Romaria e prece em Guatapará | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/2/2004
Romaria e prece em Guatapará
Daniel Aurelio

+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O sonho de qualquer artista, genuinamente artista, é permanecer. Sertanejo, sabido que é, conhece a receita como a palma da mão: atravesse a estrada de fininho, na balada dos legítimos. Não tente ser herói de causa alguma. Não receba descomedido apupo. Toque a vida como toca sua boiada - imagem de poesia cabocla mais bela, duvido.

Nasci em madrugada de fria bruma, na rua Duarte da Costa na Lapa. Maternidade São João Batista, dia de São Pedro. 1980. Tinha arraial e o vento trazia ao berçário um forte aroma de bolo de fubá e quentão: quero acreditar que sim, que tenham recebido o rebento aqui com uma baita quermesse. Das brabas.

Costumo ser arredio a festanças por absoluta inabilidade social. Mas gosto de festas juninas. Tenho aquele amargor de jamais ter recebido correio elegante de moça bonita (nem de moça feia), mas não é em face ao meu insucesso com as moçoilas que venho. Ajeito o chapéu e sigo o conselho do Nho velhíssimo. O caminho é meu. Que me entendam no futuro, e se puderem, os amores que perdi.

Criança, pirralho, bacuri, curumim. O maiorzim, meu irmão; e o "mais menor", eu. E meu pai tinha (e tem ainda) as mãos ágeis, com as quais bordava peças em sisal, corda arredia do Norte. Peças bonitas, algumas trançadas em cana da índia. Que tremendo sucesso faziam no bairro! Criavam forma em um quartinho nos fundos de casa. Amontoavam-se aonde desse.

Lembro do rádio sempre ligado, às quartas-feiras no jogo do Corinthians - o time precisa de um meia-armador, resmungava - e nos outros dias rasgavam-me os ouvidos violas e cantorias, tonicos e tinocos, tião carreiros e pardinhos. Pena branda, pena branca. Era uma vez o Brasil de Sarney e do Rock Brasil, do RPM e do Clube do Bolinha. E eu, que só lembro do meu pai fazer a terceira voz? E como fazia bem!

Meus tios falavam e falam arrastado, algo carregado. O tom nunca foi baixo. Minha família é um pedaço urbano e desgarrado da tese de Antonio Candido n´Os Parceiros do Rio Bonito. Málaga de um lado, algum subúrbio pobre da Itália noutro. Primeira Guerra mundial. Entocados em navio mercante deram em Guatapará, lá pelas bandas de Ribeirão Preto. Barão de café? Não, roceiro mesmo. Depois, dono de pensão. A disciplina e a tez enviesada do avô que não conheci mal disfarçavam seu olhar aconchegante e doce, típico dos italianos bufões. O pessoal ia se achegando, se achegando... Família grande. Amém.

Meu pai não era o rapaz mais bonito da Vila Anastácio, aquela à beira das Industrias Klabin. Nem o melhor jogador de futebol, nem nada demais. Trabalhador obsessivo por vocação, um campesino falante em plena São Paulo do Adhemar de Barros. O cabelo tipo John Lennon em Imagine, o coração do tamanho da cidade que não compreendia. Acabou conquistando a mais bonita das moças em um raio de cinqüenta quilômetros. Enamorou-se dela, a minha mãe: angelical até no batismo e a mais luminosa das estrelas marias.

Não fisguei minha musa ainda e os tempos são bem outros. Mas meu pai é meu espelho. Sou espelho de meu pai. Até no vai e vem desajeitado das pernas, na mancha avermelhada na nuca. No nariz sobressaltado. Gosto de refletir-me nele.

Ah, aquele final dos anos 80... Foram cruéis. A moeda em desequilíbrio: cruzeiro, cruzado, cruzeiro novo. Um grito preso. O rock de bermudas declinava. Cazuza era insultado pela Veja. Eleições diretas em um país feito cão que ficou para fora da mudança. Às cegas, refém de um bando de oportunistas. Do pluripartidarismo e da plutocracia regional. Esquerda e direita, volver. Não quero nenhum de vocês. Tenho apenas nove anos.

O multinacional Kaoma, de assinatura francesa, trucidava o que sobrou da lambada. Sabe lá se esse ritmo é nosso. Collor e os usurpadores da cultura rupestre inundavam o país. Perdemos as economias e um pouco da inocência também. Que permaneça o artista? Nada havia além de sintetizadores e vozes trêmulas da mais afeminada agudeza, do mais grosseiro romantismo.

Chitão e Xororó. Caso limite, como o Raça Negra no pagode. Representam a morte de um estilo, ao passo que eletrificaram o modo caipira, estigmatizaram-no, a despeito do inegável talento que desperdiçaram. Enfiaram Bee Gees na caatira (guitarra em luar de sertão). Gordurinha, salve mestre. Em que bailão-baião tu estás? Relutava botar be-bop no nosso samba? Bobeou, a gente pimba!

Quando o Brasil acordou, tocou Collor para fora. Mas deu tempo de lambuja para essas duplas sertanejas ararem terreno. E vencerem o povo miúdo pela apatia. Fizeram o mesmo com o som de Salvador, com o rap periférico e o forró nordestino. Aclamaram Tom Zé, Racionais e os blocos Afro como "raízes", espécimes em formol, não pelos grandes artistas que são - em mutação. O artista flana acima das classificações. Felizmente, não fizeram marola com a insígnia do violeiro errante - e não faltou quem ciscasse tamanha maldade.

Canto. Mãos. Primeira e terceira voz. Sisal e viola. Arte: permanência.

Se fosse permitido apenas um cantante por palco de existência, seria escolha de torturar a alma. Na poética da realidade, ficaria entre Chico e Mano Brown; Gessinger vocalizaria o que há de dúvida na juventude e Renato Russo seria o signo do amor em sua tonalidade universal. Belchior transmitiria nossa latinidade ao mundo e Falcão daria alô a galhofa - a sacanagem e o duplo sentido eu deixava com o Genival Lacerda. Quanto à idéia de forasteiro que nos rodeia o sono, Jards Macalé com Wally Salomão.

Se fosse preciso um trovador numa estrada de terra(impreciso caminhar preciso?), alguém que verbalizasse ao estrangeiro o que seria essa tal de saudade, escolheria Nho Renato Teixeira de Oliveira. Santista de certidão. Interiorano pela vida adentro. Músico. Dono daquela melodia cortante de minha infância, doída de formosa, nas sessões de arte orgânica de meu pai. Teixeira é a voz a viola e o poema da grande canção caipira da história Republicana, Romaria - Chico Mineiro beija o pódio também.

Desconte a nota dez aplicada pelo crítico Pedro Só na finada Bizz em resenha inspirada sobre o disco Ao Vivo no Rio, de 2000. Não mencionemos as sempre aclamadas participações de Teixeira no Viola, Minha Viola, de Inezita Barroso, um dos poucos refúgios de inteligência e cara limpa da televisão aberta. Feche os ouvidos para as trilhas recorrentes em noticiário rurais. Zere qualquer tipo de lembrança que remeta a barba densa do cantador. Agora, cerre os olhos e remexa nos arquivos da memória remota. Procure lembrar de uma canção que evoluísse à oração, uma palavra escorregadia se faz em outra, feito um rio em contínua passagem. Uma benção. Não se surpreenda se flagrar os lábios esboçarem um "sou caipira pira pora nossa senhora de aparecida que ilumina a mina escura e funda é o trem da minha vida". Não se surpreendas. Nem que sejas um agnóstico ou ateu em ato falho.

O sonho do artista, genuinamente artista, fica assim, tatuado em nós.

A saudade, essa vala comum - ora pétala ora navalha ora coisa alguma - incompreendida por gauleses e bretões, eu não sei o por quê, vai bater-me à porta da obra do violeiro, esse bardo do café com leite. Aprecio a subversão que há na sua normalidade. A canção não precisa ser nada além disso: uma corda de sisal curtida aos bocados. Ordem e progresso (essa gabolice positivista) às vezes traduz-se melhor em regresso.

Ai, ai. Em qual pedra ou aço da incrédula Avenida Paulista deixei cair minhas calças com barra de jeca, as botinas sujas, a enxada que jamais empunhei? Mira-te o passado. Enxergo-te pai. Enxergo-me pai. Dois caipiras cúmplices da noite e de um rádio valvulado - herança de avô, esse outro guapo caipira.

Peço-te a benção, Guatapará: sou fruto paulistano da tua terra. Um paradoxo abatido em romaria, viola e sisal: de preferência, a viola enluarada de Teixeira. E o artesanato aquietado de meu pai.


Daniel Aurelio
São Paulo, 20/2/2004


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2004
15h18min
Gostei demais de lê-lo por aqui, saber um pouco mais de vc. E 'lá' também. Descobri que gosta do Fonseca. :) Beijos
[Leia outros Comentários de Beta]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEDITERRANÉE ROUGE: UM NOUVEL EMPIRE SOVIÉTIQUE?
MICHEL SALOMON
ROBERT LAFFOND (PARIS)
(1970)
R$ 19,82



LA CODIFICACION TRIBUTARIA; EL PODER TRIBUTARIO DEL MUNICIPIO MEX
REVISTA DE DIREITO TRIBUTÁRIO, Nº 31
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1985)
R$ 31,28



HISTÓRIA DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO 8ª SÉRIE
PATRÍCIA RAMOS BRAICK/ MRIAM BECHO MOTA
ED. MODERNA
(2000)
R$ 12,00



O ESTUDO DIRIGIDO - UMA TÉCNICA OPERATÓRIA DE ENSINO-APRENDIZAGEM
PAULO AFONSO CARUSO RONCA
CORTEZ
(1982)
R$ 13,00



O MOVIMENTO POR UMA NOVA GLOBALIZAÇÃO
DONATELLA DELLA PORTA
LOYOLA
(2007)
R$ 22,28



VIVER - A ARTE DE SENTIR
MARIA DO CARMO PORTO
PAULUS
(1999)
R$ 4,00



NOS BASTIDORES DA HISTÓRIA (CONTOS HISTÓRICOS)
PAULO SETÚBAL
SARAIVA
(1959)
R$ 10,00



AS NOITES DO MORRO DO ENCANTO
DINAH SILVEIRA QUEIROZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



O CONDE GOBINEAU NO BRASIL
GEORGES RAEDERS
PAZ E TERRA
(1997)
R$ 20,00
+ frete grátis



VÍTIMA DO PRECONCEITO
CODRO PALISSY
FEB
(1993)
R$ 4,04





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês