Max Weber desencantado | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Matrix, ou o camarada Buda
>>> Honestidade
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS

Sexta-feira, 2/4/2004
Max Weber desencantado
Daniel Aurelio

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Fevereiro de 2002. Nada de carnaval: era, pois, meu primeiro dia de aula na faculdade. Como esquecer? Sensações que variavam da mais cândida euforia militante àquela agitada timidez. Um generalizado estado de desconforto. Nas apresentações, todos manifestam entusiasticamente suas biografias, expectativas e apaixonadas odes à "grande utopia" (é sério: eles queriam mudar o mundo). A maioria alinhava-se num pelotão de cabos eleitorais atrás de qualquer cargo-farelo em subprefeitura (como se isso não fosse dedutível pelas suas estampas de Che Guevara e Bob Marley). O resto caíra de pára-quedas.

Então, chega a vez de um rapaz magro, enfiado em um terno para lá de bem cortado. A professora interpela-o, entediada: o que te levaste à sociologia, meu filho? Sua resposta foi uma rajada: "Conhecer mais Max Weber". Naquela sala viciada pela clássica literatura de esquerda, espanto e alguns risos. "Aquele liberal", alguém fustigou, do fundo de seu coraçãozinho vermelho. Ele queria mudar o mundo, coitado. O rapaz do terno bonito recebeu seu carimbo de "neoliberal" e era desdenhado a cada intervenção que insinuava. Não resistiu ao primeiro ano.

Março de 2003. Transcorridos dois anos do episódio, aqui estamos no terceiro ano. Quase formados, portanto. E Weber é aclamado como o mais amplo, dinâmico e ambivalente cientista social de todos os tempos. As razões são muitas. Weber, por exemplo, não era um especialista em encíclicas, mas ninguém estudou a religião como ele; explicou ainda com primor as motivações do indivíduo na modernidade, embora não se metesse ao divã, somente depois consagrado por Freud; sem jamais ter sido um típico politólogo, foi Weber pilar teórico da democracia representativa.

A dislexia moral é um mal que poda o leitor. A indústria editorial fatura milhões com tal teimosia. Como ousar debater os males e virtudes do mundo moderno sem conhecer o autor de Economia e Sociedade e tantos outros ensaios vanguardistas? Os apanágios e vacas-de-presépio partidários deram no pé. Os que ficaram finalmente puderam racionalizar a sua indignação (continuam combativos como devem ser, mas cientes da natureza do nosso ofício). Nada como o tempo e um pouco de leitura adequada.

Natural de Eifurt, cidadela da ascente Alemanha do pré-guerra, Karl Emil Maximiliam Weber (1864-1920) era antes de tudo um sujeito talhado. Filho de um cacique do Partido Liberal germânico, habituou-se desde meninote ao convívio híbrido de filósofos e burocratas, diplomando-se em Direito, História e Economia. Dedicou a vida ao ensino acadêmico e a uma privilegiada produção intelectual, que inclui aquele que é considerado (com acerto) o mais importante livro não ficcional do século XX, A Ética Protestante e o espírito do capitalismo (1904). É impossível resistir a analogia com outro filho de político ilustre, o nosso Joaquim Nabuco - esse último o autor do monumental ensaio-manifesto O Abolicionismo (1883).

Uma mente distraída que tope com o título maior da sociologia weberiana logo pensa tratar-se de um livro teológico. Sinal invertido, sinal invertido. Weber versa sobre a transmutação do sentido da religiosidade, aquele sentimento antes servil à arte e ao desapego - tão caros ao papado e a sociedade de corte - e que passava a despejar sua fé & suor em linhas de produção. Em nome de Deus (chame-o de Consumismo se preferir) fomos trabalhar até o limite de nossas forças.

Max Weber cunhou algumas expressões famosas, todavia nenhuma equivaleu ao seu Entzauberung der Welt, ou Desencantamento do Mundo, termo que virou até chavão de cidadão acabrunhado, tristonho da vida. As aberrantes disparidades na análise dessa verdadeira pedra angular do pensamento de Weber, se por um lado mostram o seu poder de alcance, igualmente contribuem para a difusão de um mau conhecimento. E é Antonio Flávio Pierucci, professor da USP e ativo colaborador do caderno "Mais" da Folha de São Paulo, quem se propôs a colocar ordem no caos, com aquela segurança e deboche de quem é resoluto e seguro do que escreve. E publica agora, pela Editora 34, o resultado desse esforço, batizado O Desencantamento do Mundo.

Chega a ser sacanagem desnudar cada ponto alto da obra; é preciso saboreá-lo a cada página (lembre-se que este prato é para ser sorvido apenas por iniciados). Não é qualquer um que, partindo de falhas de tradução e discussões até então soberanas, reconstrói todo o movimento de uma escola teórica. Sua apresentação é de uma humildade e desprendimento poéticos. Mal dá para saber que, dali a alguns parágrafos, estaremos diante de uma grande obra. O capítulo introdutório, por sua sorte, é uma aula de como se deve fazer ciência: Pierucci lapida lentamente a expressão, corrige olhares precipitados e com isso vai de encontro a síntese lógica de Weber. A humanidade "perde o encanto", a magia, encontra a racionalidade, ilumina-se, cai na burocracia e na individualização até perder-se em outros erros. O mercado é dos especialistas. E os especialistas querem o mundo (mas se contentam com o carro do ano, dentre outras regalias).

Um detalhe no livro, mais do que qualquer outro, salta à vista: o método de Pierucci acaba sobrepondo-se ao próprio objeto estudado. É um estímulo para nós graduandos. O livro arma-se dos valores que deveriam compor qualquer compêndio do gênero: consistência e clareza. A propósito, serve também como uma lição aos fascistazinhos travestidos de revolucionários: sob pena de repousarem no ridículo, que nunca mais confundam sociologia com socialismo.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 2/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio de Ricardo de Mattos
02. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
03. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1) de Diogo Salles
04. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone de Marcelo Spalding
05. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2004
14h54min
A "professorinha Helena" e a "polemista" Rudi adoraram saber por onde você anda destilando seus conhecimentos, parabéns.
[Leia outros Comentários de Luciana e Scheilla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esaú e Jacó - Biblia Sonora 9
Poliana R. Ramos
Casa Publicadora Brasileira
(1979)



Os Dgeofs, Parte I: de Onde Viemos ?
Wtadystaw Sielawa
Jac
(1999)



Tóxicos
João Vieira
Forense
(1988)



Desenvolvendo Aplicacoes Palm Com Ns Basic
Wallace Pinto de Oliveira
Ciencia Moderna
(2005)



Choveu Rosa na Favela
Hermes Santos (dedicatória)
Tela
(1985)



A Ilustre Casa de Ramires: Eça de Queirós - Roteiro de Leitura
Jose de Paula Ramos Jr
Ática (sp)



Productions écrites
Paola Bertocchini Edvige Costanzo
Hachette
(1987)



Cem Homens Em um Ano. as Aventuras Sexuais de uma Mulher Bem Resolvida
Nádia Lapa
Matrix
(2012)



Ler Piaget
Remy Droz e M. Rahmy
Socicultur (lisboa)
(1977)



All About the Boston Harbor Islands
Emily and David Kales
Hewitts Cove Pub Co
(1993)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês