A profundidade aparente do concreto | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
Mais Recentes
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
>>> Pelos olhos de minha mãe: Diários, memórias e outras lembranças de Laura Huzak Andreato pela Palavras projetos (2021)
>>> Para onde me levam os meus pés? de Cibele Lopresti Costa pela Palavras projetos (2021)
>>> Oswaldo Treinador Esportivo de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Oswaaaaaldo! de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Os pães de ouro da velhinha de Annamaria Gozzi pela Palavras projetos (2024)
>>> Ooobbaaaa! de pela Palavras projetos (2019)
>>> O Reciclador de Palavras de Barbara Parente pela Palavras projetos (2021)
>>> O gato que não parava de crescer de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> O dragão da Maldade e a Donzela Guerreira de Marco Haurélio pela Palavras projetos (2022)
>>> O almanaque de Lia de Luís Dill pela Palavras projetos (2022)
>>> No Museu de Susanna Mattiangeli pela Palavras projetos (2023)
>>> Nig-Nig de Andréia Vieira pela Palavras projetos (2023)
>>> Li M'in: uma criança de Chimel de Dante Rigoberta; Liano pela Palavras projetos (2018)
>>> Lábaro: O enigma da bandeira brasileira de Elifas Andreato pela Palavras projetos (2022)
>>> 80 Degraus de Luís Dill pela Palavras projetos (2018)
>>> Estamos Todas Bem de Ana Penyas pela Palavras projetos (2022)
>>> Duas asas de Cristina Bellemo pela Palavras projetos (2024)
>>> Divisão Azul: Um agente infiltrado de Fran Jaraba pela Palavras projetos (2021)
>>> Campos de concentração de Narcís Molins i Fábrega pela Palavras projetos (2023)
>>> Ave do Paraíso de Georgina martins pela Palavras projetos (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/4/2009
A profundidade aparente do concreto
Elisa Andrade Buzzo
+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

perspectiva das coisas é relativa. em vez de andar em rodas, a pé, cruzando o viaduto mais serpente da cidade, acima das cabeças e no nível das janelas dos prédios modernistas e históricos, cortando ruas, encontrando o caminho otimizado entre o bairro e o centro, só mesmo aos domingos para ouvir a voz das pessoas como em cidadezinha do interior, agora dá pra entender porque a fofoca corre solta, é porque a voz não é engolida pelo motor dos autos, ressoa comprida até os ouvidos menos atentos, ainda assim, a visão das coisas não é das mais longas, o altino arantes desponta como envolto em bruma, é a névoa das manhãs claras, enfim, já é não é mais tão cedo assim, mas para o homem da cidade grande a manhã se prolonga, indefinidamente, rasa, basta chegar na padaria às oito e meia e não haver ninguém, só mesmo o pastor que chega de carro para pegar doações, um saco lotado de pães e a mulher que compra apenas cigarros, entra apressada no carro e pressiona um entre os lábios, satisfação e alívio, mas é na direção contrária da manada que se tem essas sensações, quando se é sugado pela via expressa, rota do abismo rumo ao desconhecido num abre-alas de fileiras de prédios, não se sabe se eles reverenciam a manhã ou se são os transeuntes que se curvam diante de sua beleza moderna, suas janelas largas e varandas amplas, e desfilam cachorros passeando com seus donos, gente que quer fazer um exercício matinal, diversas classes sociais, moradores de rua vivendo em comunhão na duração de uma balada no passeio público, num lapso de tempo entre os acordados e os desacordados, na saída do arouche é hora de descer sem o frio na barriga que a velocidade ocasiona e reconhecer o lixo espalhado pelas ruas e calçadas, resquícios ainda em decomposição de uma noite maldormida, ambiente de armistício, início de calmaria, é só achar a ordem das coisas natural e acreditar que o que importa é a cidade acolher a todos, ceder lugar aos excluídos enxotados dos bairros, sem perspectiva é que amanhecem os bêbados e se inicializam os brutos, a doceria já está aberta, mas não há dinheiro para bombas de chocolate, nem munição, e quando sua imagem se torna triste e desafiadora, o centro se abre em esplendor de praça da república, domingo, dia de feira de selos, notas, álbuns de figurinhas, pedras pouco preciosas e um enorme jacaré de couro negro resplandecendo o sol se empinando me lembra a cuca que encontro com seu sorriso de escárnio atrás do segurança da biblioteca, prometo voltar todos os dias para ler, ao menos os clássicos da bom-livro quando reconheço a encantadora fonte minúscula, o papel pardo mofado e a indefectível capa preta com belas e duvidosas ilustrações das heroínas românticas da literatura, til, senhora, lucíola, diva sentarei com vocês na poltrona de couro negro, sem encarar as bibliotecárias que colocam a conversa em dia de todos os dias iguais, ao lado da cristaleira com o terno e o colete de monteiro lobato, inspirando seu sonho de petróleo, mofo e uma decadência agradável nessa biblioteca infantil, que expõe os personagens do sítio do pica-pau amarelo e que de crianças neste domingo ensolarado não tem nada, algumas pessoas no telecentro, outras lendo nas mesas como gatos modorrentos, mesmo a luz atravessa com dificuldade os vidros desta biblioteca que parece estar ali como mera obrigação, para constatar que o espaço público acabou e se vive dos resquícios de sua glória, no parquinho adjacente moradores de rua guardam seus pertences, há uma base da polícia militar no mesmo quarteirão e reina, num orgulho disfarçado pelos funcionários, uma paz absoluta na iminência de ser quebrada, cidadãos em marcha, sem identidade, adiante o cenário é de campo de batalha pausado ou de uma guerra civil prestes a eclodir, uma penugem velha de carnaval desponta das primeiras lojas, gritos de ofertas roucas, um mar de gente descendo e se remexendo pela ladeira porto geral, se infiltrando pelos corredores entupidos da galeria pajé e do shopping oriental, onde o entregador traz as marmitas chinesas com rashi, avisos em versão bilingue ao lado das escadas rolantes quebradas, lojistas fumam e olham com indiferença para aquele ir e vir em massa dos consumidores, conversam entre si neste mundo paralelo e por que não subterrâneo, que se eleva em horário comercial, deixando um rastro colorido de retalhos, aos chineses e coreanos se juntam comerciantes árabes, nordestinos, uma parafernália eletrônica, cremes victoria's secret, secadores de cabelo, camisas lacoste e tudo o que a imaginação num jorro de mercadorias empilhadas puder conter, os bolivianos ficam com o chão das ruas nas quais já não passam carros, mas se estendem as echarpes para o desejo de inverno, em cada esquina aflora das caixas de som dos vendedores de cd pirata música indiana, e as músicas são constantemente cortadas e substituídas por outros hits do passado porque nada é inteiriço, basta se contentar com a metade ou a cópia, afinal, onde está o verdadeiro e o real? o som espalha o cheiro acre de final de feira, enquanto na sarjeta embalagens plásticas são levadas pela sutil correnteza formada por um líquido escuro, turvando a visão e impedindo a noção da profundidade das coisas, a


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 30/4/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eucanaã Ferraz de Maria João Cantinho
02. Patrimônio líquido de Paulo Salles


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2009
10h22min
Ter os olhos nas pedras do concreto, sem o mergulho das relvas orvalhadas de um jardim... Não apreciar o canto dos pássaros, não entender das doces manhãs nas quais podemos saborear os nossos frutos frescos, os nossos chás de hortelãs e camomila, e saber que há um acompanhamento do som de viola, sabendo que este é o cenário de beleza que começa a faltar também no interior do Estado. E vai ficando nostálgico, falta a alegria da natureza pra enfeitar o concreto. Duro, frio, triste e amargo - obviamente num sentido figurado...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
3/5/2009
12h34min
Querida Elisa, muito obrigado pela flânerie que o seu texto me proporcionou. Que delícia, numa bela manhã de domingo, ler um texto tão encantador, sobretudo por descrever a minha amada SAMPA! bjs do Sílvio Medeiros. Campinas, é outono de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Misterio do Gigante de Pedra
Giuseppe Di Paola
Minas
(2004)



Quando Tudo Falha
Rodolpho Belz
Casa Publicadora Brasileira
(2011)



Especial Evangélico para Guitarra e Violão - Hinos da Harpa e Cantor Cristão
Luiz Soares de Freitas
Edimarte
(1991)



Assassin's Creed - Irmandade
Oliver Bowden
Galera Record
(2012)



Literatura Estrangeira Resistência: A Historia De Uma Mulher Que Desafiou Hitler
Agnes Humbert
Nova Fronteira
(2008)



Realidades - Levando O Evangelho Aos Não Alcançados
Ken Katayama
Discipular



Inteligência Multifocal
Augusto Cury
Cultrix
(2006)



Cora Coralina: Raízes de Aninha
Clóvis Carvalho Britto; Rita Elisa Seda
Ideias e Letras
(2015)



Livro de Bolso Psicologia Conceitos da Psicanálise 6 Paranóia
David Bell
Relume Dumará
(2005)



Atos impulsivos
W. Stekel
Mestre Jou
(1968)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês