Contos em pianíssimo, de Patricia Maês | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> Documentário "O Corpo em Terapia' estreia em São Paulo no Cinema Reserva Cultural
>>> EXPOSIÇÃO DOS FINALISTAS E ANÚNCIO DOS VENCEDORES DO 5º PRÊMIO DE ARQUITETURA INSTITUTO TOMIE OHTAK
>>> HOSPITAL CRUZ VERDE REALIZA LEILÃO DE ARTES BENEFICENTE EM SÃO PAULO
>>> Ópera rock curitibana concorre ao Troféu HQMIX, um dos mais importantes prêmios do cartoon nacional
>>> Jornada do Patrimônio: Shopping Pátio Higienópolis abre o casarão "Nhonhô Magalhães" para visitação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quente e aromática tradição
>>> A esperança segundo a ficção
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Michael Jackson, destinado ao eterno
>>> Quem destruiu Anita Malfatti?
>>> Influências da década de 1980
>>> Entrevista com Luis Salvatore
>>> TV pública ou estatal?
>>> Não quero ser Capitu
>>> Arrington pós-TechCrunch
Mais Recentes
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1999)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1994)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1998)
>>> O Impeachment De Fernando Collor - Sociologia De Uma Crise de Brasilio Sallum Jr. pela 34 (2015)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Billy And The Queen de Stephen Rabley pela Longman (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1999)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1993)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1991)
>>> A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2016)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1991)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1988)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Aleph (2014)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2014)
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> Caminhos de Saida do Estado de Menoridade de Alfonso M. Iacono pela Lacerda (2001)
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> As ideias de Marcuse de Alasdair MacIntyre pela Cultrix (1973)
>>> Fórmula para o Caos de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1987)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1988)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 16/4/2013
Contos em pianíssimo, de Patricia Maês
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos

O céu é meu é o primeiro livro de contos de Patricia Maês. Publicado pela editora Cubzac (2013), do Recife, a obra apresenta 15 contos da autora.

Aproveito como chave teórica o termo musical pianíssimo, também título de um dos contos, para tentar empreender uma leitura do que acredito ser o tom geral da escrita da autora.

No conto ao qual me refiro acima, uma jovem musicista, "modesta e simplesinha", disserta sobre a relação entre a capacidade de se tocar com sutileza e a "escola da vida" que é aprender a tocar um instrumento até se chegar à excelência de sua execução. Seria essa capacidade a verdadeira "prova dos nove" de um músico e o que lhe daria a arte de tornar uma música sublime. A jovem também diz perceber a relação entre essa capacidade comum a alguns solistas e um desdobramento desse sublime no dia a dia dessas pessoas. Ela cita um dos momentos dessa percepção:

"Imagino meu solista com as mãos pousadas sobre a mesa, seus dedos em repouso, eles que têm tanta presteza e musculatura em prontidão. Então alguns raios de sol alcançam essa mão, iluminam o gesto parado até ele sentir o calor como um carinho e tirar o instante para reparar, admirar seu primeiro instrumento banhado de luz."

"Ele também bebe seu café, e quando segura a caneca aguenta o calor intenso por uns segundos a mais, porque também escolheu desfrutar o momento, e fez do mais trivial algo para se apegar, deixar virar um acontecimento."

No trecho acima creio estar definida a poética de Patricia Maês. A capacidade de correlacionar obra e vida, fazendo com que uma ilumine a outra. No caso da autora, entender que a literatura, por sua exigência de uma prática de observação atenta do processo da escrita e da observação profunda da vida comum, é uma escola que nos faz aprender a perceber de forma aguda o cotidiano mais banal, tornando-o, sob a luz da criação, sublime. E essa prática que cria a capacidade de se transformar algo trivial, supostamente simples, em algo sublime, é o que a escritora busca ao escrever os seus contos.

Outro exemplo, ainda no mesmo conto, que nos dá a medida do que foi dito acima, é quando a autora cita a obra musical de Gabriel Fauré, especificamente Aprés un Rêve, para exemplificar a ideia de que "a excelência artística, imbuída de mágica, vira experiência quase religiosa", mesmo numa obra simples. E é essa experiência, que atinge primeiro o artista criador, que se transmitirá, consequentemente, ao espectador.

Apesar da simplicidade da peça de Fauré, o modo de tocá-la pode torná-la sublime. Citando a autora: "Nessa peça tão simples, genialidade é simplesmente caprichar na dinâmica, e depois de tudo dito aqui sobre saber crescer e decrescer com elegância, nada nessa peça é tão simples".

Como na literatura da própria Maês, que, ao localizar pequenos dramas humanos, faz incidir sobre eles um brilho (como o que eleva a música ao sublime), uma atenção delicada, que os conduz à condição de uma existência poética elevada.

A ideia de elevar o banal à condição de obra de arte é o que persegue a autora, nos fazendo sentir nos seus personagens esse raio "de sol nos dedos" com "um espírito tão refinado e treinado para as sutilezas da vida", tal como foi percebido pelo solista. A vida agora é recriada numa dimensão semelhante a da criação literária, sem a qual estaria condenada ao vazio e a insignificância.

Tal como a música, fonte de "experimentações sensoriais de todo tipo" pela personagem de Maês, a literatura é agora a nossa possibilidade fecunda de também fazer nossas experimentações.

De uma forma geral, o que se nota na escrita de Maês é essa capacidade de ir ao encontro de algo aparentemente simples, dar vida e movimento a ele (num crescendo e diminuendo), de uma forma clara e sem a pretensão de se produzir uma escrita de molde existencialista (como em Clarice Lispector) ou que busque fazer da linguagem o único sentido da literatura (tal como muitas vezes se dá, por exemplo, em escritores cerebrais).

Podemos tentar aproximar o sentido da música (que abre mão do conceito para atingir diretamente o ouvinte), com o caso dos contos, onde estamos próximos a isso, na busca por atingir os sentidos do leitor através do modo (no sentido musical, por que não?) da narrativa, do contar a história, em seu vai e vem, apresentando situações aparentemente simples, com um desfecho muitas vezes aberto, mas que guarda, como acontece com o solista, uma intensidade nas artimanhas da escrita.

Como primeiro livro da autora, pode-se perceber o frescor de uma flor que ao amanhecer ensaia abrir-se num à vontade com a linguagem e que, esperamos, com certeza irá "mais além, mais além, mais além".

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
02. Matar e morrer pra viver de Carina Destempero
03. Replicantes em Gotham City de Alexandre Ramos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. A Poesia em Noir de André Luiz Pinto - 1/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONHOS LÚCIDOS
FLORINDA DONNER
NOVA ERA
(2009)
R$ 30,00



DICTIONARY OF FINANCE AND INVESTMENT TERMS
JOHN DOWNES AND JORDAN ELLIOT GOODMAN
BARRON'S
(1995)
R$ 29,00



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



BORNÉU - COLEÇÃO AS REGIÕES SELVAGENS DO MUNDO
TIME LIFE LIVROS
TIME LIFE
R$ 8,08



BUCARESTE - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
LETRAVIVA
(2010)
R$ 17,00



CURSO DE MATEMÁTICA - VOLUME ÚNICO
EDWALDO BIANCHINI / HERVAL PACCOLA
MODERNA
(2003)
R$ 12,00



OS PÁSSAROS
FRANK BAKER
DARKSIDE
(2016)
R$ 30,00



VERDI - GRANDES COMPOSITORES DA MÚSICA CLÁSSICA VOL 17 COM CD
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
R$ 14,90



NAMORO, CASAMENTO E MATERNIDADE
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(2003)
R$ 15,00



O DEUS DAS PEQUENAS COISAS
ARUNDHATI ROY
ASA
(1999)
R$ 11,90





busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês