Digestivo nº 90 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvirá (2024)
>>> Crê no Impossível porque é Possível de Pr. Samuel Silva pela Gráfica 3d (2007)
>>> Cambridge English Mini Dictionary South Asian Edition de Vários Autores pela Cambridge English - Mini Dictionary (2009)
>>> Presente Diário de Vários Autores pela Rádio Trans Mundial (2014)
>>> Guia de Viagem Veneza de Vários Autores pela Melhoramentos (2000)
>>> Chinês. Guia De Conversação de Various pela Publifolha (2007)
>>> O Signo Escorpião de Roy Mckie pela Lisboa (1981)
>>> Administração Educacional Em Crise de Walter E. Garcia pela Cortez (1991)
>>> Gentileza de Gabriel Chalita pela Gente (2007)
>>> Ergonomia Aplicada Ao Trabalho de Hudson de Araùjo Costa pela Ergo (1996)
>>> O Coronel Chabert de Honoré de Balzac pela Companhia das Letras (2012)
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 17/7/2002
Digestivo nº 90
Julio Daio Borges
+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Internet >>> All You Base Are Belong To Us
Nem só de jornalismo vive a inteligência internética brasileira. Daniel Pádua, 22 anos, chamou a atenção de internautas de todo o mundo, por causa de uma grande idéia, direto de sua central em Minas Gerais, Belo Horizonte. Desenvolvendo um pequeno (mas potente) adendo aos chamados blogs, Daniel permitiu que "blogueiros" de todo o planeta se localizassem (e fossem localizados) por um critério meio fora de moda hoje em dia: a posição geográfica. De repente, o sujeito está atualizando seu site e pode ser cutucado pelo vizinho (no mundo real), que nem sabia que ele estava ali... logo ao lado. Daniel batizou sua ferramenta de "blogchalking" ("chalking" evocando o traçado de giz, os rastros dos andarilhos pela América do Norte de 1929). Graças a ela, qualquer mortal pode digitar algumas palavras mágicas em mecanismos de busca, como o Google, e encontrar internautas do outro lado da rua. Essa iniciativa reforça um dos aspectos mais significativos do que vem a ser a "internet": a tal formação de "comunidades". As pessoas estão se trombando em sites e portais (nesses menos), sem saber por quê, mas estão também começando a perceber que esses encontrões ("embora haja tanto desencontro nessa vida...") podem catapultar iniciativas sólidas, concretas, palpáveis... do "mundo real" (!). A internet ainda é hoje como um gigante adormecido, estabelecendo o diálogo, às vezes, entre surdos-mudos (ou, como se diz em Portugal, entre mudos-surdos). Saint-Exupéry escreveu que amar não é olhar um ao outro, mas sim olhar junto, na mesma direção. Os internautas contemporâneos parecem crianças, pegando o telefone, discando qualquer coisa, falando por acaso (aleatoriamente) com alguém interessante, mas sem construir um relacionamento sério ou começar um "movimento" (qual seja), que transcenda a rede elétrica, a aparelhagem e os circuitos. Quando essa gente crescer e amadurecer vai dominar o mundo, pois tem o mundo todo à disposição, "conectado", a seu favor. Não se sabe quando isso vai acontecer, mas que vai acontecer, vai - ainda que alguns dinossauros, em vias de extinção, insistam em dominar a Terra. [Comente esta Nota]
>>> O número um | Os Fluxos de Daniel Pádua | BlogChalking News | Metáfora
 



Música >>> Ardor, fervor e muito apreço
Quando se pensa no compositor de "Brasileirinho" (1949), a tendência é evocar épocas ancestrais (o início do século passado, por exemplo), ainda que Waldir Azevedo estivesse na área até há 22 anos (faleceu em 1980). Com a produção cuidadosa de Henrique Cazes, a Kuarup lança a coletânea "Sempre Waldir". A intenção do discípulo é, como sugere o encarte, mapear as influências a partir da música de Waldir Azevedo: Ademilde Fonseca e Chiquinho do Acordeon, em sua própria época (anos 50 e 60); Déo Rian e Zé da Velha, no choro dos anos 70; e, para fazer a amarração, Bruno Rian e o grupo Rabo de Lagartixa, nos dias de hoje. Como pode perceber até o ouvinte mais desavisado, e como também coloca Henrique Cazes, o que salta do cavaquinho do compositor são suas melodias ricas e cromáticas. Tudo bem, "Brasileirinho" se tornou circuito para os pilotos de instrumentos em alta velocidade, mas, tomando a obra em conjunto, fica evidente que a pressa e a agilidade no dedilhar nunca foram um fim (talvez nem mesmo um meio). Quem duvida que escute as interpretações cadenciadas e saborosas de Déo e Bruno Rian (em "Não há de ser nada", "Quitandinha" e até mesmo "Brasileirinho", que não poderia faltar); também o quase tango "Mágoas de cavaquinho", arrastado, juntando o mentor da coleção, Henrique Cazes, e o fabuloso Chiquinho do Acordeon; mais fabuloso ainda no baião "Delicado", em que está solo; até o cantar lamuriento (à la Aracy de Almeida) de Ademilde Fonseca (na clássica "Pedacinhos do Céu": [...]"E incluir neste chorinho / Entre beijos e carinhos / Pedacinhos lá do céu"[...]). Marcam igualmente presença os cavaquistas de primeira água: Márcio Almeida (em "Sentido") e Valmar Amorim (em "Cinema mudo" e "Você carinho e amor"). Este último inclusive apontado como o herdeiro mais próximo do mestre. No limite dos 45 minutos, o CD passa voando e - ao contrário dos arabescos e das firulas costumeiras da música instrumental - soa agradável e descomplicado, podendo ser tocado reiteradamente. Como o verdadeiro choro, aliás. [Comente esta Nota]
>>> Sempre Waldir - Seleção de Henrique Cazes - Kuarup
 



Teatro >>> Estabelecer um espaço feminino
Carolina Ferraz alcançou o mainstream, estabelecendo-se no cast global e firmando-se como uma das belezas mais aclamadas do Brasil. Casando-se, para completar, com um dos publicitários mais bem sucedidos do País. De uns tempos para cá, porém, ocorreu-lhe contestar tudo isso. Primeiro, separando-se de Mário Cohen. Segundo, lançando-se em projetos arriscados e financiando iniciativas, no mínimo, não-convencionais. O público mais afeito a atos de alcance nacional vai logo pensar em sua ligação com Murilo Benício, desfeita há pouco, e no filme "Amores Possíveis" (um resultado desse casamento para a sétima arte). Escavando mais fundo, o espectador atento certamente irá se lembrar de "Mater Dei": o obscuro longa dos Irmãos Mainardi, com o qual a atriz inexplicavelmente simpatizou. E, desde a semana passada em São Paulo (antes no Rio), a peça "Selvagem como o vento", escrita por Tereza Freire e dirigida por Denise Stoklos. Nessa cruzada, Carolina Ferraz decidiu se reinventar. Só daqui a algum tempo vamos saber se conseguiu de fato. No teatro, não deixa por menos e encara um monólogo, lutando pela atenção do público aos gritos (literalmente). Encarna uma mulher abandonada (personagem que a crítica especializada adora odiar), tentando se reerguer e reafirmando a independência feminina no século XX. Nesse sentido, é reveladora a trinca de realizadoras por trás de "Selvagem como o vento": as já citadas autora e diretora, mais a iniciante Antonia Ratto, como assistente de direção. Quem referenda e certifica as quatro mulheres (contando a protagonista) é seu pai, Gianni Ratto, lenda viva do teatro brasileiro, assumindo desta vez a iluminação e o cenário. Vamos aos fatos: o texto é bom, a direção, segura, a atuação, suficiente e a ambientação, não mais que exata. O conjunto lembra os retratos que atualmente se tenta montar da "mulher moderna": Patrícia Melo e Fernanda Young (na roteirização), Deborah Bloch e Fernanda Torres (em frente às câmeras). Não é unânime, mas é emblemática, arrancando risos nervosos das feministas de plantão. Recomenda-se vivamente para dois grupos: o de mulheres solteiras e o de homens interessados nessa falsa convicção. [Comente esta Nota]
>>> Selvagem como o vento
 



Artes >>> Recortes de pensamentos visuais
Há uma semana, está aberta, em forma de exposição, a "Coleção de fotografia do mam". São 100 obras, mais de 50 artistas, abarcando registros que vão de 1940 a 2002, acumulados pelo museu em mais de 20 anos de atividades. A fotografia, que herdou a tradição do retrato (diretamente da pintura), deve muito do seu desenvolvimento às técnicas apuradas no século XX e ao poder crescente da "imagem" (hoje um dos testemunhos mais verazes de que se tem notícia). É o que se confirma também na exposição, que parte das "vintage prints", atravessando experiências com luz, sombra, foco (de acordo à perícia do fotografo), desembocando nas pretensões do fotojornalismo, comprometido até a medula com a temática social, dando voz aos "excluídos". O clamor da realidade (instantâneos da urbe, composições com meninos de rua), não é, no entanto, o que mais chama a atenção (afinal trata-se de tema recorrente, consumido no dia-a-dia). Afirma-se - para a surpresa dos circunstantes - a beleza estética (numa peça de Arthur Omar, por exemplo). A aridez e o denuncismo de um Sebastião Salgado (que não está na mostra, mas que rodou o mundo) instalou-se tão fortemente na retina do espectador, que este, sempre que possível, refugia-se no colorido e no esplendor das saudosas formas naturais (clássicas?). Nesse sentido, é um alívio encontrar trabalhos como os de German Lorca, Marcos Piffer e Eduardo Muylaert, quase humanistas, na sua busca pelas paisagens (por quê não?) e pelo lirismo do homem comum. Ainda nessa linha, é representativo o retrato do pintor Francis Bacon, em seu ateliê, feito por Carlos Freire em 1977. No caos de pincéis, tintas e materiais abandonados, ele parece reafirmar a necessidade de se produzir o belo (qual seja). O público, é certo, não reclamaria se a arte atual também perseguisse esse objetivo. [Comente esta Nota]
>>> Coleção de fotografia do mam
 



Cinema >>> A visão certa
O que têm em comum José Saramago, Hermeto Pascoal e Win Wenders? Aparentemente nada, mas João Jardim e Walter Carvalho colheram seus depoimentos (entre tantos outros) para montar o documentário "Janela da Alma". São pouco mais de 70 minutos de colagens, trechos de perguntas e respostas, discutindo o ato de ver, olhar, enxergar - suas limitações, extrapolações e falhas. Interessante notar como essa vertente vem se estabelecendo no cinema brasileiro atual, na medida exata de um "gênero": não existem grandes desafios em termos de sétima arte, apenas uma habilidade especial para montar um "discurso", a partir de diferentes visões de mundo, como numa reportagem. Depois de décadas de inércia, frente à televisão, o público já parece "formatado", disposto a encarar e a desfrutar esse tipo de "pacote" - apreendendo, reagindo e posteriormente refletindo sobre as idéias ali apresentadas. Ou seja: ninguém precisa ser um Glauber Rocha para entender quando Saramago compara os infinitos canais de tevê a cabo aos supostamente infinitos periódicos os quais poderia assinar; nem precisa ser um Nelson Pereira dos Santos para entender quando Hermeto conta da sua vesguice: de como ela lhe permitiu, durante a adolescência, paquerar três ou quatro meninas ao mesmo tempo; muito menos precisa ser um Arnaldo Jabor, para entender quando Wenders explica sua necessidade de enxergar dentro de um enquadramento (framework), sendo-lhe impossível viver sem óculos. Em resumo: o filme não é, em nenhum momento, específico, técnico, hermético, de alcance limitado; é, ao contrário, simples, direto, claro, revolvendo em temas universais, da vida como ela é, para crianças e adultos, dos 8 aos 80 anos. O espectador não é obrigado a saber que Saramago é escritor, que Hermeto é músico e que Wenders é cineasta - pouco importa. "Janela da Alma" será desfrutado, do mesmo jeito, por sábios e ignorantes. Mas o que isso pode significar a longo prazo? Ninguém sabe. A curto pode, no entanto, significar que os nossos homens de cinema conseguiram, finalmente, se fazer entender pela massa. [Comente esta Nota]
>>> Janela da Alma
 
>>> DIGESTIVO CULTURAL NA REVISTA GEEK

A revista Geek, em sua edição de julho, republica o artigo "A internet e o fim do no.", de autoria de Julio Daio Borges, Editor do Digestivo Cultural, incluindo um post scriptum sobre o advento do no minimo. Leia Mais


 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/10/2002
04h50min
Muito legal ter citado o Daniel Pádua e o blogchalking! É impressionante como ele se popularizou rapidamente inclusive. Também uso ele no meu blog, assim como o Falou e Disse, também usado aqui.

Não será o nome "blogchalking" escolhido pelo Daniel, uma certa paródia com o "warchalking"?
------

Quanto à revista Geek, há séculos não compro mais, pela falta de conteúdo de qualidade da mesma. Mas agora eis que me interessei em obter este número! Hehehe! =oD

Beijos.
[Leia outros Comentários de Fabiana, a virulenta]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O pequeno alquimista
Márcio Trigo
Ática
(1995)



Minidicionário Rideel Língua Portuguesa 3ª Ed
Ubiratan Rosa
Rideel
(2009)



Como aproveitar a sua encarnação 349
Mauro Kwitko
BesouroLux
(2016)



Direito Processual Civil Esquematizado
Marcus Vinicius Rios Gonçalves
Saraiva
(2011)



Die Deutschprofis A1.1 Libro Del Alumno Y Libro De Ejercicios Con Audio Y Clips Online
Jane Cadwallader
Klett Sprachen Gmbh
(2018)



A Literatura Portuguesa Através Dos Textos
Massaud Moises
Cultrix
(2012)



A Rosa Perdida
Serdar Ozkan
Sem Fronteiras
(2009)



Livro Pedagogia Educação De Jovens E Adultos Prática Pedagógica e Fortalecimento da Cidadania
Vera Capucho
Cortez
(2012)



Livro Literatura Brasileira O Que Vou Dizer Em Casa?
Célia Alves
Pólen
(2015)



Ecopiratas: Uma Aventura Ecológica Em Fernando De Noronha
Beto Junqueyra
Planeta do Brasil
(2009)





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês