E Foram Felizes Para Sempre | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
COLUNAS

Quarta-feira, 3/2/2016
E Foram Felizes Para Sempre
Marilia Mota Silva

+ de 2900 Acessos

Casaram-se e foram felizes para sempre! Assim terminavam os contos-de-fadas e os romances para moças, até há pouco tempo.

Mentira, os mais velhos sabiam, mas era uma mentira necessária para a manutenção da família, da estrutura social, econômica e cultural baseada na exploração e subordinação da mulher .

Marx e Engels reconheciam que o trabalho da mulher na produção da mão-de-obra (através da reprodução) e na sua manutenção (sendo esposa e mãe), estava na base de toda a atividade econômica. E não era remunerado. Reconheciam, mas deixaram de lado o assunto, a mais fundamental luta de classes. Afinal eram homens, e o patriarcalismo lhes atendia bem.

De forma que as jovens recebiam doses reforçadas de ilusão romântica e, se não bastasse, a ameaça de desvalorização pessoal, marginalização social e penúria financeira caso ficassem solteiras, o que as levava a buscar o casamento a qualquer custo.

Um sistema social e a cultura que lhe dá sustentação mudam lentamente. Ainda hoje muita gente sonha encontrar sua alma gêmea, a companhia perfeita, eficiente, bondosa, capaz de tolerar todos os seus defeitos e, mais importante ainda, que se manterá sexualmente desejante e atraente ao longo dos anos, por toda a vida.

Parece que, de fato, há bons casamentos, casais que continuam se amando depois de décadas de convivência. São raridade.

O segredo é ter baixas expectativas, avisam os que entendem do assunto. Mas baixas até que ponto? Até se sentir imune à rotina, à solidão, ao tédio, ao celibato indesejado?

Resta o impasse: monogamia, lealdade, amor, amizade...ou a vida vivida em toda a sua verdade e intensidade? Fidelidade a si mesmo ou frustração? Paixão, alegria ou estoicismo? Não há caminho fácil.

O divórcio traz perdas graves, família quebrada, amigos que se afastam, a memória de nós mesmos, dos sonhos vividos a dois, de uma história construida com amor e confiança.

E os filhos, a parte mais importante da equação, sofrem também as consequências dessa instabilidade. Sofrem mais ainda quando, por qualquer motivo, até pela narrativa romântica, os pais vivem juntos, mas frustrados, ressentidos. Não haveria um sistema que se adequasse mais à realidade do que somos? Que permitisse uma vida plena, afetuosa, genuína, sem hipocrisia? Sociólogos, cientistas políticos, antropólogos, psicólogos se debruçam sobre o assunto.

Nessa busca de inspiração e modelos, uma pequena etnia chinesa tornou-se um ponto de atração e pesquisa para estudiosos e turistas do mundo inteiro.

Os Mosuo, que vivem junto ao lago Lugu entre as províncias de Yunnan e Sichuan, perto da fronteira com o Tibet, tem uma vida familiar harmoniosa, e não tem casamento como os nossos. Em sua tradição, marido e esposa não vivem juntos criando os filhos. O homem apenas visita a mulher em seu quarto, para efeitos de gratificação sexual e procriação. Ele chega depois de escurecer e volta para casa de manhãzinha. É o tiesese, mal traduzindo, casamento de visitas.

Quando uma mulher ou homem manifestam interesse um no outro, cabe à mulher permitir ao homem que a visite. Mulheres e homens podem ter quantos parceiros sexuais desejarem, simultaneamente e ao longo da vida. Não é mais realista, com mais chances de harmonia?

Os filhos desse relacionamento são criados pela mãe, tios, tias e avós do lado materno. Ou seja, os tios criam os sobrinhos. O pai pode manifestar interesse na criação de seu filho trazendo presentes para a familia da mãe. Isso lhe garante algum status na familia, mas não o direito de fazer parte dela.

Homens e mulheres vivem toda a vida nas casas em que nasceram e são responsáveis pelas respectivas famílias, que se compõe de várias gerações: bisavós, avós, pais, filhos, netos, tias, tios, sobrinhos.

A harmonia em familia é o valor supremo, acima inclusive das relações conjugais. Essa é uma sociedade matrilineal; as crianças recebem o sobrenome das mães e preferem-se filhas a filhos.

Chuan-Kang Shihh, estudioso dos Mosuo e professor de Antropologia na Universidade da Florida, diz que o sistema se fundamenta na crença de que as mulheres são mais capazes que os homens, mental e mesmo fisicamente. Eles também acreditam que tudo de valor que há no mundo veio de uma mulher. Todos os deuses homens são secundários em relação à Deusa.

"O sistema faz todo o sentido quando se pensa como as famílias tem que conjugar estabilidade doméstica, desejo sexual e os interesses dos filhos", diz Judith Stacey, professora de sociologia na NY University, que escreveu um livro sobre os Mosuo.

Faz sentido, mas pressupõe o matriarcado, em aspectos básicos, e estamos longe disso. Mesmo assim não custa examinar tradições que nos parecem exóticas, já que as nossas próprias agonizam.


Marilia Mota Silva
Washington, 3/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
03. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
04. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2016
01. Nós o Povo - 6/4/2016
02. Eleições nos Estados Unidos - 10/8/2016
03. Ah!... A Neve - 9/3/2016
04. Preparar Para o Impacto - 16/11/2016
05. E Foram Felizes Para Sempre - 3/2/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grã Bretanha na Nova Fase da Impressão e da Embalagem;
Revista Remag, Nº 113, Ano Xi de 1974
Métodos
(1974)



Diccionario Practico de Sinonimos y Antonimos
Armando Ghio
Do Autor
(1968)



Gestão de Pessoas: uma Vantagem Competitiva?
Maria Zélia de a Souza e Vera Lúcia de Souza
Fgv
(2016)



Pauixão, Paixão
Munir Guérios
Nagycolor
(1991)



Conselhos Municipais de Educação: Organização e Atribuições Nos
Bertha de Borja R do Valle e Maria C Chaves
Quartet
(2012)



A Mala Encantada
Hans Christian Andersen
Prazer de Ler
(2010)



Guia Azul
Lourival Gomes
Brasvias (sp)



Papos de Anjo
Sylvia Orthof
Galera Junior
(2014)



Lecture et Prise de Notes: Gestion Mentale et Acquisition de Meth
Brigitte Chevalier
Armand Colin
(1992)



Chimie Term S
André Durupthy
Hachette
(1995)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês