Max Weber desencantado | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/4/2004
Max Weber desencantado
Daniel Aurelio

+ de 7800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Fevereiro de 2002. Nada de carnaval: era, pois, meu primeiro dia de aula na faculdade. Como esquecer? Sensações que variavam da mais cândida euforia militante àquela agitada timidez. Um generalizado estado de desconforto. Nas apresentações, todos manifestam entusiasticamente suas biografias, expectativas e apaixonadas odes à "grande utopia" (é sério: eles queriam mudar o mundo). A maioria alinhava-se num pelotão de cabos eleitorais atrás de qualquer cargo-farelo em subprefeitura (como se isso não fosse dedutível pelas suas estampas de Che Guevara e Bob Marley). O resto caíra de pára-quedas.

Então, chega a vez de um rapaz magro, enfiado em um terno para lá de bem cortado. A professora interpela-o, entediada: o que te levaste à sociologia, meu filho? Sua resposta foi uma rajada: "Conhecer mais Max Weber". Naquela sala viciada pela clássica literatura de esquerda, espanto e alguns risos. "Aquele liberal", alguém fustigou, do fundo de seu coraçãozinho vermelho. Ele queria mudar o mundo, coitado. O rapaz do terno bonito recebeu seu carimbo de "neoliberal" e era desdenhado a cada intervenção que insinuava. Não resistiu ao primeiro ano.

Março de 2003. Transcorridos dois anos do episódio, aqui estamos no terceiro ano. Quase formados, portanto. E Weber é aclamado como o mais amplo, dinâmico e ambivalente cientista social de todos os tempos. As razões são muitas. Weber, por exemplo, não era um especialista em encíclicas, mas ninguém estudou a religião como ele; explicou ainda com primor as motivações do indivíduo na modernidade, embora não se metesse ao divã, somente depois consagrado por Freud; sem jamais ter sido um típico politólogo, foi Weber pilar teórico da democracia representativa.

A dislexia moral é um mal que poda o leitor. A indústria editorial fatura milhões com tal teimosia. Como ousar debater os males e virtudes do mundo moderno sem conhecer o autor de Economia e Sociedade e tantos outros ensaios vanguardistas? Os apanágios e vacas-de-presépio partidários deram no pé. Os que ficaram finalmente puderam racionalizar a sua indignação (continuam combativos como devem ser, mas cientes da natureza do nosso ofício). Nada como o tempo e um pouco de leitura adequada.

Natural de Eifurt, cidadela da ascente Alemanha do pré-guerra, Karl Emil Maximiliam Weber (1864-1920) era antes de tudo um sujeito talhado. Filho de um cacique do Partido Liberal germânico, habituou-se desde meninote ao convívio híbrido de filósofos e burocratas, diplomando-se em Direito, História e Economia. Dedicou a vida ao ensino acadêmico e a uma privilegiada produção intelectual, que inclui aquele que é considerado (com acerto) o mais importante livro não ficcional do século XX, A Ética Protestante e o espírito do capitalismo (1904). É impossível resistir a analogia com outro filho de político ilustre, o nosso Joaquim Nabuco - esse último o autor do monumental ensaio-manifesto O Abolicionismo (1883).

Uma mente distraída que tope com o título maior da sociologia weberiana logo pensa tratar-se de um livro teológico. Sinal invertido, sinal invertido. Weber versa sobre a transmutação do sentido da religiosidade, aquele sentimento antes servil à arte e ao desapego - tão caros ao papado e a sociedade de corte - e que passava a despejar sua fé & suor em linhas de produção. Em nome de Deus (chame-o de Consumismo se preferir) fomos trabalhar até o limite de nossas forças.

Max Weber cunhou algumas expressões famosas, todavia nenhuma equivaleu ao seu Entzauberung der Welt, ou Desencantamento do Mundo, termo que virou até chavão de cidadão acabrunhado, tristonho da vida. As aberrantes disparidades na análise dessa verdadeira pedra angular do pensamento de Weber, se por um lado mostram o seu poder de alcance, igualmente contribuem para a difusão de um mau conhecimento. E é Antonio Flávio Pierucci, professor da USP e ativo colaborador do caderno "Mais" da Folha de São Paulo, quem se propôs a colocar ordem no caos, com aquela segurança e deboche de quem é resoluto e seguro do que escreve. E publica agora, pela Editora 34, o resultado desse esforço, batizado O Desencantamento do Mundo.

Chega a ser sacanagem desnudar cada ponto alto da obra; é preciso saboreá-lo a cada página (lembre-se que este prato é para ser sorvido apenas por iniciados). Não é qualquer um que, partindo de falhas de tradução e discussões até então soberanas, reconstrói todo o movimento de uma escola teórica. Sua apresentação é de uma humildade e desprendimento poéticos. Mal dá para saber que, dali a alguns parágrafos, estaremos diante de uma grande obra. O capítulo introdutório, por sua sorte, é uma aula de como se deve fazer ciência: Pierucci lapida lentamente a expressão, corrige olhares precipitados e com isso vai de encontro a síntese lógica de Weber. A humanidade "perde o encanto", a magia, encontra a racionalidade, ilumina-se, cai na burocracia e na individualização até perder-se em outros erros. O mercado é dos especialistas. E os especialistas querem o mundo (mas se contentam com o carro do ano, dentre outras regalias).

Um detalhe no livro, mais do que qualquer outro, salta à vista: o método de Pierucci acaba sobrepondo-se ao próprio objeto estudado. É um estímulo para nós graduandos. O livro arma-se dos valores que deveriam compor qualquer compêndio do gênero: consistência e clareza. A propósito, serve também como uma lição aos fascistazinhos travestidos de revolucionários: sob pena de repousarem no ridículo, que nunca mais confundam sociologia com socialismo.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 2/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
04. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2004
14h54min
A "professorinha Helena" e a "polemista" Rudi adoraram saber por onde você anda destilando seus conhecimentos, parabéns.
[Leia outros Comentários de Luciana e Scheilla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE JUDAS CODE
DEREK LAMBERT
STEIN AND DAY
(1984)
R$ 14,99



PROCURANDO NEMO - GRANDES CLÁSSICOS DISNEY
LISA ANN MARSOLI
EDELBRA
(2003)
R$ 15,00



BOCARRA, MAR SELVAGEM!
TODOLIVRO EDIÇOES
TODOLIVRO
(2008)
R$ 15,00



LACERDA NA GUANABARA
MAURÍCIO DOMINGUEZ PEREZ
ODISSÉIA
(2007)
R$ 15,00



SENTENÇA EM PEDRA
RUTH RENDELL
GRADIVA
(1984)
R$ 20,00



MATEMÁTICA COM A TURMA DOS 9 VOLUME 2
WANDA MARIA DE CASTRO ALVES
FTD
(1999)
R$ 7,90



AVENTURAS DO BARÃO DE MUNCHHAUSEN
GOTTFRIED AUGUST BUERGER
BRASIL
R$ 14,00
+ frete grátis



REPAROS
BRÃO BARBOSA
PROACSP
(2017)
R$ 30,00



CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA - A MEDICINA SOFROLÓGICA
JEAN-IVES PECOLLO
RECORD
(1989)
R$ 7,00



COSMOS
CARL SAGAN
FRANCISCO ALVES
(1986)
R$ 180,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês