Um curso para editores | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/7/2006
Um curso para editores
Ana Elisa Ribeiro
+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O mercado editorial mineiro, além de ser pequeno, é amador demais. Quem trabalha ou trabalhou nas poucas editoras das Gerais sabe que a produção que impera é a de livros didáticos (para o ensino fundamental, principalmente) e a de livros de literatura infantil e infanto-juvenil.

Respeitosamente, é preciso mencionar que, dentro dessa faixa, são imbatíveis alguns autores como os premiados Bartolomeu Campos Queirós, Ângela Lago, Marcelo Xavier, Marilda Castanha e Nelson Cruz. Há uma turma mais nova, mas fiquemos aqui com os nomes dos bambambãs.

O staff dessas editoras é formado por pouquíssima gente contratada e uma pequena legião de terceirizados. Na verdade, pessoas que trabalham em casa, mas não constituíram empresas, embora leis e governos tenham tentado detonar, de todo jeito, o profissional autônomo. (Como se não bastasse não haver emprego neste país...).

Em sua maioria, os donos de editoras, em Minas, se confundem com a figura do editor. É bom ficar claro que são, quase todos (com honrosas exceções) apenas empresários ou pessoas com extremo senso de oportunidade financeira. Nada mais. Em geral, poderiam fabricar, com o mesmo pique, sapatos, bolsas ou velas. Livros são pouco mais que produtos que entram numa esteira que rola em alta velocidade.

A figura do editor que lê, pensa, critica, ajeita, mexe e sugere não existe muito por estas bandas. E talvez esteja mesmo em extinção. Talvez alguns tenham migrado para a internet. Talvez tenham morrido em silêncio. Mas ainda sobram uns Plínios Martins Filhos, por exemplo.

Se o editor anda em falta, todos os profissionais da cadeia de produção do impresso também. Em Minas, no entanto, esse é um problema de origem: nunca houve cursos que habilitassem profissionais da edição. Explico.

Os bons e velhos cursos de Letras têm bacharelado apenas em algumas instituições. Olhando bem de perto, pode-se verificar que não há, infelizmente, nem mesmo para os bacharéis, especialização substancialmente diferente daquela do professor de português. O bacharelado da UFMG, no qual me formei na primeira turma, era apenas um curso de Letras sem as disciplinas da faculdade de Educação. Bom para quem queria excluir umas matérias "chatas" do currículo.

Os cursos de Comunicação Social, com todas as fundadas críticas que sofrem, em Minas também não formam editores e profissionais de edição de livros. As cadeiras do jornalismo formam profissionais de imprensa. As de publicidade formam pessoas de agência. Os profissionais que migram, por acaso, para editoras fazem pouco mais do que adaptações do que fariam para jornais e revistas no livro.

Recentemente, abriram-se, à semelhança de São Paulo, cursos que habilitam o produtor editorial. Analisando rapidamente uma grade curricular de um desses cursos, pode-se perceber que são idênticos aos cursos de publicidade. Ah, com uma diferença: uma disciplina chamada "redação editorial" no lugar da antiga "redação publicitária". Não é curioso? Esses cursos, que são uma das habilitações da Comunicação Social, não compreenderam ainda seu papel, muito menos o aluno que neles entra e que deles sai. Em geral, são pessoas que não passaram no vestibular para publicidade (não sei por quê, muito concorrido) ou que pensam que se tornarão gerentes de gráfica rápida.

Se fossem mais bem-pensados, de preferência coordenados por profissionais realmente de edição, talvez os cursos de Produção Editorial ajudassem a formar um perfil de profissional que está em falta no mercado. O gerente editorial, por exemplo, é figura rara nas Minas Gerais, e extremamente necessário. Mas não um quase-publicitário-frustrado, nem um jornalista-desempregado. Um profissional que estivesse munido de noções da história editorial, do percurso do livro, do papel desse suporte nos regimes atuais e muito tecnologizados de comunicação. Um profissional que tivesse, também, noções de administração do tempo, dos processos, da informação, de agenda, de pessoas. Alguém capaz de relacionamentos interpessoais inteligentes, além de muito apto a ler e escrever.

A tchurma mais nova acha que a vida se resume ao computador e ao webdesign. Ô dó. Se estão em falta os cursos que formam bons editores, gerentes editoriais e revisores de texto, também estão em falta os professores mais adequados para dar essa formação. Assim como em medicina, é muito complicado dar aula de produção editorial sem nunca ter pisado em uma editora antes. Imagine coordenar um curso disso! Mas é o que acontece.

As iniciativas para mexer nesse cenário têm acontecido, embora timidamente. A Faculdade de Letras da UFMG vem brigando, internamente, há anos, para conduzir a formação de um editor bacharel. Isso não deve sair do papel tão cedo... mas existe. Eu mesma, quando era professora substituta, ofertei uma disciplina de revisão. O primeiro susto foi quando a disciplina foi aceita pelo colegiado. O segundo susto, maior ainda, foi quando tiveram que abrir duas turmas de 30 alunos, para aguentar a demanda. O terceiro susto foi quando muitas pessoas vieram perguntar se poderiam cursar a disciplina apenas como ouvintes, por falta de vagas. Então...

A PUC Minas, na figura do Instituto de Educação Continuada (IEC), oferece, desde 2005, um curso de especialização em Revisão de Textos. A pós-graduação está em sua segunda versão em 2006, mas tenta se aprimorar a cada ano. A idéia é que ela se torne a melhor opção de formação de profissionais de edição no estado de Minas Gerais. Por enquanto, ela é apenas a única. Tem a intenção de ser a mais séria e a mais correta, no sentido de que tenta funcionar com professores que tenham, de fato, conhecimento da área de edição. Todos os docentes são ou foram gerentes, revisores, editores, diagramadores ou assemelhados na produção de impressos. Alguns trabalham ou trabalharam em empresas privadas, outros são profissionais do texto em assembléias legislativas ou câmaras, o que faz muita diferença no perfil profissional e no jogo de cintura da atuação.

Algumas faculdades particulares acenam com a possibilidade de incrementar seus cursos de Letras ou de criar possibilidades para a formação de profissionais de edição. Talvez o curso tecnológico possa oferecer uma alternativa mais rápida e mais acertada para a formação de gerentes editoriais, por exemplo, que não precisam ser doutrinadores e pesquisadores do livro. Agiriam muito bem e satisfatoriamente se soubessem administrar, lidar com pessoas (tanto autores quanto funcionários), além de ler, criticar, escrever e editar textos. Dar tratamento adequado a eles ou saber orientar profissionais que o façam. Esse gerente pode, muito bem, aprender a conduzir o editorial, parte da editora que é a mentora dos projetos, além de conhecer, nem tão de perto, o uso das máquinas no parque gráfico.

Em Belo Horizonte, os poucos profissionais respeitáveis de edição ainda têm que responder à pergunta: em qual gráfica você trabalha? O belo-horizontino ainda não sabe a diferença entre gráfica e editora. É, parece que as proibições do império ainda surtem efeitos entre estas montanhas. Nem mesmo a prensa de Gutenberg parece ter sido bem assimilada por estas bandas. Mas ainda há tempo. O papel parece que não vai ser substituído tão cedo.

Nota do Editor
Leia também "Novos autores: literatura, autonomia e mercado".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/7/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares de Carina Destempero
02. Romances do Futuro e Homens do Passado de Guilherme Diniz
03. As trevas modernas de Arcand de Marília Almeida
04. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra de Rafael Fernandes
05. Por que eu montei um blog de Eduardo Carvalho


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
18h44min
Ana Elisa, o curso de Produção Editorial já é oferecido por duas instituições em Belo Horizonte: UNI-BH e Faculdade Promove. É importante lembrar que "Produção Editorial" difere-se de "Editoração", ainda que minimamente. O primeiro é muito mais técnico que o segungo e dá maior ênfase às mídias digitais. É importante também que se saiba que esse profissional de longe é um publicitário frustrado, uma vez que a sua função muito difere e, aproveitando para emendar, vai muito além dos livros e das editoras. Quanto às grades curriculares, qualquer que seja a habilitação em Comunicação Social que se pegue como referência, se observará que diversas matérias são comuns a todas as outras habilitações. Afinal, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Produção Editorial, Rádio e TV, Cinema e Vídeo e Relações Públicas são HABILITAÇÕES, integram um grande curso chamado COMUNICAÇÃO SOCIAL.
[Leia outros Comentários de sara]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês