Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/8/2004
Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock
Daniel Aurelio

+ de 7500 Acessos

O termo ópera-rock causa arrepios na rapaziada e desconforto enojado aos puristas. Como consegue misturar a água ao azeite das manifestações artísticas? A qual público se destina? Hoje em dia, reduzida ao nome de uma grife feminina (o pop nunca poupou ninguém), a ópera-rock ainda é vista como uma excentricidade, um Lenny Kravitz com chapinha japonesa.

Ocorre que o rock não é só musica, ao passo que a opera não se reduz a contar histórias rocambolescas, sejam elas dramáticas ou bufas; existem nuances, climatizações, e um remoto herdeiro melódico comum, o heavy metal. Mas isso não ficou claro da noite para o dia. Ou de um pesadelo ao outro.

Londres, 1969. A ópera-rock Tommy lança-se como pedra fundamental de um novo gênero, ao propor a fusão deliberada de códigos eruditos e da nascente cultura jovem do pós-Guerra. Aos quinze anos, o ritmo de Elvis e Berry esmerava-se a procura lisérgica de sua "maturidade"; uma onda conceitual tomou-lhe de supetão as jaquetas de couro, ora na caça ao pop perfeito, deflagrada pelos álbuns Revolver e Sgt. Peppers, dos Beatles, e Pet Sounds, dos Beach Boys, ora nas experiências classicistas e alucinadas de Sid Barret e Roger Waters no Pink Floyd. (Nos escombros da revolução, o que não virou pastiche de progressivo, foi soterrado por teclados, sintetizadores e geringonças aceleradas pela corrida tecnológica).

Em panorama apropriado, contestador e vanguardista por ordem dos tempos, Tommy não provocou estranheza, salvo a surpresa de ter sido concebida pela mais romanesca e explosiva das bandas da época: os incautos roqueiros do The Who. Todavia, álbum e espetáculo não faziam uma inversão abrupta de valores; os shows da banda já pareciam suficientemente teatrais e sentidos, um ritual catártico em que instrumentos, corações e mentes eram impiedosamente mutilados. Tommy era, no fundo, o Who elevado à enésima potência.

Já o progressivo, raciocínio lógico levado ao limite, alinhava-se com espartanos tecladistas egressos de conservatórios e gélidos guitarristas que não solavam por menos que a eternidade. Perto deles, a ópera do grupo londrino, enredada nessa imensa vala comum que são as gerações, primava pela doçura e lirismo. No entanto, o menino Tommy, cego, surdo, mudo e campeoníssimo no fliperama, abrira um precedente, uma fresta para um mundo confuso, chicoteado pela inocência perdida, respirar. Uma página que, por sorte ou acaso, nem as tesouradas punk conseguiram rasgar.

Em outra garagem inglesa, sob um temporal de riffs massudos de outro Tommy (Iommy), um tal de Ozzy Osbourne regurgitava letras etéreas e soturnas. Era a raíz do Black Sabbath, um filho das mesmas angústias do Who ou do Led Zeppelin, só que eivado por propriedades satânicas. Não se criava ali uma escola sonora, mas uma lenda. Os primeiros rascunhos de um musical macabro. Depois de diluídas em concertos tecnicólor, as óperas-rock encontraram no metal aconchegante morada. Por esse ângulo, nada seria mais coerente do que uma ópera-metal.

Ao longo desses trinta e tantos anos (e uns cem subgêneros que se retro-alimentam) não foram poucos os roqueiros que investiram em obras maiúsculas e intrincadas, dada sua combinação de elementos caros ao estilo, como solos hábeis e velozes, timbres intensos, enredos e cenários mitológicos. A maioria escorregou nas babas napoleônicas da pretensão. Não foi esse o caso do projeto Aina - Days of Rising Doom, megalômano álbum triplo idealizado pela gravadora holandesa Transmission Records e pelo produtor Sascha Paeth, ex-guitarra do Haven's Gate e mito nos confins dos "camisas pretas". A concepção artística ficou a cargo de Amanda Somerville, a moça responsável pela atmosfera e letras que são, no mínimo, impregnadas de uma força literária convincente. Por um lado distante do realismo social, de fomes e guerras high-tech. Do outro, igualmente afastada de sexismos, machismos e outros "ismos" rudes e deprimentes do nu metal e facções correlatas.

Não é necessário aferir as canções para verificar sua ponta de excelência; o projeto gráfico é maravilhoso e o encarte, acredite, é integral: nada de folhinhas constrangedoras das coletâneas rasteiras desovadas pelas multinacionais (aquelas que vivem aparvalhadas atrás do público que já não possuem).

Sem falar na audácia de se distribuir os três discos, respeitando a obra original, uma condição que deveria ser obrigatória: Days of Rising Doom - The metal opera é o disco um, com a ópera completa; The History of Aina, com versões alternativas que nada devem às "oficiais"; e o DVD Beyond the Borders, cuja riqueza de imagens impressiona e merece uma segunda vista, mais acurada.

Desde já nivela para alto, muito alto, o padrão qualitativo da nossa indústria fonográfica. Duvida-se que seu bom precedente seja acompanhado, apesar da comprovação de que respeito ao consumidor é, sim, um ótimo negócio - as boas vendagens que o Aina obteve atestam. Por sinal, nas lojas do ramo, o triplo ficou a frente dos eternos papa-números do Guns'n'Roses e sua discografia de clássicos como Appetite for destruction (1987) e a dupla Use Your Ilusion I e II (1991), auge e ocaso de Axl Rose, Slash & cia.

Bolachas ouvidas, considerações postas. No prelúdio da ópera, ali, logo nos primeiros acordes, algo soa como jornal da semana passada. A sensação é de ter ouvido aquela "orquestração" furiosa no S&M do Metallica (1999) ou em Moment of Glory, dos Scorpions (2000). A cadência caminha firme para um metal melódico. Súbito, porém, penetram os primeiros guinchos de guitarra e a voz marcante de Michel Kiske (ex-Helloween) na faixa "Revolutions". Vocalista não: narrador, com apontam os créditos. No mais, é trancar-se num cômodo da casa, luz baixa, e apreciar o desfile de sumidades roqueiras como o tecladista torpedo Jens Johanson (Stratovarius) e Glenn Hughes (Deep Purple). São acelerações, calmarias, batidas de cabeças e sonoridades pesadas que se sucedem ao sabor da ópera e, a certa altura, até a voz de André Matos não fica assim tão destoante.

Em entrevistas, Amanda Somerville empreendeu um esforço tocante para desvincular sua história da ilustríssima influência de O Senhor dos Anéis. A audição das faixas e a leitura das letras desmentem. Mas isso não depõe contra o resultado final. Se o "Ainahaf", a língua do país Aina, remete aos "elfos" e afins de Tolkien, que assim seja. Nada mais justo e natural. O mundo de Amanda e Paeth, e de milhares de headbangers anônimos, não é composto somente pelo som de ícones como Nightwish, Judas Priest ou o Iron Maiden do Killers; é também uma lógica tribal, regulada por um sistema de comunicação que é um verdadeiro sonho, coerente com seus princípios, envolvente e à margem da mídia grande: dão conta desse mundo revistas, lojas especializadas e um cabedal literário que abarca Stephen King e Anne Rice, Adouls Huxley e... J.R Tolkien.

Figuras míticas? Imagens de monstrengos? Não importa. São apenas atestados de sinceridade. E, francamente, de arte, também. De que qualidade? Que resmunguem os críticos (a função social da música não é outra). Amanda e Sascha compuseram uma sinfonia criativa, com a linguagem que apreciam e lhes é próxima. E ficou bem bacana. (Esta resenha, por exemplo, é escrita ao som do segundo disco. Aquele que, na teoria, seria preenchido de sobras e extras...)

Num tempo de acústicos oportunistas e de divas recauchutadas, Aina é uma ópera-rock para ser, antes de tudo, celebrada. Não como um clássico da dimensão de Tommy, é claro, mas como um agradável presente. Neste caso, um presente de conteúdo tão precioso quanto é deslumbrante o embrulho. Uma surpresa luxuosamente embalada...

Para ir além




Faixas (clique e escute): 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15


Daniel Aurelio
São Paulo, 6/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
03. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo
04. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges
05. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SALA DOS HOMICÍDIOS - 1ª EDIÇÃO
P. D. JAMES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 15,00



A VIDA É UM PALCO
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1988)
R$ 4,02



POR ISSO NÃO PROVOQUE
PAULO TADEU
MATRIX
(2010)
R$ 6,90



PSICOLOGIA DA PERCEPÇÃO
JOÃO A. SOSSAI
EDICON
(1981)
R$ 10,00



TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO 100 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES
GUSTAVO FAUS BORONAT
EDIMSA
(2005)
R$ 20,00



FÍSICA 3 ENSINO MÉDIO
GUIMARÃES PIQUEIRA CARRON
ATICA
(2014)
R$ 8,50



NOÇÕES GERAIS DA PESCA DE ARREMESSO
SILVIO FUKUMOTO
ZILLIG
(1994)
R$ 10,00



LA SUBLIMATION
JEAN LAPLANCHE
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1980)
R$ 50,00



ESSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 22,50



A CRISE DA INSTITUIÇÃO FAMILIAR
ISODORO ALONSO HINOJAL
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00





busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês