Os bigodes do senhor autor | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 24/3/2020
Os bigodes do senhor autor
Renato Alessandro dos Santos
+ de 1700 Acessos

Manuel Antônio de Almeida escreveu um único romance em seus curtos 30 anos de vida, e Memórias de um sargento de milícias é um livro ímpar do romantismo brasileiro: é tão diferente dos outros romances do período que poderia ser aquela solitária estrela que, na bandeira nacional, fica isolada de todas as outras.

Enquanto no país sopravam os ventos ultrarromânticos, o livro, escrito por “um brasileiro” no formato dinâmico do folhetim, não recebeu do público o reconhecimento esperado, e imagino que o autor ― da mesma forma que uma novela da Globo sofra da influência do Ibope e dos comentários que vêm das ruas ― tenha aqui e ali padecido do mesmo mal. Certo é que ambos necessitam do público, e Manuel fez um romance divertido, cujo tom de comédia transparece por todo ele ― à exceção da última linha, repleta de melancolia e de tristeza, o que dá no mesmo. Voltaremos a ela.


É que a vida do brasileiro sempre foi dura, e, elásticos, acabamos por encontrar no riso uma maneira de animar o estômago; é o que faz o narrador ao pintar em tom de comédia os costumes na corte ― pinceladas que retratam as camadas menos favorecidas daquele período inédito da história do país: abertura dos portos, beija-mão da família real, Banco do Brasil. Vem então uma galeria de tipos e caricaturas: meirinho (funcionário da justiça), barbeiro, dona de casa, soldado, padre Don Juan, cigana e, em meio a eles, um ou outro personagem endinheirado, como D. Maria e um militar de alta patente que salva Leonardo Pataca. Faltaram os negros, preteridos pelo autor.

É o “tempo do rei” no romance, período que se estendeu de 1808 ― mesmo ano em que a Nona sinfonia estreou na Europa ― até a independência. O que queria Manuel ao situar o correr da ação exatamente nesse tempo, quando colocou Memórias de um sargento de milícias em circulação no início dos anos 1850? Mamede Mustafa Jarouche oferece uma possibilidade: embora o romance tenha sido publicado no período nacional de nossa literatura, a história, que se passa nos momentos derradeiros de quando ainda éramos colônia de Portugal, pode refletir a inércia que veio em seguida, naquele pós-independência que resultou no mesmo arroz e feijão no prato do brasileiro; ou seja, para os desvalidos, praticamente, nada mudou com a chegada do rei.

"O que o autor pretendeu dizer? Talvez, de forma irônica, ele estivesse insinuando que o Brasil de seu tempo (1852-1853) não seria lá muito diferente do Brasil no tempo de Dom João VI. Nesse sentido, as Memórias poderiam constituir uma espécie de sátira social, texto por meio do qual se condena a sociedade contemporânea. O governo vivia alardeando que o Brasil progredia a olhos vistos e que a situação colo-nial era um passado distante; já as Memórias de um sargento do milícias talvez estivessem dizendo o contrário: nossa situação está e esteve muito mal..."

O enredo de Memórias de um sargento de milícias é cheio de peripécias, recurso muito utilizado pelos folhetins, primeira encadernação do livro, como mencionado, quando saiu em A pacotilha, entre 27 de junho de 1852 e 31 de julho de 1853, ano eleitoral em que dois partidos se comiam em busca daquelas empadinhas à que os eleitos têm direito. Desde a pisadela e o beliscão, passando pelo chute que Leonardo Pataca dá no filho — que o faz voar impossíveis oito metros —, e pelas diabruras da infância e da adolescência (coroinha, agregado à família de Vidinha, afrontas ao major Vidigal etc.) até chegar à “maturidade”, quando, premiado tanto com uma patente militar (sargento de milícias) como com o resgate do primeiro amor, o que o leitor encontra é, como Antonio Candido ensinou , um malandro, ou um pícaro, fôssemos galegos. Pícaro? O pícaro é o malandro, e no romance o malandro é Leonardo, ou, aos de casa, Leornardinho. Vê bem: um malandro de bom coração, alterando a rota do romance a toda hora, mas não com aquele tanto de peripécias como em Macunaíma. Ai... Que preguiça...

Porém, mais do que a malandragem, é o registro de um tempo importante que está nas Memórias de um sargento de milícias, algo capaz de oferecer ao moderno leitor um pouco do que era a cidade do Rio de Janeiro nas duas primeiras décadas do século 19, em um momento importante, isto é, quando o Brasil colônia passou a viver como metrópole, mas com o rei na barriga. E, finalmente, aquela última linha do romance, que é? Brasileiro bom que era, Manuel sabia a maldade, o sorriso, a falsidade e a melancolia que iam na vida distraída cá embaixo, embaixo do Cruzeiro do sul, onde de uma alvorada a outra, reina esse surto de alegria que, em meio à queda para a tristeza, faz a gente acreditar que no fim tudo haverá de dar certo nesse nosso Brasil brasileiro, terra de nosso senhor, onde canta triste o triste sabiá.



Renato Alessandro dos Santos, 47, publica este mês mais dois livros: o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - de onde esse texto sobre Memórias de um sargento de milícias foi retirado - e Lado B: música, literatura e discos de vinil, ambos publicados pela Engenho e arte. A ilustração é de Stênio Santos e foi criada especialmente para Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - volume 2


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 24/3/2020

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
03. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
04. Os defeitos meus - 15/12/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Minas
Carlos de Laet
Globo
(1993)



Povos do Passado - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Poderosa - Volume 2
Sergio Klein
Fundamento
(2006)



Tomie: Cerejeiras na Noite
Ana Miranda
Companhia das Letrinhas
(2011)



A última Musica
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Glossolalia - Voz e Poesia
Vários Autores
Vide)
(1993)



Anais do I Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos Volume Iii
Associação Brasileira de Mecânica dos Solos
Associação Brasileira de Mecân
(1954)



O Voo da Gaivota
Vera Lucia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1996)



Give Me Five! 2: Activaty Book
Joanne Ramsden e Donna Sha
Macmillan Education
(2018)



Crianças Índigo: uma Geração de Ponte Com Outras Dimensões... No
Tereza Guerra
Madras
(2007)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês