Quando o cotidiano vira espetáculo | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/5/2008
Quando o cotidiano vira espetáculo
Pilar Fazito

+ de 3700 Acessos

ou "da novela e do circo de horrores"

Nem da Globo, nem da Record. A novela que tem atingido os mais altos pontos no Ibope, desde o início do mês passado, é da vida real: o caso Isabella. À moda dos anos 80, em que todos faziam apostas tentando desvendar "Quem matou Odete Roitman?", assistimos agora ao repeteco "Quem matou Isabella Nardoni (e como)?".

Isabella virou novela. Mais do que uma rima, isso é uma triste constatação. Em termos narrativos, o enredo da morte da menina é mais bem construído do que qualquer novela, folhetim, filme policial ou reality show que conste na programação dos canais de TV. Se não bastasse todo o suspense, o caso ainda conta com publicidade gratuita dos telejornais e uma providencial e impensada estratégia de marketing: poucos dias depois de Isabella morrer, sua mãe fez aniversário. Em seguida, seria o aniversário da própria vítima. E agora, o dia das mães! Um bombardeamento ininterrupto de datas que nos impede de esquecer a dor da mãe, a crueldade dos fatos e a alegria de uma criança que sequer conhecemos.

Não há como fugir disso. O assunto corre feito faísca em pavio de pólvora e já saiu da mídia e da internet para as rodas de bar. Todos comentam o caso, desde o promotor da vara da infância e juventude até o pipoqueiro da esquina. A gente senta para almoçar e o restaurante todo faz silêncio para ouvir uma hora de telejornal dedicado à menina que foi defenestrada em São Paulo. Uma morbidez sem igual? Nem tanto.

Pouco antes de Isabella virar manchete, a sociedade ficou escandalizada com a empresária que mantinha uma adolescente de 12 anos em cárcere privado com a conivência de toda a família. Mas o assunto esfriou assim que surgiu o caso Isabella.

Tempos depois, a notícia do austríaco que manteve a filha em cativeiro por 24 anos e teve seis filhos com ela, sob os olhos da esposa, surgiu como a mais nova notícia bizarra, atraindo o enxame de curiosos, justiceiros e revoltados solidários. Mas como o cenário dessa história não foi o Brasil, Isabella ainda terá que esperar o próximo espetáculo mórbido nacional para poder descansar em paz.

O circo da miséria humana funciona do mesmo modo como os términos de relacionamento: é preciso engatar um novo caso para se esquecer, de uma vez por todas, do anterior.

O caso de Isabella é triste. Assim como o de milhares de crianças que morrem diariamente seja por violência, fome ou negligência daqueles que deveriam zelar por elas. Mais triste ainda é ver o circo de horrores montado em torno disso tudo, transformando uma morte trágica num carnaval de luzes e cores.

Pessoas acampadas em frente à casa dos pais dos acusados ou diante da delegacia, com pedras nas mãos, cartazes, gritos e vaias; comerciantes que se aproveitam desse conglomerado medonho de linchadores de plantão e anunciam picolés, salgadinhos e churrasquinho de gato... Da Idade Média ― ou melhor, da idade da pedra ― aos dias de hoje, não mudamos nada. Há sempre os desocupados que se dedicam a cuidar da vida dos outros, como escape dos próprios problemas. O mundo pode dar quantas voltas quiser, a natureza humana é imutável.

Questionar o papel da mídia nessas horas me dá uma "preguiça monstra". Talvez por parecer óbvio demais que o Quarto Poder camufla o poder que tem de formar e, sobretudo, propagar opiniões. Do mesmo modo, não tenho boa vontade em ler textos ou dar corda às discussões sobre a perfídia dos meios de comunicação. É um qüiproquó todo em cima da culpa da mídia, como se o público não tivesse vontade própria e fosse incapaz de se levantar da poltrona e mudar de canal. Mídia má e público autômato, geralmente é assim que essas questões complexas são resumidas.

Seja a mídia ou o cidadão comum que se compadece da dor da mãe de Isabella, parece que é preciso um baque cada vez maior, mais ensurdecedor, uma situação bizarra ao extremo para chamar a atenção das pessoas e fazê-las se colocar no lugar dos outros. A sutileza tem perdido espaço em meio a tanto barulho. É drama demais. Tudo muito exagerado, contribuindo para a espetacularização de fatos banais e banalização de fatos relevantes.

O diretor Jean-Pierre Jeunet ainda recebe cartas e e-mails de pessoas do mundo todo que lhe agradecem pela filmagem d'O fabuloso destino de Amélie Poulain. Um filme que não tinha grandes pretensões e acabou sendo um sucesso de público, atraindo mais de 17 milhões de espectadores no globo. O que Amélie não tem a ver com Isabella?

A despeito da sutileza da personagem de Audrey Tautou, que faz com que as pessoas parem um instante e percebam a beleza das pequenas coisas do dia-a-dia, o filme de Jean-Pierre Jeunet é uma mensagem que desperta o otimismo. A gente sai do cinema mais leve, achando que o ser-humano pode ser bom.

O caso Isabella, o sensacionalismo que sobrevoa os cadernos policiais da imprensa do país e o circo armado por desocupados linchadores vorazes faz o contrário. A gente desliga o telejornal com aquele gosto amargo na boca de que "a humanidade é o câncer do planeta", como já disse o grande cartunista argentino Quino. O jornal impresso estraga o domingo e as conversas nos bares fazem a gente ter receio até dos amigos. Ninguém põe a mão no fogo pelo outro e é melhor puxar o tapete alheio antes que puxem o nosso.

Um pessimista poderia dizer que Amélie é ficção e, portanto, a bondade humana também o seria. Sou obrigada a discordar. A ficção se utiliza do material presente na realidade. Bondade e maldade fazem parte da natureza humana e estão presentes ao mesmo tempo em todas as pessoas. E ainda que Amélie seja ficção, foi capaz de despertar sentimentos bem reais em seu público.

Os programas de TV sempre omitem a duplicidade dos sentimentos individuais ― mesmo que tragam o contrário no título, como é o caso da novela Duas Caras. Na TV, o vilão é sempre vilão, o ladrão é sempre ladrão, a mocinha é sempre mocinha e por aí vai, seja nas novelas ou nos telejornais.

No cinema, é diferente. Quem escreve para cinema sabe que é preciso construir uma curva dramática para cada personagem. Se o personagem termina a história do mesmo modo como a começou, não há razão para ele existir e muito menos para se gastar milhões com um filme. No cinema, há espaço para que um mocinho se transforme em um vilão capaz de comover a platéia com suas fraquezas. É isso o que o torna humano. O cinema é uma fábrica de sonhos que se aproxima mais da realidade do que o simulacro platônico televisivo, em que personalidades são manipuladas como títeres numa caixa fechada, perfeita e ilusória, exemplo máximo da atualidade do mito da caverna.

O cinema ensina que é necessário haver conflitos internos para que os personagens se tornem humanos. Uma verdade que parece óbvia, mas da qual nos esquecemos toda vez que nos antecipamos em julgar aqueles que aparecem na TV.

Quanto aos acusados da novela Isabella, culpados ou não, cabe à Justiça se encarregar de seu futuro. E cabe à população retomar seus afazeres, cuidar da própria vida e tentar propagar ações realmente altruístas. Talvez assim consigamos reverter essa onda de sentimentos nefastos em contagiante otimismo e esperança, à moda dos reais sentimentos despertos pela ficção de Amélie Poulain.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 5/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. O que te move? de Fabio Gomes
04. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
05. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SAL
LETICIA WIERZCHOWSKI
INTRINSECA
(2013)
R$ 10,00



ASTROLOGIA - A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
PERCY SEYMOUR
NOVA ERA
(1997)
R$ 30,00



PRESTES: LUTAS E AUTOCRÍTICAS
DÊNIS DE MORAES & FRANCISCO VIANA
VOZES
(1982)
R$ 10,00



LECCIONES DE LENGUA CASTELLANA
G. M. BRUÑO
PROCURADURIA GENERAL - PARIS
(1938)
R$ 30,00



DESIGN - THE ARCHIVE SERIES
WALT DISNEY
DISNEY EDITIONS
(2010)
R$ 70,00



PANIS ANGELICUS OU O SACRAMENTO DA VIRGINDADE - 9021
GIUSEPPE PETAZZI
DIOCESE
(1966)
R$ 20,00



UTOPIA & PAIXÃO 11ª EDIÇÃO
ROBERTO FREIRE E FAUSTO BRITO
GUANABARA KOOGAN
(1991)
R$ 4,50



A MULHER DO FUTURO - CARTAS PARA A MINHA FILHA
ZULMA REYO
GROUND
(1996)
R$ 67,90



MUDANÇAS NO RELACIONAMENTO AFETIVO-SEXUAL
REGINA ISABEL NOGUEIRA
ESCUTA
(2003)
R$ 23,82



BIOLOGIA INTEGRADA - ENSINO MÉDIO - VOLUME ÚNICO
LUIZ EDUARDO CHEIDA
FTD
(2003)
R$ 9,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês