A Mulher Invisível ou a literatura como salvação | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/8/2009
A Mulher Invisível ou a literatura como salvação
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4600 Acessos

De que maneira um filme que parece não ter nada a ver com literatura alude ao ato de escrever? E mais, insere a escrita como uma espécie de salvação, redenção das desilusões e entendimento de si mesmo no turbilhão da vida. Nada disso foi deliberadamente explorado, nem foi motivo da bilheteria razoável, já que o filme foi o mais visto no Brasil por algumas semanas em junho (é desleal competir com Harry Potter 6 e A Era do Gelo 3). Antes, o longa segue de certo modo a linha da comédia rápida, estilo telenovela de Se eu fosse você (2006) e Se eu fosse você 2 (2009), embora haja um duplo apelo, corporal e filosófico ― simbolizado pela mulher invisível, Amanda (Luana Piovani) ― e o enredo seja mais tortuoso do que suportariam centenas de capítulos.

Fui assistir A Mulher Invisível (2009), dirigido por Cláudio Torres, sem grandes expectativas, aguardando nada muito além do que um filme engraçado e com uma boa atuação do Selton Mello. Acabei me deparando com uma história de escrita/imaginação que foi aparecendo aos poucos, atravancada com uma personagem aparentemente secundária, Vitória (Maria Manoella), vizinha que é apaixonada por Pedro (Selton Mello), um controlador de tráfego com ilusões românticas, que sonha em ter filhos e uma vida comum e tranquila ao lado da esposa (Maria Luiza Mendonça). Esta é tão insignificante que, ao que me lembre, nem nome tem e só aparece no início do longa-metragem, momento em que abandona o marido de repente, avisando-o de que está grávida e o pai, naturalmente, não é ele.

Não é à toa que Pedro cai numa depressão profunda e o melhor amigo Carlos (Vladimir Brichta) ― inicialmente fazendo papel de garanhão ― insiste em reanimá-lo com festas e boates. Até que, quando chega ao fundo do poço, Pedro atende a campainha de seu apartamento: não, ainda não é Vitória, é Amanda, uma outra vizinha que lhe pede uma xícara de açúcar, e a partir daí toma conta de sua vida. Amanda é tão "perfeita" quanto a imaginação de um homem comum criaria uma mulher: sensual, gosta de futebol, cozinha e não encana com suas escapadelas. Invisível, ela é a concretização da mulher ideal. Apenas Pedro não se dá conta de que ela não existe materialmente, o que vai gerar diversas situações cômicas.

Os sentimentos de Vitória, do outro lado da parede, são semelhantes aos de Pedro. Casada com um policial troglodita, ela também é sensível, tímida. No entanto, Pedro sequer repara em sua existência, bem nela que é material. Vemos a personagem, pálida, cabelos negros escorridos ao meio, sentada melancolicamente na mesa da cozinha. Enquanto aguarda o marido, faz anotações (ou escreve poemas?) e lê um livro. Um close: Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade. É a primeira menção "literária" nesta história de amor aparentemente, e decerto, banal (lembrando, ainda que nem tanto metalinguística, a história de Como fazer um filme de amor (2004), de José Roberto Torero), mas com reviravoltas originais. O livro de poemas é a chave que abre este início, mas também antevê o conto que Pedro produzirá, chamado "A mulher invisível" ― nos fazendo crer que escreveu o que vimos até agora acontecer na tela ―, primeiro em cenário de luz de velas, à mão, num jorro furioso seguido de uma orgulhosa e aliviada impressão do texto digitado. Não deixa de ser uma visão "romantizada" do fazer literário. A presença da imaginada Amanda chega a ser de tal forma insuportável, que a única forma que encontra de desfazer-se dela é escrevendo sua história.

Enquanto isso, Vitória segue tentando conquistar Pedro e, ao ler o conto, desfere: "você transformou sua dor em poesia, isso é literatura." Um segundo clique quando ouço essa frase (o primeiro foi ao ver a antologia de Drummond). Afinal, aí está a epifania, a percepção das coisas num estalo. E aí a escritura tem um papel definido, apesar de diluído. O filme segue em leves ondulações pelo caminho da comédia romântica, o que não impede que cada personagem passe por um processo de transformação. Este muitas vezes é desencadeado pela escrita (ou pela leitura). Não será apenas um conto, mas um livro que Pedro escreverá nesta tentativa de amor e descobertas no decorrer da trama.

Resta falar das atuações. Selton Mello parece fazer o personagem de sempre ― ele mesmo (e não é que ele admite seus cacoetes de interpretação em entrevista à revista Bravo!?) ―, um tanto teso, forçando-se para o fazer rir e distante da imagem de bom moço que deveria passar. É impossível não lembrar de sua dupla presença atualmente nos cinemas, em filmes e personagens deveras distintos. Selton é Jean Charles (2009) numa interpretação tão realista, a câmera passeando descompromissada, que parece que se trata de um filme documental, que estamos seguindo os passos do brasileiro barbaramente assassinado pela polícia inglesa (mesmo porque a São Paulo excessivamente nublada das últimas semanas lembra a Londres melancólica). Aí, sim, está o grande ator numa dramática história real, pois todos nós sabemos o fim antes mesmo de os letreiros subirem.

Já a fatal Amanda, encarnada sem modéstia por Luana Piovani, se comporta roboticamente, tal como poderia ser e se comportar uma mulher que simplesmente não existe. Fernanda Torres e Vladimir Brichta cumprem bem o papel de núcleo cômico. Simbolicamente, ainda, está Vitória (Maria Manoella), que aparece no início do longa timidamente, quase se confundindo como uma figurante, mas assumindo depois as rédeas da história. Dizem tudo as palavras.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 20/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
02. O comerciante abissínio II de Guilherme Pontes Coelho
03. Oficina literária com Michel Laub de Débora Costa e Silva
04. Detefon, almofada e trato de Adriana Baggio
05. A normalidade sedutora d'Os Normais de Lucas Rodrigues Pires


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM JARDIM PARA TERESA
ROBERTO ARAUJO
EUROPA
(2015)
R$ 26,00



OCTAVIO PAZ - E O TEMPO DA REFLEXÃO
MARIA IVONETE SANTOS SILVA
SCORTECCI
(2006)
R$ 40,00



LES VINGT ANS DU JEUNE HOMME VERT
MICHEL DÉON (COM SOBRECAPA)
GALLIMARD (PARIS)
(1977)
R$ 14,28



FEDRO (OU DO BELO) - TEXTO INTEGRAL
PLATÃO
EDIPRO
(2017)
R$ 16,90



O TESTE GESTÁLTICO BENDER PARA CRIANÇAS
ELIZABETH KOPPITZ
ARTES MEDICAS
(1987)
R$ 14,90



LE FRANCISCAIN DE BOURGES
MARC TOLEDANO
ARGUS; FLAMMARION
(1967)
R$ 19,82



100 ANOS DO CONTESTADO: MASSACRE E PROGRESSO
REVISTA HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL, 85
SABIN; FBN
(2012)
R$ 19,82



A BICICLETA AZUL
RÉGINE DEFORGES
BEST SELLER
(1985)
R$ 20,00



ATITUDES INTELIGENTES
SAM DEEP, LYLE SUSSMAN
NOBEL
(1996)
R$ 39,00



A HISTORY OF ROYAL DUTCH SHELL - 4 VOLUMES
STEPHEN HOWARTH E OUTRO
OUP OXFORD
(2007)
R$ 400,00





busca | avançada
51198 visitas/dia
1,4 milhão/mês