Silêncio e grito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
>>> O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia de Vladimir Lênin pela Abril Cultural (1982)
>>> O Hitler na História de John Lukacs pela Zahar Editores (1998)
>>> A Riqueza das Nações Volumes 1 e 2 de Adam Smith pela Abril Cultural (1983)
>>> Notas para a História do Centro Dom Vital (presença de Alceu) de Alceu Amoroso Lima; Riolando Azzi pela Paulinas (2001)
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/4/2021
Silêncio e grito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 12000 Acessos

Santiago H. Amigorena é roteirista e diretor de cinema em Paris e tem toda a sua obra escrita em língua francesa. É, no entanto, argentino, elemento de sua biografia integrado à história que conta, e bem, em O gueto interior, lançado pela editora Todavia em 2020, com tradução elegantíssima de Rosa Freire d’Aguiar. Trata-se de um exemplo de livro cuja pequena extensão pouco diz sobre o impacto que pode causar.

O gueto interior é narrado e protagonizado por Vicente, um imigrante polonês judeu que chega a Buenos Aires antes da Segunda Guerra Mundial e ali se estabelece, casando-se com uma mulher também de família imigrante. Levando uma vida comum na capital argentina, Vicente recebe cartas da mãe judia, que continuou na Polônia. Além dela, os irmãos e sobrinhos mantinham-se lá, por razões diversas, e recusavam os convites para se estabelecerem na América do Sul.

A um só tempo, Amigorena nos conta uma história íntima e externa de um imigrante judeu antes e durante a Segunda Guerra Mundial; uma história de fuga e culpa; uma história de memória e esquecimento, narrativa e silêncio; história de pertencimento e desapego; além de contar os horrores do nazismo durante sua escalada, o que pode produzir um efeito mais aterrador do que contá-lo a posteriori. A quantidade de perguntas sem resposta que o protagonista se faz, inclusive sobre a humanidade, em qualquer lugar do planeta, é um dos elementos que despertam angústia nesta narrativa.

Mesclando as questões íntimas e psicológicas de Vicente a uma pesquisa real sobre a guerra que ocorria na Europa a partir de 1939, Amigorena nos transporta para aquele momento histórico, no entanto do ponto de vista de um judeu polonês-argentino assolado pela culpa de ter notícias imprecisas, mas terríveis, sobre o que acontecia em seu país de origem, onde deixara vivos seus familiares. As cartas da mãe, cada vez mais esparsas, chegavam com notícias atrasadas, enquanto os jornais estrangeiros da época, raros em Buenos Aires, mal noticiavam o que de fato ocorria, sem dar qualquer destaque à construção de guetos ou campos de extermínio, por exemplo. Era difícil sequer acreditar que algo assim fosse possível entre humanos.

Vicente decide-se pelo silêncio quando se sente traidor, impotente e covarde diante do que pensa que poderia ter feito para salvar irmãos e mãe. No entanto, tem esperanças de que nada do que sabe, ou quase sabe, seja real. Num entrelugar, nem Buenos Aires, nem Varsóvia, é um ser completamente abatido pelos sentimentos ambíguos de quem não sabe ao certo o que sente: quer fugir mas quer ficar, é traidor e é herói, quer distância da mãe judia mas se sente responsável por ela, é menos judeu do que os nazistas o consideram, pertence e não pertence, pratica e não pratica. Torna-se um pai ausente e um filho distante.

O gueto interior impressiona por tocar novamente nas questões da Shoah (como prefere chamar o narrador), mas de dentro, de uma perspectiva presente, discutindo questões de imprensa, discurso e uma impressionante apatia humana diante dos fatos, enquanto eles se desenrolavam. A angústia de Vicente silencia nossos corações, em especial porque compartilhamos com ele o indizível das barbaridades de que somos capazes - como seres (des)humanos, corram os anos 1940 ou agora, 2020. No epílogo, Amigorena menciona os deslocamentos de sua família ao longo do século XX, fugindo de guerras ou de ditaduras latino-americanas, caso dele mesmo e de seu núcleo familiar.

O volume de pouco mais de cem páginas pode causar forte impressão, além de propor questões que infelizmente não ficaram no século passado. Fascismo, nazismo, radicalismos, desumanidade, necropolíticas e perseguição não estão extintos, e é preciso estar atento e forte.

Para ir além
O gueto interior
Santiago H. Amigorena
Todavia
Tradução de Rosa Freire d’Aguiar


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/4/2021


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Watercolor Flower Painters a to Z
Adelene Fletcher
North Light Books
(2001)



A Vida e Bela no Trabalho
Dominique Glocheux
Sextante
(2005)



El Cuento de La Isla Desconocida
José Saramago
Punto de Lectura
(2002)



Todos somos irmãos: Reflexões autobiográficas (como novo)
Mahatma Gandhi
L&pm
(2021)



Amor de a a Z
Rose Marie Muraro
Sextante
(2003)



Casamento por Conveniência
Jennifer Probst
Leya
(2014)



O Elo da Gestão de Carreira
Cláudio Queiroz; Christiane Leite
Dvs
(2011)



Poesias completas
Mário De Andrade
Círculo do Livro



Tratado de Enfermagem Médico-cirurgica Vol 3
Outros; Lillian Sholtis Brunner; Suzanne C.
Guanabara Koogan
(2002)



O Amor é a Melhor Estratégia
Tim Sanders
Sextante
(2003)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês