Laymert politizando novas tecnologias | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dia do Rock em São Paulo
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
>>> Lula e o Mensalão Cultural
>>> Vascaíno vota em vascaíno
>>> I’ve been up, I’ve been down
>>> Colunismo em 2005
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Jean Baudrillard
>>> Anotações durante o incêndio
Mais Recentes
>>> O que Deus tem de Melhor para a Minha Vida de Lloyd John Ogilvie pela Vida (1990)
>>> Introdução à sociologia de Armand Cuvillier pela Companhia Nacional (1966)
>>> Sob o Signo de Gêmeos de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1998)
>>> A Noite do Miraj de Zoe Ferraris pela Record (2009)
>>> The Husband de Dean Koontz pela Bantam Books (2011)
>>> Ramsés - A Batalha de Kadesh de Christian Jacq pela Bertrans Brasil (1999)
>>> Questão do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> A Morte Do Super Homem + Retorno do Super Homem Vol. 1-2-3 - Total 4 Und - Hq de Varios pela Dc (1995)
>>> Rebelião de Lúcifer de J. J. Benítez pela Mercuryo (1988)
>>> A Verdadeira História do Fuscão Preto de José Braz / Mariel pela Viseu (2018)
>>> O Crepúsculo do Macho de Fernando Gabeira pela Codecri (1980)
>>> Modern Portuguese-English/English-Portuguese Dictionary de Elbert L - Maria de Lourdes e Milton Sá pela David McKay (1943)
>>> Mémoires interrompus de François Mitterrand pela Odile Jacob (1996)
>>> Como lidar com pessoas dificeis de Alan houel e christian godefroy pela Madras (2011)
>>> Spektro A Revista Do Terror Nr 7 - Macumba e mais 13 historias pavorosas de Shimamoto pela Vecchi (1978)
>>> Liquid Gold dessert Wines of the World de Stephen Brook pela Beech Tree Books (1987)
>>> Calafrio H.Q De Terror Em Nova Dimensão - Volume 5 - Hq O Homem Na Multidão de Edgar A. Poe pela D Arte (1982)
>>> As Aventuras Da Liga Extraordinaria Nr - hq de Alan Moore e Kevin O Neill pela Pandora Book (2001)
>>> Física 1 - Mecânica da Partícula e dos Corpos Rígidos de Sears - Zemansky - Young pela Livros Tecnicos e Cientificos (1985)
>>> Cripta Do Terror - Numero 1 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> Gibi De Ouro Os Classicos Dos Quadrinhos Completo - 6 Volumes - Hq de Varios pela Rge (1985)
>>> Super Homem - Funeral Para Um Amigo - 4 Volumes Completa -Hq de Dan Jurgens pela Abril Jovem (1997)
>>> Na Luz da Verdade - Vol. 3 de Abdruschin pela Ordem do graal na terra (1980)
>>> Cripta Do Terror - Numero 3 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Tecnoprint (1980)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/3/2004
Laymert politizando novas tecnologias
Daniel Aurelio

+ de 5500 Acessos

Ao contrário da acidez discursiva adotada contra os intelectuais, afirmo a tolice de renegá-los por completo. Etimologicamente, aliás, a palavra já elimina o charlatanismo acadêmico e serve apenas aos homens de estirpe. O prefixo "pseudo" está ai, é usado exaustivamente, e não me deixa confundir o "ser" e o "parecer ser". Então, sem a menor crise, farei a crítica ao livro Politizar as novas tecnologias (Editora 34, 2003) , escrito por um desses ilustres pensadores, o professor Laymert Garcia dos Santos.

Laymert é doutor em Ciência da Informação pela Universidade de Paris IV e titular de cátedra na Unicamp. Não tem olhar blasé e nunca o vi levar a mão ao queixo ao posar para fotografias, mas tem aqueles vícios que a plebe adora espinafrar. Ainda assim, e por isso mesmo, vou executar o movimento contrário ao eixo mais óbvio e resenhar sua coletânea de ensaios. Vamos ver no que resulta.

Pode ser uma generalização de ocasião, não sei. Mas separo os intelectuais em categorias de especulação e nenhuma, em absoluto, é maior do que a outra: há os que, como Norberto Bobbio e Bertrand Russel, subvertem a linha rasa da cronologia e adiantam, em décadas, temas pulsantes e mudanças comportamentais e os que se atêm a análises de fenômenos passados para depois meterem o dedo na ferida do horizonte, como bem fizeram Focault e Norbert Elias. (Claro, a ruptura de pensamento não é tão dura e chapada assim e os grandes mestres sempre passam por diferentes estágios. Apenas utilizei-me de alegoria momentânea. Acho que ela cabe.)

Um terceiro grupo, menos numeroso, se não é sempre certeiro, de longe é o mais corajoso. Constituí-se de indivíduos que decidem pensar com a locomotiva em movimento, no chamado "tempo real". Laymert faz parte desse time, que encontrou nos velhos frankfurtianos e no indefectível Maquiavel a sua melhor tradução (Marx tinha tudo para alinhar-se ao primeiro grupo, mas usou do expediente do segundo para fracassar, junto com seus seguidores, no terceiro).

Na ausência de melhor termo, fico com a definição de Francisco de Oliveira, vertida na orelha da obra: "A produção intelectual de Laymert (...) bem podia chamar-se de olhos bem abertos para perceber a novidade, captar seu significado, enfrentar a esfinge mirando-a nos olhos". A analogia com Kubrick não é despropositada. Chico de Oliveira reverencia um dos maiores especialistas em biotecnologia e seu impacto social do Brasil.

Isso não significa, obviamente, a beatificação do professor. Até porque Laymert escreve mal pra burro. Pode apostar. O texto em si é tão ruim quanto qualquer artigo de Francisco "não obstante" Weffort. Politizar... comprime, nas suas mais de trezentas páginas, as mais horripilantes manias e terminologias das ciências humanas, o que inclui a clássica e modorrenta repetição de passagens e a palavra "através" a serviço de qualquer mote de raciocínio. Totalmente desaprovado, portanto, para uma leitura seqüencial. Recebi meu exemplar no final de 2003. Precisei de três meses para concluí-lo. Noventa dias de nenhum prazer.

Até ai, Friederich Hegel também castigava nossos olhos e mentes com pelotaços verborrágicos de orgulhar Jacques Lacan. Seu desafeto histórico, o filósofo Arthur Schopenhauer, divertia-se a debochar dele. Cínico, alegava uma suposta ausência de clareza e concisão no autor de A Filosofia do Direito - os conhecedores do ranço legendário de Schopenhauer, entretanto, miminizam seu depoimento. A letra travada, de qualquer forma, não impediu Hegel de ter papel crucial nas noções de Direito, Estado e Sociedade Civil modernos. As grandes idéias, enfim, sobrevivem para além do estilo habilidoso.

Laymert pode não ser Hegel (é impossível que seja um dia), mas produz conhecimento de qualidade, é comoventemente destemido e abraça, com idêntica parcimônia, assuntos com variados graus de delicadeza e polêmica, como o projeto Genoma e o cinema do finlandês Lars Von Trier. Por sinal, seu artigo sobre Dançando no Escuro (que consagrou uma surpreendente Björk como atriz) figura entre as melhores coisas do livro.

Sem apelar para a futurologia abestalhada, sua obra consegue encontrar um elo de ligação sutil (e consistente) entre tecnologias dos mais diversos fins. Sobre a realidade virtual, chega a ser de uma originalidade absurda; quando busca referências e respaldo fora do circuito, torna-se um trator de idéias que não curva a espinha ao sagrado. E isso é mais que um mérito: é atestado de valentia.

Implícita ou explicitamente, abusa de Gilles Deleuze e Walter Benjamim, mas faz questão (e com profunda pertinência) de evocar nomes menos afeitos a textos científicos como o do poeta alemão Heiner Muller ou dos obscuros Richard Fuller e John Walker. No seu caldeirão fumegante acomodam-se ainda o padroeiro da causa beat alucinógena, Timothy Leary, a escritora e ativista política sul-africana Nadine Gordimer (Nobel de Literatura em 1980) e até um hacker paspalhão, perplexo com a teoria algo apocalíptica de que robôs substituirão, em menos de trinta anos, a futuramente dispensável raça humana. Espanta-se como se isso não fosse algo que já ocorresse em "chãos de fábrica" há pelo menos duas décadas. Laymert, arguto, toma como ponto de partida o antagonismo entre discurso e método do rapaz. A humanidade está confusa e amedrontada, pêndula entre vitima e vilã.

Reconhecer se o autor cumpriu a promessa do título (politizar, no sentido estrito e massificado, o debate sério sobre a tecnologia) é problemático, pois o livro continua reduzido ao seu meio e não parece mostrar sinais do contrário - o texto e a divulgação também não colaboram. Mas Laymert, indubitavelmente, pegou na veia. São a tecnocracia, a política silenciosa do Estado e os serviços de inteligência & deptos. de pesquisa, com seu dialeto próprio e impenetrável, que maculam a imagem do intelectual e a aproximam da anedota. Na impossibilidade de compreender o "economês", o "sociologês" e as linguagens programáticas dos computadores, é razoável que fiquemos putos. Afinal de contas, elas são justamente as matérias cardeais para nossa vida social.

Ao mesmo compasso em que somos distraídos com plebiscitos sobre o regime político ou quem deve ser o próximo eliminado do Big Brother , decisões verdadeiramente valorosas são tratadas e resolvidas, na calada da noite, por técnicos e iniciados. Afastar o populacho do saber jurídico-econômico-administrativo é o bastante. O resto resume-se a gritos efusivos de gol e o exercício bienal do voto.

Como tese, o resultado final é impecável. Todavia, é Laymert o primeiro a desobedecer ao próprio clamor pela democratização real do conhecimento. Talvez o medo de exceder no didatismo e "infantilizar" o leitor tenha atrapalhado a redação final do grande professor. Com isso, nosso analfabetismo digital perdura mais um bocado.

Se ao menos ele escrevesse como o Élio Gaspari...

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 12/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A ostra, o Algarve e o vento de Elisa Andrade Buzzo
02. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
03. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
03. Max Weber desencantado - 2/4/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nossos Clássicos 70 Machado de Assis Contos
Nossos Clássicos
Agir
(1970)



Analfabetismo No Brasil
Ana Maria Araújo Freire
Cortez
(1993)



Battle Royale
Koushun Takami
Globo
(2014)



Sentimento do Mundo
Carlos Drummond de Andrade
Companhia de Bolso
(2012)



Alô, Rapaziada!
Bussunda
Record
(1995)



10 Passos para Se Libertar da Obesidade
Padre Cleberson
Mona
(2018)



A coragem de ser autêntico
Emir Calluf
Potencial



Marajas Beduínos e Faraós
Carmen Annes Dias Prudente
Melhoramentos



Ecos Dos Mortos
Johan Theorin
Record
(2011)



Repertorio Teatral Juvenil - Vários Autores (Teatro Juvenil)
Vários Autores
Editorial Pueblo y Educación
(1984)





busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês