Max Weber desencantado | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
>>> O gênesis na argila
>>> Desejo de Status
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Mais Recentes
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ramsés Sob a Acácia do Ocidente de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Ventre da Baleia de Esdras do Nascimento pela Nórdica (1980)
>>> A Turma da Rua Quinze de Marçal Aquino pela Ática (2015)
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/4/2004
Max Weber desencantado
Daniel Aurelio

+ de 7700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Fevereiro de 2002. Nada de carnaval: era, pois, meu primeiro dia de aula na faculdade. Como esquecer? Sensações que variavam da mais cândida euforia militante àquela agitada timidez. Um generalizado estado de desconforto. Nas apresentações, todos manifestam entusiasticamente suas biografias, expectativas e apaixonadas odes à "grande utopia" (é sério: eles queriam mudar o mundo). A maioria alinhava-se num pelotão de cabos eleitorais atrás de qualquer cargo-farelo em subprefeitura (como se isso não fosse dedutível pelas suas estampas de Che Guevara e Bob Marley). O resto caíra de pára-quedas.

Então, chega a vez de um rapaz magro, enfiado em um terno para lá de bem cortado. A professora interpela-o, entediada: o que te levaste à sociologia, meu filho? Sua resposta foi uma rajada: "Conhecer mais Max Weber". Naquela sala viciada pela clássica literatura de esquerda, espanto e alguns risos. "Aquele liberal", alguém fustigou, do fundo de seu coraçãozinho vermelho. Ele queria mudar o mundo, coitado. O rapaz do terno bonito recebeu seu carimbo de "neoliberal" e era desdenhado a cada intervenção que insinuava. Não resistiu ao primeiro ano.

Março de 2003. Transcorridos dois anos do episódio, aqui estamos no terceiro ano. Quase formados, portanto. E Weber é aclamado como o mais amplo, dinâmico e ambivalente cientista social de todos os tempos. As razões são muitas. Weber, por exemplo, não era um especialista em encíclicas, mas ninguém estudou a religião como ele; explicou ainda com primor as motivações do indivíduo na modernidade, embora não se metesse ao divã, somente depois consagrado por Freud; sem jamais ter sido um típico politólogo, foi Weber pilar teórico da democracia representativa.

A dislexia moral é um mal que poda o leitor. A indústria editorial fatura milhões com tal teimosia. Como ousar debater os males e virtudes do mundo moderno sem conhecer o autor de Economia e Sociedade e tantos outros ensaios vanguardistas? Os apanágios e vacas-de-presépio partidários deram no pé. Os que ficaram finalmente puderam racionalizar a sua indignação (continuam combativos como devem ser, mas cientes da natureza do nosso ofício). Nada como o tempo e um pouco de leitura adequada.

Natural de Eifurt, cidadela da ascente Alemanha do pré-guerra, Karl Emil Maximiliam Weber (1864-1920) era antes de tudo um sujeito talhado. Filho de um cacique do Partido Liberal germânico, habituou-se desde meninote ao convívio híbrido de filósofos e burocratas, diplomando-se em Direito, História e Economia. Dedicou a vida ao ensino acadêmico e a uma privilegiada produção intelectual, que inclui aquele que é considerado (com acerto) o mais importante livro não ficcional do século XX, A Ética Protestante e o espírito do capitalismo (1904). É impossível resistir a analogia com outro filho de político ilustre, o nosso Joaquim Nabuco - esse último o autor do monumental ensaio-manifesto O Abolicionismo (1883).

Uma mente distraída que tope com o título maior da sociologia weberiana logo pensa tratar-se de um livro teológico. Sinal invertido, sinal invertido. Weber versa sobre a transmutação do sentido da religiosidade, aquele sentimento antes servil à arte e ao desapego - tão caros ao papado e a sociedade de corte - e que passava a despejar sua fé & suor em linhas de produção. Em nome de Deus (chame-o de Consumismo se preferir) fomos trabalhar até o limite de nossas forças.

Max Weber cunhou algumas expressões famosas, todavia nenhuma equivaleu ao seu Entzauberung der Welt, ou Desencantamento do Mundo, termo que virou até chavão de cidadão acabrunhado, tristonho da vida. As aberrantes disparidades na análise dessa verdadeira pedra angular do pensamento de Weber, se por um lado mostram o seu poder de alcance, igualmente contribuem para a difusão de um mau conhecimento. E é Antonio Flávio Pierucci, professor da USP e ativo colaborador do caderno "Mais" da Folha de São Paulo, quem se propôs a colocar ordem no caos, com aquela segurança e deboche de quem é resoluto e seguro do que escreve. E publica agora, pela Editora 34, o resultado desse esforço, batizado O Desencantamento do Mundo.

Chega a ser sacanagem desnudar cada ponto alto da obra; é preciso saboreá-lo a cada página (lembre-se que este prato é para ser sorvido apenas por iniciados). Não é qualquer um que, partindo de falhas de tradução e discussões até então soberanas, reconstrói todo o movimento de uma escola teórica. Sua apresentação é de uma humildade e desprendimento poéticos. Mal dá para saber que, dali a alguns parágrafos, estaremos diante de uma grande obra. O capítulo introdutório, por sua sorte, é uma aula de como se deve fazer ciência: Pierucci lapida lentamente a expressão, corrige olhares precipitados e com isso vai de encontro a síntese lógica de Weber. A humanidade "perde o encanto", a magia, encontra a racionalidade, ilumina-se, cai na burocracia e na individualização até perder-se em outros erros. O mercado é dos especialistas. E os especialistas querem o mundo (mas se contentam com o carro do ano, dentre outras regalias).

Um detalhe no livro, mais do que qualquer outro, salta à vista: o método de Pierucci acaba sobrepondo-se ao próprio objeto estudado. É um estímulo para nós graduandos. O livro arma-se dos valores que deveriam compor qualquer compêndio do gênero: consistência e clareza. A propósito, serve também como uma lição aos fascistazinhos travestidos de revolucionários: sob pena de repousarem no ridículo, que nunca mais confundam sociologia com socialismo.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 2/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares de Carina Destempero
04. Um livro para Fernando Morais de Guilherme Pontes Coelho
05. Boas interfaces. Bons leitores? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2004
14h54min
A "professorinha Helena" e a "polemista" Rudi adoraram saber por onde você anda destilando seus conhecimentos, parabéns.
[Leia outros Comentários de Luciana e Scheilla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LIVRO DO AMOR DE CABECEIRA 3 VOLUMES
JOSE BATISTA
REPLICAÇÃO
(2000)
R$ 37,70



CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO DOURADO
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
(1955)
R$ 90,00



TERÇO DA LIBERTAÇÃO
REGIS CASTRO/MAISA CASTRO
RABONI
R$ 6,00



ÁLCOOL O TÓXICO LIVRE
DR. CID PARONI FILHO
PETIT
(1990)
R$ 4,44



TERAPIA
DAVID LODGE
GRADIVA
(1995)
R$ 16,50



MUTAÇÕES A CONDIÇÃO HUMANA
MINISTÉRIO DA CULTURA
MINISTÉRIO DA CULTURA
(2008)
R$ 26,28



DOIDÃO
JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS
MELHORAMENTOS
(2019)
R$ 41,50



A TELEMÁTICA O QUE É ? AS REDES TELEMÁTICAS - ARQUITECTURA E A ADMI...
PIERRE MATHELOT
EDIÇÕES 70
(1985)
R$ 13,60



O SONHO E A TÉCNICA A ARQUITETURA DE FERRO NO BRASIL
CACILDA TEIXEIRA DA COSTA
EDUSP
(1994)
R$ 14,00



CONCURSO PÚBLICO : DA DECISÃO À APROVAÇÃO
FRANCISCO VELTER - LUIZ ROBERTO MISSAGIA
CAMPUS
(2012)
R$ 29,90





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês