O erótico e o pornográfico | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
COLUNAS

Quinta-feira, 20/10/2005
O erótico e o pornográfico
Adriana Baggio

+ de 21500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O pornográfico sempre me pareceu mais relacionado à imagem do que ao texto. Está mais presente em revistas com poucas palavras e muitas fotos, filmes com muitos closes e pouco roteiro, quadrinhos com muitos desenhos e poucos balões. Mas se existe uma situação em que essa relação se inverte é no livro O banquete: as gostosas de Caco Galhardo revisitadas por Marcelo Mirisola (Editora Barracuda, 2004, 77 páginas). Enquanto os traços do cartunista d´Os pescoçudos são elegantemente eróticos, a pornografia fica mesmo é por conta do texto de Mirisola, que acompanha cada ilustração.

Esse banquete oferece 31 pratos, ou melhor, mulheres "gostosas", que Caco foi desenhando e colocando em seu site (só para assinantes do UOL). Como ele mesmo diz, "deu trabalho, mas que mulher não dá"? Talvez tenha sido a dedicação a essas meninas que levou o cartunista a decidir reuni-las em livro. Como acompanhamento, histórias apimentadas.

Mesmo com a nudez, as poses provocantes e os elementos de fetiche, o resultado é eroticamente bem-humorado. Difícil não sorrir com os traços de Galhardo. As formas estilizadas e as indefectíveis sombras dão leveza aos desenhos. No entanto, também foram capazes de inspirar Marcelo Mirisola a escrever para cada uma delas um pequeno conto, normalmente meio sórdido. O da "Tati", a primeira que ele mandou para Galhardo, pode ter deixado as catarinenses meio ofendidas: "Veio do oeste de Santa Catarina. A mesma região que exporta barbies longilíneas pras agências de modelos e pros puteiros de luxo em São Paulo".

É um estilo de texto que está meio na moda, acho eu. Com certeza, é uma proposta válida, com qualidades literárias que alguém mais afinado com o tema poderia descrever aqui. Mas desde que eu deixei de me interessar por aqueles belos livros de capa dura com figuras de fadas e príncipes, é a primeira vez que prefiro a ilustração às palavras. Os meninos talvez gostem mais, porque o texto transmite uma espécie de ressentimento com o feminino. A leitura pode até servir como reelaboração de alguma emoção mal-resolvida.

Não que isso signifique alguma mágoa pessoal de Mirisola com as mulheres. É absurdo interpretar o conteúdo da ficção como se fosse o pensamento do escritor. Mas existe uma certa recorrência de assuntos que, se não fazem parte da opinião do autor, devem ser algum tipo de informação do inconsciente coletivo masculino. Por exemplo, percebe-se uma ligeira implicância com essa história de comidinhas diferentes, restaurantes da moda, culinárias exóticas de diversas partes do mundo. É algo de que as mulheres gostam, talvez mais do que os homens. Então, veja só o que os rapazes dos contos do Mirisola acham disso:

Em "Donna"
"(.) ela pediu alguma meleca ao molho curry no restaurante indiano (.)"

Em "Glorinha Fuad"
"Nada poderia justificar o fato de ela ter mencionado uma posta de salmão ao molho de maracujá servido não sei em que 'bistrô' perto do (.)

Em "Lisa"
"(.) pagou a conta do bistrô (dois queijos quentes metidos a besta.) e me disse (.)"

Além das 29 "gostosas" iluscritas pelo Marcelo Mirisola, o livro tem mais duas de bônus. "Suzie Q. on the beach" é uma participação especial de Mário Bortolotto, menos crua, mais fluida, quase cavalheiresca. E a trigésima segunda. bem, essa não tem nome. Ainda. É uma "gostosa" especialmente reservada para o leitor se inspirar e escrever seu conto. A mulher está deitada de lado na cama, com calcinha preta. Pode ser vista de costas por quem abre a página. Compre seu livro, escreva o texto e mande para banquete@ebarracuda.com.br. Na época do lançamento do livro, alguns foram postados no blog da editora. Se houver uma nova onda de textos, talvez eles voltem a publicar...

Curiosa para conhecer algumas dessas tentativas dos leitores, andei fuçando no site da Barracuda e descobri um link para o blog (Homem Baile) de um cara que fez sua versão. Acho que se ele não tivesse se preocupado em parecer com o Mirisola ("ajeito os bagos", "big de uma ereção"), o resultado teria ficado melhor. No entanto, gostei da estrutura com começo-meio-e-fim - tão fora de moda, né? - e do fator surpresa. Aí vai, para você conferir e dar sua opinião também:

O fotógrafo

Valkyria tem um rabão.
"Val, empina um pouco a bundinha?"
"Assim tá bom?"
Está perfeito. Escolho bem os ângulos e capricho nos cliques, pois é a primeira vez que fotografo para um site de acompanhantes. Enfio a mão por dentro da cueca e ajeito os bagos; estou com uma big de uma ereção.
"Isso aqui não vai aparecer? Tá meio vermelho por causa da depilação..."
"Não tem problema. Se aparecer, eu tiro com o Photoshop."
Na cama, Valkyria com a calcinha enfiada no rabo (dava para enxergar a marquinha de biquíni). Eu em pé, câmera na mão, a cueca apertando o meu pau. Já estava achando que não ia prestar, que a sessão de fotos acabaria em sacanagem.
"Quer mais vinho, moça?"
"Eu quero."
Mais vinho, mais fotos, eu doido pra furar o couro. Rosto de criança, ela jura que não tem silicone na bunda: "só um pouquinho nos peitinhos". Boca carnudinha, piercing no umbigo, coxas gostosas, pés pequenininhos. A pedido meu, ela tira a calcinha e se vira de frente.
"Você quer mesmo operar?"
"Tou juntando dinheiro pra isso."
Desperdício: por que jogar fora um pau assim bonito, tão maior que o meu?

.

Mudando (um pouco) de assunto

Os traços limpos e coloridos de Caco Galhardo, as sombras que caracterizam seu estilo e o humor dos seus desenhos tornam mais leve o tema de um outro livro, nada a ver com O banquete. Ele ilustra as situações que são abordadas em A saúde mental do jovem brasileiro (Edições Inteligentes, 2004, 175 páginas).

A publicação é obra de quatro psiquiatras, Bacy Fleitlich-Bilyk, Ênio Roberto de Andrade, Sandra Scivoletto e Vanessa Dentzien Pinzon. Ao contrário do nome imprununciável de seus autores, o texto do livro é de fácil compreensão. Aborda de forma didática e explicativa os distúrbios mentais que acometem os adolescentes, descrevendo alguns deles e sugerindo atitudes de prevenção e tratamento que podem ser adotadas pela família, pela escola, pela comunidade e pelo poder público.

Além do conteúdo importante e acessível e das ilustrações de Galhardo, o livro possui outros atrativos. Tem diagramação leve, impressão de qualidade e um contundente prefácio de Frei Betto: "(.) investir no aumento dos índices de desenvolvimento humano e, em especial, na educação das meninas, é o caminho adequado para uma sociedade mais justa e em melhores condições de lidar com a saúde mental dos jovens".

Foi viabilizado pela Fundação Djalma Guimarães, responsável pelas ações de responsabilidade social da CBMM - Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, de Araxá. O site da Fundação mostra que, entre os vários projetos apoiados pela empresa, muitos são relacionados aos cuidados com a infância e com a adolescência. Tomara que, na prática, seja verdade.

Para ir além









Adriana Baggio
Curitiba, 20/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
02. Amar a vida! de Daniel Bushatsky
03. Nerdcast e seu toque de Midas de Carla Ceres
04. Na toca dos leões de Gian Danton
05. O filho eterno e seus prêmios literários de Marcelo Spalding


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
04. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/10/2005
17h06min
Também acho que os contos do Mirisola passam um certo ressentimento com o feminino. Não conheço esses do Banquete, fiquei curiosa, mas já li alguma coisa dele e achei a mesma coisa que vc. Confesso que fiquei incomodada. Ele vai dizer: ótimo que os meus escritos incomodem. É claro, isso virou moda. Incomodar virou moda, ainda que tentem nos convencer que incomodada ficava a nossa vó. E nem acho que é o caso de comparar o que o cara escreve com o que ele é, até porque para quem não o conhece isso não faz a menor diferença. Quem o conhece que o ature, ou não. Agora, que o cara se acha, se acha... assisti a uma entrevista com ele no Provocações do Abujamra e fiquei impressionada com o tamanho do ego dele. Mas tem quem goste, tem quem goste.
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
3/11/2005
12h15min
O Miribola é o Anthony Garotinho do estilo. Falo só como escritor, pois não o conheço pessoalmente... Mas se tem uma coisa que eu não gosto é literatura que tenta ser metida a besta. Falar palavrões e escrever frases porcas e/ou depravadas não faz de ninguém um astro. Exceto no nosso supermercado literário, que ainda bem, já saiu da fase de ser um meio Miribola para lá, outro para cá... Incrível é que árvores sejam assassinadas em prol deste sujeito.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês