João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente | Renata de Albuquerque | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/3/2004
João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
Renata de Albuquerque

+ de 10000 Acessos

Parece incrível que este Corpo Presente seja o livro de estréia de João Paulo Cuenca. A escrita deste carioca de 25 anos tem a maturidade que muitas vezes não se encontra nem mesmo em livros de autores que já estão em sua segunda ou terceira publicação. Talvez a experiência de Cuenca conquistada nos blogs, mídia na qual é veterano, seja uma explicação para este texto redondo, tecido com cuidado.

Nem sempre é assim. Muita gente vinda de blogs tenta dar corpo ao seu texto, e trazer à luz um livro. Mas muitas vezes os blogueiros se perdem e não chegam nem perto do que se poderia chamar de literatura.

Não é o que acontece com este belíssimo Corpo Presente. Cuenca, apesar de não fugir aos parâmetros de outros escritores de sua geração, consegue encontrar saídas originais para sua literatura.

Corpo Presente é um romance urbano, que retrata uma certa marginalidade de adultos jovens envoltos em questões permeadas sempre por sexo e sobrevivência. Esse romance urbano tem uma ação de cortes cinematográficos, levando o leitor a lugares caóticos e inóspitos, que muitas vezes estão dentro da alma e do pensamento do próprio narrador.

O narrador do livro de Cuenca busca, em cada página, Carmen, o corpo presente que povoa os sonhos e assombra a realidade do narrador, que seria protagonista se essa sombra de faces múltiplas, Carmen, não fosse a razão única de todo o universo do livro.

Carmen está em cada cenário, em cada situação deste romance composto de pequenos contos. Lido do início ao fim, de forma linear, Corpo Presente revela uma trama com ligações inusitadas dessa busca infinita. Mas cada capítulo é um conto, uma esperança (ou uma desilusão) de encontro, que nem sempre se mostra possível.

Os capítulos são numerados com números primos, que se dividem apenas por si mesmo e por um. Assim, indivisíveis e singulares, fazem um retrato múltiplo de Carmen, e somados compõem esse todo desconcertante e perturbador, como é a procura pelo ideal feminino. Mãe, mulher, amante, cadáver, prostituta: não há fantasia que Carmen não vista. Não há modelo no qual o narrador não tente enquadrar e encontrar Carmen. Mas ela não se deixa rotular. Onipresente, Carmen marca por sua ausência, que desespera e estimula o narrador a continuar sua procura e desenvolver com ela uma relação quase simbiótica. Essa mulher é uma lembrança, é um fantasma, é uma questão a ser resolvida, é o elemento que cerceia a existência, ao mesmo tempo dá sentido a ela.

Parece que ela está sempre dois passos à frente, que nunca se deixa capturar, apesar de muitas vezes estar ao lado. Sempre intangível.

Em Corpo Presente há uma volúpia constante, como em uma roda gigante na qual o leitor passeia de olhos vendados. Muitas vezes em uma mesma página, o leitor se depara com muitas Carmens, muitas facetas do mesmo e fragmentado mundo de Cuenca.

E o autor sabe muito bem onde quer chegar quando leva o leitor nessa busca. O texto de Cuenca é seguro de si. Confiante, parece saber sempre qual o próximo passo, o destino final daquela busca. O texto se insinua para o leitor, como Carmen para o narrador.

O autor encontra na sua narrativa cheia de realidade brutal, marginalidade e sexo, espaços para exercer um idílio que nem sempre tem vez nas narrativas chocantes e invasivas típicas da literatura urbana atual. Esse é um dos grandes trunfos do livro, que insiste em mostrar um delírio atormentado dos personagens e pelo qual o leitor deve se permitir envolver.

A tensão é crescente, mas não chega a oprimir ou torturar o leitor. Cuenca manipula seu texto com tamanha habilidade que consegue manter o leitor a uma "distância segura" da sua narrativa: nem tão longe que não consiga se envolver, nem tão perto que se sinta oprimido.

A obsessão do narrador por Carmen e a estranha relação que os personagens travam empresta ao livro uma intensidade quase dramática. E Cuenca se vale disso, em um texto que resvala em cinema: muitas cenas são quase um roteiro pronto, com cortes estudados, cenários cheios de significado e diálogos que parecem casuais.

Carmen é um Corpo Presente ao qual se presta reverência. E com ele Cuenca abre passagem no cenário da literatura nacional, com o frescor de estreante e a competência de um veterano das letras.

Para ir além






Renata de Albuquerque
São Paulo, 25/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Ditadura e seus personagens (I) de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Renata de Albuquerque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tratado de Fotografia
Michael J. Langford
Fotobiblioteca



Reflexões Sobre o Racismo 3ª Edição.
Jean-paul Sartre
Difel
(1963)



Teoria Sociológica do Direito e Prática Forense
Cláudio Souto
SaFe
(1978)



Batman. Congelante
Michael Anthony Steele
Fundamento
(2009)



Testemunha Ocular - 25 Anos Através das Melhores Fotos Jornalísticas
Harold Evans - Comentários
Círculo do Livro
(1981)



Promessas de Deus - o Que Você Precisa Fazer para Recebê-las
Silas Malafaia
Central Gospel
(2006)



A politica externa da primeira republica e os estados unidos
Paulo jose dos reis pereira
Hucitec
(2006)



Almanaque Disney Nº250
Walt Disney
Abril
(1992)



Os Valorosos - Albert Cohen (Literatura Francesa)
Albert Cohen
Nova Fronteira
(1988)



Beijinhos no Papai
Frances Watts / David Legge
Fundamento
(2009)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês