A profundidade aparente do concreto | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Fábrica
Mais Recentes
>>> Maya de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (2000)
>>> Aos Amigos, a Poesia de Jandira de Albuquerque pela Brasília (2003)
>>> Estado Novo: Política Externa e Projeto Nacional de Francisco Luiz Corsi pela Unesp (2000)
>>> Princípios De Administração Financeira de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1987)
>>> Toda a História História Geral e História do Brasil de José Jobson de A. Arruda pela Ática (2000)
>>> Direto do Coração de Ricardo Farah pela Sarcinelli (1988)
>>> Honoráveis Bandidos de Palmério Dória pela Geração Editorial (2009)
>>> A Idade da Razão de Satre pela Victor Civita (1981)
>>> Organização estruturada de computadores de Andrew S. Tanenbaum pela Pearson (2007)
>>> Dieta Só para Garotas de Daphne Oz pela V&r (2009)
>>> História dos Reinos Bárbaros: Acontecimentos Políticos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (1970)
>>> Quincas Borba - Série Bom Livro de Machado de Assis pela Atica
>>> Antes Que a Terra Acabe de John Kerry / Teresa Heinz Kerry pela Saraiva (2008)
>>> Areia Pesada de Anatoli Ribakov pela Best Seller (1979)
>>> O capital de Marx e o capitalismo de hoje - Volume 1 de Antony Cutler Barry Hindess Paul Hirst e Athar Hussain pela Zahar
>>> Living in Japan de Reto Guntli, Alex Kerr, Kathy Arlyn Sokol pela Taschen (2006)
>>> História de Belém (2º Volume) de Ernesto Cruz pela Universidade Federal do Pará (1973)
>>> Introsução à revolução de 1964 de Carlos Castelo Branco pela Artenova (1976)
>>> A história de Lula o filho do Brasil de Denise Paraná pela Objetivo (2009)
>>> Orange is the New Black de Piper Kerman pela Intrinseca (2014)
>>> Todo Homem é um Homem de Jean Bartrand Aristide pela Paz e terra (1992)
>>> Beleza Negra memórias de um cavalo de Susana Ventura pela Folha de S. Paulo (2016)
>>> Escandinavos Em Caso de Emergência Quebre o Vidro de Denio Maués pela Patuá
>>> The Lost Gospel: The Book of Q Christian Origins de Burton L. Mack pela Harper Collins (1993)
>>> Confissões de uma Máscara de Yukio Mishima pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quinta-feira, 30/4/2009
A profundidade aparente do concreto
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4700 Acessos
+ 2 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

perspectiva das coisas é relativa. em vez de andar em rodas, a pé, cruzando o viaduto mais serpente da cidade, acima das cabeças e no nível das janelas dos prédios modernistas e históricos, cortando ruas, encontrando o caminho otimizado entre o bairro e o centro, só mesmo aos domingos para ouvir a voz das pessoas como em cidadezinha do interior, agora dá pra entender porque a fofoca corre solta, é porque a voz não é engolida pelo motor dos autos, ressoa comprida até os ouvidos menos atentos, ainda assim, a visão das coisas não é das mais longas, o altino arantes desponta como envolto em bruma, é a névoa das manhãs claras, enfim, já é não é mais tão cedo assim, mas para o homem da cidade grande a manhã se prolonga, indefinidamente, rasa, basta chegar na padaria às oito e meia e não haver ninguém, só mesmo o pastor que chega de carro para pegar doações, um saco lotado de pães e a mulher que compra apenas cigarros, entra apressada no carro e pressiona um entre os lábios, satisfação e alívio, mas é na direção contrária da manada que se tem essas sensações, quando se é sugado pela via expressa, rota do abismo rumo ao desconhecido num abre-alas de fileiras de prédios, não se sabe se eles reverenciam a manhã ou se são os transeuntes que se curvam diante de sua beleza moderna, suas janelas largas e varandas amplas, e desfilam cachorros passeando com seus donos, gente que quer fazer um exercício matinal, diversas classes sociais, moradores de rua vivendo em comunhão na duração de uma balada no passeio público, num lapso de tempo entre os acordados e os desacordados, na saída do arouche é hora de descer sem o frio na barriga que a velocidade ocasiona e reconhecer o lixo espalhado pelas ruas e calçadas, resquícios ainda em decomposição de uma noite maldormida, ambiente de armistício, início de calmaria, é só achar a ordem das coisas natural e acreditar que o que importa é a cidade acolher a todos, ceder lugar aos excluídos enxotados dos bairros, sem perspectiva é que amanhecem os bêbados e se inicializam os brutos, a doceria já está aberta, mas não há dinheiro para bombas de chocolate, nem munição, e quando sua imagem se torna triste e desafiadora, o centro se abre em esplendor de praça da república, domingo, dia de feira de selos, notas, álbuns de figurinhas, pedras pouco preciosas e um enorme jacaré de couro negro resplandecendo o sol se empinando me lembra a cuca que encontro com seu sorriso de escárnio atrás do segurança da biblioteca, prometo voltar todos os dias para ler, ao menos os clássicos da bom-livro quando reconheço a encantadora fonte minúscula, o papel pardo mofado e a indefectível capa preta com belas e duvidosas ilustrações das heroínas românticas da literatura, til, senhora, lucíola, diva sentarei com vocês na poltrona de couro negro, sem encarar as bibliotecárias que colocam a conversa em dia de todos os dias iguais, ao lado da cristaleira com o terno e o colete de monteiro lobato, inspirando seu sonho de petróleo, mofo e uma decadência agradável nessa biblioteca infantil, que expõe os personagens do sítio do pica-pau amarelo e que de crianças neste domingo ensolarado não tem nada, algumas pessoas no telecentro, outras lendo nas mesas como gatos modorrentos, mesmo a luz atravessa com dificuldade os vidros desta biblioteca que parece estar ali como mera obrigação, para constatar que o espaço público acabou e se vive dos resquícios de sua glória, no parquinho adjacente moradores de rua guardam seus pertences, há uma base da polícia militar no mesmo quarteirão e reina, num orgulho disfarçado pelos funcionários, uma paz absoluta na iminência de ser quebrada, cidadãos em marcha, sem identidade, adiante o cenário é de campo de batalha pausado ou de uma guerra civil prestes a eclodir, uma penugem velha de carnaval desponta das primeiras lojas, gritos de ofertas roucas, um mar de gente descendo e se remexendo pela ladeira porto geral, se infiltrando pelos corredores entupidos da galeria pajé e do shopping oriental, onde o entregador traz as marmitas chinesas com rashi, avisos em versão bilingue ao lado das escadas rolantes quebradas, lojistas fumam e olham com indiferença para aquele ir e vir em massa dos consumidores, conversam entre si neste mundo paralelo e por que não subterrâneo, que se eleva em horário comercial, deixando um rastro colorido de retalhos, aos chineses e coreanos se juntam comerciantes árabes, nordestinos, uma parafernália eletrônica, cremes victoria's secret, secadores de cabelo, camisas lacoste e tudo o que a imaginação num jorro de mercadorias empilhadas puder conter, os bolivianos ficam com o chão das ruas nas quais já não passam carros, mas se estendem as echarpes para o desejo de inverno, em cada esquina aflora das caixas de som dos vendedores de cd pirata música indiana, e as músicas são constantemente cortadas e substituídas por outros hits do passado porque nada é inteiriço, basta se contentar com a metade ou a cópia, afinal, onde está o verdadeiro e o real? o som espalha o cheiro acre de final de feira, enquanto na sarjeta embalagens plásticas são levadas pela sutil correnteza formada por um líquido escuro, turvando a visão e impedindo a noção da profundidade das coisas, a


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 30/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
05. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2009
10h22min
Ter os olhos nas pedras do concreto, sem o mergulho das relvas orvalhadas de um jardim... Não apreciar o canto dos pássaros, não entender das doces manhãs nas quais podemos saborear os nossos frutos frescos, os nossos chás de hortelãs e camomila, e saber que há um acompanhamento do som de viola, sabendo que este é o cenário de beleza que começa a faltar também no interior do Estado. E vai ficando nostálgico, falta a alegria da natureza pra enfeitar o concreto. Duro, frio, triste e amargo - obviamente num sentido figurado...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
3/5/2009
12h34min
Querida Elisa, muito obrigado pela flânerie que o seu texto me proporcionou. Que delícia, numa bela manhã de domingo, ler um texto tão encantador, sobretudo por descrever a minha amada SAMPA! bjs do Sílvio Medeiros. Campinas, é outono de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tentada 6
P.C. Cast
Novo Século
(2010)



That's all about fame 4
Sérgio Barreto
Wise Up
(2008)



África - 9
Fflch/usp
Fflch/usp
(1986)



Minha Primeira Paixão
Elenice Machado de Almeida; Pedro Bandeir
Ftd
(1994)



Na Espiral do Tempo - uma Viagem pelo Calendário Judaico
David Gorodovits
Séfer
(2008)



Companhia das Ciências - 9º Ano
João Usberco e Outros
Saraiva
(2015)



Desapropriação no Direito Positivo
Edson Jacinto da Silva
De Direito



O Caráter Nacional Brasileiro
Dante Moreira Leite
Pioneira
(1969)



Cadernos Adenauer: Juventudes no Brasil
Felix Dane
Konrad Adenauer Stiftung
(2015)



Pai
Darcio Valente
Edições Galo Branco
(2010)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês