Nós o Povo | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Fenomenologia e Direito de Aquiles Côrtes Guimarães -( Coordenador) pela Lumen Juris (2005)
>>> Bate - Papo Com o Além de Zibia Gasparetto pelo Espírito Silveira Sampaio pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Certain Girls de Jennifer Weiner pela Simon and Schuster (2008)
>>> Mountaing Fears de Stuart Woods pela Penguin Uk (2009)
>>> Danielle Steel de Granny Dan pela Dell (2009)
>>> Thirty Ways of Looking at Hillary: Women Writers Reflect on the Candidate and What Her Campaign Meant de Susan Morrison pela Harper Perennial (2008)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela O globo
>>> Iracema de Jose de Alencar pela Folha
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/4/2016
Nós o Povo
Marilia Mota Silva

+ de 4000 Acessos

Nunca tivemos voz ativa nos grandes acontecimentos de nossa história. Sempre fomos figurantes, assistindo de longe às cenas decisivas.

Não por alienação ou covardia. Em todo o Brasil, houve muitas revoltas pela independência, pelo direito, pela liberdade, mas todas foram vencidas pelo poder vigente, amparado por leis e instituições fabricadas em benefício próprio. E pelo monopólio da violência, que o Poder se arroga e com o qual se garante.

Sempre foi assim: lá em cima, as Autoridades, as Excelências, os muito ricos, a serviço uns dos outros. Embaixo, sem voz e praticamente invisíveis, os zé-ninguéns, pequenos agricultores, comerciantes, trabalhadores, assalariados, os pagadores de impostos.

Hoje, com a tecnologia que tornou a informação mais acessível, muitos de nós começam a perceber que governos não existem para fazer mudanças efetivas em uma sociedade. Mudanças, concessões ocorrem apenas na medida necessária para manter as coisas como sempre foram.

Mudanças reais só são possíveis em momentos de crise e sob intensa pressão da sociedade. Como agora, quando estamos mergulhados nesse impasse, com os brasileiros divididos em facções e sem lideranças que inspirem confiança, capazes de unir o país.

Esse deveria ser o momento de nos unir para acabar com essa República* Velhaca, na definição inspirada do professor Luiz Flávio Gomes neste artigo.

Para isso não bastaria apenas apear do poder, constitucionalmente, a presidente e o vice. Esse seria apenas o primeiro passo. O segundo e mais importante seria a reforma desse sistema que encoraja a corrupção, que atrai picaretas, escroques e aproveitadores, quando deveria atrair cidadãos com um genuíno interesse em servir o povo e o país.

É o momento de exigir a Reforma Política, prometida por todos os governos, e sempre adiada. Só em situação de crise e sob vigilância da sociedade, esse congresso faria o trabalho necessário. Dessa vez com a participação efetiva da sociedade.

Há milhares de brasileiros pensando sobre isso, think tanks estabelecidos, e os que surgem espontaneamente nas redes sociais, portais e blogues. Certamente mais qualificados que a maioria dos que ocupam a Câmara e o Senado. A partir da Reforma Política, as outras reformas, também essenciais, serão possíveis.

Precisamos reconstruir os fundamentos desse sistema Estamos prontos para essa transição, para essa mudança cultural. Que o Brasil do século XXI esteja começando.


Marilia Mota Silva
Washington, 6/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
02. Ficção e previsões para um futuro qualquer de Ana Elisa Ribeiro
03. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
04. Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena de Jardel Dias Cavalcanti
05. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2016
01. Nós o Povo - 6/4/2016
02. Eleições nos Estados Unidos - 10/8/2016
03. Ah!... A Neve - 9/3/2016
04. Preparar Para o Impacto - 16/11/2016
05. E Foram Felizes Para Sempre - 3/2/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Trapaça - o Paraiso dos Amantes - Clínica do Pecado
José Edson Gomes - Ricardo Veronese - Vic Lester
Cedibra
(1977)



Terra - Trilogia Enigma Das Fronteiras V.2
Ana Eduarda
N/d
(2012)



Comunidades de Base no Brasil
Almir Ribeiro Guimarães
Vozes
(1978)



Philia para Colorir
Padre Marcelo Rossi
Principium



Go Girl: uma Nova Brincadeira
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2007)



Take Over - Volume Único - Livro do Aluno
Denise Santos
Lafonte
(2011)



Guia Para Aguias Que Acreditam Ser Frangos
Mello, Anthony De
Academia



Instituições de Direito Civil- Vol. 5-direito de Família
Caio Mário da Silva Pereira
Forense
(1979)



Alternativas Poético-políticas ao Direito
Willis Santiago Guerra Filho
Lumen Juris
(2014)



Dicas de Alimentos e Plantas para a saúde
Sergio AugustoTeixeira
Ediouro
(1983)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês