Inútil, o filme e a moda que ninguém vê | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/1/2009
Inútil, o filme e a moda que ninguém vê
Elisa Andrade Buzzo

+ de 6400 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Foto: Magaly Bátory

Comprei duas roupas (pelo correio, olha que facilidade) com design e acabamento brasileiros. Vejam só, elas não foram fabricadas na China, como tantas peças que encontramos por aí, geralmente as mais baratas. Também já comprei outras, chinesas, sim, mas também indianas, paquistanesas, romenas, búlgaras. Sabe-se lá onde o tecido foi produzido, provavelmente, China. Reparei outro dia que na etiqueta escondida dentro da carteira estilosa da Imaginarium está escrito: "Made in RPC". Ninguém se engana que se trata da República Popular da China. Mas para quê camuflar a origem de um produto têxtil?

As relações da indústria da moda que fazem da China um pólo replicador e sem muitos estilistas reconhecidos internacionalmente, assunto árido, são exploradas num viés crítico e poético por Jia Zhangke no documentário Inútil (2007). Vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza, ele havia estreado no Brasil na 31ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Finalmente o documentário entrou em cartaz nos cinemas daqui.

Nascido em 1970, Jia Zhangke é um dos cineastas chineses mais ativos de sua geração. Seu estilo realista e minimalista procura retratar, diz a crítica, a China atual sem idealizar sua sociedade. Caso de Inútil, que nos imerge num ambiente cravejado pelo ruído de máquinas de costura, ventiladores e vapores de ferros. A câmera não é óbvia, antes passeia na bela sequência de abertura revelando, às escondidas, o trabalho dos costureiros. Roupas são produzidas em série numa fábrica no Cantão, aquelas mesmas que podemos encontrar nas araras de muitas lojas e mesmo em nosso armário.

Inútil é um documentário feito de ausências e existências, de closes e planos originalíssimos. O diretor mostra o refeitório da fábrica vazio; depois, cheio, cada operário com sua marmita nas mãos. Mesmo quando o foco está em algum entrevistado, logo a câmera se distancia, em silêncio, para algum detalhe ― seja uma lâmpada, um ventilador, cabides, ou a geometria dos locais retratados.

Não é uma câmara vigorosa, mas de uma precisão e simplicidade de foto. Não é à toa que o mesmo diretor também é responsável, com Nelson Yu Lik-wai, pela fotografia. São muitos minutos, desde o início, em que não há falas, o tema moda não é explicitado com um discurso óbvio, os planos são relativamente demorados. É o que algumas pessoas acham quando acaba a sessão. No entanto, o ritmo não é tão lento assim, o que se percebe neste documentário é a sutileza com que o diretor encaminha o assunto.

Desta maneira, desde os objetos, até os costureiros de uma pequena cidade cuja economia gira em torno de uma mina de carvão, são todos protagonistas desta história real. Assim como a estilista chinesa Ma Ke. Ela é responsável pela famosa Exceptional e também pela marca Wu Yong ("Inútil"). As roupas desta última, que aparecem numa espécie de instalação na Semana de Moda de Paris de 2007, são mostradas no documentário. Ma Ke expõe sua filosofia às avessas, já que é o público que se movimenta para apreciar a coleção; cada modelo está numa pose estática em cima de cubos iluminados. As peças foram previamente enterradas, assim, a natureza deu seu toque final às vestimentas.

Como vestir algo que não sabe quem costurou? As roupas rústicas de sua grife experimental são, desde o tecido, fabricadas artesanalmente. Ma Ke, estilista com uma atitude reflexiva diante da indústria da moda, diz que os objetos manufaturados, diferentemente dos industrializados, em série, têm uma história afetiva. Ainda segundo ela, objetos que passam de geração em geração nas famílias têm uma história, uma memória, e por isso não são descartáveis. Mesmo que estejam "quebrados", você não os jogará fora. Aquilo que pode ser inútil hoje, como as roupas repletas de terra, pode reencontrar uma utilidade.

Se as situações mudam com o passar do tempo, da mesma forma se passa com o potencial de uso em cada objeto. Lembrei que era exatamente o caso de uma nova escrivaninha que precisava. Para que comprar uma nova se havia uma outra, do meu pai, que ninguém mais usava, nem mesmo ele, e que parecia inútil...? De madeira escura, quase negra, pernas e gavetas ornamentadas, pequenos pilares nas bordas, como ameias protegendo um forte esquecido, no qual a batalha dos anos e dos fatos já se consumiram.

Os móveis antigos também ressurgem, como parentes ressuscitados ou roupas desenterradas e parecem, talvez não necessariamente melhores, mas diferentes das coisas novas, estas geralmente em série, compensadas. Ou caríssimas, de grife. Evito fazer perguntas a respeito da procedência do móvel, pois as respostas parecem vagas demais, imprecisas. Ninguém mais sabia ao certo quando ele havia sido comprado, nem onde. Só uma pista carcomida no fundo do tampo, um adesivo "cx. post".

Histórias se entrelaçam neste mundo desorientado e globalizado que o cineasta Jia Zhangke documenta e que a estilista Ma Ke confronta. Confiro as costuras das minhas roupas novas, sempre é bom ter certeza de que não há um defeito de fábrica... e nunca me esquecer de, além de examiná-las, lá imaginar uma mão em movimento, empunhando uma agulha, domando ou girando a máquina com os pés.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 22/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jogando com Cortázar de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
03. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/2/2009
12h13min
O bom hoje é que quem faz a moda é quem usa. Os estilistas têm estilo próprio para a indústria, por outro lado, ninguém segue o processo indusatrial, há quem copie, a liberdade é total. Mas os desfiles ocorrem é para isso. Há estilistas observando e estudando as ruas para suas criações.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês