Montanhismos | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/7/2009
Montanhismos
Elisa Andrade Buzzo
+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Procura-se um texto assim: que seja tão cristalino quanto é esperar o ônibus numa manhã de inverno.

(Blocos, excertos, papéis avulsos com garranchos e um desejo de organização do que as manhãs oferecem e a madrugada oculta. É o mesmo desejo que leva aos altos e baixos, sem ele não se dorme (à espera do amanhecer que virá), não se levanta (no aguardo da madrugada), não se apanha o ônibus (no desejo de chegar), nem se escreve.)

A manhã é o ponto de partida do eterno recomeço, quando o sol começa a aquecer a atmosfera, os lojistas sobem as portas de seu comércio. Sem titubeios o momento é, no entanto, fugaz. Agora é esperar pelo dia seguinte e as cenas recomeçarão ― com o tempo, pequenas alterações irão ocorrendo, a percepção de mudança será mínima.

O ônibus passa e o mendigo continua sentado no mesmo banco. Num dia tem barba, noutro, só se reconhece que o homem é o mesmo por estar lá. Sem barba.

Num dia se vê o cachorro, feliz, castanho-avermelhado como uma raposa. Noutro, o segurança brincando com ele, depois a casinha na garagem da casa. A história se completa e se acompanha com graça da janela do ônibus, não sem um pudor de invasão.

(Pegar o lápis, acompanhar as sombras de um corpo recém-descoberto, procurar um texto meio penumbra, cheirando a uma madrugada distante ― embora verdadeiros, tudo é momentos-mentira. Uma rua residencial com prédios baixos, belos postes em ferro decorado, mergulhados numa camada de folhas estridentes. O cenário desta peça é um pano que se levanta. Acostumar-se a esta constante troca e dela recolher frações, pedaços, restos de convivência noturna.)

Nesta manhã, ainda que a luminosidade tenha a aparência fraca de um convalescente, a imagem dos autos tremelicam na miragem causada pelo asfalto quente.

(A noite insiste em aparecer e entra num café-restaurante de garçonetes tristes e jazz, tamanho provincianismo numa capital sul-americana. O carpete verde-musgo aquece os pés, o salmão dado na boca é delicioso. Rico.)

Lapa-Barra Funda, esta é uma linha repleta de motoristas e cobradoras, mulheres. Por isso, mais simpática, conversadeira. Ou, então, quieta nos momentos de reflexão que as constantes subidas e descidas ocasionam.

(Preparar-se para subir, sempre, mesmo que para em seguida simplesmente descer, mesmo que as montanhas sejam outras e que certas alturas não tenham a virtude das cordilheiras.)

O ônibus alcança o topo da avenida, como é linda a poluição do céu e o delineamento crayon dos prédios. Ainda há alguma vegetação intocável na encosta, o vento revolve os cabelos compridos. Se estes morros estão ao alcance das mãos, basta estender os braços para sentir com que familiaridade essa cidade nos abraça.

(Cenário pontiagudo no papel, moldura de pedra margeando a cidade mais linda do mundo. Por isso, inalcançável.)

Um ônibus colorido e falante, se está, afinal, numa casa-rodante, subindo aos céus e descendo aos abismos da Nossa Senhora do Rosário de Pompeia. "Aqui tudo é passageiro, menos o motorista e o cobrador". Estamos no ápice do caos e, ainda assim, não há calmaria.

(Ela se insinua na fresta da noite, quase nua, apenas um manto branco recobrindo as curvas. Caligrafia tateada e neon terceiro-mundista clareando as noites ardentes destes outros cerros.)

Lá está o edifício Jaraguá, sobressalente como a última morada no topo de uma montanha, um bloco de concreto esculpido para olhos que, de tão dormentes, nem reparam que ele existe. Ao subir os últimos quarteirões da montanha se vê os fundos do prédio, quase todo em vidro. É subindo uma daquelas escadarias que assolam o centro da cidade ou os bairros montanhosos, como esse, que se tem acesso a ele.

Num dos andares, um enorme cacto e um homem que fala ao telefone, a que se segue uma empregada uniformizada passando com uma bandeja prateada. Com espanto não se encontram portões de ferro, nem guardas, apenas uma fonte com um tímido esguicho, as portas de vidro.

Fingimos que não nos conhecemos, você e a paisagem são peças do mesmo jogo diário. Seria capaz de ensinar o trajeto aos motoristas novatos. A subida vai recomeçar, da montanhosidade dos bairros ou das cidades, não se escapa, se aprende a caminhar.

(Tela aberta no agora das janelas, ou tela retraída em montanhas percorridas, entre a sensação e o burilar da sensação racionalizada, assim vai se fazendo a escrita, essa matéria recriada do viver.)


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 9/7/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A geração que salvou Hollywood de Gian Danton
02. WikiLeaks, o melhor de 2010 de Vicente Escudero
03. Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os dilemas da globalização de Gian Danton
05. Mulher no comando do país! E agora? de Débora Carvalho


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/7/2009
23h22min
Tenho um problema psicossomático que me pede cuidar a respiração. Normal é não pensar em respirar. Se fico ansioso, minha tendência é travar o diafragma. Se minha atenção é despertada por admiração, lá está ele outra vez travado. Apurei para ler teu artigo. Precisei parar algumas vezes. A culpa não era do texto. É ruim para minha saúde não respirar. Reli. Não entendi o texto. Gostei demais da ousadia. Era pra não ter muito sentido direto mesmo, dando importância À escrita como arte de interpretação individual? Com licença, vou lá fora tomar um ar...
[Leia outros Comentários de Fernando MDB]
21/7/2009
17h13min
Pelo visto, não é só escrever um texto, mas esboçar, e desenhar uma obra arquitetônica na escrita. Elaborar, instrumentalizar e garantir a satisfação de quem ler. Isto é ótimo.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
19/9/2009
20h47min
Oi, Elisa, volto por aqui e leio feliz a jornada de suas palavras ;-)
[Leia outros Comentários de gisele lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio E Seu Segredo
Zhu Xiao-Mei
Objetiva
(2008)



Euclides Roxo e a modernização do ensino de Matemática no Brasil
Wagner Rodrigues Valente
Sbem
(2003)



Manual do Advogado
Valdemar P. da Luz
Manole
(2014)



Nao Hara - Culinária Japonesa, Sabores Tropicais
Danusia Barbara, Alexander Landau
Senac rio
(2009)



Os Caminhos do Desejo
Geneviève Bon
Círculo do Livro
(1989)



Livro Turismo Brasil O Guia que Mostra o que os Outros só Contam Guia Visual
Vários Autores
Publifolha
(2008)



A hora da sentença
John Godey
Nova Época
(1969)



Dom Pedro II Na Alemanha. Uma Amizade Tradicional
Dom Carlos Tasso De Saxe-coburgo E Braganca
Senac Sao Paulo
(2014)



Ler é aprender José lins do rego 10 - Fogo Morto
Estadão
Klick



O Poder dos Inquietos / a Startup de 100
Chris Guillebeau
Saraiva
(2014)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês