Nem capitalismo, nem socialismo, nem morte | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS

Terça-feira, 6/3/2007
Nem capitalismo, nem socialismo, nem morte
Marcelo Spalding

+ de 14000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Quando Hugo Chávez jurou, em alto e bom som, no dia 10 de janeiro de 2007, "Pátria, socialismo ou morte", o mercado tremeu. Alguns governos riram. O mundo refletiu.

Chávez é hoje o genuíno representante da corrente de pensamento que mais abalou o capitalismo moderno, herdeiro próximo de Fidel Castro, seguidor de Marx e dos russos da Revolução de Outubro. Isolado num pequeno país, respaldado pelas urnas e financiado pelo petróleo que jorra das terras venezuelanas, já anunciou para esse terceiro mandato a nacionalização de empresas como a CANTV - maior telefônica do país -, sua filial de telefonia celular e a Companhia Elétrica de Caracas, todas controladas por empresas estrangeiras, além de ameaçar a maior cadeia de televisão do país, a RCTV, de não renovar sua concessão. Contrárias às leis e convenções de mercado em voga há mais de século, as medidas de Chávez não são inéditas mas parecem anacrônicas depois da queda do Muro de Berlim e do chamado "fim do socialismo".

Ocorre que Hugo Chávez é propositivo. Como comandante de um Estado, ele não apenas critica nos discursos e tenta amenizar nas políticas o efeito do capitalismo dominante - como fazem muitos sociais democratas latino-americanos -, Chavéz parece realmente acreditar na receita marxista e leninista para seu país, e por isso soa tão anacrônico. Com mandato até 2013, é possível que consiga aplicar muito dessa receita e é com atenção que acompanharemos suas tentativas. Mas não se pode ver a experiência da Venezuela como uma atitude isolada, e sim como sinal da permanência do pensamento marxista, que não sucumbiu sob os escombros do Muro de Berlim e ecoa hoje nas academias, nos parlamentos e na cultura.

É no âmbito cultural, aliás, mais do que no político, que a resistência de aderir completamente ao capitalismo financeiro contemporâneo é maior, e vozes destoantes do pensamento único seguem fazendo música, literatura, artes, intervenções e mesmo cinema, sem a fúria, o medo e a paixão dos tempos negros da Guerra Fria, mas com as mesmas inquietações. No lirismo de um Hatoum em Cinzas do Norte ou na denúncia social de um Freire em Contos Negreiros, na contundência de um Pepetela ou nas alegorias de um Saramago perpassa a preocupação social e a denúncia das desigualdades abissais que nosso sistema não apenas permite como promove há anos e anos. Mas mesmo as obras literárias de hoje são mais reflexivas do que propositivas - não há hoje espaço para um Jorge Amado pregando a revolução socialista, por exemplo -, primeiro porque as decepções são muitas e as verdades, raras, depois porque a cultura está submetida a um mercado e ele tem, sim, sua lógica e suas regras.

Uma das exceções no mercado cultural é a Editora Expressão Popular. Voz destoante em meio a grandes editoras comerciais, desde 1999 publica o que eles chamam de "livros bons, de boa qualidade e a preços acessíveis, com o compromisso de construir um novo mundo e a certeza de que essa possibilidade será tanto maior quanto maior for o acesso dos homens e mulheres, sujeitos e protagonistas dessa construção, aos saberes desenvolvidos nesse rumo".

Demonstrando vitalidade, a editora já tem mais de 100 títulos que vão de literatura a ensaios biográficos divididos em coleções chamadas de "Imperialismo", "Assim lutam os povos", "Trabalho e Emancipação" e "Revoltas Militares", por exemplo. No começo de 2007, lançou diversas obras, como Da guerrilha ao socialismo - a Revolução Cubana, de Florestan Fernandes, O Estado e a revolução, de Vladmir Lenin, O trabalho no espaço da fábrica - um estudo da General Motors em São José dos Campos (SP) , de Gilberto Cunha Franca, e Privatização da CSN - da luta de classes à parceria, de Edílson Graciolli.

Em Da guerrilha ao socialismo, obra do final dos anos 70, Florestan Fernandes elabora um minucioso - e entusiasmado - quadro teórico da experiência cubana, desde suas origens históricas até as experiências de implantação do poder popular. No prefácio, Antônio Cândido afirma que a leitura é tensa mas compensadora, pois o leitor sai dela com um conhecimento privilegiado da Revolução Cubana. Agora imagine o quanto seria enriquecedor para nós, leitores pós-89 que estamos assistindo aos últimos anos de Fidel Castro e à transformação da China comunista em potência capitalista.

É também de Florestan Fernandes a apresentação de O Estado e a revolução, de Lenin, obra publicada em agosto de 1917, pouco antes da Revolução de Outubro que marcaria a história mundial no século XX. O livro procura demonstrar, a partir de denso estudo das obras de Marx e Engels, como o Estado é um instrumento de exploração da classe oprimida, incitando os trabalhadores a tomar o poder do Estado para, numa fase posterior, destruí-lo, ainda que para tanto seja necessária repressão: "a substituição do Estado burguês pelo Estado proletário não é possível sem uma revolução violenta", escreve Lenin.

Lenin, mais do que um documento de inestimável valor histórico pela proximidade da revolução que lideraria, faz uma interpretação valiosa da obra de Marx, uma interpretação mais belicosa do que os marxistas europeus do século XX costumavam fazer que em certos trechos chega a assustar um leitor do século XXI, leitor que mesmo consciente da desigualdade social do mundo contemporâneo já cansou de guerras, revoluções e mortes.

"Quem só reconhece a luta de classes não é ainda marxista e pode muito bem não sair dos quadros do pensamento burguês e da política burguesa. Limitar o marxismo à luta de classes é truncá-lo, reduzi-lo ao que é aceitável para a burguesia. Só é marxista aquele que estende o reconhecimento da luta de classes ao reconhecimento da ditadura do proletariado. A diferença mais profunda entre o marxista e o pequeno (ou grande) burguês ordinário está aí."

Adiante, vai além ao justificar a necessidade da revolução:

"Uma revolução é, certamente, a coisa mais autoritária que há, um ato pelo qual uma parte da população impõe a sua vontade à outra, com auxílio dos fuzis, das baionetas e dos canhões, meios por excelência autoritários; e o partido que triunfou tem de manter a sua autoridade pelo temor que as suas armas inspiram aos reacionários. Se a Comuna de Paris não se tivesse utilizado, contra a burguesia, da autoridade do povo em armas, teria ela podido viver mais de um dia?"

À época a Rússia estava arrasada pelos efeitos não apenas da economia como da Primeira Grande Guerra e as promessas do comunismo eram uma saída, talvez a única, talvez a última. De fato, para aquela geração, parecia ser socialismo ou morte. Mas hoje, quase cem anos depois das palavras contundentes e emocionadas de Lenin, depois de assistirmos aos abusos ditatoriais do governo bolchevique e da impossibilidade de atingir o passo supremo do socialismo - o comunismo - é no mínimo perigoso não dar outra alternativa a uma pátria se não "socialismo ou morte", como fez Hugo Chávez. Mas tão perigoso quanto é renegar as mazelas que a sociedade capitalista aprofunda e produz sob pena de sucumbirmos diante da criminalidade, da crise ambiental, da falta de expectativas. Ao invés de pegarmos em armas ou participarmos de forma hedonista do oba-oba capitalista, parece que chegou a hora de procurarmos alternativas, palavras que produzam melhor frase do que a pronunciada por Chávez. Nem capitalismo, nem socialismo, nem morte.

Para ir além









Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry
02. Clássicos para a Juventude de Ricardo de Mattos
03. Financiamento público para o Jornalismo? de Victor Barone
04. Por que corremos e não chegamos a lugar algum de Adriana Baggio
05. Rápidos nas Letras de Nemo Nox


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
02. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Pequena poética do miniconto - 20/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/3/2007
13h36min
Marcelo, tinha escrito um comentário enorme, empolgado. Porém, como o capitalismo, os pcs têm seus furos, e o meu "deu pau". Mas, de qualquer forma, quero elogiar o seu texto, que foi feito de uma maneira clara e sensata, não diria imparcial. Concordo com vc plenamente. Parabéns. Adriana
[Leia outros Comentários de adriana]
7/3/2007
08h53min
É a velha ladainha dos socialistas: se o socialismo não deu certo no mundo, morte ao capitalismo! Chávez não passa de um sargentão golpista, um Idi Amin repaginado, que está desgraçando seu país. O maldito sistema econômico adotado pelo caudilho fanfarrão está levando a Venezuela para o abismo. No momento em que faltam muitos produtos de primeira necessidade nas prateleiras, por conta exclusiva de sua equivocada "revolução bolivariana", Chávez coloca, mais uma vez, a culpa nos EUA. É o mesmo chavão de sempre, igual ao de Fidel, o "coma andante": mete o sarrafo nos States, diz que não precisa do capitalismo para sobreviver, porém não se cansa de dizer que a desgraça cubana é obra dos malditos ianques, que promovem o bloqueio econômico (no caso de Cuba, existe embargo dos EUA, e apenas parcial, não bloqueio, como propalam Fidel, Chávez, Lula e outros mentirosos). De certa forma, o "mercado tremeu", como disse o Marcelo Spalding, especialmente o mercado de armas: 100.000 Kalashnikov fo
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
7/3/2007
16h15min
O colega aí, Felix, provavelmente é pago por algum Instituto Liberal para semear essas mensagens anticomunistas naftalina pela Internet, só pode!
[Leia outros Comentários de Lúcio Emílio]
7/3/2007
16h40min
Faltou o Emílio me passar a conta do Instituto Liberal, para que lá possa retirar o dinheiro. Dou 50% para o Ê Milho, se me fizer esse favor...
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
8/3/2007
14h10min
Hugo Chávez tem apenas as idéias socialistas para justificar ações que parecem, mas não o são. Talvez o presidente venezuelano seja movido por um sentimento nobre, motivado pela revoltante exploração e degradação humana imposta pelo sistema capitalista. É justo que as vozes ecoem e provoquem reflexões profundas sobre o nefasto processo de globalização econômica que agrava a miséria de populações indefesas, dado o alto grau de dominação dos países ricos. Bush é "hobbeano", revive o estado de natureza onde o que vale é a lei do mais forte. O que revela a mediocridade de um governo arrogante e desumano. Porém, o eixo pelo qual Chavez parece conduzir suas políticas não são confluentes com os ideais socialistas... O nosso espalhafatoso líder sulamericano deseja uma revolução pessoal, que o coloque em alguma página de livro historiográfico. Por que não socializar por exemplo o poder, inaugurando um modelo de democracia plena? Queremos um novo modelo cultural, mas não podemos nos deixar iludir.
[Leia outros Comentários de Paulo dos Santos]
8/3/2007
21h17min
Paulo, acho que vc teve bom senso em seu comentário. Chávez e seu aspecto narcisista são evidentes, mas devemos considerar outros. Por exemplo, o fato de ele "enfrentar" o Tio Sam e seus aliados. O que querem? Petróleo. E a Venezuela tem. Penso que se todos os líderes da AL agissem com uma postura similar alguma coisa começaria a mudar na América do Sul. Sinto saudade de quando Lula tinha garra e podia combater, contestar, sem estar acorrentado a tantas alianças. Tenho saudade de quando realmente acreditava que o Brasil poderia mudar de fato. Mas alguém tem que se mexer na AL e Chávez está fazendo isso. Seja por narcisismo ou por um pseudo-socialismo. Quem sabe alguma coisa mude... já ouviu falar na teoria do caos? No efeito borboleta? Pois é. Um abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês