Traficante, sim. Bandido, não. | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
>>> Joelmir Beting – O jornalista de economia mais influente da história do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
>>> House, 6ª Temporada
Mais Recentes
>>> A Simbólica do Mal de Paul Ricoeur pela Edicoes 70 Brasil (2013)
>>> Um dia de chuva de Eça de Queiroz pela Cosac Naify (2011)
>>> Poesia de Pier Paolo Pasolini de Pier Paolo Pasolini; Alfonso Berardinelli pela Cosac & Naify (2015)
>>> Sos Truques Do Lar de Jeanne Margareth pela Ediouro (2008)
>>> O Olho Imóvel pela Força da Harmonia de William Wordsworth pela Ateliê Editorial (2008)
>>> Treasury of Humor de Isaac Asimov pela Houghton Mifflin (1991)
>>> Narrativa de A. Gordon Pym de Edgar Allan Poe pela Cosac & Naify (2002)
>>> Harmonia de Arnold Schoenberg pela Unesp (2011)
>>> Coleção zodíaco completa 1973 de Derek e Julia Parker pela Bloch (1973)
>>> Nano: Poética de um Mundo Novo de Victoria Vesna e James Gimzewski pela F.A.A.P (2008)
>>> Mikroprocessadores e Microcomputadores de Hans Peter Blomeyer Bartenstein pela Siemens
>>> Memórias de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> Manual del Constructor de Máquina - Tomo 2 de H. Dubbel pela Labor (1960)
>>> Manual del Constructor de Máquina - Tomo 1 de H. Dubbel pela Labor (1960)
>>> Literatura: Textos & Técnicas de João Domingues Maia pela Ática (1995)
>>> Léquipage de Joseph Kessel pela Gallimard (1969)
>>> Leonardo de Lisa Degnen pela Manole (1998)
>>> Legislação Penal Especial - Volume 2 de André de Carvalho Ramos e Outros pela Premier Máxima (2008)
>>> Interesses Difusos e Coletivos - Caderno de Apoio 3º e 4º Módulos de Escola Superior do Ministério Público de São Paulo pela Espm
>>> Instalações Domiciliares de Celso Cardão pela Arquitetura e Engenharia (1963)
>>> Inside 3d Studio Max 3: Modeling, Materials, and Rendering de Ted Boardman e Jeremy Hubbell pela New RIders
>>> Home Remedies What Works de Gale Maleskey e Brian Kaufman pela Rodale Press (1995)
>>> Financial Management - Theory and Practice de Eugene F. Brigham e Louis C. Gapenski pela The Dryden Press (1997)
>>> Exame da Ordem de Rahal e Chiarella e Dias pela Quartier Latin (2004)
>>> Educação Sexual - Perguntas e Respostas de Deborah P. Matthews pela Eko (1992)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/6/2005
Traficante, sim. Bandido, não.
Adriana Baggio

+ de 30100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Dia desses, a MTV apresentou ao mercado publicitário os resultados de uma pesquisa que realiza periodicamente com jovens de várias cidades brasileiras. As revelações do 3º Dossiê Universo Jovem MTV foram, ao mesmo tempo, esclarecedoras e preocupantes.

À medida em que o filme mostrava entrevistas e dados estatísticos, o público ia perdendo o foco na publicidade e pensava nos filhos em casa e no mundo que os espera: experiências sexuais cada vez mais precoces, vaidade exacerbada, superficialidade, individualismo e um acesso extremamente fácil às drogas. Tão fácil que um entrevistado não sabia dizer se é proibido ou não fumar maconha, enquanto outra não conseguia ver como traficante o amigo que vive da venda de drogas. Será que é por que traficante é só aquele favelado malvado, com arma na mão?

João Guilherme Estrella foi um desses traficantes com jeito de mocinho. Um cara simpático, carismático, cheio de amigos. Burguês da zona sul do Rio, estudou nos melhores colégios, freqüentou os melhores clubes e festas e teve tudo que um menino da sua idade poderia querer. Foi um típico representante da "geração perdida" dos anos 80. Além de uma família carinhosa e de uma estrutura material confortável, João Guilherme pôde contar com a educação de um pai que acreditava em permitir uma liberdade total e irrestrita aos filhos como forma de prepará-los para o mundo. Talvez tenha sido esse aspecto - falta de limites - um dos que levaram o jovem a experimentar drogas aos 14 anos e chegar a ser considerado "barão do tráfico" no Rio de Janeiro.

O início de João Guilherme na carreira foi meio por acaso. Certa vez, os companheiros do "rachid" deram pra trás e ele ficou com toda a despesa dos papelotes que haviam encomendado ao traficante na sexta-feira. Sem grana para bancar tudo na hora, prometeu ao fornecedor acertar as contas na segunda. Não foi difícil encontrar clientes para o excesso que caíra em suas mãos. No início da semana, pagou o que devia e o traficante percebeu que ele tinha jeito para a coisa.

Tudo isso está no livro do jornalista Guilherme Fiuza, Meu nome não é Johnny - a viagem real de um filho da burguesia à elite do tráfico (Record, 2004). Primo de João Guilherme, Fiuza ouviu sua história desde a infância até a saída do manicômio em que ficou preso; entrevistou a polícia, o poder judiciário, outros traficantes; também conversou com colegas que João Guilherme conheceu na cadeia e no manicômio. Com uma boa história na mão e talento para contá-la, Guilherme Fiuza lançou um livro com todos os ingredientes de um best-seller: suspense, emoção, ritmo e fatos reais. A vida de um traficante também é cheia desses elementos. O livro conta os primeiros passos de João Guilherme no tráfico, o desenvolvimento de sistemas e processos para poder atender e distribuir um crescente número de clientes e quantidade de droga, a conexão com o tráfico internacional, a prisão e os anos de cadeia e manicômio e, finalmente, a redenção.

A legislação faz uma importante distinção entre o usuário de drogas e o traficante. Mesmo o traficante pode ter sua pena atenuada se for comprovado que, por conta do consumo de drogas, ele age sem saber o que está fazendo. João Guilherme acabou sendo enquadrado nessa última categoria, o que foi parte justo e parte sorte. Ele traficava internacionalmente (foi preso com 15 quilos de cocaína!!!), usava métodos elaborados para enviar a droga ao exterior (embutida em forros de casacos) e confessou que gostava do poder e do prazer que o tráfico proporcionava. Não parecem ser atitudes de alguém que não sabe o que faz...

Por outro lado, Estrella nunca foi violento e nem assumiu a postura de outros chefões do tráfico, que andam armados, têm capangas e acumulam um patrimônio com o dinheiro obtido. Como João Guilherme torrava tudo em festas, viagens e mais drogas, pôde ser enquadrado na categoria de viciado e mentalmente incapacitado. Além disso, teve a sorte de contar com um bom advogado e a sensatez de uma juíza que acreditava que a recuperação de dependentes químicos passa longe dos presídios. O carismático filho de boa família foi condenado a quatro anos de prisão, convertidos em dois anos de internamento em um manicômio. Mesmo misturado a esquizofrênicos e psicopatas perigosos, João Guilherme teve chance de trabalhar, passar Natal e Ano Novo em casa e obter uma licença para sair aos finais de semana. Tudo isso, com certeza, foi importante para sua recuperação. Mas até ele entende que um rapaz pobre da favela, se fosse preso em condições similares, não teria as mesmas oportunidades.

Se o manicômio não é exatamente um ambiente saudável para recuperar um cidadão e devolvê-lo à sociedade, pode ser melhor do que ficar preso em uma cela minúscula com mais não sei quantos assassinos e bandidos "de verdade". João passou quatro meses em um local assim antes do julgamento. Tanto em um quanto em outro lugar, o livro mostra como ele usou seu carisma, sua lábia, sua inteligência e até sua prepotência para sobreviver. À medida em que ele se dá bem entre os colegas, escapa de uma ameaça de morte e ganha o campeonato de futebol do manicômio, a imagem do traficante vai se dissolvendo e dá lugar à de um herói. É o arquétipo do bom homem que toma um caminho errado na vida e depois começa a pagar por isso. No final, se redime e justifica a simpatia que o público nunca deixou de sentir por ele.

Essa estrutura de construção de personagem é muito comum no cinema, e a relação do livro com a sétima arte não fica por aí. A divisão da narrativa em capítulos com começo, meio e fim (que Guilherme Fiuza entende como uma característica inerente aos livros escritos por jornalistas, um favor que eles prestam ao leitor...), a glamorização do personagem e a descrição dos locais fazem a gente pensar em tela grande e trilha sonora enquanto devora cada página. Dito e feito. Vários produtores disputaram os direitos de filmagem, mas eles acabaram ficando com Mariza Leão, responsável por Guerra de Canudos, O homem da capa preta e Lamarca. O filme de Meu nome não é Johnny..., tem co-produção e distribuição da Columbia e começa a ser rodado no segundo semestre deste ano.

Ainda falando em cinema, guardadas as devidas proporções, alguns aspectos do roteiro são parecidos com outra história de cadeia, Carandiru. No filme, a existência de um código de ética entre os presos (que provoca admiração na gente; achamos que são incapazes de ter respeito por algum tipo de norma ou instituição), a abordagem "humanizada" dos condenados e as injustiças do sistema penal nos fazem vê-los de outra forma. É importante perceber essas pessoas como fruto de uma situação muito mais ampla, pela qual toda sociedade é responsável, e que merecem um tratamento adequado. Por outro lado, uma emotividade oportunista e barata desvia o foco da realidade do crime e da responsabilidade de cada um. Como o brasileiro médio tem uma tendência em torcer pelo que está perdendo, João Guilherme e os presos de Carandiru são alçados à categoria de heróis por conta da via crucis que passaram no sistema penitenciário e não exatamente pelos motivos que justificariam essa "promoção".

Além de ser um thriller dos melhores, o livro alimenta a polêmica da legalização ou não das drogas e o debate sobre a relação com a violência e a criminalidade. Fiuza faz questão de não ser nem moralista, nem panfletário. A reboque dessa "neutralidade", o livro procura desvincular as drogas, o vício e o tráfico, no contexto de João Guilherme, do crime e da violência. É uma ideologia coerente com o que pensa Estrella, que defende a legalização das drogas e desvia o foco da culpa pela violência para outro tipo de tráfico, o de armas. Ele se assume traficante, mas não bandido: "nunca usei armas, nunca dedurei ninguém. Não havia esse link com fuzis, crianças, gente morrendo no meio da rua. Mas você sempre tenta se defender".

Não sei se o "tentar se defender" refere-se à sua prática de suborno aos policiais, o que alimenta a ciranda do tráfico. Além disso, ele próprio pode não ter usado armas e nem matado ninguém, mas entre seus clientes estavam outros fornecedores menores, que atuavam dentro de um estilo mais "tradicional": o dos tiroteios que a gente vê na televisão. E mesmo que o raio de distribuição fosse apenas o círculo de amigos de Estrella, o fato de fazer parte de um esquema como esse é sim um link com a violência, os tiros de fuzis, as crianças e as pessoas morrendo na rua.

Hoje, Fiuza e Estrella dão palestras em colégios e reforçam a importância de não se experimentar drogas para não correr o risco de cair na dependência química. Fora das escolas, a postura é um pouco mais ambígua. Na entrevista publicada no Dizventura2, o ex-traficante revela suas motivações: "[Por que você se tornou traficante?] Foi uma união de várias coisas, como a busca pela liberdade a todo custo, a aventura, a grana que circula, o poder, o trabalho sem patrão. Eu aproveitei bastante, tirei muito prazer daquilo. Comecei usando, fui conhecendo pessoas, virou uma grande diversão e se transformou numa locomotiva em alta velocidade sem freio. O freio foi o bote da Polícia Federal."

Quando se pinta um quadro tão sedutor desse mundo, é complicado tentar incutir em crianças e adolescentes que a droga pode causar dependência, que o tráfico contribui para a violência, que é necessário o apoio da família, da escola e da sociedade para evitar que os jovens se viciem...

Apesar das agruras pelas quais passou na prisão e no manicômio, o livro dá a impressão de que João Guilherme teve apenas uma bad trip. Curtiu bastante, fez o que deu na telha, se safou relativamente bem e hoje está recuperado. Como ele mesmo diz, "eu não me arrependo do que fiz, mas não faria de novo".

Como posição pessoal ou perfil de um personagem, não há o que questionar em relação a esse ponto de vista. Afinal, Estrella teve a vida e as fraquezas expostas em um livro. É uma troca justa que ele se recuse a assumir que perdeu (coisa que ele odiava) e mantenha uma certa prepotência, mais ou menos como os simpáticos gangsters mafiosos do cinema. No entanto, glamurizar a vida de traficante não é uma atitude adequada para quem dá palestras em escolas sobre o perigo das drogas. Ainda mais quando se leva em conta a realidade mostrada pela pesquisa da MTV. Para os jovens, os limites entre o que é ou não saudável, adequado e criminoso, andam cada vez mais tênues.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 16/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
03. Escola (e escolinha) de Julio Daio Borges
04. A Poesia em Noir de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. O fim do livro didático de Marcelo Spalding


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2005
03h46min
É mais preocupante ainda o acesso que traficantes tem a crianças de 10 a 12 anos, às quais já oferecem drogas nas escolas. Pesquisas médicas mostram que crianças sujeitas a drogas tão cedo, além de ter maior dificuldade em se desvincilhar delas, sofrem graves deficiências em seu desenvolvimento. Quanto a saber se é legal ou não consumir maconha, será que não é conseqüência da impunidade? Desconhecemos as leis. E raramente, na mídia, se diz explicitamente ilegal o artista que é pego com cocaína ou fumando maconha... Vivemos numa era rápida, do prazer e relaxamentos instantaneos, mesmo que o preço seja caro.
[Leia outros Comentários de Ram]
30/12/2007
02h29min
Parabéns pelo excelente texto! Me assusta ver a apologia ao tráfico, e me assusta mais ainda uma pessoa que se diz recuperada não se arrepender de ter feito mal a tantas pessoas. Como um ex-traficante pode não se sentir responsável por mortes por overdoses ou de PMs na tentativa de prisão e muitas outras? Para mim, esta pena não foi suficiente para ele. Lógico, reconheço que o sistema carcerário é precário e antiquado, mas aí está a prova do que pode acontecer com um filhinho de papai sem limites: continuar achando que não fez nada de errado, para ninguém: "lidava com adultos não forcei ninguém a nada". Só espero que os colégios e instituições de ensino escolham pessoas mais aptas para falar sobre consumo e trafico, caso contrário pensarei que este mundo está perdido.
[Leia outros Comentários de Tatiana Cintra]
31/12/2007
20h28min
Às vezes me considero uma pessoa de mente aberta e disposto a mudar de idéia. Mas quando o assunto é tráfico de drogas e tudo o que vem atrás, descubro-me bastante cabeça-dura. Esse rapaz, João Guilherme, é tudo o que mais abomino: sujeito esclarecido, de boa situação econômica, capaz, inteligente e carismático, que acha que seu mundo é vazio e se envereda no universo das drogas. Ele é criminoso sim. Criminoso mesmo! Sem essa de que não forçou ninguém. Nem precisava. Ele estava lá, pronto para oferecer mais uma dose de roubo e assassinato para quem quisesse comprar. Há sangue alheio em suas mãos e, com certeza, ele não o limpou. Há sangue alheio nas mãos de seus pais também, que não souberam impor limites a esse criminoso. Aliás, a culpa maior é dos pais. A Tatiana Cintra citou o descalabro do sistema carcerário brasileiro. Sinto, não muito, mas, na maioria dos casos, a culpa é de quem está preso. Vivemos na era da informação. Será que não se sabe que, de fato, o crime não compensa?
[Leia outros Comentários de Ericsson A. Carmo]
17/1/2008
11h31min
Já li o livro e já assisti ao filme... Porém achei rídicula a forma como a desigualdade social impera no país! Por que a pena para ele foram de 4 anos, e afirmam que ele não era responsável pelos seus atos? Duvido que se fosse um pobre, negro e favelado, teria estas mesmas mordomias; com certeza tudo seria diferente. Se fosse um pobre, e não um filhinho de papai burguês, com certeza já estaria preso por muito tempo e não em um manicômio, mas junto com bandidos na cadeia! Isto me incomoda tanto. Pois todos são iguais... Todos vão para o mesmo lugar depois de mortos... E talvez se um pobre fosse pego com uma quantia de droga bem menor do que o João foi pego não teria nem direito a se defender... A justiça neste país fede... sabe por que? Porque É UMA MERDA!
[Leia outros Comentários de Larissa Almeida ]
27/1/2008
00h18min
Realmente o tal João Estrela é um criminoso, no entanto, sempre vai ter uma vírgula ou um no entanto, visto que o mesmo tinha interesse em curtir a vida, é claro que de uma forma desregrada e errada, porém, ele em algum momento seqüestrou alguém? Roubou? As pessoas simplesmente o procuravam porque queriam ser um José, Marcos, Paulo ou fulano Estrela. Pessoas como o Estrela devem ser internadas e excluídas da sociedade até se recuperarem, mas não podem ser julgadas como seqüestradores, ou engravatados de Brasília.
[Leia outros Comentários de Diego]
30/1/2008
16h25min
"Criminoso! Criminoso, sim!". Mas ele não foi preso? Não cumpriu a pena que a Justiça determinou para o caso dele? E se o cara não fosse "filhinho de papai" seria alguma garantia de que ele hoje se diria arrependido? Jeez. Olhem para as próprias vidas e vejam o tanto de besteira que certamente também já fizeram - todos fazemos.
[Leia outros Comentários de Renato Pedrecal]
11/1/2012
02h31min
Parece que o sofrimento dos outros não tem mais valor. A postura desse ex-traficante demonstra insensibilidade para aqueles que foram suas vítimas. Traficou, pegou uma pena leve, e agora faz conferências contra as drogas, sem realmente se arrepender de seu crime. Será que essas palestras têm realmente por objetivo afastar os jovens das drogas, ou apenas vender livros? Será que ele não voltará ao tráfico? Eu não permitiria a meu filho assistir a uma dessas palestras, e gostaria que o colégio também não permitisse. Vão fazer um filme? Bem, hoje em dia o negócio é faturar...
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mestres das Artes Pablo Picasso
Mike Venezia
Moderna
(1996)



Homossexualidade e Adolescência Sob a Ótica da Saúde
Stella R. Taquette
Eduerj
(2015)



Papeis Avulsos
Marcelo Cerqueira
Revan
(2002)



Jogo de Espelho: Ensaios de Cultura Brasileira
Everardo Rocha (2ª Edição)
Mauad
(1996)



Retorno À Palavra
Marcos Vinicios Vilaça
Letras e Artes
(1995)



Dos Três Elementos - Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal 64
López Medel
Escala
(2007)



Lei de Responsabilidade Fiscal: Manual de Procedimentos para a Ap
Francisco Roberto André Gros (apresentação)
Bndes; Finame
(2000)



Media Readers 3 - Spider-man 3
Richmond Publishing
Richmond do Brasil
(2010)



O Aplauso Final
Monique Raphel High
Record
(1981)



O Sonho de Matilde
Livia Garcia Roza
Record
(2010)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês