Os bigodes do senhor autor | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
>>> TechCrunch Disrupt
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
Mais Recentes
>>> Madame Bovary - Coleção Universidade de Gustave Flaubert pela Ediouro
>>> Um Coração Singelo de Gustave Flaubert pela Rocco (2012)
>>> Coração sem Endereço de Leni Akcelrud pela Amarilys (2017)
>>> Mário, Que Mário? de Nelito Fernandes pela Record (2006)
>>> Livro - Fremosos Cantares - Antologia da Lírica Medieval Galego-portuguesa de Lênia Márcia Mongelli pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Livro - O Lado Bom da Vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2012)
>>> Eu Me Chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrinseca (2013)
>>> Oradour-sur-glane: vision d'epouvante de Guy Pauchou Dr. Pierre Masfrand pela Association Nationale des Familles (2003)
>>> Aquele Estranho Dia Que Nunca Chega de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva
>>> Livro - No Meu Peito Não Cabem Pássaros: Coleção Novíssimos de Nuno Camarneiro pela Leya (2012)
>>> Livro - O Uruguai de Basílio da Gama pela L&pm Pocket (2019)
>>> Procura-se um Namorado Ultima Chamado de Melissa Senate pela Harlequin Books
>>> Ranma 1/2 Nº 17 de Rumiko Takahashi pela Animanga (1994)
>>> Pais Brilhantes, Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante
>>> Livro - História Econômica do Brasil de Caio Prado Júnior pela Brasiliense (2012)
>>> Livro - Discurso de Metafísica - Coleção a Obra Prima de Cada Autor - Bolso de G.W. Leibniz pela Martin Claret (2009)
>>> Crianças índigo de Lee Carroll; Jan Tober pela Butterfly (2005)
>>> O Ogre e o Passarinho de Fausto Wolff pela Atica (2002)
>>> Livro - O Bebê Prematuro: Atenção e Cuidados de Ana Paula Magosso Cavaggioni pela Writers (2016)
>>> Livro - O Pequeno Zacarias Chamado Cinábrio - Bolso de E. T. A. Hoffmann pela Hedra (2009)
>>> O Livro dos Jovens de Masaharu Taniguchi pela Seicho no Ie (2009)
>>> Livro - As Crônicas de Nárnia: Volume Único de C. S. Lewis pela Martins Fontes (2005)
>>> Retalhos de Ennio Signore Tedesco pela Alternativa (2007)
>>> Livro - O Que Aprendi Com Bruna Surfistinha - Autografado de Raquel Paheco pela Panda Books (2006)
>>> Sushi de Suzanne Visser pela Ediciones B (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 24/3/2020
Os bigodes do senhor autor
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1500 Acessos

Manuel Antônio de Almeida escreveu um único romance em seus curtos 30 anos de vida, e Memórias de um sargento de milícias é um livro ímpar do romantismo brasileiro: é tão diferente dos outros romances do período que poderia ser aquela solitária estrela que, na bandeira nacional, fica isolada de todas as outras.

Enquanto no país sopravam os ventos ultrarromânticos, o livro, escrito por “um brasileiro” no formato dinâmico do folhetim, não recebeu do público o reconhecimento esperado, e imagino que o autor ― da mesma forma que uma novela da Globo sofra da influência do Ibope e dos comentários que vêm das ruas ― tenha aqui e ali padecido do mesmo mal. Certo é que ambos necessitam do público, e Manuel fez um romance divertido, cujo tom de comédia transparece por todo ele ― à exceção da última linha, repleta de melancolia e de tristeza, o que dá no mesmo. Voltaremos a ela.


É que a vida do brasileiro sempre foi dura, e, elásticos, acabamos por encontrar no riso uma maneira de animar o estômago; é o que faz o narrador ao pintar em tom de comédia os costumes na corte ― pinceladas que retratam as camadas menos favorecidas daquele período inédito da história do país: abertura dos portos, beija-mão da família real, Banco do Brasil. Vem então uma galeria de tipos e caricaturas: meirinho (funcionário da justiça), barbeiro, dona de casa, soldado, padre Don Juan, cigana e, em meio a eles, um ou outro personagem endinheirado, como D. Maria e um militar de alta patente que salva Leonardo Pataca. Faltaram os negros, preteridos pelo autor.

É o “tempo do rei” no romance, período que se estendeu de 1808 ― mesmo ano em que a Nona sinfonia estreou na Europa ― até a independência. O que queria Manuel ao situar o correr da ação exatamente nesse tempo, quando colocou Memórias de um sargento de milícias em circulação no início dos anos 1850? Mamede Mustafa Jarouche oferece uma possibilidade: embora o romance tenha sido publicado no período nacional de nossa literatura, a história, que se passa nos momentos derradeiros de quando ainda éramos colônia de Portugal, pode refletir a inércia que veio em seguida, naquele pós-independência que resultou no mesmo arroz e feijão no prato do brasileiro; ou seja, para os desvalidos, praticamente, nada mudou com a chegada do rei.

"O que o autor pretendeu dizer? Talvez, de forma irônica, ele estivesse insinuando que o Brasil de seu tempo (1852-1853) não seria lá muito diferente do Brasil no tempo de Dom João VI. Nesse sentido, as Memórias poderiam constituir uma espécie de sátira social, texto por meio do qual se condena a sociedade contemporânea. O governo vivia alardeando que o Brasil progredia a olhos vistos e que a situação colo-nial era um passado distante; já as Memórias de um sargento do milícias talvez estivessem dizendo o contrário: nossa situação está e esteve muito mal..."

O enredo de Memórias de um sargento de milícias é cheio de peripécias, recurso muito utilizado pelos folhetins, primeira encadernação do livro, como mencionado, quando saiu em A pacotilha, entre 27 de junho de 1852 e 31 de julho de 1853, ano eleitoral em que dois partidos se comiam em busca daquelas empadinhas à que os eleitos têm direito. Desde a pisadela e o beliscão, passando pelo chute que Leonardo Pataca dá no filho — que o faz voar impossíveis oito metros —, e pelas diabruras da infância e da adolescência (coroinha, agregado à família de Vidinha, afrontas ao major Vidigal etc.) até chegar à “maturidade”, quando, premiado tanto com uma patente militar (sargento de milícias) como com o resgate do primeiro amor, o que o leitor encontra é, como Antonio Candido ensinou , um malandro, ou um pícaro, fôssemos galegos. Pícaro? O pícaro é o malandro, e no romance o malandro é Leonardo, ou, aos de casa, Leornardinho. Vê bem: um malandro de bom coração, alterando a rota do romance a toda hora, mas não com aquele tanto de peripécias como em Macunaíma. Ai... Que preguiça...

Porém, mais do que a malandragem, é o registro de um tempo importante que está nas Memórias de um sargento de milícias, algo capaz de oferecer ao moderno leitor um pouco do que era a cidade do Rio de Janeiro nas duas primeiras décadas do século 19, em um momento importante, isto é, quando o Brasil colônia passou a viver como metrópole, mas com o rei na barriga. E, finalmente, aquela última linha do romance, que é? Brasileiro bom que era, Manuel sabia a maldade, o sorriso, a falsidade e a melancolia que iam na vida distraída cá embaixo, embaixo do Cruzeiro do sul, onde de uma alvorada a outra, reina esse surto de alegria que, em meio à queda para a tristeza, faz a gente acreditar que no fim tudo haverá de dar certo nesse nosso Brasil brasileiro, terra de nosso senhor, onde canta triste o triste sabiá.



Renato Alessandro dos Santos, 47, publica este mês mais dois livros: o volume 2 de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - de onde esse texto sobre Memórias de um sargento de milícias foi retirado - e Lado B: música, literatura e discos de vinil, ambos publicados pela Engenho e arte. A ilustração é de Stênio Santos e foi criada especialmente para Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia - volume 2


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 24/3/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. A Velhice de Marilia Mota Silva
03. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
04. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
05. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
03. Os defeitos meus - 15/12/2020
04. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Último Homem
Marco L Radice
Brasiliense
(1982)



Introdução à Filosofia da Educação
George F. Kneller
Zahar
(1964)



Imperial Woman
Pearl S. Buck
Methuen



Dicionário de Medicina Natural
Reader's Digest
Seleções Reader's Digest
(1997)



Sem olhos em Gaza
Aldous Huxley
Círculo do livro
+ frete grátis



A Recompensa dos Guerreiros
Fabio Rezende
Record
(2001)



Como Elaborar Referência Bibliográfica
André Figueiredo Rodrigues
Humanitas
(2007)



Hinos de Louvores e Suplicas a Deus - Vol 4
Congregação Cristã no Brasil
Congregação Cristã no Brasil
(1995)



Objetivo os Livros da Unicamp
Vários Autores
Objetivo



Juizado Especial Criminal, Caderno Jurídico
Diversos Autores
Esmp
(2002)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês