Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
>>> Tecnologia de Minority Report
Mais Recentes
>>> O Primo Basílio de Eça de Queirós pela Klick (1997)
>>> The World of the First Australians de R. M ; C. H Berndt pela Lansdowne press (1977)
>>> O Guardião da Sétima Passagem: A Porteira Luminosa de Rubens Saraceni pela Madras (2018)
>>> Eleanor & Park de Rainbow Rowell pela Novo Seculo (2019)
>>> Pedagogia Crítica Uma metodologia na construção do conhecimento de Maria rosa cavalheiro marafon pela Vozes (2001)
>>> Edgar Cayce On Atlantis de Edgay Evans Cayce pela Greenhouse Publications (1989)
>>> Actas e Actos do Governo Provisório de Dunshee de Abranches pela Memória Federal (1998)
>>> Currículo: Teoria e História de Ivor F. GOodson pela Vozes (1995)
>>> O amor nos tempos do cólera de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> A Arte do Johrei - Ensinamentos Meishu Sama de Johrei no waza pela Luxriens (2000)
>>> O segredo de Jasper Jones de Craig Silvey pela Intrínseca (2012)
>>> A Família Moskat de Isaac Bashevis Singer pela Francisco Alves (1982)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Sir Lancelote, Onde Esta Voce? de Kate Mcmullan pela Rocco (2006)
>>> O começo de tudo de Robyn Schneider pela Novo Conceito (2014)
>>> Livro Infantil? Projeto Gráfico Metodologia e Subjetividade de Guto Lins pela Rosari (2002)
>>> Ame e Dê Vexame de Roberto Freire pela Master Pop (2013)
>>> We - a Chave da Psicologia do Amor Romântico de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> A Economia das Crises de Nouriel Roubini e Stephen Mihm pela Intrínseca (2010)
>>> A Mala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Contos Folclóricos Brasileiros de Marco Haurélio; Mauricio Negro pela Paulus (2010)
>>> Geometria Analítica de Reis pela LTC (1996)
>>> Dropz de Rita Lee pela Globo (2017)
>>> O que Precisamos Saber Sobre Liderança? de James Kouzes^Barry Posner pela Elsevier (2011)
>>> A Meta: Um processo de melhoria contínua Ano 2013 de Eliyahu M. Goldratt ; Jeff Cox pela Nobel (2002)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/8/2004
Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock
Daniel Aurelio

+ de 9100 Acessos

O termo ópera-rock causa arrepios na rapaziada e desconforto enojado aos puristas. Como consegue misturar a água ao azeite das manifestações artísticas? A qual público se destina? Hoje em dia, reduzida ao nome de uma grife feminina (o pop nunca poupou ninguém), a ópera-rock ainda é vista como uma excentricidade, um Lenny Kravitz com chapinha japonesa.

Ocorre que o rock não é só musica, ao passo que a opera não se reduz a contar histórias rocambolescas, sejam elas dramáticas ou bufas; existem nuances, climatizações, e um remoto herdeiro melódico comum, o heavy metal. Mas isso não ficou claro da noite para o dia. Ou de um pesadelo ao outro.

Londres, 1969. A ópera-rock Tommy lança-se como pedra fundamental de um novo gênero, ao propor a fusão deliberada de códigos eruditos e da nascente cultura jovem do pós-Guerra. Aos quinze anos, o ritmo de Elvis e Berry esmerava-se a procura lisérgica de sua "maturidade"; uma onda conceitual tomou-lhe de supetão as jaquetas de couro, ora na caça ao pop perfeito, deflagrada pelos álbuns Revolver e Sgt. Peppers, dos Beatles, e Pet Sounds, dos Beach Boys, ora nas experiências classicistas e alucinadas de Sid Barret e Roger Waters no Pink Floyd. (Nos escombros da revolução, o que não virou pastiche de progressivo, foi soterrado por teclados, sintetizadores e geringonças aceleradas pela corrida tecnológica).

Em panorama apropriado, contestador e vanguardista por ordem dos tempos, Tommy não provocou estranheza, salvo a surpresa de ter sido concebida pela mais romanesca e explosiva das bandas da época: os incautos roqueiros do The Who. Todavia, álbum e espetáculo não faziam uma inversão abrupta de valores; os shows da banda já pareciam suficientemente teatrais e sentidos, um ritual catártico em que instrumentos, corações e mentes eram impiedosamente mutilados. Tommy era, no fundo, o Who elevado à enésima potência.

Já o progressivo, raciocínio lógico levado ao limite, alinhava-se com espartanos tecladistas egressos de conservatórios e gélidos guitarristas que não solavam por menos que a eternidade. Perto deles, a ópera do grupo londrino, enredada nessa imensa vala comum que são as gerações, primava pela doçura e lirismo. No entanto, o menino Tommy, cego, surdo, mudo e campeoníssimo no fliperama, abrira um precedente, uma fresta para um mundo confuso, chicoteado pela inocência perdida, respirar. Uma página que, por sorte ou acaso, nem as tesouradas punk conseguiram rasgar.

Em outra garagem inglesa, sob um temporal de riffs massudos de outro Tommy (Iommy), um tal de Ozzy Osbourne regurgitava letras etéreas e soturnas. Era a raíz do Black Sabbath, um filho das mesmas angústias do Who ou do Led Zeppelin, só que eivado por propriedades satânicas. Não se criava ali uma escola sonora, mas uma lenda. Os primeiros rascunhos de um musical macabro. Depois de diluídas em concertos tecnicólor, as óperas-rock encontraram no metal aconchegante morada. Por esse ângulo, nada seria mais coerente do que uma ópera-metal.

Ao longo desses trinta e tantos anos (e uns cem subgêneros que se retro-alimentam) não foram poucos os roqueiros que investiram em obras maiúsculas e intrincadas, dada sua combinação de elementos caros ao estilo, como solos hábeis e velozes, timbres intensos, enredos e cenários mitológicos. A maioria escorregou nas babas napoleônicas da pretensão. Não foi esse o caso do projeto Aina - Days of Rising Doom, megalômano álbum triplo idealizado pela gravadora holandesa Transmission Records e pelo produtor Sascha Paeth, ex-guitarra do Haven's Gate e mito nos confins dos "camisas pretas". A concepção artística ficou a cargo de Amanda Somerville, a moça responsável pela atmosfera e letras que são, no mínimo, impregnadas de uma força literária convincente. Por um lado distante do realismo social, de fomes e guerras high-tech. Do outro, igualmente afastada de sexismos, machismos e outros "ismos" rudes e deprimentes do nu metal e facções correlatas.

Não é necessário aferir as canções para verificar sua ponta de excelência; o projeto gráfico é maravilhoso e o encarte, acredite, é integral: nada de folhinhas constrangedoras das coletâneas rasteiras desovadas pelas multinacionais (aquelas que vivem aparvalhadas atrás do público que já não possuem).

Sem falar na audácia de se distribuir os três discos, respeitando a obra original, uma condição que deveria ser obrigatória: Days of Rising Doom - The metal opera é o disco um, com a ópera completa; The History of Aina, com versões alternativas que nada devem às "oficiais"; e o DVD Beyond the Borders, cuja riqueza de imagens impressiona e merece uma segunda vista, mais acurada.

Desde já nivela para alto, muito alto, o padrão qualitativo da nossa indústria fonográfica. Duvida-se que seu bom precedente seja acompanhado, apesar da comprovação de que respeito ao consumidor é, sim, um ótimo negócio - as boas vendagens que o Aina obteve atestam. Por sinal, nas lojas do ramo, o triplo ficou a frente dos eternos papa-números do Guns'n'Roses e sua discografia de clássicos como Appetite for destruction (1987) e a dupla Use Your Ilusion I e II (1991), auge e ocaso de Axl Rose, Slash & cia.

Bolachas ouvidas, considerações postas. No prelúdio da ópera, ali, logo nos primeiros acordes, algo soa como jornal da semana passada. A sensação é de ter ouvido aquela "orquestração" furiosa no S&M do Metallica (1999) ou em Moment of Glory, dos Scorpions (2000). A cadência caminha firme para um metal melódico. Súbito, porém, penetram os primeiros guinchos de guitarra e a voz marcante de Michel Kiske (ex-Helloween) na faixa "Revolutions". Vocalista não: narrador, com apontam os créditos. No mais, é trancar-se num cômodo da casa, luz baixa, e apreciar o desfile de sumidades roqueiras como o tecladista torpedo Jens Johanson (Stratovarius) e Glenn Hughes (Deep Purple). São acelerações, calmarias, batidas de cabeças e sonoridades pesadas que se sucedem ao sabor da ópera e, a certa altura, até a voz de André Matos não fica assim tão destoante.

Em entrevistas, Amanda Somerville empreendeu um esforço tocante para desvincular sua história da ilustríssima influência de O Senhor dos Anéis. A audição das faixas e a leitura das letras desmentem. Mas isso não depõe contra o resultado final. Se o "Ainahaf", a língua do país Aina, remete aos "elfos" e afins de Tolkien, que assim seja. Nada mais justo e natural. O mundo de Amanda e Paeth, e de milhares de headbangers anônimos, não é composto somente pelo som de ícones como Nightwish, Judas Priest ou o Iron Maiden do Killers; é também uma lógica tribal, regulada por um sistema de comunicação que é um verdadeiro sonho, coerente com seus princípios, envolvente e à margem da mídia grande: dão conta desse mundo revistas, lojas especializadas e um cabedal literário que abarca Stephen King e Anne Rice, Adouls Huxley e... J.R Tolkien.

Figuras míticas? Imagens de monstrengos? Não importa. São apenas atestados de sinceridade. E, francamente, de arte, também. De que qualidade? Que resmunguem os críticos (a função social da música não é outra). Amanda e Sascha compuseram uma sinfonia criativa, com a linguagem que apreciam e lhes é próxima. E ficou bem bacana. (Esta resenha, por exemplo, é escrita ao som do segundo disco. Aquele que, na teoria, seria preenchido de sobras e extras...)

Num tempo de acústicos oportunistas e de divas recauchutadas, Aina é uma ópera-rock para ser, antes de tudo, celebrada. Não como um clássico da dimensão de Tommy, é claro, mas como um agradável presente. Neste caso, um presente de conteúdo tão precioso quanto é deslumbrante o embrulho. Uma surpresa luxuosamente embalada...

Para ir além




Faixas (clique e escute): 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15


Daniel Aurelio
São Paulo, 6/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Europeus salvaram o cinema em 2006 de Lucas Rodrigues Pires


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
03. Max Weber desencantado - 2/4/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bulletproof - a Dieta à Prova de Bala
Dave Asprey
Rocco
(2016)



Você Pode Mais! 99, 9 Não é 100 - 4ª Edição
Marcos Scaldelai
Gente
(2015)



O Que É Violência? Col. Primeiros Passos
Nilo Odalia
Brasiliense
(1983)



Nunca Houve um Homem como Heleno
Marcos Eduardo Neves
ediouro
(2006)



Da Crise a Paz : o Estilo Vegano Organico e a Resposta (2011)
Ching Hai
Love Ocena
(2011)



Livro - Selva de Batom
Candance Bushnell
Record
(2007)



A Short History of Classical Chinese Lterature
Feng Yuan -chun
Foreign Languages
(1959)



Dicionário dos Sonhos, da Sorte e dos Orixás - 5ª Edição
Anadara
Pallas
(2009)



Portugal Histórico - Cultural
Hernani Cidade
Progresso
(1958)



A Carícia Essencial - uma Psicologia do Afeto
Roberto Shinyashiki
Gente
(1985)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês