Ex-míope ou ficção científica? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> O Homem do Castelo Alto de Philip K Dick pela Brasiliense (1962)
>>> Lições de Árabe de Olga Creidy pela Sulina (2000)
>>> Tratamento para Rejuvenescer de Manfred Kohnlechner pela Ediouro (1982)
>>> O Comandante Ianque de Mitch Weiss pela Record (2017)
>>> Perry Mason - The case of sulky girl de Erle Stanley Gardner pela Cardinal (1958)
>>> Artistas Famosos - Van Gogh de Obra Coletiva pela Obra Coletiva (1998)
>>> Conheces os Meus Amigos? - Livro Quebra-cabeça de Divo pela Divo (2013)
>>> O Diário de um Mago de Paulo Coelho pela Rocco (1987)
>>> O Verdadeiro, o Belo e o Bem de Jean Pierre Changeux pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Filosofia de Paradigmas de Wesley E. Bjur, Geraldo R. Caravantes pela Age (2016)
>>> Recreio Fazendo Arte Atividades Iradas de Vários Autores pela Abril (2013)
>>> A Feira dos Casamentos de J. W. Rochester pela Correio Fraterno
>>> Frühlingsfeuer de James a Michener pela München, Wilhelm Heyne, (1977)
>>> Técnicas de Trabajo Individual y de Grupo En El Aula de Patricio Fuentes Perez, Jose Galan Cascales pela Pirámide (1997)
>>> Paixão, Drogas e Rocknroll (lacrado) de Daniela Niziotek pela Maquinaria (2010)
>>> George Sand de Alphonse Seche pela Edicoes Cultura Brasileira
>>> Castelo de Cartas (lacrado) de William D. Cohan pela Best Business (2010)
>>> Café o Sabor e o Prazer Coleção União de União pela União
>>> Capitão América os Hidra Arquivos de Warner Maria Stern pela Babel (2011)
>>> O Kit de Sobrevivência do Descobridor Português no Mundo Anticolonial de Patrícia Lino pela Macondo (2020)
>>> Gestão de Custos - Contabilidade, Controle e Análise (lacrado) de Raimundo Nonato Sousa Silva, Luiz dos Santos Lins pela Atlas (2017)
>>> Mercado Financeiro e de Capitais uma Introdução de Armando Mellagi Filho pela Atlas (1988)
>>> Essencial - Diabetes sem Segredos de Janice Florido pela Nova Cultural
>>> Jrduran de Não Identificado pela Francis (2006)
>>> As Duas Guerras de Vlado Herzog de Audalio Ferreira Dantas pela Civilização Brasileira (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/12/2006
Ex-míope ou ficção científica?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8500 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Outro dia me peguei dizendo assim: "Quando eu era míope...". E achei aquilo tão engraçado que decidi pensar mais sobre o assunto.

Faz pouco tempo, eu pensava que ser míope era coisa para o resto da vida. Quase acho que nasci assim. Lá pelos 5 anos já me levaram ao médico para ver o que havia de errado. Não enxergava o quadro em que a professora escrevia que Ivo viu... Ivo viu... o que mesmo? E eu não via. Preferia pedir os cadernos dos colegas emprestados. Para minha sorte, tinha bons amigos. Mantinha tudo em dia, mas à custa de algum atraso na cópia.

Meus primeiros óculos estão guardados no armário do escritório. Fiz deles uma coleção, de todo tipo. O número 1 é de "gatinha", com pedrinhas na lateral. Escolha da minha mãe, claro. Aos 12 anos, tinha um de aros ovais pretos. Era com eles que eu tentava ser atleta na escola. E à medida que eu corria e suava, as lentes ficavam embaçadas e o aro balançava na minha cara. Um vexame.

Mas o que me fez deixar de usar óculos não foi isso. Não foram as lentes de fundo de garrafa (àquela altura já uns 5 graus), nem os aros esquisitos misturados à sobrancelha grossa. Foi um cara.

Na adolescência, eu fazia coleção de discos de vinil. Ouvia heavy metal, cantava em banda, essas coisas que se faz antes de virar gente grande. Acho que fiz muitas delas. E a loja das bolachas era a Cogumelo, no centro de BH, selo de música independente (lançaram o Sepultura e o Pato Fu, nos idos de 1990). A loja era pequena, um gueto da música, dos cabeludos de roupa preta. Eu deixava de merendar na escola para comprar os discos. E um dia, quando subia a avenida Augusto de Lima, um moço vinha na direção contrária. Quando passou por mim, disse para eu ouvir: "Bonita... pena que usa óculos". Aquilo me embargou.

Comprei meu disco, cheguei em casa e decidi: "Mãe, não uso mais óculos. Quero umas lentes de contato. Amanhã". No dia seguinte, estávamos lá no doutor André, oftalmologista da família desde nossas infâncias míopes e astigmáticas.

Compramos umas lentes rígidas. Diziam que a adaptação seria difícil, talvez nem acontecesse. Mas a vontade de me livrar dos óculos era maior do que tudo. As lentes não seriam páreo para mim. Quando chegaram, já no teste me dei bem com elas. O astigmatismo alto não permitia as gelatinosas. O jeito foi fazer amizade com as duras mesmo.

Usei lentes de contato por 16 anos seguidos, sem um fungo sequer. Nem tinha tanto cuidado assim, mas tratava delas como se fossem mesmo meus olhos portáteis. Só um alto míope sabe o pânico que é perder as lentes na rua, no ônibus, num lugar fora de casa. Viajar com aquela parafernália, ter duas ou três frasqueiras, pagar caro por um vidro de OptiFree (ou coisa que o valha), ter medo de ver a lente escorrer pelo ralo. Casa de míope que usa lentes tem sempre redinhas nos ralos das pias, vidros de solução estéril no banheiro, óculos na mesa de cabeceira.

Há míopes que dormem com as lentes. Eu não. Tinha medo de uma úlcera na córnea, o grande terror dos subnormais de visão. E o fato é que jamais eu tivera a experiência de acordar enxergando. Abria os olhos e via um mundo embaçado, muito indefinido, quase apenas em claridades esparsas. Antes mesmo de desligar o despertador, metia as mãos para pegar os óculos e colocá-los no rosto. A salvação era isso, mas a vergonha também. Não sabia brincar como se eles fossem acessórios. Enxergar era a primeira providência do dia.

Altos míopes têm a noção espacial muito desenvolvida. Eu andava pela casa de madrugada confiando apenas no meu instinto. Precisava beber água ou me desfazer dela, passava as mãos pelas paredes, trincos, portas e tampas. Tudo certo. Mas pela manhã, se não catasse logo as lentes, era perigosíssimo sentar no mijo de algum homem da família. Muito comum que os irmãos não tivessem mira boa e deixassem rastro no assento do vaso. As míopes todas da família sabiam a raiva que isso dava.

Ao longo do dia, era comum ser chamada de metida. Passava pelas pessoas sem cumprimentar. Não enxergava, era isso. E um detalhe: reconhecia os amigos pelo andar. Dificilmente pelos traços menores do rosto.

Há um documentário sensibilíssimo a que assisti pelo menos umas 10 vezes. Janela da alma é um filme de pouco mais de 1h de duração e vários flashes de pessoas famosas com problemas de vista. Os mais comentados são José Saramago, Wim Wenders e Hermeto Pascoal. Lindíssimos depoimentos. Mas Arnaldo Godoy, para mim, foi uma história à parte. Trata-se de um vereador de Belo Horizonte, hoje completamente cego, que perdeu a visão ainda jovem em decorrência de uma doença, a retinose pigmentar. No filme, conta ele as agruras que passou por ser cego.

Faz pouco tempo, estava eu num cinema de BH, quando Arnaldo Godoy se aproximou, com um amigo, para fazer propaganda eleitoral do Lula. Não me contive. Comentei logo sobre o depoimento dele em Janela da alma, convenhamos, muito melhor do que falar de política.

E esse é um filme que enfio em todo curso que vou ministrar. O mais relacionado deles é a especialização em Revisão de Textos da PUC Minas. Vejam só: falar de olhos para revisores. Nada melhor. Os alunos riem, choram, se entediam, se emocionam. Além disso, peço que leiam (e cobro trabalho) um livro do Saramago chamado História do cerco de Lisboa, obra que tem como protagonista um revisor de textos meio metido a autor. Juntando o livro e o filme ainda é possível tecer comparações. O depoimento de Saramago aparece em alguns parágrafos do livro.

Todo míope (que cresceu com a doença) se lembra do momento em que viu com nitidez pela primeira vez. Minha mãe conta que enxergou a definição das folhas na copa de uma árvore. Pela primeira vez, a árvore deixava de ser um arredondado verde individido. Para mim, a memória traz a lâmpada da iluminação de uma rua à noite. Foi naquele dia que percebi que dentro daquela cúpula de vidro se podia divisar uma lâmpada pequena. E há mais histórias. Muitas mais. Tantas quantas forem as pessoas com visão subnormal.

Mas em janeiro deste ano resolvi fazer o que pensava, há uns anos, que só existiria na ficção científica. Quantas vezes sonhei com uma mágica que me devolvesse a visão. Quase todos os dias, especialmente naquele, da avenida Augusto de Lima, quando o rapaz desavisado deu um peteleco doloroso na minha auto-estima. Mas em janeiro de 2006 eu me cansei. Cansei de ter que comprar frasqueira grande, de não confiar no tratamento da água das cidades em que precisava lavar minhas lentes, dos olhos vermelhos e irritados depois de um dia de estresse. Cansei de lavar caixinha de lente, ferver acessórios, entrar cisco, ressecar os olhos no contato com o ar-condicionado, de depender de um vidrinho que eu sequer podia enxergar direito. Fui até o doutor André e marquei uma cirurgia. Até para fazer sexo, enxergar seria melhor.

Ele me perguntou se eu tinha certeza, me falou dos riscos, me deu um contrato para ler e assinar, me explicou tudo. Fiz nem sei quantos exames e consegui que a operação fosse feita com a técnica cujo pós-operatório era mais rápido e fácil. Encarei. Duro foi ficar 10 dias usando apenas óculos. Eram até jeitosos, de aro vermelho, fetiche. Mas eu tinha vergonha.

Numa manhã de férias, subi numa máquina, pus minha cabeça lá dentro e perdi a miopia. Em 20 minutos tinha os dois olhos operados. Arranhou, chorei. Vão me chamar de desnaturada, mas foi muito mais emocionante do que a cesariana do nascimento do meu filho. Muito mais. Chorei na mesa de cirurgia, a voz embargada, meu marido, como sempre, me fazendo companhia.

Quando desci da máquina, enxerguei, lá na mesa do médico, o catálogo de telefones. Na capa estava escrito: "guia telefônico de Belo Horizonte". E eu me surpreendi porque, embora embaçado, já podia ler. Lia sem ajuda. Lia. Não sei quanto isso dura, até meus 40 anos, 50, não sei. Alguma qualidade de vida eu hei de ter nestes anos, enquanto o efeito durar.

Saí da sala, voltei para casa de óculos escuros. Em dois dias estava ótima, trabalhando, pingando dois ou três colírios para garantir os resultados. As visitas ao médico foram rareando. Agora, só no ano que vem. 100% de visão em todos os testes que fiz. Acordo enxergando.

Claro que passei uns dias obedecendo aos meus automatismos de usuária de lente. Querendo pô-las e tirá-las. Buscando os óculos quando o despertador toca. Mas nada com que eu não me acostumasse logo. A primeira viagem depois disso pareceu muito mais leve. A frasqueira vazia, xampu, pente, pinça, dentifrício, escova.

Mas não houve dia mais iluminado do que aquele em que abri os olhos e enxerguei direitinho os vincos do armário de roupas, a estampa da blusa pendurada, minhas unhas do pé, coisa que eu jamais vira. Cortá-las era quase um jogo de cabra-cega. Naquele dia eu desejei filmar um Janela da alma só com ex-míopes, fazer um seminário para compartilhar essas curas dos livros de Orwell. Win Wenders que me perdoe, mas é um gozo especial desenquadrar o mundo e deixar as cores soltas como se fossem carnavais.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 20/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. crônica - ou ensaio - à la hatoum de Ítalo Puccini
02. Olgária Matos de Humberto Pereira da Silva
03. O roteirista profissional: televisão e cinema de Gian Danton
04. País pequeno, inferno grande de Adriana Baggio
05. Vida mais ou menos de Daniell Rezende


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/12/2006
15h18min
Participando de um evento promovido pelo CCBB (Brasília)chamado "Cronicamente Viável", soube que Rubem Braga definia o cronista como sendo alguém que cometia "o imprudente ofício de viver em voz alta." E Affonso Romano (um mineiro) diz que o cronista é um porta-voz do prosaico. E Antonio Candido escreveu um memorável texto sobre crônica chamado "A vida ao rés do chão." Tudo isso para dizer que adorei seu texto. Como eu gosto de textos que toquem essa matéria tão fina que é a vida! Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
20/12/2006
22h03min
Emocionante, Ana. É claro que o conforto nem se compara, mas é também uma questão de ponto de vista (sic): já soube de mulheres que compram óculos, com lentes sem grau, só para ter mais um acessório, combinando com a roupa... Vê se pode? Onde encontro esse documentário?
[Leia outros Comentários de Áurea]
22/12/2006
12h10min
Inconcebivelmente simples, sua crônica. "E o fato é que jamais eu tivera a experiência de acordar enxergando" expressa bem a miopia de quem não é míope: como é que eu jamais tinha "visto" a importância de se abrir os olhos pela manhã e ver?! Já li muitos textos que falam do prosaico do cotidiano, de como não notamos aquilo com o qual estamos acostumados... Mas é em demasia desanuviador ver o quanto não vemos. Meus parabéns pelo texto. Se não houver inconveniente, gostaria de usá-lo em minhas palestras sobre comunicação corporativa e mencioná-lo no livro que estou encerrando, atualmente.
[Leia outros Comentários de Serg Smigg]
26/12/2006
00h03min
Estou lendo os melhores textos de 2006 e não pude resistir a este. Por quê? Por ser o que você definiu de ex-míope. Lindo o texto. É isso mesmo. Inenarrável. Mas você o fez. E no final descobri que li (sem óculos, como boa ex-míope) a maioria de suas crônicas de 2006. Fantásticas. Parabéns pelo talento.
[Leia outros Comentários de Glaucia Amaral]
26/12/2006
00h10min
Que texto legal, Ana! É exatamente tudo isso que você descreveu com maestria. Quanto a: "Não sei quanto isso dura, até meus 40 anos, 50, não sei. Alguma qualidade de vida eu hei de ter nestes anos, enquanto o efeito durar" É isso mesmo: o efeito "maravilhoso" durou uns quinze anos. Depois disso, tive e tenho o desgosto e inconformismo de ficar novamente dependente de óculos!
[Leia outros Comentários de Basse Silber]
26/12/2006
11h49min
Ma-ra-vi-lho-so!! Seu texto emociona e encanta sem dramas ou artifícios. Já vinha lendo o que você publicava com certa regularidade e agora com certeza acompanharei ainda mais de perto. Meus parabéns e bem-vinda às cores, formas e texturas da vida. Feliz ano novo, muita paz e saúde pra você e toda a família.
[Leia outros Comentários de claudio]
27/12/2006
09h20min
Foi muito legal ler seu texto, me encontrei e reencotrei nele várias vezes. Ainda não sou ex-míope, continuo como uma Bela Miope, mas acostumada e conformada com meus 6,5 graus... Um dia, talvez, quem sabe? Parabéns!
[Leia outros Comentários de Fernanda]
27/12/2006
12h50min
Ana Elisa, eu te leio sempre e admiro muito, mas como eu tenho um ponto de vista completamente oposto ao seu no quesito ver, escrevi um texto sobre isso lá no meu blog. Espero que você goste.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
27/12/2006
15h49min
Mais uma que se comoveu e se enxergou no seu texto: eu. Míope e astigmata, não tão altos assim, mas o suficiente para "reconhecer" pessoas desconhecidas, me admirar com os sulcos nos troncos das árvores quando estou de óculos e outras experiências corriqueiras que só uns muitos com visão prejudicada conhecem. Vou ler mais textos seus.
[Leia outros Comentários de Luciana Eastwood Rom]
14/6/2007
21h30min
Tem uma coisa que eu sinto falta na minha miopia: quando eu chegava em casa e retirava as lentes. Tenho um problema de fixação visual tremenda, leio tudo, observo tudo, de tal forma que preciso "me desligar" às vezes para poder, afinal, olhar sem ver.
[Leia outros Comentários de Helana Gurgel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rock - An Illustrated History
Stephen Barnard
Orbis
(1986)



O Enigma do Quatro
Ian Caldwell & Dustin Thomason
Planeta
(2005)



Esaú e Jacó - Memorial de Aires
Machado de Assis
Nova Cultura
(2003)



A Criança de 6 e 7 Anos na 1ª Série
Selene Ribeiro Kepler
Mec
(1974)



A Ditadura da Moda
Nina Lemos
Conrad
(2009)



Googled
Ken Auletta
Agir
(2011)



Post-Mortem
Patricia D. Cornwell
Companhia das letras
(1999)



Introdução á ciência política
Darcy Azambuja
Globo



History as Text: the whriting of Ancient History
Averil Cameron (edit)
Duckworth
(1989)



The Best of Masterfile 22
Vários Autores
Masterfile Brasil
(1998)





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês