Guimarães Rosa: um baiano de sangue | Ivan Bilheiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
Mais Recentes
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
>>> Pelos olhos de minha mãe: Diários, memórias e outras lembranças de Laura Huzak Andreato pela Palavras projetos (2021)
>>> Para onde me levam os meus pés? de Cibele Lopresti Costa pela Palavras projetos (2021)
>>> Oswaldo Treinador Esportivo de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Oswaaaaaldo! de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Os pães de ouro da velhinha de Annamaria Gozzi pela Palavras projetos (2024)
>>> Ooobbaaaa! de pela Palavras projetos (2019)
>>> O Reciclador de Palavras de Barbara Parente pela Palavras projetos (2021)
>>> O gato que não parava de crescer de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> O dragão da Maldade e a Donzela Guerreira de Marco Haurélio pela Palavras projetos (2022)
>>> O almanaque de Lia de Luís Dill pela Palavras projetos (2022)
>>> No Museu de Susanna Mattiangeli pela Palavras projetos (2023)
>>> Nig-Nig de Andréia Vieira pela Palavras projetos (2023)
>>> Li M'in: uma criança de Chimel de Dante Rigoberta; Liano pela Palavras projetos (2018)
>>> Lábaro: O enigma da bandeira brasileira de Elifas Andreato pela Palavras projetos (2022)
>>> 80 Degraus de Luís Dill pela Palavras projetos (2018)
>>> Estamos Todas Bem de Ana Penyas pela Palavras projetos (2022)
>>> Duas asas de Cristina Bellemo pela Palavras projetos (2024)
>>> Divisão Azul: Um agente infiltrado de Fran Jaraba pela Palavras projetos (2021)
>>> Campos de concentração de Narcís Molins i Fábrega pela Palavras projetos (2023)
>>> Ave do Paraíso de Georgina martins pela Palavras projetos (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/7/2012
Guimarães Rosa: um baiano de sangue
Ivan Bilheiro
+ de 9300 Acessos

Que nenhum valentão (ao estilo daqueles muitos que figuram em Corpo fechado, uma das novelas de João Guimarães Rosa que compõem a obra Sagarana (Nova Fronteira, 2001, 413 págs.)) se enfeze com leitura primeira do título acima, que logo explicação terá. O Guimarães Rosa, que é que tem e que é que não tem com sangue e com a Bahia?!

Guarde ainda as armas, e 'guenta o relance, Izé (como diriam ao personagem de São Marcos, mais uma das novelas de Sagarana) porque o tranco é ainda maior: tem aí uma história de Guimarães Rosa desocupado e homossexual... Como é que pode?

Não é preciso nem a malandragem de Lalino Salãthiel (personagem d'A volta do marido pródigo) para a explicação, basta que advogue a causa o grande Jorge Amado. Aí é que a coisa parece que embola, mas não embola, que logo se explica: percorrendo as páginas de Navegação de Cabotagem: apontamentos para um livro de memórias que jamais escreverei (Record, 2006, 544 págs.) do escritor baiano, deparei-me com duas passagens interessantes em que o autor de Sagarana aparece. Delas surgiram as considerações atordoantes citadas acima.

Quando o editor norte-americano Alfred Knopf decidiu publicar a tradução em inglês de Grande Sertão: Veredas, foi solicitado a Jorge Amado que prefaciasse a obra, lá pelos idos da década de 1960. No tal prefácio, Jorge Amado defendeu duas teses que ele mesmo reconhecia como dignas de causar escândalo. A primeira tese, imediatamente explicada por ele, é a de que "[...] Guimarães Rosa não é romancista mineiro e, sim, baiano [...]. Pode parecer brincadeira mas empresto à ideia significação literária. Desejo aproximar a ficção de Rosa de Maria Dusá, de Lindolfo Rocha, escritor baiano, nascido mineiro, distanciá-la de O mameluco Boaventura, de Eduardo Frieiro, mineiro de nascimento e letras". E vem o ponto fundamental desta tese: "Quero filiar a criação de Rosa à narrativa nordestina, escrita com sangue, não com tinta" (p. 117).

E fazendo uso da mesma relação sangue-e-tinta, Jorge Amado apresenta a segunda tese, inflamável na formulação: "Ainda discuto tinta e sangue ao recusar os termos em que a crítica brasileira, em sua grande maioria, situa a grandeza do escritor. Todos os louvores, levados ao exagero do faniquito, da histeria, são dedicados à escrita do autor de Sagarana. De fato, por maiores sejam os elogios à linguagem de Rosa - a língua brasileira é uma antes dele, outra depois -, são todos justos e merecidos. Mas contesto as afirmações dos louvaminheiros que se masturbam ante a pesquisa e a fantasia lingüísticas de Rosa: não reside na escrita o fundamento de sua obra, não é ela que a faz eterna e universal" (p. 117-8).

O caráter extraordinário da escrita de Guimarães Rosa, segundo seu auto-proclamado conterrâneo (fazendo de Rosa baiano, e não se convertendo às Minas), não é contestado, mas o fato de ele se perder na mesma proporção em que a obra do escritor ganha o mundo, com diversas traduções, faz pensar melhor os referenciais do elogio. E pergunta: "O que restará dela quando a ficção de Rosa chegar ao chinês, ao coreano, ao georgiano, ao armênio, em vez do alfabeto latino, a composição em hieroglifos, signos, ideogramas? [...] Já nada restará da escrita, da linguagem, da invenção formal".

O que permanecerá, posto que é a vida das histórias de Guimarães Rosa, é o sangue com o qual foram registradas as vivências, as paisagens, os costumes, os personagens. Segundo Jorge Amado, essa característica é típica da escrita nordestina, por isso a afirmação de que Rosa é da Bahia, sua terra. E a força de sua literatura está mais no sangue, uma força nordestina, que na tinta, a escrita (embora reconhecidamente revolucionária): "[...] restarão o Brasil e o povo brasileiro, o sertão desmedido, a desmedida bravura, a ânsia e o amor, restará o sangue quando a tinta se apagar de todo".

Não é sem razão, portanto, a observação de Paulo Rónai, em excelente texto de 1946, A arte de contar em Sagarana. Ele afirmava que o regionalismo é mais um obstáculo que um recurso. Com sua riqueza léxica absolutamente particular, torna-se uma armadilha em que caem escritores que passam a falar para um nicho muito restrito (quando ainda falam alguma coisa). Mas, continua Rónai, o regionalismo foi empecilho afrontado por Guimarães Rosa que, domado o obstáculo, apresentou obra genial: "Apresenta-se como o autor regionalista de uma obra cujo conteúdo universal e humano prende o leitor desde o primeiro momento, mais ainda que a novidade do tom ou o sabor do estilo". Jorge Amado ratifica.

Mas e essa história de homossexual e desocupado? Aí é papo de em-antes, lá por volta de 1956. Jorge Amado conta que teve de ir ao Palácio do Catete falar com o então presidente Juscelino Kubitschek. Lá, à espera do atendimento, começou a conversar com o mineiro e também escritor Cyro dos Anjos. Segundo relata o baiano, aquela era época em que exaltava Guimarães Rosa com toda a sua força. Assim, achou boa pedida colocar em pauta o assunto, e cobriu Rosa de elogios. Cyro ouviu tudo atentamente, e aí veio o choque. Após dizer que os elogios eram "possivelmente certos", o interlocutor de Jorge Amado disse: "[...] mas repare, se detenha a examinar e verá que a obra de Guimarães Rosa se apóia sobre três suportes. Primeiro: o manejo dos dicionários para fabricação das palavras, para o que se fazem necessários paciência, método e tempo disponível de quem não tem obrigações a cumprir. Segundo: o conhecimento dos romances de cavalaria, o que é Grande sertão: veredas, me diga, senão um romance de cavalaria? Para finalizar, o terceiro: a sensibilidade feminina de homossexual, basta ler com atenção" (p. 366).

O choque foi grande: "Juscelino encerra a audiência, manda me chamar. Levanto-me, atarantado recolho os restos mortais de Guimarães Rosa. Cyro dos Anjos retorna a seus papéis de burocrata".

Os restos mortais, jogados ao chão após a "leitura atenta" de Cyro, foram recolhidos por Jorge Amado. Mas as partes imortais, registradas com sangue, ainda são lidas e relidas, muitas e muitas vezes, por esse mundo velho de bambaruê e bambaruá. Um viva aos baianos, e um viva à criação genial registrada em sangue!


Ivan Bilheiro
Juiz de Fora, 17/7/2012

Mais Ivan Bilheiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Boom na Educação - Aprendendo Online
Victor Mirshawka
Dvs
(2002)



O. M. I. S Organização & Metodos - Volume 1
Tibor Simcsik
Makron Books
(1993)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
Àtica
(1983)



O Picapau amarelo
Monteiro Lobato
Lafonte
(2019)



As Impurezas do Branco
Carlos Drummond de Andrade
José Olympio
(1974)



Momentos de vida
Virginia Woolf
Nova Fronteira
(1986)



O Enigma Do Quatro
Ian Caldwell
Planeta
(2005)



Cetros Partidos
Gilvanize Balbino Pereira
Petit



Was Man Über Musik Wissen Mub
Willy Schneider
Schott
(1954)



Psiquiatria Geriátrica 2 edicao
Ewald W. Busse/dan G. Blazer
Artmed
(1992)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês