O menino mais bonito do mundo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70581 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Memorial da Inclusão expõe Virada Inclusiva: Direitos Humanos Para Quê?
>>> Brunchinho tem bloco de carnaval infantil e comidinhas saudáveis
>>> O Buraco d'Oráculo encerra residência em Cidade Tiradentes
>>> Musical AVESSO encerra temporada no dia 24 de fevereiro no Teatro Nair Bello
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Retratos da ruína
>>> O blog do Fernando Meirelles
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mrs. Robinson
>>> A fotografia é a mentira verdadeira
>>> MOMENTOS
>>> Entrevista com José Castello
Mais Recentes
>>> Meu nene--123--guia do pre-natal. de Editora simbolo pela Simbolo
>>> Catastrofes & profecias--5--bermuda,o triangulo da morte. de Editora escala pela Escala
>>> Tem alguém aí? de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tia Júlia e o escrevinhador de Mario Vargas Llosa pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Scarpetta de Patricia Cornwell pela Paralela (2012)
>>> Repouso absoluto de Sarah Bilton pela Record (2009)
>>> Qualquer proposta de Peter Mayle pela Rocco (1999)
>>> Fallen - Paixão - Volume 3 de Lauren Kate pela Record (2010)
>>> Pela luz dos olhos seus de Janine Boissard pela Arqueiro (2013)
>>> O livro dos Baltimore de Joel Dicker pela Intrinseca (2017)
>>> Os Incas - A princesa do sol volume1 de Antoine B. Daniel pela Objetiva (2001)
>>> O vinhedo de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O aviador de Charles Higham pela Record (2005)
>>> O desconhecido de Joshua Ferris pela Casa da Palavra (2011)
>>> O matador de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1999)
>>> O asceta do desejo de Sudhir Kakar pela Companhia das Letras (2000)
>>> O livro do amanhã de Cecelia Ahern pela Novo Conceito (2013)
>>> Os delírios de consumo de Becky Bloom de Sophie Kinsella pela Record (2009)
>>> O pai Goriot de Honoré de Balzac pela Folha de São Paulo (2016)
>>> Aventuras na História nº 128- março- 2014 de Vários pela Abril (2014)
>>> Assassin's Creed Origins: Juramento no deserto de Oliver Bowden pela Galera (2017)
>>> Assassin's Creed: Submundo de Oliver Bowden pela Galera (2015)
>>> Assassin's Creed: Unity de Oliver Bowden pela Galera (2014)
>>> Assassin's Creed: Bandeira Negra de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Assassin's Creed: Revelações de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Assassin's Creed: Renegado de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: A cruzada secreta de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: Irmandade de Oliver Bowden pela Galera (2012)
>>> Assassin's Creed: Renascença de Oliver Bowden pela Galera (2011)
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Da Regencia Á Quéda de Rozas de Pandiá Calogeras pela CeN (1933)
>>> Preludio e fuga do real - autografado de Luis da camara cascudo pela Fundacao jose augusto (1974)
>>> Tudo tem seu Preço de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2011)
>>> Gamiani ou Duas Noites de Loucura de Alfred de Musset pela JcM (1969)
>>> Crime e Castigo edição de luxo com capa dura de Dostoiévski, Fiodór pela Nova Cultural (2002)
>>> Índio Vivo de Julieta Godoy Ladeira pela Moderna (1994)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowlimg pela Rocco (2000)
>>> Os Salmos Islâmicos- Súplicas Selecionadas do Livro de Alsahifah Assajj de Iman Ali Ibn Alhussein pela Sociedade islamica (2015)
>>> Ageless Body Timeless Mind - The quantun alternative to growing old de Deepak Chopra pela Harmony Books (1998)
>>> Assuntos da Vida e da Morte de Francisco Cândido Xavier e Paulo de Tarso Ramacciotti pela Grupo Espírita Emmanuel (2009)
>>> Uma Nova Vida com Sai Baba - Histórias de Devotos que Transformaram Seus Corações de Judy Warner - Organizador pela Nova Era (2005)
>>> A mulher entre a situação historica e a exclusao social de Sheikh taleb hussein al-khazraji pela Fundação al-balagh (2019)
>>> Um resumo dos deveres islamicos de Dr. sheikh akram barakat pela Islamica (2016)
>>> Diabolik - Scontro Frontale de A e L. Giussani pela Astorina (1993)
>>> O Amanhã a Deus pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2007)
>>> A Saga da Sabedoria de Leo Reisler pela Nórdica (1994)
>>> Chakraterapia - O encontro da ciência com a tradição milenar de cura através da energia de Maria Helena B. Damiani pela Hércules (2002)
>>> O Enigma dos Desaparecidos de Leandro Ribeiro pela Reggraf (2009)
>>> Revivir Lo Vivido de Dr. Jorge Adoum (Mago Jefa) pela Kier - Buenos Aires (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/1/2010
O menino mais bonito do mundo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 53500 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Nunca conheci menina tão feia. Tinha uns cabelos escorridos, na altura quase da cinturinha de pilão, caindo pelas espáduas avermelhadas como a da índia de Alencar. Fazia as unhas delicadamente e piscava enormes olhos verdes em todas as direções. Era alta, o que me deixava invejosa. Se tinha algo que me dava vontade era de ser grande, não só para aparecer mais do que todos, mas primeiro para ter lugar no fim da fila da escola, posição sempre mais interessante. No recreio, ser baixo significava estar sempre adiante, com todos os demais nos meus calcanhares. Não tinha graça, exceto para aqueles que chamávamos de "os fominhas".

A menina era feia como uma criatura mitológica. Monstrenga. Alta, morena, roliça, intoleravelmente atraente. Alimentava mais da metade dos sonhos de todos os meninos da escola. Era esbelta como uma porta. Intangível como uma ideia. Bem-vestida, bem-cuidada, mas distante. Não conseguia trocar duas palavras educadas sequer com a professora, aquela autoridade. Imaginávamos que, quando a menina feia crescesse, seria uma dona Magda como aquela: alta, escorregadia e fria. Os cabelos longos se tornariam coques apertados em cima da cabeça e se poderia ver com mais calma a verruga na nuca.

Os meninos da minha turma desejavam a menina feia. Eles queriam brincar com ela, tocar-lhe os dedos e as partes abauladas da bunda, queriam pensar coisas pornográficas e fazer gracinhas eróticas para ver se ela deixaria. A menina avançava com eles e recuava quando a brincadeira parecia incontornável. Ela falava muito de cremes de cabelo e de perfumes, também sabia algo sobre esmaltes e gostava de variar os batons. Ela se produzia, mesmo quando era obrigatório o uso de uniforme. Ela não parecia igual a ninguém. Ela se parecia com todas as protagonistas das novelas. Nem mesmo os uniformes a tornavam mais uma entre tantas outras.

Um dia, vimos a mãe da menina feia vir buscá-la na escola. Abriu-se a porta do carrão e saiu de lá uma imensa peruona. Muito loura e de bastas sobrancelhas negras, de imensos olhos acentuadamente azuis, unhas coloridas e beiços sádicos. Era uma jamanta. Não podia ser apenas uma mulher. Era, ao mesmo tempo, a mãe e a filha, talvez ainda o arremedo da avó espanholona. Travestida de um roupeiro inteiro, quase não se via rosto embaixo de tanta iluminação. Era obrigatório visá-la. Quase uma aparição amedrontadora. Com aquelas unhas, não era possível segurar um bebê. Com aquele cheiro forte, não se podia evitar a alergia. Com aqueles saltos altíssimos, não se podia andar. Era uma marcha que começava no chão e impactava até os cachos formatadinhos do cabelo amarelo. A menina feia nunca deve ter tido tempo de ser menininha. Não ouvi a voz da geringonça humana. A menina feia tinha muito caminho pela frente. Tal mãe, quase a filha. Um quase embaraçoso.

Mas não era assim o menino. Nunca eu vira gente tão bonita. Parecia um conceito. Liso, esguio, fechado. Inequivocamente, dizia um bom dia e um boa tarde, toda vez que chegava na sala. Mesmo quando ninguém respondia, ele cumprimentava o ar. Não era por ninguém. Era por ele. Alimentava pombos doentes, tinha pena de passarinhos e sabia tocar violão. Não sei ao certo a cor dos cabelos, o tamanho dos pés, a textura das mãos ou a cor dos olhos. Não dava tempo de saber. A laçada dele era antes. O fino do olhar de educado e lisonjeiro. Não sei direito se tinha espinhas e um pé tortinho. Não consegui notar embaixo daquele ar de queda livre que ele tinha. Era o menino mais bonito do mundo. Desses que deixam suspiros no ar, mas só para quem sabe sentir. Entrava na sala e lançava um brevíssimo olhar pelo arredor. Quando eu conseguia pegar a visada dele, mirava meus mais intensos sonhos. Era uma espécie de bênção, debaixo de uns cabelos pretíssimos e penteados para o lado esquerdo.

Minha angústia era aceitar os diversos em seus ritmos sincopados. A menina feia, com seus jasmins; o menino lindo, com sua hipnose. A peruona espanhola com sua britadeira de partir o dia a dia. As pessoas que valem a pena são assim: têm traços transparentes. Não se medem pelas cores nem pelos apetrechos. Elas nos inquietam sem usar os peitos ou as nádegas. Elas não somem da memória. O menino mais bonito que eu já conheci tinha um olhar tão doce que eu não lhe sabia a cor dos olhos. E ele me fez agrados tão bonitos que não guardei-lhe as medidas. Até hoje, e sempre, o que me faz lembrar dele é um beijo de olhos fechados, no meio da tempestade de vento, e um armário cheio de chocolates.

A propósito, há textos nestas colunas que são tolíssimos, mas servem, ao menos, para inspirar a gente.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pequenos grandes negócios poéticos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Palavrão também é gente - 26/2/2010
04. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2010
14h32min
Não entendi o propósito do texto. Há alguma mensagem implícita que me passou despercebida?
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
8/2/2010
00h26min
Será que todas as coisas têm de ter um propósito? Não poderiam apenas... ser?
[Leia outros Comentários de Arthur]
8/2/2010
15h45min
Há propósito para a vida? A arte tem algum propósito? Aliás, há utilidade na arte? No entanto, o que pensar daquele que vive sem ela?
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
8/2/2010
18h44min
Que texto lindo, Ana! Sei que pode parecer um comentário bobo, mas meus olhos ficaram bastante cheios d'água com o último parágrafo.
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
9/2/2010
17h01min
Maravilhoso! Como não entender um texto assim?
[Leia outros Comentários de Fabiana Rocha]
12/2/2010
16h21min
O que é feio? O que é belo? A arte é um pecado, porque destrói conceitos simplistas de beleza e feiúra. Ou deveria destruir, retratando características humanas sem preconceitos. Mas como nos desfazermos das noções que dizem o que é ou não atraente? Mesmo que no íntimo duvidemos dos conceitos impostos, pois na realidade tratar bem gera desconfiança, inteligência provoca temor (a teoria dos psicopatas sendo pessoas com uma inteligência aguda, uma bondade acima de suspeitas), ainda cultivamos o belo como sendo a aparente disponibilidade para a servidão aos outros, e o feio como sendo tudo que pode provocar distanciamento dos que são supostamente "nossos próximos", "nossos semelhantes" em humanidade. O "feio" e o "belo" no texto acabam se destacando, os extremos deixando marcas impressas na memória, de modo agradável ou não. Mas a "feiúra" desperta inveja; a "beleza" parece desconhecida, apesar de querida, enaltecida, suas características são vagas. Devemos ou não destruir estereótipos?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
12/2/2010
17h06min
Acho que o texto (talvez mesmo sem sabê-lo) traduziu um pouco das diferenças do desejo masculino e do desejo feminino (pelo menos na "nossa" época, em que não estávamos "treinadas" a olhar para o corpo dos garotos). Para os meninos da sala de aula retratada, a "menina feia" era notada por seu corpo, suas formas. Para a menina-autora, o menino era notado mesmo antes que houvesse tempo de olhar para seus pés, para a textura das mãos. Era pelo "ar" que ele transmitia que ele exercia atração. Para mim, o texto disse muitíssimo. Parabéns, Ana Elisa, mais uma vez! Isso se chama sensibilidade, esse captar de essências sem mesmo se dar conta.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
16/2/2010
12h44min
É normal o ser humano procurar explicação e razão para tudo. É quase instintivo. O texto nasce de uma forma da mente do autor, muitas vezes já se desenvolve quando escrito e vai tomando outras características ao ser lido. Cabe ao leitor dar sua interpretação. Gostei dos personagens e já imaginei cinematograficamente algumas cenas com tais personas. Vou guardar o texto para um futuro não tão distante.
[Leia outros Comentários de Brunão]
21/2/2010
18h34min
Uau! Que belo texto! Este é daqueles que nos deixa hipnotizados durante a leitura, e desconsolados, ao seu final! Só isso já é conteúdo para um livro todo! Parabéns, Ana!
[Leia outros Comentários de Enih Gil'ead]
3/1/2011
21h05min
Nossa, adorei o texto! É do tipo que nos faz mergulhar, e talvez até traçar paralelos. Quando dei por mim, já fazia parte dele!
[Leia outros Comentários de Larissa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TRABALHADORES DO MAR
VICTOR HUGO
ABRIL
(1979)
R$ 18,00



CURA ESPIRITUAL : UMA INVESTIGAÇÃO - SUPER INTERESSANTE
ALEXANDRE DE SANTI E SÍLVIA LISBOA
ABRIL
(2015)
R$ 10,00



KISS- UMA PORTA PARA O CÉU
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(2017)
R$ 20,00



UNIDOS DO OUTRO MUNDO DIALOGANDO COM OS MORTOS
ESTAÇÃO BRASIL
RARA
(2018)
R$ 20,00



A VIÚVA CLICQUOT - A HISTÓRIA DE UM IMPÉRIO DO CHAMPANHE
TILAR J. MAZZEO
ROCCO
(2009)
R$ 45,00



MICHAELIS - DICIONÁRIO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUÊSA
MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2008)
R$ 21,00



QUATRO
VERONICA ROTH
ROCCO JOVENS LEITORES
(2014)
R$ 15,00



ORLANDO
VIRGINIA WOOLF
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 13,00



COMO EVITAR PREOCUPAÇÕES E COMEÇAR A VIVER
DALE CARNEGIE
COMPANHIA NACIONAL
(2002)
R$ 13,00



O CÂNTICO DOS CÂNTICOS. O AMOR É UMA FAÍSCA DE DEUS
IVO STORNIOLO
PAULINAS
(1991)
R$ 12,00





busca | avançada
70581 visitas/dia
1,0 milhão/mês