iPad, Kindle, salvação e histeria | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
COLUNAS >>> Especial iPad

Quarta-feira, 5/5/2010
iPad, Kindle, salvação e histeria
Rafael Fernandes

+ de 4100 Acessos
+ 5 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Mundo dos nichos ― ou onde (quase) ninguém ganha nada
Em seu seminal Cauda Longa, Chris Anderson destacou a importância dos nichos na era da internet: no limite, todo o conteúdo gerado em qualquer lugar do mundo, ajudado por filtros e recomendações, poderia ir ao encontro de seus potenciais consumidores. Algumas pessoas fizeram uma leitura um pouco equivocada do livro, achando que quem produz esse conteúdo poderia ter bons ganhos. Em nenhum momento é discutido isso; ao contrário, a análise parte dos agregadores e vendedores desse conteúdo, como Amazon, iTunes, Rapsody, Netflix e afins. Disso inferimos que aos criadores sobraria a facilidade de divulgar o trabalho e a possibilidade de lutar por migalhas de pagamento ― isso quando chegarem ao ponto de ganhar algo. Esta é uma das questões ao tratarmos de iPads, Kindles etc. De um lado, jornais, revistas e afins acham que eles são a salvação do mercado. Dificilmente. A grande fatia vai para os criadores dos hardwares, softwares e lojas on-line. Do outro lado, os criadores individuais de conteúdo acham que chegou a hora de explodir. Ledo engano. Sejam os grandes ou os pequenos, todos vão competir arduamente por espaço e vendas, a preços cada vez menores ― quando não de graça. Essas novas tecnologias não vão salvar nenhum mercado. Estão criando novos mercados ― e, em alguns casos, matando outros.

Leitores digitais x tablets
Fico pensando em quais mercados cada um dos leitores digitais vai conquistar ― e coloquemos aí, ainda, outros tablets e netbooks. Alguém vai dominar um mercado mais geral ou todos vão se acomodar em nichos? O Kindle, por exemplo, vale a pena para um leitor eventual? Um dispositivo exclusivo para leitura me parece muito específico, apenas para quem tem muito interesse nisso. Daqueles que compram muitos livros, mesmo que abandonem muitos no meio ― e terminem outros tantos. Ou para estudos, também me parece interessante. Ou seja, leitores vorazes de qualquer "categoria". Já o iPad, pelas descrições e comentários que tenho lido, parece uma "central de entretenimento": para quem a leitura de um livro é apenas uma de várias opções de passar o tempo aliada a funções de um notebook. Um iPad vale a pena para quem quer apenas ter uma biblioteca de fácil acesso? E vai substituir o notebook por completo?

Adultos histéricos
No caso específico desses leitores digitais, a febre do momento, há também a repetição da histeria coletiva de celebrar as novidades. Em especial a de lançamentos da Apple, uma das melhores máquinas de criar hype já inventada. Não nego a capacidade de Steve Jobs, nem a competência e diferencial da empresa e de seus produtos. Mas a exaltação em torno deles beira o patético. Desculpem-me: não beira. É patético. Alguns parecem piores que fãs de futebol. No mínimo transformam o assunto numa dicussão de boteco, um "Fla x Flu tecnológico", mas chegam ao ponto de ter comportamentos infantis do tipo "eu uso Mac e você PC, bobalhão". É entendível que um adolescente tenha xiliques por causa de algum ídolo. Mas um adulto adulando outro adulto, pior, comprando briga por causa disso é digno de uma boa gargalhada. Tanto quanto ficar em êxtase por um produto ― por melhor que seja. E no final das contas é apenas uma empresa preocupada com seus lucros. Mac lovers, pensem diferente. Cresçam.

Velho x novo, papel x digital
O fato é que estamos passando por uma compreensível empolgação com a tecnologia, ainda que haja exageros. Não é para menos. O surgimento e a consolidação da internet nos últimos 15, 20 anos, já são fenômenos históricos. Daqueles que serão estudados daqui a 50 anos nos livros de história. Ops, será que em livros? Num iPad? Num chip no cérebro? Enfim, estamos vendo e participando de momentos que muita gente gostaria de participar. De uma sucessão de marcos históricos que redefinem os comportamentos, as relações sociais e a economia. Não é exagero. Pensemos no que empresas como Google criaram. No impacto tremendo que a troca de arquivos gerou em indústria há anos estabelecidas, como a do disco e dos jornais. Na possibilidade que um software como o Skype traz de conectar de graça dois opostos do mundo, com qualidade de imagem e som cada vez melhores. De como um dispositivo pequeno como o Kindle pode conter milhares de livros ― uma biblioteca gigantesca em nossas mãos. Ou em como hoje a informação circula livremente por aí. Mas é possível compreender que quem tem seus mercados chacoalhados tenha dificuldade em mudar e em abandonar o velho ― que é o que melhor sabem fazer.

Imaginemos que um jornal tenha, por exemplo, 200 mil assinantes. É entendível que continue brigando. Afinal, mesmo que o número de assinantes e anúncios esteja em declínio acelerado, ainda são 200 mil pessoas e muitos anúncios ainda estão sendo vendidos. Não dá simplesmente para fechar as portas e apostar em mídias que sabe-se lá para onde vão ― e nem são especialidade da casa. Um problema é exatamente começar a fazer o que não sabem, tentando seguir um fluxo qualquer. David Remnick, da New Yorker, disse bem: não importa em que mídia estiverem, vão focar no que sabem fazer melhor ― textos longos e de alto nível. Claro que é necessário prestar atenção às mudanças no mercado e dos leitores, mas o foco de atuação não deveria mudar. Até porque, se for para morrer de qualquer jeito, é melhor morrer com dignidade. Outro problema que tenho visto é que, em vez de focar no que os leitores gostam no jornal de papel, estão tentando mudar o jornal para uma coisa mais "dinâmica". É uma ironia: estão tentando deixar o jornal de papel mais digital e o acesso digital mais parecido com o papel ― com as irritantes páginas de "folhear". E acho que deveria ser o oposto: no papel o que vale é aquele padrão de sempre. Quem está acostumado com esse formato prefere que ele continue assim, para poder identificar as notícias facilmente. Para o conteúdo on-line deveria ser o contrário. É uma incongruência tentar aproximá-lo do papel. É preciso que tenha seus próprios padrões, adequados às suas diversas possibilidades. Um dispositivo como um iPad precisa de novidades. Ao papel o que é do papel e ao digital o que é seu. Nessa mistura indigesta todos só têm a perder.


Rafael Fernandes
Araçoiaba da Serra, 5/5/2010


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010


Mais Especial iPad
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/5/2010
06h46min
Caro Rafael, você acertou no texto. Acho uma besteira essas conversas em fóruns, e-mail e Twitter, sobre Kindle e outros bichos. Tudo pode ser marketing das empresas, ninguém sabe. Como já sou bem velhinho, fico lembrando do meu tempo de Ginásio: caderno feinho, capa de papel vagabundo, todas rasgavam com dois meses de uso. Colégio: melhorou a capa, durinha (epa!), de aspiral e tudo mais. Faculdade: Tudo bem melhor, cadernões de mais de 100 folhas e capa a quatro cores. Pós-Graduação: um Notebook (para os que podiam) no colo e MP3 com fone de ouvido (ouvindo aulas/música). Lembram daqueles gravadores tijolão? E hoje a gente grava com um aparelhinho pequenino (tamanho de cartão de crédito) que cabe na palma da mão. São os tempos. Mas parece que hoje tudo mudou. Tem muita gente que não acordou, outros ouviram o galo cantar mas não sabem onde e os que sabem não fazem escândalos.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
5/5/2010
10h22min
Bah, vocêsó fala isso porque é um fanboy do PC! :P Mas, falando sério, na briga entre iPad e Kindle tem que se levar em consideração uma coisa: o custo-benefício. O tablet da Apple funciona tão bem quanto o e-reader da Amazon, mas com muito mais funções - e utilidade. Para mim, já é uma partida ganha. O Kindle não vai ter muita duração com o barateamento de tablets, ainda mais os com o sistema operacional Android, do Google, que é open-source. Agora, quanto à sua divagação sobre o impacto da tecnologia, basta eu dizer que li o seu texto e estou comentando através de um iPhone, no conforto da minha cama. Pode parecer besteira, mas a mobilidade dentro de casa te deixa muito mais onlime - ou seja, você já não precisa reservar um tempo pra sentar na cadeira no outro quarto somente para checar o Twitter. Pô, dá até pra ler o Digestivo no banheiro (piada pronta, haha)!
[Leia outros Comentários de Bruno do Amaral]
26/5/2010
09h46min
iPad é um dos aparelhos tecnológicos que são usados por quase todas as pessoas em todo o mundo. A tecnologia está tomando conta do mundo, mas esta mudança é para garantir o nosso desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Maí­ra Barbosa]
26/5/2010
10h13min
Você abordou um ponto muito importante sobre a adaptação dos jornais para a internet: forçar que um se pareça com outro. Jornal é jornal, site é site! Adaptar jornal impresso para se parecer com site é totalmente errado: não atrai novos assinantes - quem gosta de site navega na internet - e pode afastar os antigos - para ler um arremedo de site é melhor largar a versão impressa e navegar na rede. E fazer site parecer com a versão impressa é outro erro: a tela do computador é sempre muito menor que a página do jornal impresso - as letras e fotos ficam mínimas, sem o impacto da versão impressa, a navegação é difícil e a virada das páginas é horrível. O modelo bom de jornal na internet é o da Folha, que apresenta os textos limpos, com indicação dos artigos anteriores e posteriores, bem como o índice geral das matérias. Falta só um pouco das fotos e gráficos da versão impressa. Quem não gosta assim, a versão "Folha On Line", "Estadão" e "O Globo" são muito boas.
[Leia outros Comentários de José Frid]
26/5/2010
11h06min
Antes de mais nada, eu sou bem velho, portanto não sou da geração de hoje. Devo lhes dizer que esta discussão sobre o que é melhor, o que vai sobreviver, o jornal de papel ou o livro e o jornal do computador estaria mal colocada. A grande questão é a antiga forma de distribuição dos jornais em papel, e ela já está mudando. Quem de nós não recebeu nos cruzamentos da vida jornais do tipo "Metro" e outros que o seguem, com artigos bem escritos, atuais e dinâmicos? Depois os leitores da telinha que me desculpem por este sacrilêgio, mas e a sua vista não conta? Estes usuários contumazes recebem a luz de frente e hoje em dia tem mais jovens necessitando usar os malditos óculos do que antes. O estrago causado por esta maquininha só vai aparecer com o tempo e com a idade e como fará falta de uma boa visão. Bem, não existe "sandwich grátis", como já diziam os nossos "irmãos" do norte, pois tudo tem o seu preço. Esta é a minha opinião sobre o assunto.
[Leia outros Comentários de Lajos Attila Sarkozy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOITE DE TEMPESTADE
JOHN SANFORD
ARQUEIRO
(2013)
R$ 15,00



BLACK DRAGON RALΩGRAD 03
TAKESHI OBATA
JBC
(2013)
R$ 39,00



O ESCARAVELHO DE OURO
EDGAR ALLAN POE
ROLIM
(1994)
R$ 14,99



FAREWELL
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 25,00
+ frete grátis



A ORIGEM DA ESPÉCIE HUMANA
RICHARD LEAKEY
ROCCO
(1997)
R$ 90,00



HISTÓRIAS DOS NOSSOS ALUNOS
JOÃO EUDES BEZERRA GUERRA
EDIÇÃO DO AUTOR
(2004)
R$ 7,00



AFRODITE S. A.
JOÃO JOSÉ DA COSTA
MATRIX
(2011)
R$ 13,90
+ frete grátis



COMPÊNDIO DE PSYCHOLOGIA EXPERIMENTAL 2A.
HENRIQUE GREENEN
TYP DO GLOBO
(1913)
R$ 30,00



FAÇA SEUS PROPRIOS PRESENTES
MARIA BALLARÍN
QUEEN BOOKS
(2015)
R$ 31,07



PESQUISAS EM ALIMENTAÇÃO COLETIVA:
RAFAELLA M. M. SAMPAIO, ANA LUIZA DE R. F. MENDES UND FERNANDO C. R. BRITO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês