iPad, Kindle, salvação e histeria | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Do Sonho às Coisas de J. C. Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> A Turma do Pererê: O Mais Brasileiro de Ziraldo Alves Pinto pela Nova Didática (2000)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Tercero de G. Gurdjieff pela Hachette (1984)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Segundo de G. Gurdjieff pela Hachette (1985)
>>> Curso de desenho e pintura - A arte de ver: luz e movimento de Varios pela Globo (1996)
>>> Uma obsessão indecente de Coleen McCullough pela Difel (1981)
>>> O Canto Da Praça de Ana María Machado pela Atica (2002)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Pé Da Letra (2018)
>>> O flautista De Hamelin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2014)
>>> Mahamudra Tantra de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2006)
>>> Sherlock Holmes As Aventuras de Sherlock Holmes 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Não é caso para rir de Joseph Heller & Speed Vogel pela Rocco (1987)
>>> Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (2003)
>>> Curso de desenho e pintura - Aquarela: Impacto da cor de Varios pela Globo (1996)
>>> Histórias à Brasileira 2 586 de Ana Maria Machado pela Companhia das Letrinhas (2020)
>>> As Mentiras Que Os Homens Contam de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2000)
>>> O moleiro e seus amigos de Eliane silva pela Prazer de Ler (2012)
>>> Sintaxe Da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes (2015)
>>> Pragas e epidemias histórias de doenças infecciosas 586 de Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. pela Folium (2006)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira O Grande Amigo de Deus de Taylor Caldwell pela Circulo do Livro (2023)
>>> As Flores Do Mar de André Moura, Eduardo Bordoni E Fábio Muniz pela Nova Didática (2002)
>>> Para Sempre 586 de Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Sherlock Holmes O Signo Dos Quatro 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2020)
>>> O zollógico em festa de Evan bessa pela Imeph (2009)
>>> A Voz do Monte de Richard Simonetti pela Feb (2010)
COLUNAS >>> Especial iPad

Quarta-feira, 5/5/2010
iPad, Kindle, salvação e histeria
Rafael Fernandes
+ de 5500 Acessos
+ 5 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Mundo dos nichos ― ou onde (quase) ninguém ganha nada
Em seu seminal Cauda Longa, Chris Anderson destacou a importância dos nichos na era da internet: no limite, todo o conteúdo gerado em qualquer lugar do mundo, ajudado por filtros e recomendações, poderia ir ao encontro de seus potenciais consumidores. Algumas pessoas fizeram uma leitura um pouco equivocada do livro, achando que quem produz esse conteúdo poderia ter bons ganhos. Em nenhum momento é discutido isso; ao contrário, a análise parte dos agregadores e vendedores desse conteúdo, como Amazon, iTunes, Rapsody, Netflix e afins. Disso inferimos que aos criadores sobraria a facilidade de divulgar o trabalho e a possibilidade de lutar por migalhas de pagamento ― isso quando chegarem ao ponto de ganhar algo. Esta é uma das questões ao tratarmos de iPads, Kindles etc. De um lado, jornais, revistas e afins acham que eles são a salvação do mercado. Dificilmente. A grande fatia vai para os criadores dos hardwares, softwares e lojas on-line. Do outro lado, os criadores individuais de conteúdo acham que chegou a hora de explodir. Ledo engano. Sejam os grandes ou os pequenos, todos vão competir arduamente por espaço e vendas, a preços cada vez menores ― quando não de graça. Essas novas tecnologias não vão salvar nenhum mercado. Estão criando novos mercados ― e, em alguns casos, matando outros.

Leitores digitais x tablets
Fico pensando em quais mercados cada um dos leitores digitais vai conquistar ― e coloquemos aí, ainda, outros tablets e netbooks. Alguém vai dominar um mercado mais geral ou todos vão se acomodar em nichos? O Kindle, por exemplo, vale a pena para um leitor eventual? Um dispositivo exclusivo para leitura me parece muito específico, apenas para quem tem muito interesse nisso. Daqueles que compram muitos livros, mesmo que abandonem muitos no meio ― e terminem outros tantos. Ou para estudos, também me parece interessante. Ou seja, leitores vorazes de qualquer "categoria". Já o iPad, pelas descrições e comentários que tenho lido, parece uma "central de entretenimento": para quem a leitura de um livro é apenas uma de várias opções de passar o tempo aliada a funções de um notebook. Um iPad vale a pena para quem quer apenas ter uma biblioteca de fácil acesso? E vai substituir o notebook por completo?

Adultos histéricos
No caso específico desses leitores digitais, a febre do momento, há também a repetição da histeria coletiva de celebrar as novidades. Em especial a de lançamentos da Apple, uma das melhores máquinas de criar hype já inventada. Não nego a capacidade de Steve Jobs, nem a competência e diferencial da empresa e de seus produtos. Mas a exaltação em torno deles beira o patético. Desculpem-me: não beira. É patético. Alguns parecem piores que fãs de futebol. No mínimo transformam o assunto numa dicussão de boteco, um "Fla x Flu tecnológico", mas chegam ao ponto de ter comportamentos infantis do tipo "eu uso Mac e você PC, bobalhão". É entendível que um adolescente tenha xiliques por causa de algum ídolo. Mas um adulto adulando outro adulto, pior, comprando briga por causa disso é digno de uma boa gargalhada. Tanto quanto ficar em êxtase por um produto ― por melhor que seja. E no final das contas é apenas uma empresa preocupada com seus lucros. Mac lovers, pensem diferente. Cresçam.

Velho x novo, papel x digital
O fato é que estamos passando por uma compreensível empolgação com a tecnologia, ainda que haja exageros. Não é para menos. O surgimento e a consolidação da internet nos últimos 15, 20 anos, já são fenômenos históricos. Daqueles que serão estudados daqui a 50 anos nos livros de história. Ops, será que em livros? Num iPad? Num chip no cérebro? Enfim, estamos vendo e participando de momentos que muita gente gostaria de participar. De uma sucessão de marcos históricos que redefinem os comportamentos, as relações sociais e a economia. Não é exagero. Pensemos no que empresas como Google criaram. No impacto tremendo que a troca de arquivos gerou em indústria há anos estabelecidas, como a do disco e dos jornais. Na possibilidade que um software como o Skype traz de conectar de graça dois opostos do mundo, com qualidade de imagem e som cada vez melhores. De como um dispositivo pequeno como o Kindle pode conter milhares de livros ― uma biblioteca gigantesca em nossas mãos. Ou em como hoje a informação circula livremente por aí. Mas é possível compreender que quem tem seus mercados chacoalhados tenha dificuldade em mudar e em abandonar o velho ― que é o que melhor sabem fazer.

Imaginemos que um jornal tenha, por exemplo, 200 mil assinantes. É entendível que continue brigando. Afinal, mesmo que o número de assinantes e anúncios esteja em declínio acelerado, ainda são 200 mil pessoas e muitos anúncios ainda estão sendo vendidos. Não dá simplesmente para fechar as portas e apostar em mídias que sabe-se lá para onde vão ― e nem são especialidade da casa. Um problema é exatamente começar a fazer o que não sabem, tentando seguir um fluxo qualquer. David Remnick, da New Yorker, disse bem: não importa em que mídia estiverem, vão focar no que sabem fazer melhor ― textos longos e de alto nível. Claro que é necessário prestar atenção às mudanças no mercado e dos leitores, mas o foco de atuação não deveria mudar. Até porque, se for para morrer de qualquer jeito, é melhor morrer com dignidade. Outro problema que tenho visto é que, em vez de focar no que os leitores gostam no jornal de papel, estão tentando mudar o jornal para uma coisa mais "dinâmica". É uma ironia: estão tentando deixar o jornal de papel mais digital e o acesso digital mais parecido com o papel ― com as irritantes páginas de "folhear". E acho que deveria ser o oposto: no papel o que vale é aquele padrão de sempre. Quem está acostumado com esse formato prefere que ele continue assim, para poder identificar as notícias facilmente. Para o conteúdo on-line deveria ser o contrário. É uma incongruência tentar aproximá-lo do papel. É preciso que tenha seus próprios padrões, adequados às suas diversas possibilidades. Um dispositivo como um iPad precisa de novidades. Ao papel o que é do papel e ao digital o que é seu. Nessa mistura indigesta todos só têm a perder.


Rafael Fernandes
Araçoiaba da Serra, 5/5/2010

Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010


Mais Especial iPad
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/5/2010
06h46min
Caro Rafael, você acertou no texto. Acho uma besteira essas conversas em fóruns, e-mail e Twitter, sobre Kindle e outros bichos. Tudo pode ser marketing das empresas, ninguém sabe. Como já sou bem velhinho, fico lembrando do meu tempo de Ginásio: caderno feinho, capa de papel vagabundo, todas rasgavam com dois meses de uso. Colégio: melhorou a capa, durinha (epa!), de aspiral e tudo mais. Faculdade: Tudo bem melhor, cadernões de mais de 100 folhas e capa a quatro cores. Pós-Graduação: um Notebook (para os que podiam) no colo e MP3 com fone de ouvido (ouvindo aulas/música). Lembram daqueles gravadores tijolão? E hoje a gente grava com um aparelhinho pequenino (tamanho de cartão de crédito) que cabe na palma da mão. São os tempos. Mas parece que hoje tudo mudou. Tem muita gente que não acordou, outros ouviram o galo cantar mas não sabem onde e os que sabem não fazem escândalos.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
5/5/2010
10h22min
Bah, vocêsó fala isso porque é um fanboy do PC! :P Mas, falando sério, na briga entre iPad e Kindle tem que se levar em consideração uma coisa: o custo-benefício. O tablet da Apple funciona tão bem quanto o e-reader da Amazon, mas com muito mais funções - e utilidade. Para mim, já é uma partida ganha. O Kindle não vai ter muita duração com o barateamento de tablets, ainda mais os com o sistema operacional Android, do Google, que é open-source. Agora, quanto à sua divagação sobre o impacto da tecnologia, basta eu dizer que li o seu texto e estou comentando através de um iPhone, no conforto da minha cama. Pode parecer besteira, mas a mobilidade dentro de casa te deixa muito mais onlime - ou seja, você já não precisa reservar um tempo pra sentar na cadeira no outro quarto somente para checar o Twitter. Pô, dá até pra ler o Digestivo no banheiro (piada pronta, haha)!
[Leia outros Comentários de Bruno do Amaral]
26/5/2010
09h46min
iPad é um dos aparelhos tecnológicos que são usados por quase todas as pessoas em todo o mundo. A tecnologia está tomando conta do mundo, mas esta mudança é para garantir o nosso desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Maí­ra Barbosa]
26/5/2010
10h13min
Você abordou um ponto muito importante sobre a adaptação dos jornais para a internet: forçar que um se pareça com outro. Jornal é jornal, site é site! Adaptar jornal impresso para se parecer com site é totalmente errado: não atrai novos assinantes - quem gosta de site navega na internet - e pode afastar os antigos - para ler um arremedo de site é melhor largar a versão impressa e navegar na rede. E fazer site parecer com a versão impressa é outro erro: a tela do computador é sempre muito menor que a página do jornal impresso - as letras e fotos ficam mínimas, sem o impacto da versão impressa, a navegação é difícil e a virada das páginas é horrível. O modelo bom de jornal na internet é o da Folha, que apresenta os textos limpos, com indicação dos artigos anteriores e posteriores, bem como o índice geral das matérias. Falta só um pouco das fotos e gráficos da versão impressa. Quem não gosta assim, a versão "Folha On Line", "Estadão" e "O Globo" são muito boas.
[Leia outros Comentários de José Frid]
26/5/2010
11h06min
Antes de mais nada, eu sou bem velho, portanto não sou da geração de hoje. Devo lhes dizer que esta discussão sobre o que é melhor, o que vai sobreviver, o jornal de papel ou o livro e o jornal do computador estaria mal colocada. A grande questão é a antiga forma de distribuição dos jornais em papel, e ela já está mudando. Quem de nós não recebeu nos cruzamentos da vida jornais do tipo "Metro" e outros que o seguem, com artigos bem escritos, atuais e dinâmicos? Depois os leitores da telinha que me desculpem por este sacrilêgio, mas e a sua vista não conta? Estes usuários contumazes recebem a luz de frente e hoje em dia tem mais jovens necessitando usar os malditos óculos do que antes. O estrago causado por esta maquininha só vai aparecer com o tempo e com a idade e como fará falta de uma boa visão. Bem, não existe "sandwich grátis", como já diziam os nossos "irmãos" do norte, pois tudo tem o seu preço. Esta é a minha opinião sobre o assunto.
[Leia outros Comentários de Lajos Attila Sarkozy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maysa So Numa Multidao De Amores
Lira Neto
Globo
(2007)



Cálculos de Construcción
Manuel Company
Gustavo Gili
(1983)



Literatura Brasileira
Luís Augusto Fischer
L&pm
(2007)



O Campo Literário Moçambicano - Tradução do Espaço e Formas de Insílio
Nazir Ahmed Can
Kapulana
(2020)



Centenário do Primeiro Vôo de Avião e o seu Inventor no Brasil
Francisco Bedê
Gráfica
(2000)



O Que Realmente Acontece na Cama
Steven Carter...
Record
(2001)



Piratas do Tietê - Ano 1 nº 5 Setembro 1990 (02)
Toninho Mendes (diretor)
Não Informado



Livro de Literatura Estrangeira Um Momento Muito Longo
Silvina Bullrich
Expressão e Cultura
(1970)



A Droga do Amor
Pedro Bandeira
Moderna
(2003)



First Certificate Star
Luke Prodromou
Macmillan Heinemann
(2003)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês