A verdade que as mulheres contam | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Yoga, Imortalidade e Liberdade de Mircea Eliade pela Palas Athena (2009)
>>> The Bell - Her wise, witty and compulsive novel de Iris Murdock pela Penguin Books (1962)
>>> Os robôs e o império de Isaac Asimov pela Record (1985)
>>> Wallpaper Magazine May 2020 de Design Directory pela TI Media (2020)
>>> Contato de Carl Sagan pela Guanabara (1986)
>>> Os Três Reos e o Quarto Rei, Lendas Natalinas de Jakob Streit pela Edições Waldorf (1991)
>>> Neuromancer de William Gibson pela Aleph (1991)
>>> O Gênio do Crime de J.C. Marinho Silva pela Edijovem (1999)
>>> O incrível congresso de futurologia de Stanislaw Lem pela Nova Fronteira (1977)
>>> O cair da noite de Isaac Asimov pela Hemus (1981)
>>> Solaris de Stanislaw Lem pela Círculo do livro (1987)
>>> O Livro da Filosofia de Diversos pela Globo (2016)
>>> O homem bicentenário de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Os robôs do amanhecer de Isaac Asimov pela Record (1983)
>>> Cartas de Um Executivo a Seu Filho de G. Kingsley Ward pela Record (1985)
>>> Desenho de Perspectiva (Português) Capa dura , Livro Novo de David Sanmiguel pela Ambientes (2020)
>>> Os anéis de Saturno de Isaac Asimov pela Hemus
>>> Inimigo Rumor 17 de Carlito Azevedo e Outros Editores pela Naify (1993)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Hemus (1982)
>>> Pureza de Jonathan Franzen pela Companhia das Letras (2016)
>>> Os Anos 40 de Rachel Jardim pela José Olympio (1973)
>>> A maçã no escuro de Clarice Lispector pela Círculo do livro
>>> Prontuário de Yoga Antigo (SVÁSTHYA YOGA de Professor de Rose pela Ground (1986)
>>> De corpo inteiro de Clarice Lispector pela Artenova (1975)
>>> A cidade sitiada de Clarice Lispector pela José Olympio (1975)
>>> A paixão segundo GH de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Círculo do Livro (1982)
>>> Química e física de Daniel Cruz pela Ática (2002)
>>> Arnaldo Janssen de Alberto Kuyle pela Verbo divino
>>> Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres de Clarice Lispector pela Nova Fronteira (1982)
>>> Homo Deus de Yuval Noah Harari pela Companhia das Letras (2016)
>>> Eternidade por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> Para não esquecer de Clarice Lispector pela Ática (1978)
>>> Em busca do Príncipe Encantado de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> Um sopro de vida de Clarice Lispector pela Círculo do livro (1978)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> Os sapatos de Orfeu - Biografia de Carlos Drummond de Andrade de José Maria Cançado pela Scritta (1993)
>>> Sinfonia patética - A vida de Tchaikóvski de Klaus Mann pela Brasiliense (1989)
>>> Merendeiro (A) SGA-DF – Auxiliar de Educação. Especialidade: Copa/Cozinha de Pimentel. et al pela Vesticon (2005)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 3 - Manhã sombria de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 2 - O ano dezoito de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 1 - Duas irmãs de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> As mentiras que os homens contam de Luiz Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Dieta Low Carb de Eliana Rinaldi e Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Estatística fácil de Antônio Arnot Crespo pela Saraiva (1994)
>>> Simpatias de Antonio Carlos pela Pallas (1997)
>>> A idade da Razão de Sartre pela Cia das letras (2020)
>>> O pai minuto de Spencer Johnson pela Record (1996)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/3/2008
A verdade que as mulheres contam
Pilar Fazito

+ de 16800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A história da humanidade está recheada de violência e injustiças contra o chamado segundo sexo. Violência essa acentuada pelo cristianismo e pelas religiões monoteístas em geral. Se pensarmos nos arquétipos femininos representados pelas deusas gregas, romanas, indianas, indígenas e africanas, vemos que os povos politeístas respeitavam e respeitam bem mais a mulher do que aqueles que adotam um deus único.

Enquanto deus mexeu os pauzinhos em 7 dias para criar o mundo, o caos, o homem e essa bagunça toda que se vê por aí, a energia yin constitui, no politeísmo, a base da concepção da própria humanidade. Assim, o feminino está presente na "mãe Terra" xamânica; na loba que amamentou Rômulo e Remo, fundadores de Roma; e na Titã Gaia, mãe de Zeus, o correspondente grego do Todo-poderoso cristão.

E no catolicismo, o que temos? A condenação de Eva como responsável pelo pecado original. Eva é o bode expiatório de todos os males da humanidade até os dias de hoje. A criação de Eva, aliás, surgiu como forma de execrar outra figura feminina: Lilith.

Há várias versões sobre o mito de Lilith. A grosso modo, ela sim era a primeira mulher e foi criada para aturar o sacripanta do Adão, devendo satisfazer suas vontades. Mas Lilith se rebelou. Era quase uma executiva dos nossos dias, cheia de idéias na cabeça, liberdade nos pés, muito bonita, sexy e dominadora. Ela jamais ficaria em casa, cuidando de pirralhos melequentos e cheia de bobes nos cabelos, esperando o pulha do marido voltar às 5h da manhã, com bafo de pinga e marca de batom no cangote, sem dizer onde esteve. Aliás, dizendo ou não onde esteve, ela não esperaria por ele porque tinha mais o que fazer. E se o encontrasse no meio do caminho, era capaz de devorá-lo, literalmente.

Grande garota! Mas perigosa demais para a segurança e auto-afirmação masculina. Por isso, foi preciso que a igreja católica a tirasse de cena, vinculando-a à bruxaria e a Satanás. Sai Lilith e entra a passível, submissa e tolinha Eva.

E aí vem a pergunta: quem era a loira e quem era a morena? Não precisa responder. Nenhum documento que se preze prestou atenção às mechas das moçoilas e não faço piada aqui. Mas tenho vontade mesmo de fazer uma estatística em relação ao que cada um imagina com a finalidade de analisar a formação de estereótipos.

Recentemente, a rede BBC resolveu fazer um teste por conta própria lá na Inglaterra e creio que as constatações também se aplicam ao Brasil. Foram escolhidas três mulheres: uma loira, uma morena e uma ruiva. Elas passavam por várias situações que demonstravam como os homens e outras mulheres reagiam conforme a cor de suas madeixas. Em seguida, pintaram os cabelos: a morena passou a ser ruiva; a ruiva, loira; e a loira, morena. As moças passaram novamente pelas mesmas situações para confirmarem a primeira impressão.

Além de descreverem o que cada uma percebeu, as câmaras registraram certas curiosidades. Por exemplo: uma mulher loira tem mais chances de conseguir ajuda para trocar o pneu de um carro, enquanto as outras têm que esperar a vida inteira ou se virar como podem. Por outro lado, as pessoas repetem informações para as loiras como se elas não entendessem logo na primeira tentativa. E, claro, os homens olham mais para as loiras.

As participantes do programa disseram que se sentiam mais sérias, envelhecidas e ignoradas quando morenas. Já os homens consultados afirmaram que as mulheres morenas e ruivas parecem mais independentes e não necessitariam de ajuda. A loira, por sua vez, coitadinha, passaria a imagem de uma mulher incapaz e indefesa. Um ratinho assustado que precisa de um macho por perto.

É claro que uma análise séria não poderia se basear num teste realizado pela TV. Mas isto aqui não é uma análise séria. Então, a resposta do nosso quiz é: Eva era a loira. Lilith, a morena.

E a ruiva? Seriam ruivas as Amazonas?

O mito das Amazonas também se fundamenta no arquétipo da mulher auto-suficiente. Adaptado em várias regiões do planeta, aqui no Brasil foram levadas tão a sério pelos portugueses do século XVI que chegaram a dar o nome ao maior rio do mundo.

Os colonizadores realmente temiam o ataque das filhas de Marte. Mulheres fortes, agressivas, bélicas, elas punham todo mundo para correr. Caçavam, pescavam, construíam casas, canoas e, segundo a lenda, quando tinham vontade de "dar uns pegas", invadiam uma aldeia vizinha para copular com os prisioneiros. Depois, claro, deixavam o que sobrou do sujeito para trás ou o matavam. Se dessa excursão sexual nascesse um menino, o coitado era afogado tão logo fosse identificado seu "pingolim".

Mas eis que chega a inquisição e transforma todas as mulheres independentes em bruxas ou prostitutas ― o que dava no mesmo, até então. E as fogueiras da Europa não se importavam se a mulher fosse loira, ruiva ou morena.

O número de processos de sodomia feminina (lesbianismo) registrado pelo visitador da inquisição no Brasil, no século XVI, também era grande. É claro que havia lésbicas, mas muitas das acusadas de "ajuntamento carnal" com outras mulheres o faziam por completa incompreensão de seus maridos, falta de afeto e vida cruel.

Havia ainda aquelas que eram obrigadas a esperar a volta de um marido explorador que talvez nem estivesse mais vivo. Às vezes a espera superava décadas. Se a mulher se casasse novamente, poderia ser acusada pela inquisição de bigamia. Se "pulasse a cerca" com um vizinho, era acusada de adultério. A sodomia, por sua vez, era considerada um delito menor. Menor até que o homossexualismo masculino, já que os homens do Santo Ofício não podiam conceber a idéia do "ajuntamento carnal" sem que houvesse penetração.

A função das mulheres brancas que vinham de Portugal era uma só: parir. E parir um varão, isto é, dar filhos homens a seus maridos. Essas mulheres estavam acostumadas a um mínimo de conforto na metrópole. Ao chegar aqui, encontraram o próprio inferno: calor, bichos, falta de tudo o que se possa imaginar e, sobretudo, de quem as entendesse. Elas eram escolhidas pelos homens, muitos deles degredados, e ainda tinham que providenciar o dote, uma espécie de recompensa para o sujeito que aceitasse "desencalhá-la". No fim das contas, a mulher branca valia menos do que uma vaca e a situação das chamadas "negras" (índias) e as "negras de Guiné" (negras africanas) não era diferente. Estupros e abusos eram mais comuns do que se pensa; as mulheres do século XVI não eram donas sequer do próprio corpo.

A necessidade de se casarem se explicava pela constante ameaça a que estavam expostas: era preciso um marido para garantir-lhes o sustento, defendê-la de feras e, sobretudo, do assédio de outros homens. As viúvas ficavam à mercê desse assédio e da fome, já que eram impedidas de trabalhar. Se não conseguissem se casar novamente, acabavam seguindo a predição da sociedade e virando prostitutas para garantir o próprio sustento.

Depois de tudo isso, é compreensível que as mulheres tenham queimado sutiãs, usado mini-saia e depois a tenham trocado pelo par de calças jeans. O problema foi quando resolveram trocar as calças jeans pelas de linho, acrescentando um terninho, uma gravata e uma pasta debaixo do braço. Problema porque em vez de assumirem sua independência, mantendo a essência feminina, começaram a competir com os homens e a imitá-los. A competição poderia ao menos ser mais justa, caso as regras desse jogo não tivessem sido criadas, exclusivamente, por eles.

São poucas as mulheres que ocupam lugares de destaque dentro de empresas e em cargos políticos, hoje. E são ainda mais escassas aquelas que conseguem fazer isso sem precisar vestir a fantasia de "mulher macho", para serem levadas a sério tanto por homens quanto por elas mesmas.

É impressionante como nos deixamos aprisionar pelos estereótipos propagados na sociedade e na mídia: novelas em que as personagens femininas são histéricas; revistas que ensinam 53 idéias para agradar o homem na cama, na mesa e no banho, ou 82 formas de ficar linda de morrer para o namorado; as "músicas" de axé, funk, pagode etc. que tratam as mulheres como "cachorras"... Enfim, é um bombardeio de informações que aproveita a reação feminina ao machismo histórico e a joga do lado oposto: o da masculinização.

Uma bobagem só. Somos independentes, não auto-suficientes, assim como os homens. Sempre vamos precisar deles como eles de nós.

Ao longo da história, nos obrigamos a ser aquilo que os homens queriam que fôssemos: bruxas, putas, mães, escravas, empregadas, damas, misses etc., tolerando os defeitos masculinos com a intenção de receber amor em troca. Está mais que na hora de eles quererem o melhor que temos para oferecer: companheirismo e cumplicidade.

Os homem vivem dizendo não entender o que as mulheres querem. Ora, queremos o de sempre: ser amadas. Sempre soubemos das mentiras que os homens contam, mas queremos tanto acreditar nelas que fingimos não ouvi-las. Do mesmo modo que os homens fingem não ouvir as verdades que as mulheres contam.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 17/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2008
09h38min
Primeiro, a fêmea nunca foi o segundo sexo! Segundo, isso é a própria caracterização do machismo inferior. Filósofos, sociólogos, psicólogos, antropólogos, já falaram sobre a mulher. E em muitos comentários utilizaram uma verborragia filosófica inútil... diríamos até que se parece mais com uma diarréia filosófica! Quantas besteiras falaram e falam das fêmeas superiores! Porque a mulher era subjugada, era a dona do lar, era incapaz, enfim, era nada! Infelizmente, os autores e colunistas que se dedicaram a prosar e prosear sobre as fêmeas, sempre acentuaram a inferioridade feminina inventada. Tudo por medo da sua superioridade! Criou-se, assim, uma falsa impressão da fêmea, falou-se tanto da coitadinha que o conceito se arraigou no subconsciente dos machos retrógrados e de algumas fêmeas masculinizadas; agora está difícil para ela tirar esses estigmas das costas. Ficar falando nas diferenças de gênero é concordar com o preconceito e afirmar a ignorância do conceituador...
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
11/4/2008
17h18min
Ótimo texto Pilar, resumiu bem alguns arquétipos femininos que fomentaram o imaginário social. Uma das perguntas que me fiz foi: por que Deus criaria primeiro Lilith? E a parte das Amazonas nos mostra justamente o que você critica no final: mulheres que agem exatamente como homens. Estranho pensar que, numa sociedade sem homens, teríamos o mesmo comportamento masculino que tanto abominamos. Encontrar o equilíbrio entre independência e feminilidade parece mesmo ser o grande desafio para as mulheres atuais, além de terem de conviver com homens imaturos e apreensivos com a nova posição feminina. Até quando demorarão a compreender que ambos se completam, cada um com seus encantos e defeitos?
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
19/12/2008
20h11min
Seu texto é muito bom, mas pode fazer parecer que a vida de TODAS as mulheres era um inferno, o que não é verdade. Muitas aprenderam, à custa de sofrimento e privações, uma das piores formas de dominação que a humanidade conhece: o controle emocional. E nisso somos mestras, para o bem e para o mal. Tornamo-nos cruéis genitoras de homens cruéis, mães loucas de homens loucos, a máter sensível de homens sensíveis, que acabaram por nos ver de outra forma, e aí viram um ser humano assim. Viemos de muita penúria, e aprendemos muito também. Precisa nos ser dado um "desconto" pelas nossas TPMs. Estamos melhorando.
[Leia outros Comentários de Barbara Pollac]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEVEN DAYS IN MAY
FLETCHER KNEBEL
BANTAM BOOKS
(1963)
R$ 8,96



PAVIMENTOS PAREDES E TECTOS COMO ACABAR E REPARAR OS INTERIORES DE ...
GRAHAM BLACKBURN
CETOP
(1991)
R$ 31,26



QUANDO PINTA O AMOR
MARIA CAROLINA GARCIA
MODERNA
(1997)
R$ 6,90



NUNCA LHE APARECI DE BRANCO
JUDITH FARR
ROCCO
(1998)
R$ 5,00



PORTUGUESE AND ENGLISH PRONOUNCING DICTIONARY
J. F. VALDEZ
N I
R$ 36,00



AMOR MAIOR QUE TUDO
NORA ROBERTS
HARLEQUIN
(2014)
R$ 7,00



O BRASIL E OS HOLANDESES
VARIOS
BANCO REAL
(1999)
R$ 6,90



PRÉCIS DE CHIRURGIE INFANTILE
E. KIRMISSON
MASSON ET CIE
(1911)
R$ 65,66



TUDO É LINGUAGEM TRAMAS E TEXTO 6 ANO
ANA TRINCONI BORGATTO-TEREZINHA BERTIN-VERA MARCHE
ÁTICA
R$ 12,00



PSICOLOGIA HOSPITALAR C/ DEDICATÓRIA DA AUTORA 8183
TEREZINHA CALIL PADIS CAMPOS
E P U
(1995)
R$ 18,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês