Meus melhores discos de 2009 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2009

Sexta-feira, 5/3/2010
Meus melhores discos de 2009
Rafael Rodrigues

+ de 4000 Acessos

Sem delongas, passemos à minha lista de melhores discos de 2009. Desnecessário dizer ― mas ainda assim direi ― que esta é uma lista pessoal e intransferível. Ou seja: são os meus melhores discos. Ou seja, não estou dizendo que, efetivamente, foram estes os melhores álbuns lançados ano passado. (A exceção do primeiro, que realmente foi o melhor.)

No line on the horizon, U2 ― Já falei bastante, aqui mesmo no Digestivo, sobre este que é, de longe, o melhor disco do ano que passou. Nenhuma outra banda, nenhum outro artista em lugar nenhum deste planeta, gravou, em 2009, um álbum melhor que No line on the horizon. Que, além de ser o melhor do ano, é certamente um dos melhores da década. E mais: é possivelmente a melhor criação do U2 desde The Joshua Tree. Mas afirmar isso agora, o que significaria desbancar Achtung Baby de sua posição confortável de melhor CD do U2 pós-TJT, seria precipitado. Será necessário a passagem de alguns bons anos para fazer uma avaliação mais ponderada. Independente disso, No line on the horizon é uma obra-prima. Se a crítica e uma parcela dos fãs da banda não perceberam isso, problema deles.

Them Crooked Vultures, Them Crooked Vultures ― O Foo Fighters, de Dave Grohl, e o Queens Of The Stone Age, de Josh Homme, são duas das melhores bandas de rock surgidas na década de noventa. Sabe-se lá como, Dave e Josh se tornaram, aparentemente, grandes amigos. Essa amizade culminou numa participação de Dave no disco Songs for the deaf, do QOTSA, no qual gravou as baterias ― tendo, inclusive, participado da turnê de divulgação do álbum. No fim de 2008, Dave anunciou que o Foo Fighters iria "dar um tempo" e que a banda retornaria às atividades quando as pessoas sentissem, de verdade, falta do Foo.

Não foi preciso esperar muito para saber o que Dave Grohl estava tramando: poucos meses depois, já em 2009, começaram a pipocar notícias de que os dois amigos estavam planejando montar uma banda paralela às suas. Dave, ex-baterista do Nirvana, coisa que todo roqueiro que se preze sabe, assumiria as baquetas; Josh seria o vocalista/guitarrista; e, no baixo..., ninguém menos que John Paul Jones, ex-Led Zepellin ― sendo que Paul McCartney foi cogitado para fechar o supertrio. O resultado só poderia ser um grande disco, tendo como destaques as sete primeiras faixas ― destas, as melhores são "No one loves me & neither do I", "Mind eraser, no chaser" (com um backvocal vibrante de Dave Grohl) e "Bandoliers".

Nas seis restantes há altos ― "Caligulove" e "Warsaw or the first breath you take after you give up" ― e baixos ― "Interlude with ludes" e "Gunman"; as duas que restam ― "Spinning in Daffodils" e "Reptiles" ― são medianas. (Se o CD tivesse 11 músicas, seria bem melhor. "Interlude with ludes" é um grande equívoco dentro do álbum.) O que mais chama a atenção no Them Crooked Vultures é a influência enorme de Josh Homme no som da banda. O projeto ficou muito com a cara do Queens Of The Stone Age. Espera-se que, no próximo disco, Dave Grohl e John Paul Jones consigam "apitar" mais e mudar um pouco a sonoridade das músicas. O tom sombrio do QOTSA, um pouco presente neste primeiro álbum, não combina com o Them Crooked Vultures.

Battle for the Sun, Placebo ― De tanto ouvir o Placebo, anos atrás, enjoei da banda. Com o tempo, percebi certas repetições e cacoetes que começaram a me incomodar. Percebi, também, que a banda havia se acomodado. Isso começou a mudar um pouco com o disco Meds (2006). Houve alguma melhoria e algum desprendimento em relação aos trabalhos anteriores, mas nada que assustasse um fã ortodoxo.

Mas eis que, em 2009, o Placebo lança o belíssimo Battle for the Sun. Que contém, é verdade, muito do "velho" Placebo, mas que traz também muitas inovações ― em relação ao som costumeiro da banda, é bom deixar claro. Porque as inovações só existem se formos comparar este último álbum com os que o precederam. A primeira música, "Kitty litter", lembra muito os discos anteriores, mas já é possível notar algumas diferenças. A voz de Brian Molko está mais firme, segura, sem alguns vícios vocais que ele tinha; as guitarras estão mais limpas, com menos efeitos de sintetizadores e pedais; e a bateria, que tem um novo dono neste disco (Steve Forrest é o nome dele), agora é executada com mais técnica e, por isso mesmo, é mais agradável e deixa sua marca nas músicas. E assim segue todo o álbum, exceto pelas leves recaídas em "Battle for the Sun" ― que mesmo assim é uma bela música ― e "Breath underwater" ― que, se tivesse ficado de fora, não faria falta, mas não chega a atrapalhar o andamento do disco.

As melhores canções do CD são "Bright Lights" (que tem um verso lindo: "A heart that hurts is a heart that works"; em tradução mais ou menos literal, "Um coração que sente dor é um coração que funciona"), "Ashtray heart", "Julien" e "Kings of medicine" (cujos metais e piano são maravilhosos). Battle for the Sun é o melhor disco do Placebo até aqui, e pode ser o divisor de águas da banda.

Scream, Chris Cornell ― Eis um disco que deu o que falar. Chris Cornell, ex-Soundgarden, ex-Temple of Dogs e ex-Audioslave, todas bandas de rock ― as duas primeiras ligadas ao movimento grunge ―, inventou de fazer um disco de pop, produzido por Timbaland, que já trabalhou com Justin Timberlake, por exemplo. A capa do CD, com Chris prestes a detonar uma guitarra, é emblemática. Representa exatamente o que ele fez com quase todas as músicas do álbum. Confesso que, quando tentei ouvir pela primeira vez, não consegui. Me perguntei o que diabos Chris estava pensando ao querer gravar algo assim, sendo que antes ele havia gravado o excelente Carry On (2007), seu segundo disco solo, no qual interpretou magnificamente "Billy Jean", de Michael Jackson, deixando a música melhor do que já era.

Meses depois, ouvi novamente Scream, e... adorei. Imagino que só a menção dele nesta lista vá causar alguma celeuma, mas eu realmente gostei de Scream. As letras de algumas músicas, como "Part of me", não são nada extraordinárias; tampouco o ritmo tem grandes inovações, se formos comparar com outros discos pop, mas, apesar desses fatores, o que importa é que, talvez por uma estranha química, a voz de Cornell se adaptou muito bem às batidas eletrônicas. As letras das músicas não são bobas, descartáveis ― talvez a de "Part of me" seja, se bem que ela é bem divertida ― e o ritmo delas é contagiante. Além disso, há o fato de Scream levar o conceito de álbum ao extremo, emendando uma música na outra, utilizando o fim de uma para começar a próxima, o que é extremamente louvável.

Apesar disso tudo, Chris Cornell aparentemente não suportou a quantidade de críticas que recebeu, e poucos meses depois de lançar o álbum resolveu fazer versões rock de algumas músicas. Correu o boato, inclusive, de que todo o disco seria regravado. Até o momento, não há notícia ainda que confirme toda a regravação do Scream, até porque, no fim de 2009, Cornell anunciou que o bom e velho Soundgarden está voltando. É provável que Scream seja considerado, para sempre, uma mancha na carreira de um roqueiro como Cornell. Mas a verdade é que é um grande disco, ousado e ambicioso como poucos. As melhores músicas do CD são "Part of me", "Time", "Never far away", "Long gone", "Climbing up the walls" ― a mais roqueira do disco ― e a canção escondida "Two drink minimum", um blues incrível que começa segundos depois de terminada "Watch out".

Nota do Autor
Este ano, excepcionalmente, não haverá um texto dedicado aos filmes de 2009. Infelizmente, no ano passado não pude dar a devida atenção ao cinema. Mas espero que em 2011 possa fazer novamente a trinca livros, discos e filmes.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 5/3/2010


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O grande jogo de Billy Phelan - 2/4/2010
04. O petista relutante - 29/10/2010
05. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010


Mais Especial Melhores de 2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês