Por que eu não escrevo testimonials no Orkut | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
COLUNAS

Quinta-feira, 6/10/2005
Por que eu não escrevo testimonials no Orkut
Adriana Baggio

+ de 26500 Acessos
+ 13 Comentário(s)

Tenho uma amiga muito querida que me cobra um depoimento em seu perfil no Orkut. Tentei explicar a ela porque não escrevo testimonials e acredito ter sido meio vaga. Pois bem, refleti um pouco mais sobre meus motivos e descobri que eles são mais numerosos do que imaginava.

Em primeiro lugar, não escrevo porque não levo o Orkut muito a sério. Acho bacana a proposta e acho importante participar disso. Importante "profissionalmente", não pessoalmente. É deprimente interagir com as pessoas, "mensurar" sua popularidade ou a afetividade dos seus amigos através do Orkut. No entanto, ele é ótimo para recuperar e manter contatos, fazer brincadeiras, formar uma network.

Estou me referindo à profissão mesmo - sou publicitária - mas também à necessidade de qualquer indivíduo estar atualizado com o que acontece em termos de novidades e tendências de comportamento. Você pode continuar sendo uma pessoa de sucesso em seus relacionamentos sem o Orkut, mas vai sentir-se um profissional defasado se não estiver à par das novas tecnologias e das possibilidades e mudanças que são inerentes a elas.

Um exemplo disso são os blogs (a gente fala bastante deles aqui no Digestivo.). Eles também passaram da utilização puramente pessoal e se transformaram em importante ferramenta para vários segmentos profissionais ou de utilidade pública. De diários virtuais evoluíram para espaço de divulgação e discussão sobre informações de interesse geral. Alguns se especializaram, tornando-se verdadeiras publicações. Hoje, além de continuarem sendo diários, os blogs também têm funções muito mais relevantes - são responsáveis por grandes furos de reportagem (você viu a cobertura via blogs da crise política do Governo?) e aglutinam informações e mecanismos de ajuda durante as tragédias (você viu como os blogs auxiliaram as vítimas do tsunami da Ásia e do furacão de New Orleans?).

As empresas também perceberam o potencial dos blogs como ferramentas de publicidade, relações públicas, marketing viral, etc. Grandes marcas já consideram seriamente os blogs em suas estratégias de comunicação. Portanto, ser publicitário, jornalista ou relações públicas, só para ficar no mais óbvio, sem conhecer as possibilidades dos blogs, é impossível.

Acredito que com o Orkut é a mesma coisa. Vamos acabar descobrindo novos usos para ele. Comercialmente falando, isso já acontece. Existem comunidades criadas por lojas ou por marcas, listas de discussão, e por aí vai. A Master, agência de publicidade curitibana e uma das maiores do Brasil, fez um recrutamento de estagiários através do Orkut. Perceberam em sua principal característica - a disponibilidade do perfil detalhado dos usuários - uma oportunidade de fazer a primeira "peneirada" na quantidade enorme de candidatos que invariavelmente aparecem nessas seleções.

Bem, todo esse latim aí em cima é só para explicar o primeiro motivo da minha restrição aos testimonials. Quanto ao segundo: por não levar o Orkut muito a sério, também não é toda hora que tenho saco para entrar e fazer a "manutenção". Sem falar nos "bad, bad donuts for you" que acabam com a paciência de qualquer um, ou no encerramento inexplicável do Netscape toda vez que eu tento acessar o perfil de determinada pessoa. Como redigir um depoimento sincero e relevante para alguém nessas condições?

A questão da relevância tem a ver com o terceiro motivo. Não sou expert em Orkut mas, pela lógica do programa, deduz-se que existe uma hierarquia (ou função) entre as mensagens que deixamos para nossos amigos. No entanto, as pessoas confundem testimonials com scraps e messages. Se eu fizesse algum depoimento para alguém, seria sincero, profundo e atemporal. É diferente de deixar um recado ou fazer algum comentário pontual, mais adequado para a página de scraps. Outra coisa ridícula - pode conferir! - é que grande parte dos testimonials começa assim: "Bem, o que dizer de Fulaninho de Tal.".

O quarto motivo é bem pessoal e tem a ver com a minha personalidade. Um depoimento sobre alguém de quem gosto teria emoção, subjetividade, referência a histórias e momentos compartilhados, segredos. Tenho um certo pudor em expor assim meus sentimentos de amizade, afeto ou amor. Pois é, a timidez me impede de dizer o quanto aprecio algumas pessoas.

Veja bem, o verbo é dizer. Isso significa que prefiro mostrar através de um sorriso, ao estender a mão, nas conversas, nas risadas. Ou seja, coisas impossíveis de se fazer no ambiente virtual, né? E depois, vamos dar o devido peso às coisas: declarações de amor e de afeto são muito importantes para estarem misturadas às bobagens que as pessoas escrevem no Orkut!

O último motivo, querida amiga, é que deixar um testimonial para você e não fazer o mesmo com outra pessoa poderia me colocar em maus lençóis. É delicado ranquear amigos! Prefiro deixar que essa "classificação" aconteça normalmente, através da dinâmica hipócrita do mundo real. Você sabe que é uma de minhas amigas preferidas, mas porque esfregar isso na cara dos menos afortunados?

Apesar de nunca ter deixado um depoimento para meus colegas de Orkut, tive a honra de receber dois. O fato de não escrever testimonials não impede que eu goste e agradeça os que foram deixados no meu perfil. Para mim, o Orkut é uma brincadeira, uma experiência, mas para outras pessoas talvez não seja. Vindo delas, mesmo sendo postada no ambiente artificial de um site de relacionamentos, uma mensagem tem grande valor.


Adriana Baggio
Curitiba, 6/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
04. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/10/2005
20h20min
Delícia de artigo, Adriana: Tenho um amigo que não sabe mais o que fazer com tantos convites do Orkut... rs. Não sei onde arranjaria tempo para acessar tantas opções. Andei por lá e achei bem confuso, ainda me amarro mais nos blogs – nos favoritos. Mas seu artgo instiga a que a gente os acesse para saber mais dos queridos. Quem sabe daqui a pouquinho... Fique como beijinho da leitora amiga do DF ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
13/10/2005
18h57min
Concordo com Adriana. Não quero ser popular na Internet. Acabamos, sem perceber, nos distanciando do contato humano. Além disso, o Orkut parece que promove o "ego" das pessoas, tornando-as indiferentes em relação ao mundo. Sei não...
[Leia outros Comentários de elvis lima costa]
25/10/2005
23h05min
Adriana: vc vai no "ponto" certo. Também acho esquisito a pessoa dar depoimento no Orkut sobre amigos. Para que isso? Qual a finalidade? Quando temos um amigo, pega-se o telefone e conversa-se, não é? Nunca as pessoas ficaram tão expostas. Não sei se é bom ficar tão visível. O importante é que vc está com olhos atentos para o que anda acontecendo. Parabéns pela matéria. Carolina Falcone
[Leia outros Comentários de Carolina Falcone]
5/11/2005
21h57min
Muito interessante a tua opinião sobre expor ou não sentimentos. Minha esposa fez um depoimento sincero e eu achei que deveria excluí-lo. Pedi a ela para que assim o fizesse e ela concordou.
[Leia outros Comentários de vanderlei carlos mad]
7/11/2005
10h31min
Talvez eu seja esquisita, mas eu sempre postei depoimentos no Orkut. E adoro os que meus amigos escreveram para mim. Os depoimentos – gosto mais da palavra inglesa testimonial, eu testemunho, o que eu digo é verdade – são como um cartão de visitas para aquela pessoa... e quando alguém estranho me adiciona no Orkut vou no perfil da pessoa verificar os testimonials que ela possui. Uma pessoa com testimonial no perfil, com fotos, com recados reais no scrap é uma pessoa real – e aí, as mensagens virtuais ali postadas me auxiliam a ver quem é quem. Os testimonials são como cartões de visita virtual – "vejam, eu sou essa pessoa, com esses amigos que falam isso de mim". Eu considero assim. Não tenho vergonha virtual assim como não considero menos virtual um telefonema. A tecnologia existe para nos comunicarmos, não importa qual seja. E é bom ter um recurso que coloca mais perto pessoas que estão longe de nós – como meus amigos baianos, na saudosa Salvador.
[Leia outros Comentários de Danicast]
7/11/2005
17h38min
É um saco mesmo esse negocio de Orkut, criei um pra mim e me arrependi, vou encerrar, não gostei desse negocio de depoimentos, acho que o que vivi com meus amigos de bom e' algo bem particular, e não quero que coisas tão particulares sirvam de pano de fundo para pessoas desconhecidas...
[Leia outros Comentários de Nivea Modesto]
21/11/2005
16h42min
Acredito que o Orkut realmente não tenha a pretensão de ser algo levado a sério. Ele é aquilo que as pessoas fazem dele, e a invasão da sua privacidade será sempre resultante da sua opção de se expor. Utilizo o Orkut por puro lazer (apesar de, como musicista, já ter feito muitos contatos legais por lá) e gostei muito de ler seu ponto de vista, Adriana. Agora, seu próximo texto bem poderia ser sobre a necessidade que as pessoas têm de demonstrar seua afeto deixando peixinhos, balõezinhos, coraçõezinhos e congêneres no scrapbook alheio. :D
[Leia outros Comentários de Jamila Maia]
15/2/2006
23h58min
Não consigo levar o ORKUT a sério. Imagino que a possibilidade de usar o Orkut seriamente esbarra, primeiro na exclusão digital e depois na qualidade de artigos e comentários postados no ORKUT. Seria necessario ter um perfil fantasma onde teriamos nossa verdadeira personalidade e um "perfil profissional", voltado somente para o "corretamente sério". Não, eu realmente não gosto desta superexposição que o Orkut traz. Comentários, "Scraps", tudo isto mostra o que o vírus "I Love You" revelou com precisão: somos todos carentes de atenção. E, Realmente somos extremamente numerosos no ORKUT, mas isso não implica em qualidade. É uma pena que, já no século 21 o acesso às necessidades básicas : educação, saúde, alimentação, moradia e emprego ainda seja um privilégio. Sempre que entro no ORKUT lembro de um quadro humorístico cujo bordão era "Não traz a máfia pro Brasil que esculhamba!". 8)
[Leia outros Comentários de Eurandi Corvello]
30/3/2007
20h21min
eu morro se não entrar pelo menos uma vez no dia no Orkut!!! sem ele eu não vivo!
[Leia outros Comentários de bruna kerlly]
19/5/2007
00h11min
Querida, eu amei o texto, apesar de ser o inverso de ti... Eu adoro escrever e receber testimoniais de amigos reais e virtuais... Eu tenho um carinho enorme pelo orkut, pois, através deste meio de comunicação, eu encontrei amigos que tinha perdido neste mundo real, frio e indiferente... Adoro comunicar-me com todos, sempre enviando carinho e esperança, pq vivemos num mundo repleto de pessoas "inteligentes", mas onde ninguém tem tempo de ser mão para segurar a mão do outro! Um grande beijo no coração!
[Leia outros Comentários de Natália M.Ribeiro]
18/1/2008
19h16min
Concordo com a matéria da Adriana, e lendo-a pude me identificar muito, pois muitas vezes as pessoas lhe cobram depoimentos sem ao menos você ter intimidade com ela. Sem falar que fica muito exposto também.
[Leia outros Comentários de Mariana Dias ]
25/2/2008
17h42min
Eu concordo com a sua matéria, Adriana. Às vezes as pessoas cobram depoimento sem a gente ao menos se conhecer, então fica um pouco complicado mesmo... O Orkut tem o lado bom e o lado ruim. Eu, por exemplo, fazia um tempão que não via meu primo e, depois que criei um Orkut pra mim, achei ele, e isso foi muito bom... Mas, por outro lado, é ruim, pois as pessoas fazem críticas, abusam da gente..., enfim. O Orkut tinha que ter mais segurança. Não me sinto segura no Orkut
[Leia outros Comentários de jaqueline v.d.M]
14/7/2013
23h07min
Não tenho usado o orkut.Não tenho dificuldade p/dar testemunho. Sempre há pontos positivos nos amigos.
[Leia outros Comentários de Nazareth Peres]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês