Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/6/2010
Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7400 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Se fôssemos desenhar o cronista, poderíamos dar a ele uns traços finos e a anatomia de um ser com uns olhões bem abertos, talvez sem pálpebras, para que ele não possa piscar; umas mãos leves, cujos movimentos finos o ajudem a anotar, seja lá em que dispositivo for, analógico ou digital; trajando um macacão cheio de bolsos, de todos os tamanhos, nos quais ele põe bloquinhos, cadernos, notebooks, lápis, canetas e toda sorte de equipamento que o ajude a anotar impressões, ideias, fontes, trechos verbatim do que ouviu, alinhavos de papos em que se intrometeu, deixas, acertos de contas, respostas a eventos ou a questionamentos, visões de algo muito feio ou muito ao contrário, esquemas de textos que começou a projetar, textos inteiros que lhe caem dos fundilhos do cérebro, insights que partem de átimos de palavras de outrem, delírios que jamais sairão do papel-jornal ou do papel que embrulha o pão. Além disso, nosso desenho poderia retratar alguém de pernas longas e fortes, capazes de correr o mundo em um segundo; uma boca fechada, onde não entram mosquitos, mas de onde surrupiam-se palavras. No entanto, as mãos são abertas como donas fofoqueiras ou, melhor ainda, como prostitutas bem baratinhas. Em tudo ele repara, mesmo quando não pode ver, e de tudo ele fala, mas sempre na forma de transmutação. É assim: onde o sujeito vê milagre, o cronista vê parágrafo inteiro; onde a moça vê beijo, o cronista vê descrição; onde o menino vê bola, o cronista vê coração; onde a menina vê poá, o cronista vê céu estrelado; onde o cara vê motocicleta, o cronista vê sensação; onde qualquer um vê rua, o cronista vê passagem. E assim vai. O cronista enxerga, muito embora possa padecer de um imenso cansaço por ficar vendo nascer de tudo algo estrondosamente poético.

Em todo livro didático, dicionário ou glossário em que se vai pesquisar está escrito que o cronista é observador. É uma espécie de escritor que se vale dos fait divers, digamos assim, um ser de longas antenas que vem colhendo o dia a dia e traduzindo tudo em parágrafos ou em textos fáceis de ler. O cronista, segundo esses materiais didáticos, é um sujeito que sai por aí vivendo as coisas ou espiando as vivências alheias para depois recompor, recontar, redizer, retrabalhar e distribuir para todo mundo. Uma espécie de pescador, atirador, garçom, namorador, apicultor, botânico, lavrador, apanhador de espécies novas para um imenso borboletário. Não é jornalista, cata fatos (embora muitos jornalistas se tornem cronistas), mas é um escritor que caça os sensíveis dos fatos e, às vezes, nem isso. Nem tudo é fato, não é? O historiador francês Michel de Certeau dizia que o leitor é caçador em campo alheio, morador de apartamento alugado. O cronista é um leitor das coisas, desse tipo aí, meio inquilino, só que ele ainda se mete a dizer as coisas, desdizê-las também ou redizê-las para ver se faz nelas uma plástica.

O cronista não fica em paz. Ele não vive como a maior parte das pessoas vive. Ele não consegue. Ele não participa de uma festa só bebendo e comendo como os demais. Ele não ouve uma conversa de um jeito despretensioso. Ele não sabe guardar segredos. Ele não pode ficar sabendo das coisas que parecem comuns aos outros. O cronista é um catador de papel usado. Um reciclador de historinhas travestidas de comuns. Um cronista é Midas. Ele pega pedrinha feito brita e faz dela um topázio, uma turmalina ou uma água marinha dessas de mais baixo valor. O efeito, o cronista gosta é do efeito, feito a Channel. O cronista vai às festas para conversar, assim como vai ao bar, ele não se espanta com tanta gente falastrona. Quanto mais verbo solto, mais terreno para o cronista. O cronista deixa a polêmica rolar. O cronista não diz "deixa disso". O cronista é meio voyeur ou meio sádico. O cronista é do artesanato, mesmo quando escreve no computador de último tipo. E embora este cronista aqui descrito seja o operador de palavras, cronistas podem ser de variada estirpe, usando também variado método, havendo deles que tiram fotos, outros que desenham, ainda os que pintam e os que usam aí outras linguagens de efeito.

O cronista se separa da esposa (ou do marido, no caso da cronista ou do cronista gay) e não liga tanto para a partilha. No mesmo dia, depois que ela sai com as melhores malas, ele começa a se preocupar com a crônica que aquele evento vai gerar. Se for texto ruim, a separação não valeu a pena. É esperar pela reconciliação para ver se ocorrem umas trovas melhorezinhas. O cronista não dá vexame sem calcular o rendimento dos parágrafos de humor. O cronista não se restringe às narrativas com começo, meio e fim. O cronista participa da vida dos textos.

Um cronista não se mete a romancista. A veia inventiva do cronista não é tão forte. O cronista depende muito mais das pequenas sortes do cotidiano. O romancista cria demais. O cronista recria.

Há cronista que goste de argumentar, mas esta subespécie flerta com o articulista, debatedor de ideias. Há cronistas que vivem da reinvenção de histórias. Há os que são meio poetas às escondidas. Uns tipos são mais raros do que outros. Há aqueles cronistas que atravessarão o tempo. É como ler assim um Rubem Braga e custar a descobrir de que época é aquele texto. No caso de uns outros, é fácil saber das datas, já que os assuntos são os presidentes, as políticas, os jogos de futebol. Há cronistas que vivem como se pisassem de leve na grama dos parques alheios. E todo cronista tem uma crônica sobre a falta de assunto, para coroar o lado humano de quem está caladão de vez em quando.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 11/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Impressões do jovem Engels de Celso A. Uequed Pitol
02. Baudelaire, um pária genial (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Blogs, livros e blooks de Vicente Escudero
04. Escritor, jovem escritor de Guga Schultze
05. Minha primeira vez - parte II de Rafael Rodrigues


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/6/2010
08h38min
Amiga Ana, magistral a sua crônica. Acho que sou meio cronista, ainda aprendiz. Esqueceu de dizer que o cronista pode ser sarcástico, satírico ou simplesmente um bom contista fora do contexto. Adoro seus artigos.
[Leia outros Comentários de Manoel Amaral]
14/6/2010
08h57min
Foi simplesmente incrível a forma como conseguiu escrever sobre os cronistas. Ainda mais incrível é uma cronista descrever outro cronista! Fabuloso e coerente! Até Mais!
[Leia outros Comentários de André Crevilaro]
14/6/2010
09h19min
O cronista se separa da esposa (ou do marido) e só pensa em escrever uma crônica? Nossa senhora!... Eu escrevo crônicas, mas não sou cronista, não. Odeio essas crônicas de mulheres que contam como namoram ou como depilam as pernas. E se algum dia o destino me aproximar de "seu" cronista, não falarei uma palavra. Darei um soco no nariz dele, para que tenha um bom argumento para sua crônica. (Fluente e interessante seu estilo, mas não gostei desse cronista canastrão.)
[Leia outros Comentários de Isabel Furini]
14/6/2010
15h06min
Excelente a sua crônica sobre os cronistas, inclusive você própria e eu mesmo, cronista aprendiz. A definição do cronista como "voyeur" é quase perfeita, pois o bom cronista, como você mesmo afirma no texto, também é um "écouteur". E gosta das pequenas coisas, dos detalhes, valoriza o que é desprezado pelos outros. O cronista vê poesia na vida mas transmuta-a em crônica, para deleite, espera ele, dos futuros e incertos leitores. Discordo apenas da visão do cronista como "meio sádico", logo ele um amante da vida e de tudo que ela contém. A Isabel não conseguirá dar um soco no seu cronista, pois cronista que se preza trabalha incógnito e oculta a origem de suas crônicas.
[Leia outros Comentários de José Frid]
14/6/2010
16h09min
Curioso, porque também não fui o único a ficar preocupado em encontrar o tal cronista da crônica. Ou melhor, de me encontrar no tal cronista da crônica. Acho que também escrevo crônicas, mas não sou esse do texto acima. Crônica tem a ver com o tempo, algo que não se resolve. Um inconformismo contínuo com a cegueira alheia.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
16/6/2010
09h17min
É um verdadeiro tratado sobre o que é ser cronista. Mais se pode dizer, inclusive àqueles que se acham cronistas, mas, que na verdade, estão confusos, misturando estilos.
[Leia outros Comentários de Flauzino]
16/6/2010
23h38min
Acho que a forma como alguém transforma o mundo em palavras através do seu olhar único e pontual é algo apaixonante. Uma Leitura além do aparente. Emocionante este cronista retratado, embora em alguns momentos parecesse apenas um indivíduo disposto a transgredir a coerência e buscar novos sabores nas mesmas coisas. (Muito interessante.)
[Leia outros Comentários de melinda]
18/6/2010
12h25min
Muito boa a descrição de como seria o desenho de um cronista. Poderia dizer também que eles normalmente têm manias, que gostam de espalhar como se fossem lembrancinhas de viagem, porém sendo não mais que formas de se fazerem lembrar pelos outros. Como muito humanos que somos (não sei se todo escritor é meio cronista), os compreendemos muito bem e nos identificamos com eles, mas podemos negar essa natureza, o que não significa que não estamos ligados a ela.
[Leia outros Comentários de ]
25/6/2010
01h58min
Ana, parabéns pelo texto. Difícil falar sobre a crônica diante de enxurrada de coisas que já foi dita. Seu texto vai muito, mas muito além da surrada tese de que o cronista, quando não tem assunto, abre a janela. Lendo seus comentários no Twitter, vi que o livro "A história do cerco de Lisboa" foi importante para o desenvolvimento de seus trabalhos. Ainda não li este livro (já li vários do Saramago) e gostaria de saber quais as peculiaridades deste romance que lhe chamaram a atenção. Há nele algo de incomum se comparado aos outros do autor?
[Leia outros Comentários de Wellington Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grupo de Vanguarda
Vicente Sanches
Cotovia (lisboa)
(1997)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



Historias do Roseiral
Vários Autores
Pentagrama
(2003)



Edifícios Comerciais. Megastore Rio Center. Felipe Bezerra
Fernando Serapião
Ateliê Editorial
(2004)



Governabilidade e Reformas
João Paulo dos Reis Velloso e Roberto Cavalcanti
José Olympio
(1995)



The Place At the Edge of the Earth
Bebe Faas Rice
Clarion Books
(2002)



Consciência e Valor
Samuel Rawet
Orfeu (rj)
(1969)



The Shorter Cambridge Medieval History (volume 2)
C. W. Previté-orton (editor)
Cambridge University Press
(1953)



La Logique de Lantisémitisme; de La Question Antisémite
Revista Temps Critiques, Nº 2 de 1990
Impliqué
(1990)



Tristezas à Beira-mar
Manuel Pinheiro Chagas
Saraiva
(1960)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês