretizou. Se a autotranscendência de Elisa verificava-se no cuidado com as flores, Steinbeck permite ao leitor, em poucas linhas, acompanhar esta agressão ao Sentido.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 8/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
02. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
04. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2016
01. A biblioteca de C. G. Jung - 15/2/2016
02. Livrarias - 30/5/2016
03. Ação Social - 25/4/2016
04. Omissão - 28/11/2016
05. Srta Peregrine e suas crianças peculiares - 5/9/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SALA DOS HOMICÍDIOS - 1ª EDIÇÃO
P. D. JAMES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 15,00



A VIDA É UM PALCO
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1988)
R$ 4,02



POR ISSO NÃO PROVOQUE
PAULO TADEU
MATRIX
(2010)
R$ 6,90



PSICOLOGIA DA PERCEPÇÃO
JOÃO A. SOSSAI
EDICON
(1981)
R$ 10,00



TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO 100 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES
GUSTAVO FAUS BORONAT
EDIMSA
(2005)
R$ 20,00



FÍSICA 3 ENSINO MÉDIO
GUIMARÃES PIQUEIRA CARRON
ATICA
(2014)
R$ 8,50



NOÇÕES GERAIS DA PESCA DE ARREMESSO
SILVIO FUKUMOTO
ZILLIG
(1994)
R$ 10,00



LA SUBLIMATION
JEAN LAPLANCHE
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1980)
R$ 50,00



ESSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 22,50



A CRISE DA INSTITUIÇÃO FAMILIAR
ISODORO ALONSO HINOJAL
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00





busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês