Meninas eu vi | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> Documentário "O Corpo em Terapia' estreia em São Paulo no Cinema Reserva Cultural
>>> EXPOSIÇÃO DOS FINALISTAS E ANÚNCIO DOS VENCEDORES DO 5º PRÊMIO DE ARQUITETURA INSTITUTO TOMIE OHTAK
>>> HOSPITAL CRUZ VERDE REALIZA LEILÃO DE ARTES BENEFICENTE EM SÃO PAULO
>>> Ópera rock curitibana concorre ao Troféu HQMIX, um dos mais importantes prêmios do cartoon nacional
>>> Jornada do Patrimônio: Shopping Pátio Higienópolis abre o casarão "Nhonhô Magalhães" para visitação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quente e aromática tradição
>>> A esperança segundo a ficção
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Michael Jackson, destinado ao eterno
>>> Quem destruiu Anita Malfatti?
>>> Influências da década de 1980
>>> Entrevista com Luis Salvatore
>>> TV pública ou estatal?
>>> Não quero ser Capitu
>>> Arrington pós-TechCrunch
Mais Recentes
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1999)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1994)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1998)
>>> O Impeachment De Fernando Collor - Sociologia De Uma Crise de Brasilio Sallum Jr. pela 34 (2015)
>>> Pedro Médio e Rita Doce de Telma Guimarães de Castro Andrade pela Atual (1997)
>>> Billy And The Queen de Stephen Rabley pela Longman (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1999)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1993)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1996)
>>> Macapacarana de Giselda Laporta Nicolélis pela Atual (1991)
>>> A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2016)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1991)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1990)
>>> A fada Enfadada de Marco Túlio Costa pela Ftd. (1988)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Aleph (2014)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2014)
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> Los Álamos de Martin Cruz Smith pela Record
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E por Falar Em Amor de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1985)
>>> Caminhos de Saida do Estado de Menoridade de Alfonso M. Iacono pela Lacerda (2001)
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> Para uma Vida Melhor de Joseph Murphy pela Record
>>> As ideias de Marcuse de Alasdair MacIntyre pela Cultrix (1973)
>>> Fórmula para o Caos de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Ática/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1987)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1988)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1989)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1990)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1985)
>>> Oito Minutos Dentro da Fotografia de Ganymédes José pela Moderna/ SP. (1992)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/4/2007
Meninas eu vi
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4500 Acessos
+ 3 Comentário(s)


ilustra: Tartaruga Feliz

De fora, ouço o barulho da água caindo e as gargalhadas ressoando ecoadas. O vapor quente embacia o vitrô. Sinto a doçura do cheiro enjoativo de xampu. Sou capaz de entrar lá sem que ninguém me veja, por uma das frestas entre os vidros. Esgueiro-me, depois me dilato de excitação. Sim, aqui é um paraíso intocado pelo homem - as meninas molhadas ensaboam-se amolecidas e com pensamentos perdidos em bolhas de esquecimento.

Contemplo-as de cima, vislumbrando emaranhados de cabelos molhados, pêlos sugados em reviravolta encaracolada pelo ralo. Uma das fileiras de chuveiro tem portas, a outra respira livre. Mas pouco importa a tentativa de se esconder, posso entrar em todos os lugares. Sobrevôo seus corpos açucarados pelo sabonete de chocolate. Se pudesse pousar minhas mãos em seu ombro, beijar sua nuca num ziguezague escaldante, infiltrar-me entre suas coxas como a água que escorre branda, ou ainda recostar-me em seu ventre orvalhado... certamente elas me repeliriam com veemência.

Gotículas de água preenchem os corpos quentes, recém-saídos do banho. Visualizo cada poro, limpo ou sujo, fechado ou aberto. As pequenas sem havaianas coloridas salpicam apenas a pontinha dos dedos no chão embaciado de água preta. Elas não andam, antes deslizam à maneira de românticas heroínas. Enroladas em mínimas toalhas brancas, ou mesmo nuas, percorrem o vestiário até chegar à sua bolsa. Elas tapam o sexo com calcinhas brancas micro. Ainda com os seios desnudos, reviram a bolsa em busca de cremes miraculosos, que espraiam pelos braços estendidos, em massagem vigorosa nas pernas e barriga, numa chacoalhada tremelicante. Ai! Até parece que tem repelente...

O traçado intrincado verde-azul que reveste suas peles alvas é charada invencível. Nem que tateasse com brutalidade suas veias, poderia desvendar o avesso de meticulosa casca. Mapa-múndi cravejado de pintas.

Em balanço circular, faço cócegas em suas pernas e pés descobertos, suave pena sonora que sou. Freio no impulso do amor e mordida. Persigo-as, escondendo-me nos armários semi-abertos, por debaixo dos bancos de madeira molhados. Quero fazer do azulejo frio nossa macia cama invisível, deitá-las em levitação de mágico ilusionista e encruzilhar minhas longas pernas com as delas.

O bico do peito é trampolim rumo a oceano, onde cavalgo em acrobáticos pulos. Quando enfim, me afundo, permaneço em púlpito ao som de seu discurso universitário vazio. Não me importa sua intelectualidade, o que me interessa é a quentura das carnes sanguinolentas. Agora é a hora, lá fora está frio e não as alcançarei mais. Na sala de aula, as meninas estão lacradas, corpo e mente, é noite, a cidade amortece meus sentidos ralos.

A fala entre as meninas é zunzunzum perfazendo o ar irrespirável de vapor d'água. Seu corpo rijo - volutas em que volteiam meus olhos - basta-me para ensandecer meu esqueleto-esponja. Delas, o espelho, espelho, espaço vazio em que se travestem mulheres com delineador, gloss e secador. Dê-me pedaço desta boca brilhosa, desta rosácea que se entorna em cintura perfeita...

Procuro o que não se encontra, o que se depara pelo acaso e, ainda assim, continuo minha busca. O perigo não me desestimula, sei que a vida é curta. Aprendi a conviver de forma pacífica. Opaca. Se me for permitido clareza nesta clandestinidade.

Pois, não tenho medo da morte. Sei que minha vida é fraca e inútil. Sequer elas, as meninas, vão se recordar da minha presença invisível, ou incômoda; apenas fazer o favor de me afundar no esquecimento completo. Repito: não tenho medo... Tenho ganas póstumas. As de agora, carnais. É como o destino se apresenta - amo o que quero comer, mas o que amo também me come, me repisa. Coisas terrenas e comezinhas, as cartas disseram ser meu fraco.

De nenhuma valia são os desejos contidos naqueles corpos enlanguescidos. Tudo será pouco ou nada. Prazer efêmero, como todos. Saudade constante, pois nunca o que se tem parece o suficiente. Não apenas uma, todas. As meninas que também não se satisfazem. As meninas cruas e sós, em estado de dicionário, trazem suas decepções e pesares para a ducha. Vida íntima exposta em vitrine embaciada.

A imagem de uma sobrepondo-se à imagem das outras - complementares imersas no brilho reflexivo -, torna-se uma só. Será minha. Gigante, poderoso, um só ser cintilante oscila. A caça recebe contornos mais indefinidos, e ainda que o alvo figure claro, fito-me, insignificante como a ferrugem grafite impressa na chapa metálica.

Venham uspianas, ao alcance... da minha língua sorverei... sumo escarlate espesso... que o seu cabelo me cubra de mapas de novos lugares, pra que onde eu esteja seja tão bonito quanto o seu cabelo.

Durante um vôo rasante, ela revolve o cabelo molhado. Reflexo lento, a picada se desfaz em vento. Fino chicote afiado me abate. Minhas asas se esfacelam entre as reentrâncias caleidoscópicas no solado de sua sandália.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/4/2007


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2007
15h32min
Elisa, a sensualidade desse seu mosquito é fascinante. Um texto notável. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/4/2007
15h38min
um insetinho romântico espreitando as uspianas. salivante, ávido por sucções libidinosas. aquele pescocinho alvo ali seria um ótimo alvo... mas não será desta vez que o pobre arrotará sangue nobre e aguado. chinelo no safado, no alado voyeur! parabéns pelo escrito, Elisa, muito bem elaborado!
[Leia outros Comentários de octávio roggiero]
20/5/2007
10h11min
Elisa: estava eu pronta para dizer que só uma mulher poderia descrever a sensibilidade do vôo, que não é do besouro, quando me lembrei de Nelson Rodrigues escrevendo com pseudônimo feminino. É a verve de quem empunha a pena, suponho. Parabéns! Cylene Gama
[Leia outros Comentários de Cylene Gama]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONHOS LÚCIDOS
FLORINDA DONNER
NOVA ERA
(2009)
R$ 30,00



DICTIONARY OF FINANCE AND INVESTMENT TERMS
JOHN DOWNES AND JORDAN ELLIOT GOODMAN
BARRON'S
(1995)
R$ 29,00



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



BORNÉU - COLEÇÃO AS REGIÕES SELVAGENS DO MUNDO
TIME LIFE LIVROS
TIME LIFE
R$ 8,08



BUCARESTE - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
LETRAVIVA
(2010)
R$ 17,00



CURSO DE MATEMÁTICA - VOLUME ÚNICO
EDWALDO BIANCHINI / HERVAL PACCOLA
MODERNA
(2003)
R$ 12,00



OS PÁSSAROS
FRANK BAKER
DARKSIDE
(2016)
R$ 30,00



VERDI - GRANDES COMPOSITORES DA MÚSICA CLÁSSICA VOL 17 COM CD
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
R$ 14,90



NAMORO, CASAMENTO E MATERNIDADE
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO NO IE
(2003)
R$ 15,00



O DEUS DAS PEQUENAS COISAS
ARUNDHATI ROY
ASA
(1999)
R$ 11,90





busca | avançada
28338 visitas/dia
737 mil/mês