Silêncio e grito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 13 de Abril #digestivo10anos
>>> Villa no segundo turno
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> Sobre os jornais e a internet
>>> Cem anos de música do cinema
>>> Inutilidades e pianos
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
Mais Recentes
>>> Biblioteca do Escoteiro Mirim - Completa 20 Volumes de Disney pela Círculo do Livro (1989)
>>> Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830) Volume I: A Ciência da Lógica de G. W. F. Hegel pela Edições Loyola (2005)
>>> Islamismo e humanismo latino: Diálogos e desafios de Arno Dal Ri Júnior (org.) pela Vozes (2004)
>>> Consciência e liberdade em Sartre: por uma perspectiva ética de Carlos Eduardo de Moura pela EdUFSCar (2012)
>>> Sartre: Direito e Política - Ontologia, liberdade e revolução de Silvio Almeida pela Boitempo (2016)
>>> Imigração Atual: Dilemas, Inserção Social e Escolarização - Brasil, Argentina, EUA de Leda Maria de Oliveira Rodrigues pela Escuta (2017)
>>> Os Céticos Gregos de Victor Brochard pela Odysseus (2009)
>>> Ontologia, Conhecimento e Linguagem: Um encontro de Filósofos Latino-Americanos de Plinio Smith Ulysses Pinheiro, Marco Rufino pela Mauad (2001)
>>> Discurso do Método de Descartes pela Lafonte (2017)
>>> Pensamento Alemão no Século XX - Volume 3: Grandes Protagonistas e Recepção da Obra no Brasil de Wolfgang Bader , Jorge de Almeida pela Cosac Naify (2013)
>>> Revista Matéria Prima - Práticas Artísticas no Ensino Básico e SecundárioVol. 6 (1), janeiro–abril 2018, quadrimestral de Vários pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa & Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Ar (2018)
>>> Ser e Tempo de Martin Heidegger pela Vozes (2012)
>>> AIDS no Brasil : A agenda de construção de uma epidemia de Jane Galvão pela 34 (2000)
>>> Trópicos utópicos: Uma perspectiva brasileira da crise civilizatória de Eduardo Giannetti pela Companhia das Letras (2016)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austen pela Tricaju (2021)
>>> Arsène Lupin e a Rolha de Cristal de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> O Livro da Selva de Rudyard Kipling pela Principis (2021)
>>> Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Principis (2021)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-exupéry pela Tricaju (2021)
>>> A Odisseia de Homero pela Principis (2021)
>>> Persuasão de Jane Austin pela Principis (2019)
>>> Verdade ao Amanhecer de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Sonhos na Casa da Bruxa e Outros Contos de H. P. Lovercraft pela Principis (2020)
>>> Cinco Semanas Em um Balão de Júlio Verne pela Principis (2020)
>>> Da Terra á Lua de Júlio Verne pela Principis (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/4/2021
Silêncio e grito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 800 Acessos

Santiago H. Amigorena é roteirista e diretor de cinema em Paris e tem toda a sua obra escrita em língua francesa. É, no entanto, argentino, elemento de sua biografia integrado à história que conta, e bem, em O gueto interior, lançado pela editora Todavia em 2020, com tradução elegantíssima de Rosa Freire d’Aguiar. Trata-se de um exemplo de livro cuja pequena extensão pouco diz sobre o impacto que pode causar.

O gueto interior é narrado e protagonizado por Vicente, um imigrante polonês judeu que chega a Buenos Aires antes da Segunda Guerra Mundial e ali se estabelece, casando-se com uma mulher também de família imigrante. Levando uma vida comum na capital argentina, Vicente recebe cartas da mãe judia, que continuou na Polônia. Além dela, os irmãos e sobrinhos mantinham-se lá, por razões diversas, e recusavam os convites para se estabelecerem na América do Sul.

A um só tempo, Amigorena nos conta uma história íntima e externa de um imigrante judeu antes e durante a Segunda Guerra Mundial; uma história de fuga e culpa; uma história de memória e esquecimento, narrativa e silêncio; história de pertencimento e desapego; além de contar os horrores do nazismo durante sua escalada, o que pode produzir um efeito mais aterrador do que contá-lo a posteriori. A quantidade de perguntas sem resposta que o protagonista se faz, inclusive sobre a humanidade, em qualquer lugar do planeta, é um dos elementos que despertam angústia nesta narrativa.

Mesclando as questões íntimas e psicológicas de Vicente a uma pesquisa real sobre a guerra que ocorria na Europa a partir de 1939, Amigorena nos transporta para aquele momento histórico, no entanto do ponto de vista de um judeu polonês-argentino assolado pela culpa de ter notícias imprecisas, mas terríveis, sobre o que acontecia em seu país de origem, onde deixara vivos seus familiares. As cartas da mãe, cada vez mais esparsas, chegavam com notícias atrasadas, enquanto os jornais estrangeiros da época, raros em Buenos Aires, mal noticiavam o que de fato ocorria, sem dar qualquer destaque à construção de guetos ou campos de extermínio, por exemplo. Era difícil sequer acreditar que algo assim fosse possível entre humanos.

Vicente decide-se pelo silêncio quando se sente traidor, impotente e covarde diante do que pensa que poderia ter feito para salvar irmãos e mãe. No entanto, tem esperanças de que nada do que sabe, ou quase sabe, seja real. Num entrelugar, nem Buenos Aires, nem Varsóvia, é um ser completamente abatido pelos sentimentos ambíguos de quem não sabe ao certo o que sente: quer fugir mas quer ficar, é traidor e é herói, quer distância da mãe judia mas se sente responsável por ela, é menos judeu do que os nazistas o consideram, pertence e não pertence, pratica e não pratica. Torna-se um pai ausente e um filho distante.

O gueto interior impressiona por tocar novamente nas questões da Shoah (como prefere chamar o narrador), mas de dentro, de uma perspectiva presente, discutindo questões de imprensa, discurso e uma impressionante apatia humana diante dos fatos, enquanto eles se desenrolavam. A angústia de Vicente silencia nossos corações, em especial porque compartilhamos com ele o indizível das barbaridades de que somos capazes - como seres (des)humanos, corram os anos 1940 ou agora, 2020. No epílogo, Amigorena menciona os deslocamentos de sua família ao longo do século XX, fugindo de guerras ou de ditaduras latino-americanas, caso dele mesmo e de seu núcleo familiar.

O volume de pouco mais de cem páginas pode causar forte impressão, além de propor questões que infelizmente não ficaram no século passado. Fascismo, nazismo, radicalismos, desumanidade, necropolíticas e perseguição não estão extintos, e é preciso estar atento e forte.

Para ir além
O gueto interior
Santiago H. Amigorena
Todavia
Tradução de Rosa Freire d’Aguiar


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/4/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que é um gênio? de Alessandro Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paths to Proficiency
Helen Naylor, Stuert Hagger
Longman
(1996)



Convite a Prosperidade (2)
Masaharu Taniguchi
Seicho no Ie
(1998)



Dez Anos Em Dez Temas
Não Consta
Abril
(2016)



Liderança de Alto Impacto
Robert Slater
Campus
(1999)



Universos Língua Portuguesa 8
Andressa Munique Paiva
Sm
(2015)



Legitimação da Constituição e Soberania Popular
Jackson Borges de Araujo
Método
(2006)



Diccionario de Cine y Video. Español-inglés, Inglés-español
Augusto García Fernández-balbuena
Tayo (madrid)
(1988)



O Turista Acidental
Anne Tyler
Imago
(1987)



Investigação Criminal Direta pelo Ministério Público - Visão Crítica
Paulo Rangel
Atlas
(2012)



Blade les Portes D Ombremort
Jeffrey Lord
Vauvenargues
(2003)





busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês