Aqui sempre alguém morou | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/9/2016
Aqui sempre alguém morou
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2700 Acessos

Alguém já morou aqui, e sem perceber subiu a guilhotina, abriu a janela de treliça verde, num gesto automático. Morar aqui de início foi algo diferente, extraordinário, as paredes todas brancas, um prédio pequenino como o da infância, uma estreita varanda. E também, sem perceber, de repente esse alguém dormia como se navegasse, e já acordava num novo dia, um corpo que o mar devolve fresco à terra – rolando na areia, com algas secas nos olhos. Assim como águas turvas começam a envolver este corpo numa noite de inverno.

Sempre morou alguém aqui, e sentiu por anos o som do viaduto subindo, vir o transporte das peças gigantes, e quanto bate-estacas e transtornos e ruído de construção de grandes proporções. Cada vez mais longe, a elevação foi se distanciando como barulhos bruscos do fundo do mar, de pedras batendo. E pela primeira vez numa manhã sentiu a fúria dos carros do oeste ao centro. Todo esse sofrimento agora é uma corrente constante a se desenhar no sono todas as manhãs.

Antes, ainda outros acompanharam a aparição da igreja, que também subira bem ao lado desse lugar de morar, pedra a pedra, torre, capitéis e arcos, seus anjos e suas trombetas douradas e mudas, e o sino da independência a ser alçado. E ele ainda toca aos finais de tarde e nas manhãs de domingo e, mesmo que esvaziado, atravessa os rincões ressequidos desse lago recortado.

No grande viaduto face à igreja blocos de carnaval passariam incólumes ao desejo de sossego no bairro. E aqueles que mais tarde aqui se instalaram observaram de cima da varanda a passagem amena dos foliões, como perdizes despenadas, e aquele som de alegria se desvanecendo no ar.

Quem quer que aqui tenha residido não esteve a tempo de obter um gordo galho de fícus em sua janela. O caule e as raízes cada vez mais grossas, agressivas, superficiais. Que esse conjunto de fícus transpirou, hauriu com línguas a princípio pequeninas e altivas essa água da terra logo ao lado deste prédio. E não havia nem há apenas uma árvore, mas um grupo tão grudado que de qual exemplar é esta verde parede alvissareira que recobre esta janela não se pode mais saber.

Diante dessa visão maravilhosa e definitiva de grandes construções e destruição do largo, quem aqui morasse ficaria ilhado nos ruídos domésticos, como a água espiralando pelo encanamento ou os vizinhos subindo ofegantes e cansadamente a escadaria. Aos sábados, a vassoura bruxa raspando os degraus e a água escorrendo abundante em pequena cascata de três andares, até a última umidade ser bebida pelo piso. Quem sabe o cheiro de cigarro, cebola e alho ou bacon empesteando tudo. Espere, há um ruído indistinto, de coisa parada ou se mexendo, de vento, quem sabe roçar de folhagem, talvez aquele que o próprio mundo emite pela natureza nas madrugadas recortadas esparsamente por carros.

E como seres vivos e latentes aqui vivemos, nunca exatamente juntos, mas sempre concomitantes a outros seres e rituais, a certos estalos particulares do edifício. E numa madrugada, escura como essa, haveria quem esperasse pelo jornal, pelo leite, pelo pão, pelo toque delicado da campainha, como neste momento espero pelo amanhecer, no formato de um bico de pássaro que se abrirá frente ao futuro, neste mesmo lugar, onde alguém sempre morará.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb de Julio Daio Borges
02. Carta para Sonia Rodrigues de Adriana Baggio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Meu querido mendigo - 18/8/2016
04. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acorda Brasil
Gilberto Vieira Cotrim
Saraiva
(1989)



Turismo Ecológico Bahia Brasil
Editora Isto é
Isto é
(2004)



Procurando Firme
Ruth Rocha
Ática
(1996)



Abra e descubra! como funciona o computador?
Alex Frith e Rosie Dickins
Usborne
(2016)



Maria breve introdução à mariologia
José Lélio Mendes Ferreira
Santuário
(2000)



Bio Volume Único Teste de Vestibulares e Enem
Sonia Lopes
Saraiva



A Pequena Sereia
Disney
Edelbra



Dedinhos Agitados A Menor das Raposas Um Livro Fantoche
The Clever Factory
TodoLivro



Tank Too
Masoud Golsorkhi
Thames & Hudson
(2006)



Os Ásperos Tempos Vol Xiii
Jorge Amado
Martins
(1971)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês