Os filmes mais significativos da década | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2000-2009

Quinta-feira, 28/1/2010
Os filmes mais significativos da década
Taís Kerche
+ de 9100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

De 2000 a 2009 o mundo girou mais de 3.650 vezes em torno de si mesmo, sem contar os anos bissextos. Inúmeros fatos desastrosos, maravilhosos, repugnantes, fantásticos aconteceram na crosta terrestre. Entre eles, o lançamento de muitos, mas muitos filmes. Mas, no meio desses muitos, poucos realmente merecem destaque. E eu, como uma boa cinéfila, que tem os pés na cinefilia desde pequena, me incumbi da tarefa de eleger os melhores da década. Por mais que sejam poucos, a tarefa não foi das mais fáceis, afinal de contas, não assisti a todos os filmes produzidos nestes dez anos. Nem se eu me empenhasse na tarefa, conseguiria. Mas, daqueles que assisti, selecionei os mais significativos ― talvez esse adjetivo seja o mais adequado.

A década começou com três filmes impactantes no seu primeiro ano: Dançando no escuro, de Lars Von Trier; Amores Brutos, do mexicano Alejandro González-Iñarritu; e Réquiem para um sonho, de Darren Aronofsky, lançado no Brasil só em 2002. O filme de Lars Von Trier mostrou a versatilidade do cinema, ao colocar numa história dramática, na qual ele nos joga na cara o lado mais obscuro do ser humano, a possibilidade de se sonhar. Para isso, entre as cenas que retratavam a dura realidade de Selma, a mãe cega que luta pelo futuro de seu filho, ele inseriu sequências em que a personagem se via em meio a musicais, cantando e dançando, como se a vida pudesse voltar a ser colorida. Sua importância se intensificou quando levou a Palma de Ouro e o prêmio de melhor atriz para a Björk no Festival de Cannes. O segundo filme, Amores Brutos, trouxe notoriedade ao mexicano Alejandro Gonzáles-Iñarritu, ao narrar de forma eficiente a história de três personagens que têm suas vidas cruzadas por um único fato que mexe com todas as suas estruturas. É o primeiro filme de uma trilogia da qual fazem parte os ótimos 21 Gramas e Babel, que seguem a mesma linha. Por último, o americano Réquiem para um sonho, que traz à tona o conflito de personagens que sonham com feitos grandiosos, mas que imediatamente acabam com todos eles ao se viciarem em drogas ou remédios para emagrecimento, os impossibilitando de realizá-los. Contando assim, parece mais um filme sobre viciados e suas vidas perdidas, mas ele não tem a pretensão de dar nenhuma lição de moral, apenas coloca na tela a verdadeira doença, da forma mais realista possível, com trilha sonora incisiva e montagem diferenciada, o que faz dele uma obra-prima.

No ano seguinte, 2001, o cinema se desenrolou mais ameno. No campo das animações, merece destaque o divertido Monstros S.A., de Peter Docter e David Silverman. No cinema europeu, o mundo voltou seus olhos para a França, com o delicado e poético O fabuloso destino de Amélie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet. E, no cinema americano, uma impressionante forma nova de contar uma história nos chamou a atenção: a montagem ousada do filme Amnésia, de Christopher Nolan. Uma história contada de trás para frente, retratando o drama de um personagem que não consegue reter absolutamente nada em sua memória e que utiliza ferramentas como câmera fotográfica, bloco de anotações e até tatuagens em seu corpo para consultar quem ele é em vários momentos de seu dia. A montagem inversa do filme fez com que o espectador sentisse a mesma angústia da personagem, lhe dando a sensação de ter que rever sempre os fatos passados para entender a narrativa. Um filme que merece destaque na história do cinema.

E na mesma linha, já em 2002, surgiu o polêmico e excelente Irreversível, de Gaspar Noé. Uma história também contada de trás pra frente, que começa com personagens e câmera transtornados por algo que aconteceu com uma determinada pessoa. Em seguida, ficamos sabendo o que realmente aconteceu, a personagem de Mônica Bellucci é vítima de um estupro, violência totalmente filmada por uma câmera estática, ou seja, paralisada, em choque, tornando-se personagem também. E depois, os fatos que se antecederam ao estupro, já com a câmera mais calma, imagens controladas, sequências leves e um final revelador. É o cinema utilizando-se de todas as formas imagináveis e inimagináveis de contar uma história.

Neste mesmo ano, o cinema brasileiro também ganhou um pouco mais de destaque no cenário internacional, com o grandioso Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, o qual nem preciso tecer elogios, pois seria um ato redundante. Ainda na terra do pau-brasil, pudemos apreciar o sensível documentário Janela da alma, de João Jardim e Walter Carvalho. Nele, há depoimentos riquíssimos de personalidades como o escritor José Saramago, o cineasta Wim Wenders, o fotógrafo cego franco-esloveno Evgen Bavcar, entre outros, sobre o modo de ver e perceber o mundo.

De 2002, pularemos para 2004, ano em que Michel Gondry na direção e Charlie Kaufman no roteiro nos presentearam com Brilho eterno de uma mente sem lembranças. O filme projeta o desejo de muitas pessoas que viveram um grande amor que não perdurou: apagar, de forma quase cirúrgica, as lembranças do relacionamento. Só que desvenda algo importante: mesmo sem as lembranças, os sentimentos perduram. Também em 2004, quando já pensávamos que não tínhamos mais o que retratar da Segunda Guerra, surge nas telonas A Queda ― As últimas horas de Hitler, do alemão Oliver Hirschbiegel. O filme retrata, como bem diz o título, os últimos momentos de fúria e de manipulação do líder nazista, que, de forma bizarra, se mostra totalmente insano ao levar suas convicções às últimas consequências.

Em seguida, já em 2006, o cinema francês novamente ressurge com o intrigante Caché, de Michael Haneke. Um suspense de uma complexidade não exposta na tela, apenas sugerida. Tudo é muito sutil, principalmente o terror psicológico vivido pelos personagens. Uma obra ímpar do gênero, totalmente diferenciada do que usualmente chamamos de suspense.

No final desse mesmo ano, a atmosfera almodovariana tomou conta dos cinemas com o belíssimo Volver, um dos filmes mais poéticos, cheio de lirismo, do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que trouxe para as sequências coloridas e intensas a presença de sua musa do início de sua carreira, a atriz Carmen Maura. Além disso, retratou a força das mulheres em suas relações familiares. Tema que ele sempre abordou com maestria e que neste filme se reiventou.

A vida dos outros, do alemão Florian Henckel von Donner, também foi destaque em 2006. Concretizou a notoriedade do cinema alemão ao retratar a Alemanha Oriental e sua neurótica e horrenda polícia secreta, a Stasi. A personagem principal deste filme é um espião da Stasi que fica encarregado de registrar tudo o que acontece na vida de um dos maiores dramaturgos do lado comunista do muro, cinco anos antes de sua queda. Mas, aos poucos, o espião passa de delator a protetor, pois entra em contato com um mundo de amor, alegrias, música e poesia.

Já chegando na reta final da década, nos últimos três anos, merecem destaque três filmes. Do outro lado (2007), do cineasta alemão de origem turca Fatih Akin, aborda o conflito de identidade de personagens que se veem divididas entre duas pátrias, num filme cheio de imagens simbólicas e rico na abordagem política e histórica de dois países, a Alemanha e a Turquia. Em Foi apenas um sonho (2008), do polêmico Sam Mendes ― que adora mostrar a decadência do modo de vida americano, apontado como perfeito mas que é sombriamente doentio ―, nota-se um trabalho mais apurado no perfil psicológico de cada personagem. Um homem que sonhou um dia não participar dos padrões de felicidade impostos, mas que foi tragado por ele, como acontece com muitas pessoas, e sua mulher que acreditou no sonho dele e foi também sendo levada pelo american way of life. Por último, o melhor filme do cineasta Quentin Tarantino desta década, Bastardos Inglórios, de 2009, que nos rendeu boas risadas e um sentimento de desejo realizado ao vermos o ditador Adolf Hitler ter seu rosto desfigurado por uma quantidade significativa de balas. Tarantino conseguiu deixar sua marca em um dos acontecimentos mais marcantes da história da humanidade no século XX, a Segunda Guerra.


Taís Kerche
São Paulo, 28/1/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
02. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
03. André Bazin e a crítica como militância de Humberto Pereira da Silva
04. O Free, de Chris Anderson de Julio Daio Borges
05. Amor e relacionamentos em tempos de transição de Luis Eduardo Matta


Mais Taís Kerche
Mais Especial Melhores de 2000-2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2010
02h47min
Sei que lista de destaques são bastante pessoais e que estão isentas de imparcialidade, mas ainda assim podem acontecer algumas injustiças, não que seja o caso da sua ótima lista, mas esperava uma maior participação de filmes nacionais, já que o cinema brasileiro de qualidade se firmou nesta primeira década do século. "Cheiro do Ralo", "Cidade Baixa", "Amarelo Manga", "Madame Satã", "À Deriva", "Via Láctea" e vários outros são bons exemplos de filmes que tiveram boa repercussão aqui e lá fora.
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
15/2/2010
22h41min
Como todas as listas, comete muitas injustiças, e não é por faltar participação de filmes nacionais ou de outras regiões, é que como a colunista mesmo diz, é impossível ver todos os filmes lançados em 3.650 giros do planeta em torno de si, então a parcialidade é a pedra fundamental de quase todas as listas. Mas, mesmo assim, elas têm que ser feitas, e, apesar de tudo, gostei da seleção da autora.
[Leia outros Comentários de Leandro de Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês