Palavrão também é gente | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Banheiros
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz
>>> Um imenso Portugal
>>> 6 anos esta noite
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Sobre cafés e diversão 0800
>>> Temporada de Gripe
>>> Você viveria sua vida de novo?
Mais Recentes
>>> Livro Psicologia Memórias Sonhos Reflexões de C. G. Jung pela Nova Fronteira (1963)
>>> Catedral das Sombras de Daniel Mastral, Isabela Mastral pela Agape (2014)
>>> Meu Anjo Da Guarda de Mercedes Llimona pela Paulinas (2009)
>>> Nós Matamos O Cão Tinhoso de Luís Bernardo Honwana pela Kapulana (2017)
>>> Livro Literatura Brasileira As Melhores Crônicas de Fernando Sabino de Fernando Sabino pela Record (1986)
>>> Mauá - Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Para Entender o Texto Leitura e Redação de Platão & Fiorin pela Ática (2008)
>>> Science 2003 Human Body Student Edition (softcover) Grade 1 de Scott Foresman pela Scott Foresman (2006)
>>> O Livro dos Sustos - O Que Fazer nas Situações Horripilantes da Vida de Rosana Rios pela Atica (2006)
>>> Declarando - se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Draguinho - Diferente De Todos, Parecido Com Ninguém de Claudio Galperin pela Ática (2005)
>>> Livro Psicologia Eu Sou As Escolhas Que Faço Como Resolver o Dilema Entre o Que o Mundo Espera de Você e o Que Você Quer do Mundo de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Manual de Direito Comercial1 de Fabio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2002)
>>> Psicologia Escolar de Jack I. Bardon ; Virgínia C. Bennett pela Zahar (1975)
>>> Livro Pedagogia Quem Educa Quem? de Fanny Abramovich pela Summus (1985)
>>> O Nome do Vento - A Crônica do Matador do Rei - Primeiro Dia de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2009)
>>> Guilherme de Inglaterra ( Pocket ) de Chrétien de Troyes pela Lacerda (1997)
>>> Que E Respeitar O Shabat?, O - Um Guia Para Seu Cumprimento E Compreensao de Daian Dr. Isidor Grunfeld pela Sêfer (2024)
>>> Diario Sem Data De Uma Gata de Dilan Camargo pela Editora Cassol (2010)
>>> Let's Go 1: Student Book (let's Go Second Edition) de R. Nakata, K. Frazier, B. Hoskins, S. Wilkinson pela Oxford University Press (2000)
>>> Livro Auto Ajuda O Poder Do Agora Um Guia Para Iluminação Espiritual de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> Amado Timóteo - Uma Coletânea De Cartas Ao Pastor de Thomas K. Ascol (compilador) pela Fiel (2008)
>>> A Death in Vienna de Daniel Silva pela Putnam Adult (2004)
>>> Um Porco Vem Morar Aqui! de Claudia Fries pela Brinque-book (2000)
>>> Environments and Energy de Houghton Mifflin pela Houghton Mifflin (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/2/2010
Palavrão também é gente
Ana Elisa Ribeiro
+ de 9000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Não sei qual deles veio primeiro: o nome de certa parte do corpo do macho, especialmente quando em riste e bem agressiva; o apelido ofensivo à profissão atribuída à mãe de alguém; ou a interjeição tão suficiente que se diz quando qualquer categoria de coisa acontece. Essa interjeição designa a mesma mãe profissional, só que recém-saída do trabalho de parto. Não sei mesmo qual desses xingamentos aprendi primeiro. Também não me recordo quem foi meu professor ou professora. O que considero é que foi tudo sempre muito útil. Às vezes melhor até (e mais barato) do que terapia.

Meus pais não falam palavrão. Minha mãe vai morrer com a boca limpa. Meu pai, quando bêbado, arremete contra alguém (em geral algum time de futebol) qualquer coisa que lembra uma palavra de baixo calão, mas nada que chegue a horrorizar quem está por perto. Então só posso ter aprendido a falar palavrão "na rua", como se diz (como se só a rua fosse o lugar dos acontecimentos mais baixos). Dado que minha lembrança mais antiga de palavrão vem lá dos meus anos escolares, acho que foi lá, na escola, que aprendi os primeiros balbucios ofensivos e, mais importante, aprendi a usá-los, em caso de necessidade. Há pessoas que sequer esperam a necessidade aparecer. Homens, em geral (desculpem os mais educados), utilizam xingamentos em situações diversas, inclusive para cumprimentar amigos.

O motivo desse esforço de memória é que, há poucos dias, mais uma vez, presenciei uma discussão toda envolvida em pompa e circunstância, na sala de reuniões de professores de uma escola de ensino médio: adotar ou não certo conto de determinado escritor importante brasileiro para alunos do primeiro ano. Assim que percebi o assunto em pauta, acionei minha planilha em que registro, na lembrança, quantas reuniões desse tipo já presenciei em minha carreira (pouco rodada) de professora, em todos os níveis de ensino. Parei de contar assim que a discussão mais acirrada começou.

Lá pelas tantas, alguém pediu minha opinião. Prefiro mantê-la guardada nesses casos que podem gerar polêmicas gratuitas, mas já que me acionaram, lá vou eu. Fui objetiva: Acho que certos riscos não valem a pena. O escritor é importante, o texto é bom, a literatura é maravilhosa, mas se adotarem o conto, estarão adotando também a encrenca que se seguirá. Antes de ensinar certas literaturas, é preciso dar cursos para as famílias dos alunos. Como isso não vai acontecer, peço apenas que não me convoquem para a reunião de pais que se seguirá à adoção dessa peça literária.

Logo em seguida a discussão continuou em tom mais alto. Parte das pessoas argumentava sobre a importância de ensinar literatura brasileira sem omitir autores importantes, outra parte complementava dizendo que a escola precisa ousar, especialmente uma escola federal daquele porte e com aquela autonomia. De fato, isso é um alívio para professor que acredita na profissão, nas pessoas, no futuro, na educação e gosta do que faz. Outra ala da reunião dizia que comprar certas brigas é bobagem, que os alunos não teriam maturidade para entender aquele conto, que os pais reclamariam dos palavrões, que os evangélicos procurariam a diretoria da escola etc. Nesse momento, um conveniente colega me telefonou e tive de sair da sala para resolver problemas em outro corredor.

O que é palavrão? Olhe no Aurélio. Olhe o Houaiss. Vá à Wikipedia. Busque no Google. Garimpe em sua memória e faça sua interminável lista. Palavrão para mim é pouca coisa. E eles não me horrorizam, a não ser que estejam muito carregados de contexto. No entanto, confesso que me sobressaltam bem menos pessoas que não os utilizam a torto e a direito.

Em certa escola em que trabalhei, enfrentei praticamente sozinha (era uma escola privada, diga-se de passagem) uma reunião de pais convocada por conta de um livro adotado na disciplina Literatura. Tratava-se, à época, de Distraídos venceremos, do poeta curitibano Paulo Leminski, que ainda não havia caído em nenhuma lista de vestibular. Hoje, Leminski faz parte do cânone e talvez os pais dos alunos pensem duas vezes antes de reclamar na diretoria. Naquele momento, foi um escândalo que uma professora sugerisse aos alunos um livro do qual fazia parte um poema que tratava de amor, mas usava a palavra... bosta. Sim, investigue Distraídos venceremos e procure um palavrão. Está lá a palavra bosta, no poema "Merda e ouro". Aposto uma grana alta que se Leminski tivesse escrito cocô ou fezes não teria me trazido tantos problemas.

Os pais, em discursos inflamados, reclamavam do palavrão imposto pela escola aos pequenos e indefesos garotos da sétima série. Mal sabiam eles que aqueles adolescentes já me haviam ensinado palavras muito piores e bem mais malcheirosas do que bosta. E agora, na reunião mais recente, deparo eu com palavra menos pastosa, mas também causadora de arrepios por aí: pau.

Mais uma vez, professores muito qualificados paravam suas atividades diárias para discutir, entre outros assuntos mais válidos, se o conto de Sérgio Sant'Anna, em que a palavra pau surgia intumescida e estriada, deveria ser indicado a alunos do ensino médio. O tema era a carta, esse objeto excêntrico da comunicação passada, mas as palavras vinham junto de um ato sexual descrito em verbos, adjetivos e substantivos chocantes.

Tratei logo de disparar meu contra. Não é caretice, não é moralismo, é apenas "deixa disso". Se são ali pelos trezentos alunos e se todas as famílias fossem tradicionais, seriam seiscentos pais para enviar bilhetes e pedidos de reunião para a diretoria. Reunião custa caro. Qualquer empresa séria sabe disso. Nas escolas, reunião é fichinha. Pai e mãe de braços dados tentando defender a cria das palavras do mundo são uma cena chatíssima para quem quer exercer a docência seriamente.

Como se ensina literatura na escola? Como escapar não apenas de Leminski, mas principalmente de Gregório de Matos? O livro do Cereja, um dos mais adotados do país e gratuitamente distribuído pelo governo, deu um jeitinho. Ao estudar Barroco e Gregório de Matos, só aparecem lá os poemas religiosos do poeta "boca do inferno". Adolescente esperto fica cabreiro: "ué, mas por que então chamam esse cara de boca do inferno, se ele mais parece um santo?". Aí lá vêm os professores com histórias parecidas com aquela da cegonha ou a outra, a da sementinha que papai pôs na mamãe. A sorte é que é raro um adolescente ter esse tipo de esperteza.

Pai e mãe (coisa que eu e meu marido também somos, frise-se) são engraçados. Eles parecem não verificar nunca que tipo de filme seus filhos assistem na TV. Será que os adolescentes só passam a ver Big Brother depois que fazem 18 anos? Outro dia o Pedro Bial, aquele ex-jornalista que virou apresentador, deu uma bronca nos BBBs pedindo que eles maneirassem no vocabulário chulo. Será que rolou reunião de pais nos bastidores da Globo?

É claro que é preciso proteger a juventude! É lógico que os jovens precisam conhecer artes. É evidente que o professor precisa ser bem-preparado. O negócio é que escola também é lugar de palavrão, já que o contexto emoldura tudo. A puta de A bela da tarde não é a mesma que cobra cinquinho na rua Guaicurus (por favor, leitor, substitua o nome da rua de BH por alguma correspondente em sua cidade, certamente isso será possível). O pau do Sérgio Sant'Anna não deve ser o mesmo do serial killer que anda driblando a polícia civil na Região Metropolitana de BH. Veja só o que é a ironia. Ironia é quando a gente usa a palavra no sentido contrário do que ela realmente quer dizer. A explicação não é só essa, mas vamos facilitar, né? Então posso chamar alguém de "santa", quando tudo leva a crer que eu quis dizer "quenga maldita".

É preciso proteger o professor profissional. Nunca entrei na sala do dentista dizendo a ele, com indicador em riste, como ele deveria atuar. Jamais fui ao médico para lhe dar ordens sobre meu tratamento. Nunca ensinei o padre a rezar a missa. Mas da educação escolar todo mundo entende, já que são excelentes na educação que dão em suas próprias casas.

Nota do Editor
Leia também "Palavrões".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/2/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. As turbulentas memórias de Mark Lanegan de Luís Fernando Amâncio
02. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
03. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
04. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres
05. Toda aquela bobagem estilo David Copperfield de Noah Mera


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010
05. Palavrão também é gente - 26/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2010
13h12min
Haha. É mesmo incrível essa coisa dos pais com as palavras. O mais engraçado é que não prestam atenção ao que eles mesmos dizem. Especialmente quando brigam e discutem (ou quase se matam) na frente dos filhos. Depois não sabem onde aprenderam a se comportar desse ou daquele jeito. Educam com violência, batendo e gritando, depois não querem filhos violentos na adolescência - e como precisam encontrar um culpado, é a escola que está ensinando o que não presta. Eu acredito que o comportamento dos alunos na escola é apenas reflexo da educação que recebem em casa.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
26/2/2010
13h38min
Texto fantástico! Muito engraçado. E mostra como as pessoas fazem tempestade em copo de água com coisas tão pequenas, enquanto acontecem outras muito mais chocantes com as quais todos ficam plácidos e contemplativos. A propósito, adorei a menção à Guaicuruz, também sou de BH.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
10/3/2010
23h29min
Nelson Rodrigues dizia que palavrão era obsceno na cabeça de quem entendia, talvez tivesse razão... Fico pensando na educação que recebi e na orientação que passo para meus filhos, algumas ironias são mais cruéis que certas ofensas... E valendo-se do contexto, o palavrão tem inúmeras circunstâncias, serve para agredir, para distender e, sobretudo, para comunicar estados de espírito, que com a leitura adequada um palavrão revela inveja, hipocrisia, soberba e falta de civilidade também. Pensando o palavrão como elemento de comunicação ele cabe tanto na prosa quanto na poesia, basta que esteja dentro do contexto apresentado. Lúcio, leia "A cópula" do Bandeira e um tantinho de Bocage...
[Leia outros Comentários de carlos E.F. Oliveira]
14/3/2010
21h27min
Ótima leitura. O último parágrafo resume bem a ideia. É realmente interessante o fato da maioria dos pais evitarem esse tipo de assunto quando é justamente essa omissão que agrega ainda mais significado aos palavrões e certos assuntos polêmicos; afinal, tudo que é proibido atrai muito mais atenção. Fiz o maior esforço mas não lembrei de jeito nenhum onde aprendi o sacro ou o mundano do Boca do Inferno na escola.
[Leia outros Comentários de Arthur]
15/3/2010
11h15min
Excelentes observações, mas acho que se pouparmos os professores dessas polêmicas com os pais e nos preocuparmos com os custos das reuniões, podemos perder a oportunidade de problematizar e discutir isso que você fez tão bem, também com os pais. Afinal de contas, se esperarmos que um livro seja oficialmente adaptado para o vestibular para ser bem aceito, pode ser também que não o usemos nunca. Outra: chamar para discutir esse poder "incrível" que algumas pessoas acham que o palavrão tem... é bem interessante. Aqui na Paraíba, a federação de futebol está querendo proibir o uso de palavrões nos estádios. Claro que isso não está sendo levado a sério e rende muita brincadeira sobre que outras palavras usaríamos e que efeitos teriam.
[Leia outros Comentários de Lafayette B. Melo]
16/3/2010
12h26min
Ana, você está apoiada! Eu, como professora, vivi esse tipo de hipocrisia da nossa sociedade. Para mostrar aos meus alunos o quanto essa hipocrisia é idiota, toda vez que ia dizer um palavrão em sala, anunciava antes, pedindo cuidado. Exatamente assim é que mostrava o quão ridículo é ter que avisar que irei proferir um palavrão!
[Leia outros Comentários de Fabiula]
27/5/2010
08h42min
Muito perspicaz e bastante coerente os seus argumentos. O palavrão é como todas as outras palavras, junção de letras (grande e emérito pensamento) e só faz mal a quem a interpreta diferente do modo com que é dito. Tropicou, um "palavrão" faz um bem melhor que gelo para abrandar a cólera. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dicas de Como Chegar Lá
Ernesto Haberkorn
Netas
(2013)



Livro Pedagogia Série Educação Didática Geral
Claudino Piletti
Ática
(1997)



O Menino de Brodósqui
Candido Portinari
O Boticário
(2001)



Manual sobre a montagem teatral para amadores e profissionais
Richard Southern
Moraes



Morte De Um dissidente
Alex Goldfarb
Companhia Das Letras
(2007)



Do Reclame a Comunicação
Ricardo Ramos
Atual
(1985)



Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Martins
(1969)



Livro Infanto Juvenis Aladim e a Lâmpada Maravilhosa
Edson Roch Braga
Scipione
(2001)



Livro Literatura Brasileira Biblioteca Folha 3 Iracema
José de Alencar
Ediouro
(1997)



Livro Ensino de Idiomas The Narrative Of Arthur Gordon Pym Of Nantucket - Young Adult Readers Volume A1 + CD
Edgar Allan Poe
Hub
(2013)





busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês