Quando o cotidiano vira espetáculo | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Iron Maiden com Clive Burr
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
Mais Recentes
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/5/2008
Quando o cotidiano vira espetáculo
Pilar Fazito

+ de 3800 Acessos

ou "da novela e do circo de horrores"

Nem da Globo, nem da Record. A novela que tem atingido os mais altos pontos no Ibope, desde o início do mês passado, é da vida real: o caso Isabella. À moda dos anos 80, em que todos faziam apostas tentando desvendar "Quem matou Odete Roitman?", assistimos agora ao repeteco "Quem matou Isabella Nardoni (e como)?".

Isabella virou novela. Mais do que uma rima, isso é uma triste constatação. Em termos narrativos, o enredo da morte da menina é mais bem construído do que qualquer novela, folhetim, filme policial ou reality show que conste na programação dos canais de TV. Se não bastasse todo o suspense, o caso ainda conta com publicidade gratuita dos telejornais e uma providencial e impensada estratégia de marketing: poucos dias depois de Isabella morrer, sua mãe fez aniversário. Em seguida, seria o aniversário da própria vítima. E agora, o dia das mães! Um bombardeamento ininterrupto de datas que nos impede de esquecer a dor da mãe, a crueldade dos fatos e a alegria de uma criança que sequer conhecemos.

Não há como fugir disso. O assunto corre feito faísca em pavio de pólvora e já saiu da mídia e da internet para as rodas de bar. Todos comentam o caso, desde o promotor da vara da infância e juventude até o pipoqueiro da esquina. A gente senta para almoçar e o restaurante todo faz silêncio para ouvir uma hora de telejornal dedicado à menina que foi defenestrada em São Paulo. Uma morbidez sem igual? Nem tanto.

Pouco antes de Isabella virar manchete, a sociedade ficou escandalizada com a empresária que mantinha uma adolescente de 12 anos em cárcere privado com a conivência de toda a família. Mas o assunto esfriou assim que surgiu o caso Isabella.

Tempos depois, a notícia do austríaco que manteve a filha em cativeiro por 24 anos e teve seis filhos com ela, sob os olhos da esposa, surgiu como a mais nova notícia bizarra, atraindo o enxame de curiosos, justiceiros e revoltados solidários. Mas como o cenário dessa história não foi o Brasil, Isabella ainda terá que esperar o próximo espetáculo mórbido nacional para poder descansar em paz.

O circo da miséria humana funciona do mesmo modo como os términos de relacionamento: é preciso engatar um novo caso para se esquecer, de uma vez por todas, do anterior.

O caso de Isabella é triste. Assim como o de milhares de crianças que morrem diariamente seja por violência, fome ou negligência daqueles que deveriam zelar por elas. Mais triste ainda é ver o circo de horrores montado em torno disso tudo, transformando uma morte trágica num carnaval de luzes e cores.

Pessoas acampadas em frente à casa dos pais dos acusados ou diante da delegacia, com pedras nas mãos, cartazes, gritos e vaias; comerciantes que se aproveitam desse conglomerado medonho de linchadores de plantão e anunciam picolés, salgadinhos e churrasquinho de gato... Da Idade Média ― ou melhor, da idade da pedra ― aos dias de hoje, não mudamos nada. Há sempre os desocupados que se dedicam a cuidar da vida dos outros, como escape dos próprios problemas. O mundo pode dar quantas voltas quiser, a natureza humana é imutável.

Questionar o papel da mídia nessas horas me dá uma "preguiça monstra". Talvez por parecer óbvio demais que o Quarto Poder camufla o poder que tem de formar e, sobretudo, propagar opiniões. Do mesmo modo, não tenho boa vontade em ler textos ou dar corda às discussões sobre a perfídia dos meios de comunicação. É um qüiproquó todo em cima da culpa da mídia, como se o público não tivesse vontade própria e fosse incapaz de se levantar da poltrona e mudar de canal. Mídia má e público autômato, geralmente é assim que essas questões complexas são resumidas.

Seja a mídia ou o cidadão comum que se compadece da dor da mãe de Isabella, parece que é preciso um baque cada vez maior, mais ensurdecedor, uma situação bizarra ao extremo para chamar a atenção das pessoas e fazê-las se colocar no lugar dos outros. A sutileza tem perdido espaço em meio a tanto barulho. É drama demais. Tudo muito exagerado, contribuindo para a espetacularização de fatos banais e banalização de fatos relevantes.

O diretor Jean-Pierre Jeunet ainda recebe cartas e e-mails de pessoas do mundo todo que lhe agradecem pela filmagem d'O fabuloso destino de Amélie Poulain. Um filme que não tinha grandes pretensões e acabou sendo um sucesso de público, atraindo mais de 17 milhões de espectadores no globo. O que Amélie não tem a ver com Isabella?

A despeito da sutileza da personagem de Audrey Tautou, que faz com que as pessoas parem um instante e percebam a beleza das pequenas coisas do dia-a-dia, o filme de Jean-Pierre Jeunet é uma mensagem que desperta o otimismo. A gente sai do cinema mais leve, achando que o ser-humano pode ser bom.

O caso Isabella, o sensacionalismo que sobrevoa os cadernos policiais da imprensa do país e o circo armado por desocupados linchadores vorazes faz o contrário. A gente desliga o telejornal com aquele gosto amargo na boca de que "a humanidade é o câncer do planeta", como já disse o grande cartunista argentino Quino. O jornal impresso estraga o domingo e as conversas nos bares fazem a gente ter receio até dos amigos. Ninguém põe a mão no fogo pelo outro e é melhor puxar o tapete alheio antes que puxem o nosso.

Um pessimista poderia dizer que Amélie é ficção e, portanto, a bondade humana também o seria. Sou obrigada a discordar. A ficção se utiliza do material presente na realidade. Bondade e maldade fazem parte da natureza humana e estão presentes ao mesmo tempo em todas as pessoas. E ainda que Amélie seja ficção, foi capaz de despertar sentimentos bem reais em seu público.

Os programas de TV sempre omitem a duplicidade dos sentimentos individuais ― mesmo que tragam o contrário no título, como é o caso da novela Duas Caras. Na TV, o vilão é sempre vilão, o ladrão é sempre ladrão, a mocinha é sempre mocinha e por aí vai, seja nas novelas ou nos telejornais.

No cinema, é diferente. Quem escreve para cinema sabe que é preciso construir uma curva dramática para cada personagem. Se o personagem termina a história do mesmo modo como a começou, não há razão para ele existir e muito menos para se gastar milhões com um filme. No cinema, há espaço para que um mocinho se transforme em um vilão capaz de comover a platéia com suas fraquezas. É isso o que o torna humano. O cinema é uma fábrica de sonhos que se aproxima mais da realidade do que o simulacro platônico televisivo, em que personalidades são manipuladas como títeres numa caixa fechada, perfeita e ilusória, exemplo máximo da atualidade do mito da caverna.

O cinema ensina que é necessário haver conflitos internos para que os personagens se tornem humanos. Uma verdade que parece óbvia, mas da qual nos esquecemos toda vez que nos antecipamos em julgar aqueles que aparecem na TV.

Quanto aos acusados da novela Isabella, culpados ou não, cabe à Justiça se encarregar de seu futuro. E cabe à população retomar seus afazeres, cuidar da própria vida e tentar propagar ações realmente altruístas. Talvez assim consigamos reverter essa onda de sentimentos nefastos em contagiante otimismo e esperança, à moda dos reais sentimentos despertos pela ficção de Amélie Poulain.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 5/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. O negócio (ainda) é rocão antigo de Luiz Rebinski Junior
03. Desperte seu lado Henry Ford de Débora Carvalho
04. 1998 ― 2008: Dez anos de charges de Diogo Salles
05. Escritora de Bom Censo de Lisandro Gaertner


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IN THE BEST FAMILIES - BYREX STOUT
NERO WOLFE
BANTAM BOOK
(1975)
R$ 9,99



PORTUGUÊS LINGUAGENS 8ª SÉRIE
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2006)
R$ 9,00



IN GOOD COMPANY - HOW SOCIAL CAPITAL MAKES ORGANIZATIONS WORK
DON COHEN E LORENCE PRUSAK
HARVARD
(2001)
R$ 19,00



MADRE CORAJE Y SUAS HIJOS - BERTOLT BRECHT (TEATRO ALEMÃO) - EM ESPANHOL
BERTOLT BRECHT
BIBLIOTECA DEL PUEBLO
R$ 15,00



REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA VOL. 4 N. 7 A 12
A. DA SILVA MELLO
REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA
(1947)
R$ 58,36



OS MAIS BELOS POEMAS DE AMOR
OSMAR BARBOSA
EDIOURO
(1986)
R$ 5,00



A DIETA DA MENTE
DR. DAVID PERLMUTTER
PARALELA
(2013)
R$ 45,00



GRANDE MEDO DA IDADE MÉDIA
REVISTA HISTÓRIA VIVA, Nº 38 - 2007
DUETTO
(2007)
R$ 31,28



EU E OS CADETES DA ESCOLA MILITAR
NEYDE GUIMARÃES PINHEIRO MONTEIRO (ASSINATURA
THESAURUS
(2001)
R$ 20,00



INFERNO
DAN BROWN
ARQUEIRO
(2013)
R$ 9,80





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês