Cachorros e Lágrimas | André Simões | Digestivo Cultural

busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/7/2013
Cachorros e Lágrimas
André Simões

+ de 7800 Acessos

Ela me chamou de lado, durante a festa, perguntou se eu tinha um minuto, queria falar comigo, muito polida, quase cerimoniosa, aquilo não combinava com nossa intimidade, nem com o ambiente. Foi um jorro de lamentações sobre o namorado (ex-namorado, naquela altura), ao fim do qual não pôde conter as lágrimas.

Ficou muito muito envergonhada, deu para perceber. Não pelo fato de, neste ano do Senhor de 2013, sendo pessoa esclarecida, com graduação em filosofia, bradando suas tendências progressistas, ainda comportar-se como o arquétipo da mulher de malandro - isso seria justificável. Ela estava constrangida era por chorar na minha frente, pediu desculpas e tudo.

Ora, mas que coisa, não havia necessidade de perdoá-la e não era motivo de embaraço externar emoções na frente de um amigo. Agradeci pela confiança em mim depositada, e que ela soubesse sempre lhe daria atenção quando precisasse. Infelizmente, naquele caso específico, não havia como interferir, meu papel estava restrito ao de ouvido disponível para desabafo. Tivesse serenidade, não se maltratasse, claro que uma situação destas é sempre triste, mas as coisas se ajeitam. Não me ocorreu nada melhor do que murmurar a velha frase: "vai ficar tudo bem" .

***

Algumas semanas depois. Tudo bem. Madrugada bem madrugada, lanchonete. À minha frente um hambúrguer, à frente dela alguma coisa indefinível feita de soja, entre nós as gargalhadas e as divagações despropositadas que o horário e a situação impõem.

Ela era vegetariana fazia muitos anos, certo? Adorava os animaizinhos, mantinha grupos no facebook, denúncias de abusos e tal. Também tinha cachorros e gatos em casa. Até aqui tudo bem? Então, ela, filósofa, e bem informada sobre o assunto, que me ajudasse a encontrar uma falha no meu raciocínio, porque eu não estava conseguindo achar.

A maioria dos vegetarianos mantém, entre outros espécimes de nossa rica fauna, cachorros e gatos em casa. Não tenho dados sobre isso, mas acho que é uma observação segura, né? Vou assumir que esses lindos bichinhos não são deixados para buscar seu alimento junto à mãe natureza. Recebem, de seus donos, ração. A ração tem carne bovina. Tiramos daí que, consciente ou inconscientemente, para boa parte dos vegetarianos, o abate bovino para a alimentação de animais domésticos é justificável; para a alimentação de humanos, não. Logo, tem-se a criação de uma tabela valorativa, na qual cachorros e gatos valem mais do que bois; estes, por sua vez, são mais importantes do que os humanos.

Foi ficando vermelha ao longo do meu discurso, não liguei, mas numa pausa para tomar fôlego ela aproveitou a brecha e me dirigiu seu "cala a boca, vai", porque tudo o que ela não precisava naquela noite era ouvir piadas escrotas sobre vegetarianos vindas de quem vibra com bicho morto.

Eu deveria ter seguido o conselho e calado a boca, mas quis me defender da acusação. Uma falácia de raciocínio dizer que eu vibrava com bichos mortos: minha vibração era restrita ao SABOR de ALGUNS TIPOS de bichos mortos, apenas quando adequadamente preparados. Uma fração insignificante de espécies ante a variedade desse mundão. E em segundo lugar, não estava fazendo piada. Estava realmente pedindo ajuda a ela, filósofa, para encontrar alguma falácia no MEU raciocínio, porque a conclusão parecia de uma incoerência tão grande que não era verossímil assumir a desatenção de todos os vegetarianos do mundo a esse fato. Só poderia ser eu mesmo que estava deixando passar algum ponto vicioso, e a procurei como auxílio qualificado para a localização dessa falha.

Sorriso amargo, pezinho balançando, olhar 43 dando lugar ao 666. "Talvez cachorros, gatos, bois e ratos valham mesmo mais do que humanos, às vezes fica mais fácil notar."

Embora me preocupasse a fragilidade de sua autoestima, respeitava sua opinião, reservando-me o direito de discordar. Na minha tabela particular de valoração, embora haja casos desafiadores como Paulo Maluf, Hitler e o inventor do forno micro-ondas, a média ainda faz da espécie humana a mais louvável, com cachorros, bois e ratos sendo de igual categoria - apenas acontece de homens diferentes se afetuarem a animais diferentes, assim como há quem prefira Friends a Seinfeld, fazer o quê.

Nenhum pastor alemão, por mais alto que latisse, jamais chegou perto da força da 9ª Sinfonia, e nenhuma docilidade ovina é tão comovente quanto o Soneto de Fidelidade. Mesmo as delícias dos lençóis de seda e do bacon devem ser antes atribuídas ao homem, usando o mesmo tipo de convenção que nos leva a felicitar pelo gol o atacante, não o dono da fábrica que entregou as traves do estádio.

Acho que foi o salvo-conduto dado a ela naquele dia da festa. A moça começou a se esvair em lágrimas, ali, na frente dos clientes lotando o estabelecimento, um espetáculo. Misturou tudo em seu desabafo: estava chegando o dia dos namorados e ela havia perdido o seu, queria distrair-se com os amigos, mas justo quando estava conseguido se divertir era zoada por mim, até tu Brutus, e eu não respeitava a sensibilidade dela, a solidão, e o Totó (ou sei lá qual o nome do bicho) havia morrido há alguns meses (juro que não sabia), o emprego estava uma bosta etc. Eu estava com medo que EU fosse tomado como o namorado cruel ante aqueles ruídos, aquele rímel escorrendo, aquela caca de nariz. Uma vez vi um cara fortão interferir numa briga de casal num bar, "você está precisando de ajuda com o sujeitinho aí, querida?". Deus me livre.

Como proceder? Calma, eu só quis ser irreverente, não sabia que você estava assim tão sensível, desculpe se a ofendi. Mão no ombro. "Vai ficar tudo bem."

* * *

Filmes comoventes, palavras e gestos bonitos da namorada, morte de parentes, muito raramente isso me faz chorar. As lágrimas não me vêm por tristeza, melancolia, explosão de felicidade, enternecimento - isso seria salutar -, mas por desespero, de maneira bissexta, em torrentes, para expurgar algo há muito represado. Se fosse mais manteiga derretida, talvez conseguisse ser uma pessoa mais leve.

Posto esse elogio ao choro, devemos convir que há gente chorando demais por aí. Em público. E isso é meio irritante. Okay, muito irritante. Chorar é como assoar o nariz: não se deve ter vergonha da necessidade, mas é de bom tom não fazer exibicionismo disso.

As pessoas que reprimem o choro deveriam chorar mais, e quem chora pode continuar chorando - mas com a discrição que um ato íntimo demanda. Enrustir gases faz mal à saúde, traz problemas intestinais; segurar o choro também faz mal à saúde, traz problemas emocionais. Essa verdade, no entanto, não torna mais adequado soltar uma bufa no Fasano ou chorar durante todo o expediente, não produzindo nada e incomodando o trabalho alheio, porque ele não ligou no dia seguinte.

Quando o caso não é de repressão das lágrimas, mas de simples falta de propensão, o camarada não precisa sentir-se mal por isso. É só uma característica pessoal, sem relação com a sensibilidade ou a falta dela. Para continuar com as analogias flatulentas, há gentes que naturalmente externam menos gases, mas nem por isso não comportam um intestino em suas entranhas; do mesmo modo, há quem chore bem menos do que a média, sem por isso merecer o constrangimento de ter contestada sua capacidade de sentir emoções.

Dica de etiqueta: o segredo para se comportar bem, em relação ao choro, é entendê-lo como uma função fisiológica qualquer, como defecar, urinar, arrotar ou, para pegarmos mais leve na escatologia, bocejar, criar remela, suar, soluçar.

* * *

Descobri a falsa premissa de minha sequência de silogismos: a assunção de que todas as rações para cães e gatos contêm carne. Subestimei mesmo a criatividade e poder de inovação dos vegetarianos. Transformar bichinhos que Deus fez carnívoros, assim os mantendo por milhares de anos, em herbívoros, por que não?

As rações veganas para animais domésticos ainda permanecem bem restritas, no entanto, pelo que pesquisei. Incrível minha amiga filósofa não ter tomado conhecimento dessa maravilha tecnológica. Vou contar a ela, tomara chore - de alegria. Seus vira-latas é que terão outros motivos para lágrimas. Vai ficar tudo bem, talvez.


André Simões
São Paulo, 5/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
03. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
04. A maldade humana de Gian Danton
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais André Simões
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BLESSINGS: A NOVEL
BELVA PLAIN
DELL
(1990)
R$ 19,90



OS SABORES DA BORGONHA
EMMANUEL BASSLEIL
SENAC
(2007)
R$ 10,00



AS CILADAS DA CIDADE
EDUARDO KALINA / SANTIAGO KOVADLOFF
BRASILIENSE
(1978)
R$ 7,90



ESTUDO DE TEMPOS PARA SUPERVISORES
GIUSEPPE MICHELINO
PUBLICAÇÕES EDUCACIONAIS
(1964)
R$ 5,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 5,00



CONFISSÕES DE UMA IRMÃ DE CINDERELA
GREGORY MAGUIRE, ROBERTO MUGGIATI
JOSÉ OLYMPIO
(2006)
R$ 27,00



LITERATURA ESTRANGEIRA
CAFÉ CENTRAL
PUBLICAÇÕES DOM QUIXOTE
(1998)
R$ 14,98



O JOGADOR SECRETO
PANDA BOOKS
PANDA BOOKS
(2015)
R$ 30,00



THE DIARY OF A PICK UP ARTIST
ADAM LYANS
CREATESPACE INDEPENDENT PUBLIS
(2009)
R$ 11,90



HUMANS
PAT WELCH
SIMON & SCHUSTER
(1985)
R$ 7,00





busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês