11 de Setembro e a Era do Terror | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS >>> Especial 11/9: Dez Anos Depois

Terça-feira, 27/9/2011
11 de Setembro e a Era do Terror
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos

Ao contrário do que pregava o livro O fim da História, de Francis Fukuyama, teórico do neo-liberalismo da era Bush, a história não acabou. Fukuyama desenvolveu uma linha de abordagem da História, a fim de revigorar a teoria de que o capitalismo e a democracia burguesa constituem o coroamento da história da humanidade.

Na sua ótica, após a destruição do fascismo e do socialismo, a humanidade teria atingido o máximo de sua evolução com a vitória dos ideais e da prática da democracia liberal ocidental. Se contrapondo ao capitalismo liberal, pingam ainda resquícios de nacionalismos (sem possibilidade de significarem um projeto para a humanidade) e o fundamentalismo islâmico (restrito ao Oriente e a países periféricos). Mas nada grave. Sendo assim, Fukuyama deduz que diante do fracasso do projeto socialista a democracia liberal ocidental tornou-se a solução para o governo humano, significando, nesse sentido, o "fim da história" da humanidade.

O ataque terrorista aos EUA no dia 11 de setembro de 2001 mostrou que os ideais de democracia e liberalismo Ocidental não são práticas tão fáceis de digestão por toda a humanidade.

No dia 11 de setembro de 2001, acordei bem cedo, como sempre, para pegar o jornal Folha de São Paulo na minha porta. A notícia da capa era aterradora para mim: o assassinato do prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, na noite anterior. Corri imediatamente para o quarto e acordei minha mulher, que estava grávida, mostrando a notícia. Ela não acreditou, achou que devia ter sido outro pessoa assassinada e não o Toninho do PT. Vi lágrimas brotarem dos olhos da minha mulher, que chorou incontida. Toninho nos era uma pessoa cara, pela delicadeza e educação raras. Eu o conheci rapidamente na sua casa, onde cedia um espaço para os encontros da Associação dos Amigos da História da Arte, coordenada por Jorge Coli, professor de História da Arte da Unicamp.

Fui, em seguida, para a frente da TV em busca de notícias, enquanto minha mulher, totalmente abalada, se arrumava para ir para a escola dar suas aulas. Enquanto aguardava, vi o jornalista da Globo anunciar que um avião havia batido numa das torres do Word Trade Center. Imaginei que seria um acidente terrível, mas dentro de certa normalidade.

Fomos para o carro, para eu levá-la para o trabalho, e liguei o rádio ainda em busca de notícias sobre o assassinato do prefeito de Campinas. Fiquei sabendo que seu corpo estava sendo velado desde a noite anterior na Prefeitura. Estávamos em estado de choque com a notícia. Durante o percurso chega a notícia de que a segunda torre do Word Trade Center havia sido atingida por um outro avião. A notícia criava um descontentamento em mim, pois eu achava que ela iria abafar o noticiário sobre o assassinato de Toninho.

Não muito tempo depois, vem a notícia de que o Pentágono havia sido atacado. Pronto: enfiei na cabeça que algum país estava atacando os EUA. Imaginei imediatamente que se dava início à Terceira Guerra Mundial. Dentro de mim brigavam dois sentimentos em relação ao ataque: alegria, por colocar em xeque a arrogância militar do poder americano, com seus poderosos mísseis anti-aéreos; e outro sentimento, de que uma desgraça sem precedentes estava por vir, e justamente agora que eu estava colocando um filho no mundo. Ele nasceria numa época de transtornos...

Deixei minha mulher na escola e voltei correndo para poder acompanhar pela TV os fatos chocantes da manhã, tanto o assassinato do prefeito de Campinas como os ataques aos EUA. Duas tragédias despejadas sobre minha manhã, que eu pretendia calma, com a leitura do jornal e a redação da tese de doutorado ao longo do dia.

Com o ataque às Torres Gêmeas, a história se punha em movimento novamente, agora já com nova denominação: a era do terror. Descobertos os autores do atentado, passamos a conviver universalmente com a idéia do terrorismo. Não importa mais de onde você é, se simplesmente se predispor a entrar em um aeroporto internacional, com certeza poderá ser vítima casual de uma ação destruidora provocada por algum terrorista fanático. É o que sua mente registra a todo momento.

A história não só se pôs em movimento, como se tornou matéria essencial de estudo novamente. Para se poder conhecer as configurações do novo mundo que se apresentava após os ataques terroristas, fez-se necessário retomar a história da civilização, principalmente o desconhecido território onde a riqueza do petróleo convive com facções fundamentalistas da antiga religião islamita.

Nunca se editou tantos livros sobre os Islã e o Oriente, o que revela o sintoma de uma tentativa de se conhecer a civilização que se tornou a mais temida e odiada pelo mundo ocidental após o 11 de Setembro. Termo como Jihad (guerra empreendida a serviço da religião) passou a ser comum nos noticiários e a presença do mentor dos ataques terroristas, Osama Bin Laden, tornou-se figura tão conhecida quanto qualquer outra importante figura da história universal.

Bin Laden fundou a "al Qaeda" ou "A Base", como uma espécie de centro operacional para os extremistas Islâmicos. Para alguns a "al Qaeda" é uma organização terrorista, uma espécie de base para uma imensa rede global de organizações com as mesmas ideias, princípios e modos de operação. Mas de acordo com alguns estudiosos, Bin Laden e a "al Qaeda" financiam e organizam ataque terroristas, no entanto, a sua execução é feita por outros grupos. O ataque de 11 de setembro teve ali seu plano elaborado e sua execução financiada.

O Islamismo se tornou a religião mais temida do mundo moderno. "Ele assombra o imaginário popular do Ocidente como uma fé de extremismos que promove governos autoritários, oprime as mulheres, incentiva a guerra civil e o terrorismo", nos diz Karen Amstrong, no seu livro O Islã, editado no Brasil no ano dos ataques, pela editora Objetiva.

Os EUA são alvo primordial dos fundamentalistas islâmicos por representarem a modernidade em oposição à "idade dourada". Democracia e laicismo, emancipação das mulheres, colonialismo, são elementos que ameaçam uma tradição que se quer imutável. A resposta é a tentativa de sacralizar novamente o mundo, nem que seja a poder de fogo e destruição. "O fundamentalismo revela uma fissura na sociedade, que se polariza entre os que desfrutam a cultura secular e os que a vêem com horror", diz Karen Amstrong.

Vale abrir um parêntesis aqui e dizer que o fundamentalismo não é propriedade apenas de certo setor islamita, mas de todas as religiões que se sentem ameaçadas pelo laicismo: da mesma forma que o povo muçulmano é obrigado a usar o traje islâmico contra sua vontade (forçado pelo talibã), também o processo que proibiu o ensino da teoria da evolução nas escolas publicas americanas revela o poder do fundamentalismo protestante em ação.

Outra atitude fundamentalista (contra a liberdade de pensamento) que sintomaticamente registra o avanço perigoso dessa facção, é a decretação por Khomeini da fatwah (sentença de morte) contra o romancista Salman Rushidie, em 1989, porque o escritor supostamente blasfemara contra Maomé em seu livro Versículos Satânicos (livro queimado em praça pública por muçulmanos britânicos).

Algumas consequências que se pode listar como reação aos ataques do 11 de setembro são a invasão desastrosa ao Iraque (como ataque militar preventivo ao terrorismo), submissão de todos os suspeitos a interrogatórios exagerados e, por vezes, a tortura violenta, alianças militares para o fim do terror não só com países ocidentais, mas com países autoritários como Paquistão e Uzbequistão, gastos exacerbados com segurança e aparatos militares, estado emocional inseguro da população e dos governos diante da possibilidade de novos ataques.

No que diz respeito à última questão, foi duplo o sentimento diante da morte do terrorista Osama Bin Laden este ano, que fez os EUA suspirarem aliviados e se sentirem vingados, mas ao mesmo tempo com medo de uma resposta que colocasse os EUA sob ameaça de novos ataques. A cultura do medo, conseqüência do 11 de setembro, vai fazer com que os EUA gastem muito ainda com segurança.

O fato notável dos ataques aos EUA é o de ter reduzido a maior potência do Ocidente e sua prepotência exacerbada, à impotência diante de aviões comerciais que foram usados como armas e atacaram a partir do interior do próprio país. Armas inesperadas, os aviões que caíram sobre prédios americanos anunciam uma nova forma de guerra, mais sutil, traiçoeira, que pode partir de qualquer lugar e do desejo de qualquer um.

Talvez o resultado positivo para o mundo (se é que isso é possível num caso desses) é que os EUA agora têm a dimensão da rejeição que parte da humanidade lhe devota, fazendo com que repense a forma, muitas vezes predatória, com que lidam com o mundo. E que sirva de exemplo para todos os outros países, inclusive os emergentes. A queda das torres fálicas é um exemplo simbólico de que nenhum poder pode manter-se impune e de pé para sempre. Voltemos a estudar o declínio do Império Romano.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noel Rosa de Fabio Gomes
02. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
03. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
04. O armário que me pariu de Lisandro Gaertner
05. Notas Obsoletas sobre os Protestos de Duanne Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


Mais Especial 11/9: Dez Anos Depois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução a Psicologia Fenomenologica
Ernest Keen
Interamericana
(1979)



Tecnologia da Educação e Comunicação de Massa
Samuel Pfromm Netto
Pioneira
(1976)



Bioestatística: Tópicos Avançados
Sonia Vieira 2ª Edição
Campus
(2004)



National Archaeological Museum: a Prehistoric Collections
G. Papathanasopoulos; A. Sakellariou
Dept of Antiquities and Restor
(1970)



Dilúvio - Teardrop 2
Lauren Kate
Galera
(2015)



Parque Górki
Martin Cruz Smith
Círculo do Livro
(1984)



O Caçador de Pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2006)



Segundo Livro de Francisco
Yeda Maria Bastos (texto)
Não Identificada



Como Descobrir Sua Genialidade
Michel J. Gelb
Agir
(2003)



Pequena Abelha
Chris Cleave
Intrínseca
(2010)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês