Silêncio e grito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Pelos Caminhos de Versos de Nilton Soares pela Líttera Maciel
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Círculo do Livro (1986)
>>> Retrato do Artista quando Jovem de James Joyce pela Abril Cultural (1971)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Cultura de consumo & pós-modernismo de Mike Featherstone pela Studio Nobel (1995)
>>> Lucíola de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Verlaine et les poètes symbolistes de Paul Verlaine pela Classiques Larousse (1943)
>>> Lucio Costa - Um Modo de ser moderno de Ana Luiza Nobre e outros pela Cosac Naify (2004)
>>> A Idade Média - Nascimento do ocidente de Hilário Franco Júnior pela Brasiliense (1988)
>>> Lexil et Le Royaume de Albert Camus pela Folio (2006)
>>> Vik Muniz Obra Completa 1987-2009 de Vik Muniz pela Capivara (2009)
>>> Bob Esponja - um guia completo sobre o desenho animado mais irado da TV de David Lewman pela Delphys (2005)
>>> Amor de salvação de Camilo Castelo Branco pela Ática (1998)
>>> Dessine-moi un parisien de Olivier Magny pela 10-18 (2010)
>>> Caetano Veloso - literatura comentada de Paulo Franchetti e Alcyr Pécora pela Nova Cultural (1988)
>>> River Angel de A. Manette Ansay pela Bard (1998)
>>> Inconfidência Mineira de Cândida Vilares Gancho e Vera Vilhena de Toledo pela Ática (1991)
>>> De Menina para Menina com os conselhos de Mari de Inês Stanisiere pela Leitura (2005)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Moderna (1992)
>>> l`étranger de Albert Camus pela Folio (2005)
>>> Mapa Iconográfico Digital de Heloisa Alves pela Arco (2010)
>>> Poésies de Paul Valéry pela Gallimard (2012)
>>> A Revolução Francesa 1789-1799 de Carlos Guilherme Mota pela Editora Ática (1989)
>>> O Cinema, arte e indústria de Carlos Barbáchano pela Salvat (1979)
>>> Capitão América nº 133 de Mark Gruenwald. Paul Neary. Allan Zelenetz e William Johnson pela Abril (1990)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/4/2021
Silêncio e grito
Ana Elisa Ribeiro
+ de 17500 Acessos

Santiago H. Amigorena é roteirista e diretor de cinema em Paris e tem toda a sua obra escrita em língua francesa. É, no entanto, argentino, elemento de sua biografia integrado à história que conta, e bem, em O gueto interior, lançado pela editora Todavia em 2020, com tradução elegantíssima de Rosa Freire d’Aguiar. Trata-se de um exemplo de livro cuja pequena extensão pouco diz sobre o impacto que pode causar.

O gueto interior é narrado e protagonizado por Vicente, um imigrante polonês judeu que chega a Buenos Aires antes da Segunda Guerra Mundial e ali se estabelece, casando-se com uma mulher também de família imigrante. Levando uma vida comum na capital argentina, Vicente recebe cartas da mãe judia, que continuou na Polônia. Além dela, os irmãos e sobrinhos mantinham-se lá, por razões diversas, e recusavam os convites para se estabelecerem na América do Sul.

A um só tempo, Amigorena nos conta uma história íntima e externa de um imigrante judeu antes e durante a Segunda Guerra Mundial; uma história de fuga e culpa; uma história de memória e esquecimento, narrativa e silêncio; história de pertencimento e desapego; além de contar os horrores do nazismo durante sua escalada, o que pode produzir um efeito mais aterrador do que contá-lo a posteriori. A quantidade de perguntas sem resposta que o protagonista se faz, inclusive sobre a humanidade, em qualquer lugar do planeta, é um dos elementos que despertam angústia nesta narrativa.

Mesclando as questões íntimas e psicológicas de Vicente a uma pesquisa real sobre a guerra que ocorria na Europa a partir de 1939, Amigorena nos transporta para aquele momento histórico, no entanto do ponto de vista de um judeu polonês-argentino assolado pela culpa de ter notícias imprecisas, mas terríveis, sobre o que acontecia em seu país de origem, onde deixara vivos seus familiares. As cartas da mãe, cada vez mais esparsas, chegavam com notícias atrasadas, enquanto os jornais estrangeiros da época, raros em Buenos Aires, mal noticiavam o que de fato ocorria, sem dar qualquer destaque à construção de guetos ou campos de extermínio, por exemplo. Era difícil sequer acreditar que algo assim fosse possível entre humanos.

Vicente decide-se pelo silêncio quando se sente traidor, impotente e covarde diante do que pensa que poderia ter feito para salvar irmãos e mãe. No entanto, tem esperanças de que nada do que sabe, ou quase sabe, seja real. Num entrelugar, nem Buenos Aires, nem Varsóvia, é um ser completamente abatido pelos sentimentos ambíguos de quem não sabe ao certo o que sente: quer fugir mas quer ficar, é traidor e é herói, quer distância da mãe judia mas se sente responsável por ela, é menos judeu do que os nazistas o consideram, pertence e não pertence, pratica e não pratica. Torna-se um pai ausente e um filho distante.

O gueto interior impressiona por tocar novamente nas questões da Shoah (como prefere chamar o narrador), mas de dentro, de uma perspectiva presente, discutindo questões de imprensa, discurso e uma impressionante apatia humana diante dos fatos, enquanto eles se desenrolavam. A angústia de Vicente silencia nossos corações, em especial porque compartilhamos com ele o indizível das barbaridades de que somos capazes - como seres (des)humanos, corram os anos 1940 ou agora, 2020. No epílogo, Amigorena menciona os deslocamentos de sua família ao longo do século XX, fugindo de guerras ou de ditaduras latino-americanas, caso dele mesmo e de seu núcleo familiar.

O volume de pouco mais de cem páginas pode causar forte impressão, além de propor questões que infelizmente não ficaram no século passado. Fascismo, nazismo, radicalismos, desumanidade, necropolíticas e perseguição não estão extintos, e é preciso estar atento e forte.

Para ir além
O gueto interior
Santiago H. Amigorena
Todavia
Tradução de Rosa Freire d’Aguiar


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/4/2021

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Susan Sontag em carne e osso de Jardel Dias Cavalcanti
02. The Nothingness Club e a mente noir de um poeta de Elisa Andrade Buzzo
03. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
04. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
05. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
04. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Capa Dura História Geral Memórias do Século XX Tempos Modernos 1970 a 1999
Seleções Readers Digest
Seleções Readers Digest
(2004)



O Atiçador de Wittgenstein
David Edmondes, John Eidinow
Difel
(2003)



Fluxo de Caixa uma Decisao de Planejamento
Jose Eduardo Zdanowicz
Sagra Luzzatto
(2004)



Livro Infanto Juvenis Viagens de Gulliver Série Reencontro
Jonathan Swift
Scipione
(1998)



Os Portões do Inferno
Andre Gordirro
Fabrica 231
(2015)



Saúde, Corpo e Sociedade
Org. Alicia Navarro de Souza, Janqueline Pitangui
Ufrj
(2006)



Paixão Índia
Javier Moro
Planeta
(2012)



Livro Saúde Minha Profissão é Andar
João Carlos Pecci
Summus
(1980)



Como Trabalhar para um Idiota
John Hoover
Futura
(2007)



Livro Economia A Economia Solidária Como Política Pública uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil
Rosangela Nair de Carvalho Barbosa
Cortez
(2007)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês