O Pintor das Sombras | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
>>> YouTube: a história (trailer)
>>> Gran Torino, de Clint Eastwood
Mais Recentes
>>> The Last Apprentice - Night of the Soul Stealer de Joseph Delaney pela Greenwillow Books (2008)
>>> Flame of White Light de T. V. Kapali Sastry pela Dipti Publications
>>> Poesia Completa de Lucídio Freitas pela Universidade Federal do Piauí
>>> As Melhores Receitas de Claudia de N/d pela Círculo do Livro (1983)
>>> Problemas Com os Pais: Como Viver Bem Com Eles de Tim Stafford pela Assoc. Fluminense de Educação (1980)
>>> A Forma dos Evangelhos e a Problemática dos Sinóticos de B. P. Bittencourt pela Imprensa Metodista (1969)
>>> Harmonia : Formas Mágicas de Equilibrar o Lar de Anne Adelaide Lennormand pela Ediouro (2008)
>>> O Livro da Loucura e das Curas de Regina Omelveny pela Novo Conceito (2013)
>>> Grande Hotel - Grandes Sucessos de Vicki Baum pela Abril Cultural (1980)
>>> Orquídeas da Natureza 05 de Europa pela Europa
>>> Fisiologia de Robert M. Berne e Matthew N. Levy pela Guanabara Koogan (1996)
>>> Biblioteca Vida e Missão - Carta Pastoral Sobre Jejum de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Jardim de Inverno de Zélia Gattai pela Record (1988)
>>> A Segunda Morte de Marcia Kupstas pela Moderna (1993)
>>> Biblioteca Vida e Missão - Carta Pastoral Testemunhar o Ardor de N/d pela Imprensa Metodista
>>> Questões Pastorais Contemporâneas de N/d pela Instituto Metodista de Ensino
>>> Classes Sociais e Pastoral da Juventude de Luciano Mendes F. Filho pela Paulinas (1988)
>>> É Proibido Chorar de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Grandes Civilizações Desaparecidas - as Civilizações Pré-históricas de Jean-marc Brissaud pela Ferni (1978)
>>> Pão Diário 16 de N/d pela Rbc
>>> Gossip Girl - Only in Your Dreams de Cecily Von Ziegesar pela Little Brown (2006)
>>> Savanna Game - Segunda Temporada - Vol. 1 de Ransuke Kuroi pela Jbc (2016)
>>> Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano de William D. Mc Ardle; Frank I. Katch; Outro pela Guanabara Koogan (1998)
>>> The Mouse and the Motrocycle de Beverly Cleary pela Dell (1965)
>>> A Garota do Calendário: Outubro de Audrey Carlan pela Verus (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/7/2003
O Pintor das Sombras
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5000 Acessos

Austin Fraser, pintor nova-iorquino de 83 anos e personagem do romance O Pintor das Sombras, editado no Brasil pela Bertrand Brasil, tem memória eidética, ou seja, os fatos e as imagens que são gravados na sua mente de forma fotográfica são desprovidos de qualquer conteúdo afetivo.

No fim da vida, sua memória decide resgatar/cobrar do pintor um conjunto de emoções que deveriam ter sido vividas. Numa espécie de rememoração proustiana, o passado retorna involuntário para Fraser: "Embora não haja nada em mim que queira cortejar o passado, ele enche minha cabeça, entra na minha pintura. O toque-toque de minha bengala batendo no gelo é como o ruído que fazem as contas ao se chocarem num colar. É o som da memória que trabalha, criando um colar de narrativa".

É a reconstituição do colar de suas memórias que será a matéria do romance que lemos, fazendo o personagem Fraser voltar ao passado que a sua pintura captou, mas o seu coração negou. Um desses encontros é com Sara, uma mulher que lhe apareceu varrendo o chão no hotel em que se hospedara no passado. E como em todas as situações que vivera, este encontro lhe aparece como uma imagem a ser criada artisticamente... apenas. "Eu via a leve curva dos músculos na parte de cima do seu braço, imaginava a ponta afiada de um lápis de grafite captando o movimento, o gesto. Congelando-o".

Mesmo a captação destas imagens que se vão constituindo, assim como sua própria vida, são de alguma forma apagadas, ou melhor, deixando de ser miméticas - quando o pintor passa, ao abandonar a pintura figurativa, a criar de forma abstrata: "Amanhã começarei a fazer esboços para meu próximo quadro. Pintarei Sara (...). A seguir, cuidadosamente e esmeradamente, tirarei o realismo de tudo isso, apagarei as figuras".

Há, portanto, uma relação entre a mudança que se dá na transformação da forma artística (do figurativo ao abstrato) e a forma como o pintor passará a absorver as vivências do mundo.

Nesse sentido, algumas pistas são dadas, como, por exemplo, quando fala de sua mãe: "Minha mãe era uma pessoa incomum, sem o menor interesse pelos fatos". Ou quando comenta aspectos da infância: "a maioria das pessoas lembra-se apenas de fragmentos de qualquer dia particular de sua infância. (...) Os olhos maravilhados de uma criança vêem tudo, mas, quando a infância passa, grande parte do que viram se perde".

A pouca importância dada aos sentimentos aparece ainda numa outra referência à sua mãe: "Eu a amava. Lembro-me de que a amava. Acho que sim. Não, não tenho certeza". Este tipo de recordação incerta dominará toda a sua vida e todas as suas emoções serão vivenciadas a partir dessa impossibilidade de envolvimento total.

O romance aos poucos vai nos fazendo entender porque o universo dos sentimentos foi ressecando no coração de Fraser. Há uma total racionalização das perdas para o pintor. Ele encontra uma forma de explicá-las: "Há duas maneiras de perder as pessoas que compõem o tecido da nossa vida. Algumas vezes, a alteração é lenta, quase invisível, de modo que deixamos de notar durante anos que o outro foi embora há meia década. Outras vezes, a pessoa a quem nos ligamos muda de modo tão radical que é como se ele ou ela tivesse morrido e fosse substituído por uma pessoa inteiramente nova".

O que lhe restava era viver de forma absolutamente solitária, sem a complicação de envolvimentos de ordem afetiva com pessoas e/ou com situações provindas do mundo social. "Eu só me dava com o papel, com o lápis que estava em minha mão, com o emaranhado de linhas que captavam uma amostra de água cheia sob meus dedos, o contorno das bordas do rochedo. (...) O que me intrigou, em vez disso, foi como uma paisagem podia ter aspecto bem-tratado e desabitado ao mesmo tempo. Havia algo em mim naquele tempo, certo amor tanto pela solidão quanto pela ordem, que respondeu imediatamente ao que eu via".

No trecho acima fica claro o encontro entre a forma da pintura e a forma como seriam tratados os sentimentos interiores do artista. Na verdade, esta correspondência busca ser a tradução de algo certo: o esquecimento. Assim, dizia Fraser: "a menor coisa é capaz de nos enlouquecer, quando não conseguimos esquecê-la."

Não foi à toa que os críticos começaram a chamar as telas de Fraser de "Apagamentos". Sua arte e filosofia de vida, que apagam os conteúdos afetivos, são devedoras da influência de um dos seus professores, Robert Henri, que "falara-me sobre o valor da solidão, advertira-me de que não me deixasse desaparecer dentro de outras pessoas, permitindo que suas vozes ecoassem e poluíssem o pensamento original e claro. Instruíra-me para conter minhas reações, não manifestar meus sentimentos, exceto no papel ou na tela."

A conclusão desta prática de vida, onde o que importa é a expressão puramente visual, é dada pelo próprio Frazer: "nem a comunidade nem o afeto desempenhavam um papel significativo em minha vida". Tanto na vida como na arte, Fraser refinava sua prática: "Eu me tornava um mestre da seletividade. Era capaz de descartar, ao meu bel-prazer, os estímulos frívolos. (...) Não valia a pena empregar meu tempo em nada que não pudesse ser transformado em arte".

Esta educação visual, esta filosofia de vida, ia se compondo nas aulas com seu mestre: "Meu professor ensinou-nos a nos maravilharmos diante do mundo, mas ignorando completamente a reação do mundo".

Diferente de um pintor como Gustave Courbet, que só pintava modelos que conhecia sexualmente, Fraser dizia que "entre artista e modelo deve haver uma distância". Mesmo quando a modelo fosse sua companheira, esta deveria ser brutalmente transformada em objeto visual: "Quando eu estava em Nova York, Sara se tornava uma série de formas sobre uma superfície plana; seu corpo, uma composição que se adaptava a um retângulo; sua pele e o cabelo, gradações de cor. Tornava-se meu trabalho e, quando o trabalho estava concluído, eu a perdia completamente de vista, voltado apenas para minha ambição. Vez por outra, mas raramente, mesmo quando estávamos juntos, as coisas se passavam dessa forma - a cama era uma grande tela branca, eu manipulava o espaço positivo, o negativo, e prevalecia sempre, fixo em minha mente, um quadro terminado, vendável. Mas, com maior freqüência, ela não permitia que isso acontecesse, recusando-se a posar ou até a ficar no quarto, quando sentia que vinha à tona esse outro lado meu".

O romance de Jane Urquhart, construído através de belíssimas descrições realistas, nos fala desse clima de redenção a que se submeterá a vida do já velho pintor das sombras. Ao revelar os mecanismos de sua arte, desvelará também os mecanismo de defesa que usou contra o mundo. Descobrirá que o que pensava estar morto apenas havia se escondido sob a superfície, numa espessa sombra, mas não se apagou. Será o despertar da consciência daquele que congelou a imagem, mas não matou sua força única, subterrânea e afetiva.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
02. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
04. Vaidade, inveja e violência de Carla Ceres
05. A Marcha da Família: hoje e em 1964 de Humberto Pereira da Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Texaco
Patrick Chamoiseau
Companhia das Letras
(1993)



Nos Bastidores da Censura
Deonísio da Silva
Estação Liberdade
(1989)



Infiltrado
Robert K. Wittman
Zahar
(2011)



Revista Nova Perspectiva Sistemica - 34
Noos
Instituto Noos
(2009)



A Bíblia mais Bela do Mundo 38
Pe. Antônio Charbel
Abril
(1965)



Manual Prático de Ioga
Julien Tondriau
Hemus



O Mundo Pitoresco Tomo I 5 EdiÇÃo
W M Jackson
W. M. Jackson
(1954)



Educação Física para o Pré Escolar
Celio José Borges
Sprint
(1987)



Small Island
Andrea Levy
Headline
(2004)



The Oc - the Outsider (com Cd)
Josh Schwartz
Richmond Publishing
(2007)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês