Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
Mais Recentes
>>> A Senhora do Jogi de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> A Palavra Perdida de Lino de Albergaria pela Atual (1991)
>>> O Desafio Amazonico de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1989)
>>> Alguém Para Amar a Vida Inteira de Roniwalter Jatobá pela Positivo (2015)
>>> O Céu está caindo de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Alquimistas e Quimicos de Vanin Jose Atilio pela Moderna (1994)
>>> Trafico de Anjos de Luiz Puntel pela Atica (1992)
>>> O Plano Perfeito de Sidney Sheldon pela Record (2012)
>>> As Aventuras do Marujo Verde de Glaucia Lemos pela Atual (1990)
>>> Posso Te Dar Meu Coração? de Ganymedes José pela Moderna (1989)
>>> O Segredo do ídolo de Barro de Elisabeth Loibl pela Melhoramentos (1987)
>>> O Elefante Assassino de Pedro Bandeira pela Atual (1987)
>>> Lover in the rough de Elizabeth Lowell pela Avon books (1994)
>>> O Passado Esteve Aqui de Stella Carr pela Moderna (1988)
>>> O Guarani - de José de Alencar pela Reddiel (1997)
>>> A Maldição da Fabrica de José Americo de Lima pela Atual (1989)
>>> Vinda Com a Neve de Odette de Barros Mott pela Moderna (1982)
>>> Qual é a Minha de Marcia Leite pela Scipione (1990)
>>> Um Cadáver Ouve Rádio de Marcos Rey pela Atica (1984)
>>> O Caso da Ilha de Odette de Barros Mott pela Atual (1987)
>>> Literatura Comentada de Mário Quintana pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de José Lins do Rego pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de Graciliano Ramos pela Abril Educação (1981)
>>> Literatura Comentada de Camilo Castelo Branco pela Abril Educação (1980)
>>> Literatura Comentada de Antonio Callado pela Abril Educação (1982)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/8/2004
Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock
Daniel Aurelio

+ de 8000 Acessos

O termo ópera-rock causa arrepios na rapaziada e desconforto enojado aos puristas. Como consegue misturar a água ao azeite das manifestações artísticas? A qual público se destina? Hoje em dia, reduzida ao nome de uma grife feminina (o pop nunca poupou ninguém), a ópera-rock ainda é vista como uma excentricidade, um Lenny Kravitz com chapinha japonesa.

Ocorre que o rock não é só musica, ao passo que a opera não se reduz a contar histórias rocambolescas, sejam elas dramáticas ou bufas; existem nuances, climatizações, e um remoto herdeiro melódico comum, o heavy metal. Mas isso não ficou claro da noite para o dia. Ou de um pesadelo ao outro.

Londres, 1969. A ópera-rock Tommy lança-se como pedra fundamental de um novo gênero, ao propor a fusão deliberada de códigos eruditos e da nascente cultura jovem do pós-Guerra. Aos quinze anos, o ritmo de Elvis e Berry esmerava-se a procura lisérgica de sua "maturidade"; uma onda conceitual tomou-lhe de supetão as jaquetas de couro, ora na caça ao pop perfeito, deflagrada pelos álbuns Revolver e Sgt. Peppers, dos Beatles, e Pet Sounds, dos Beach Boys, ora nas experiências classicistas e alucinadas de Sid Barret e Roger Waters no Pink Floyd. (Nos escombros da revolução, o que não virou pastiche de progressivo, foi soterrado por teclados, sintetizadores e geringonças aceleradas pela corrida tecnológica).

Em panorama apropriado, contestador e vanguardista por ordem dos tempos, Tommy não provocou estranheza, salvo a surpresa de ter sido concebida pela mais romanesca e explosiva das bandas da época: os incautos roqueiros do The Who. Todavia, álbum e espetáculo não faziam uma inversão abrupta de valores; os shows da banda já pareciam suficientemente teatrais e sentidos, um ritual catártico em que instrumentos, corações e mentes eram impiedosamente mutilados. Tommy era, no fundo, o Who elevado à enésima potência.

Já o progressivo, raciocínio lógico levado ao limite, alinhava-se com espartanos tecladistas egressos de conservatórios e gélidos guitarristas que não solavam por menos que a eternidade. Perto deles, a ópera do grupo londrino, enredada nessa imensa vala comum que são as gerações, primava pela doçura e lirismo. No entanto, o menino Tommy, cego, surdo, mudo e campeoníssimo no fliperama, abrira um precedente, uma fresta para um mundo confuso, chicoteado pela inocência perdida, respirar. Uma página que, por sorte ou acaso, nem as tesouradas punk conseguiram rasgar.

Em outra garagem inglesa, sob um temporal de riffs massudos de outro Tommy (Iommy), um tal de Ozzy Osbourne regurgitava letras etéreas e soturnas. Era a raíz do Black Sabbath, um filho das mesmas angústias do Who ou do Led Zeppelin, só que eivado por propriedades satânicas. Não se criava ali uma escola sonora, mas uma lenda. Os primeiros rascunhos de um musical macabro. Depois de diluídas em concertos tecnicólor, as óperas-rock encontraram no metal aconchegante morada. Por esse ângulo, nada seria mais coerente do que uma ópera-metal.

Ao longo desses trinta e tantos anos (e uns cem subgêneros que se retro-alimentam) não foram poucos os roqueiros que investiram em obras maiúsculas e intrincadas, dada sua combinação de elementos caros ao estilo, como solos hábeis e velozes, timbres intensos, enredos e cenários mitológicos. A maioria escorregou nas babas napoleônicas da pretensão. Não foi esse o caso do projeto Aina - Days of Rising Doom, megalômano álbum triplo idealizado pela gravadora holandesa Transmission Records e pelo produtor Sascha Paeth, ex-guitarra do Haven's Gate e mito nos confins dos "camisas pretas". A concepção artística ficou a cargo de Amanda Somerville, a moça responsável pela atmosfera e letras que são, no mínimo, impregnadas de uma força literária convincente. Por um lado distante do realismo social, de fomes e guerras high-tech. Do outro, igualmente afastada de sexismos, machismos e outros "ismos" rudes e deprimentes do nu metal e facções correlatas.

Não é necessário aferir as canções para verificar sua ponta de excelência; o projeto gráfico é maravilhoso e o encarte, acredite, é integral: nada de folhinhas constrangedoras das coletâneas rasteiras desovadas pelas multinacionais (aquelas que vivem aparvalhadas atrás do público que já não possuem).

Sem falar na audácia de se distribuir os três discos, respeitando a obra original, uma condição que deveria ser obrigatória: Days of Rising Doom - The metal opera é o disco um, com a ópera completa; The History of Aina, com versões alternativas que nada devem às "oficiais"; e o DVD Beyond the Borders, cuja riqueza de imagens impressiona e merece uma segunda vista, mais acurada.

Desde já nivela para alto, muito alto, o padrão qualitativo da nossa indústria fonográfica. Duvida-se que seu bom precedente seja acompanhado, apesar da comprovação de que respeito ao consumidor é, sim, um ótimo negócio - as boas vendagens que o Aina obteve atestam. Por sinal, nas lojas do ramo, o triplo ficou a frente dos eternos papa-números do Guns'n'Roses e sua discografia de clássicos como Appetite for destruction (1987) e a dupla Use Your Ilusion I e II (1991), auge e ocaso de Axl Rose, Slash & cia.

Bolachas ouvidas, considerações postas. No prelúdio da ópera, ali, logo nos primeiros acordes, algo soa como jornal da semana passada. A sensação é de ter ouvido aquela "orquestração" furiosa no S&M do Metallica (1999) ou em Moment of Glory, dos Scorpions (2000). A cadência caminha firme para um metal melódico. Súbito, porém, penetram os primeiros guinchos de guitarra e a voz marcante de Michel Kiske (ex-Helloween) na faixa "Revolutions". Vocalista não: narrador, com apontam os créditos. No mais, é trancar-se num cômodo da casa, luz baixa, e apreciar o desfile de sumidades roqueiras como o tecladista torpedo Jens Johanson (Stratovarius) e Glenn Hughes (Deep Purple). São acelerações, calmarias, batidas de cabeças e sonoridades pesadas que se sucedem ao sabor da ópera e, a certa altura, até a voz de André Matos não fica assim tão destoante.

Em entrevistas, Amanda Somerville empreendeu um esforço tocante para desvincular sua história da ilustríssima influência de O Senhor dos Anéis. A audição das faixas e a leitura das letras desmentem. Mas isso não depõe contra o resultado final. Se o "Ainahaf", a língua do país Aina, remete aos "elfos" e afins de Tolkien, que assim seja. Nada mais justo e natural. O mundo de Amanda e Paeth, e de milhares de headbangers anônimos, não é composto somente pelo som de ícones como Nightwish, Judas Priest ou o Iron Maiden do Killers; é também uma lógica tribal, regulada por um sistema de comunicação que é um verdadeiro sonho, coerente com seus princípios, envolvente e à margem da mídia grande: dão conta desse mundo revistas, lojas especializadas e um cabedal literário que abarca Stephen King e Anne Rice, Adouls Huxley e... J.R Tolkien.

Figuras míticas? Imagens de monstrengos? Não importa. São apenas atestados de sinceridade. E, francamente, de arte, também. De que qualidade? Que resmunguem os críticos (a função social da música não é outra). Amanda e Sascha compuseram uma sinfonia criativa, com a linguagem que apreciam e lhes é próxima. E ficou bem bacana. (Esta resenha, por exemplo, é escrita ao som do segundo disco. Aquele que, na teoria, seria preenchido de sobras e extras...)

Num tempo de acústicos oportunistas e de divas recauchutadas, Aina é uma ópera-rock para ser, antes de tudo, celebrada. Não como um clássico da dimensão de Tommy, é claro, mas como um agradável presente. Neste caso, um presente de conteúdo tão precioso quanto é deslumbrante o embrulho. Uma surpresa luxuosamente embalada...

Para ir além




Faixas (clique e escute): 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15


Daniel Aurelio
São Paulo, 6/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
03. So This Is Xmas de Juliano Maesano


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudança Radical - do Islã para o Senhor Jesus
Samir Mustafa
Getsêmani
(2012)



Plenitude Visionária - Autografado
Márcio Catundo Gomes
Companhia das Musas
(2007)



Regra Constituições Diretório da Ordem dos Mínimos
Cura Generalicia da Ordem de Roma (1986)
Delegação Geral do Brasil (sp)
(1995)



Fascinação do Amor
Condessa Dorsay
Empresa
(1938)



Billy the Kid - História de um Bandido
Pat Garrett
L&pm
(1985)



Cantinho do Caminhoneiro
Sandra Casadei
Edicon
(1997)



Seus Problemas Acabaram! Casseta e Planeta
Objetiva
Objetiva
(2004)



Os Guerreiros do Tempo - 8a edição - Coleção Veredas
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1996)



Mundo da Lua e Miscelanea
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1950)



Teoria da Legitimidade do Direito e do Estado
Antonio Carlos de Almeida Diniz
Landy
(2006)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês