João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente | Renata de Albuquerque | Digestivo Cultural

busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Mentoria Artística Anti-análise com Pêdra Costa
>>> Dias 06,13, 20 e 27 de março terão apresentações circenses virtuais da Arca de Vandé
>>> Obra clássica sobre a economia política de Marx é lançada no Brasil
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Tom Zé por Giron
>>> Solte o Timóteo
>>> As cores de Pamuk
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Ex-míope ou ficção científica?
Mais Recentes
>>> A Morte de Deus - Introdução à Teologia Radical de Thomas J. J. Altizer; William Hamilton pela Paz e Terra (1967)
>>> Notas Musicais Cariocas de João Baptista M. Vargens (org.) pela Vozes (1986)
>>> A voz da lua de Federico fellini pela L&Pm (1990)
>>> Buddhist Scriptures de Edward Conze (ed.) pela Penguin Books (1959)
>>> Recurso Especial e extraordinário de Samuel Monteiro pela Hemus (1992)
>>> Alice no país do espelho - Lewia Carroll de Lewia Carroll pela L&PM
>>> Uma Escola de Jornalismo para o Futuro de Eugênio Bucci (org) pela Espm (2015)
>>> O Alienista - Col. Literatura Brasileira Em Quadrinhos de Machado de Assis pela Escala (2011)
>>> A Eternidade de Israel de Benjamin Gross pela Maayanot (1994)
>>> Da Vinci e Maquiavel - um Sonho Renascentista de Roger Masters pela Zahar (1999)
>>> Comentários à consolidação das leis do trabalho de Valentin Carrion pela Saraiva (2004)
>>> Direito Civil - Teoria Geral das Obrigações e Contratos 9ª Ed. de Sílvio de Salvo Venosa pela Atlas (2009)
>>> Kuarahycora: o Circulo do Sol de Yara Miowa pela Elevação (1999)
>>> 16765494 de Sergio Luis Gadini pela Sergio Luis Gadini
>>> Um conto do destino -Morey Sttener de Mark Helprin pela Novo conceito
>>> Gramática da Língua Inglesa de Oswaldo Serpa pela Fae (1988)
>>> Almanaque Pinheironeto Nossas Sete Décadas de Mario Prata pela Andeato Comunicação (2012)
>>> A Fantástica Volta ao Mundo de Zeca Camargo pela Globo (2004)
>>> Jeanete Musatti de Vários Autores; Jeanete Musatti pela Dba (2009)
>>> A Paixão de Conhecer o Mundo de Madalena Freire pela Paz e Terra (2002)
>>> Para Gostar de Ler Vol. 17 Cenas Brasileiras de Rachel de Queiroz pela Atica (2003)
>>> Delegar Tarefas Com Segurança de Jonathan Coates pela Nobel (2000)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Ltr (2001)
>>> A Fantástica Volta ao Mundo de Zeca Camargo pela Globo (2004)
>>> Fidelizar o Cliente de Roland Bee pela Nobel (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/3/2004
João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
Renata de Albuquerque

+ de 9600 Acessos

Parece incrível que este Corpo Presente seja o livro de estréia de João Paulo Cuenca. A escrita deste carioca de 25 anos tem a maturidade que muitas vezes não se encontra nem mesmo em livros de autores que já estão em sua segunda ou terceira publicação. Talvez a experiência de Cuenca conquistada nos blogs, mídia na qual é veterano, seja uma explicação para este texto redondo, tecido com cuidado.

Nem sempre é assim. Muita gente vinda de blogs tenta dar corpo ao seu texto, e trazer à luz um livro. Mas muitas vezes os blogueiros se perdem e não chegam nem perto do que se poderia chamar de literatura.

Não é o que acontece com este belíssimo Corpo Presente. Cuenca, apesar de não fugir aos parâmetros de outros escritores de sua geração, consegue encontrar saídas originais para sua literatura.

Corpo Presente é um romance urbano, que retrata uma certa marginalidade de adultos jovens envoltos em questões permeadas sempre por sexo e sobrevivência. Esse romance urbano tem uma ação de cortes cinematográficos, levando o leitor a lugares caóticos e inóspitos, que muitas vezes estão dentro da alma e do pensamento do próprio narrador.

O narrador do livro de Cuenca busca, em cada página, Carmen, o corpo presente que povoa os sonhos e assombra a realidade do narrador, que seria protagonista se essa sombra de faces múltiplas, Carmen, não fosse a razão única de todo o universo do livro.

Carmen está em cada cenário, em cada situação deste romance composto de pequenos contos. Lido do início ao fim, de forma linear, Corpo Presente revela uma trama com ligações inusitadas dessa busca infinita. Mas cada capítulo é um conto, uma esperança (ou uma desilusão) de encontro, que nem sempre se mostra possível.

Os capítulos são numerados com números primos, que se dividem apenas por si mesmo e por um. Assim, indivisíveis e singulares, fazem um retrato múltiplo de Carmen, e somados compõem esse todo desconcertante e perturbador, como é a procura pelo ideal feminino. Mãe, mulher, amante, cadáver, prostituta: não há fantasia que Carmen não vista. Não há modelo no qual o narrador não tente enquadrar e encontrar Carmen. Mas ela não se deixa rotular. Onipresente, Carmen marca por sua ausência, que desespera e estimula o narrador a continuar sua procura e desenvolver com ela uma relação quase simbiótica. Essa mulher é uma lembrança, é um fantasma, é uma questão a ser resolvida, é o elemento que cerceia a existência, ao mesmo tempo dá sentido a ela.

Parece que ela está sempre dois passos à frente, que nunca se deixa capturar, apesar de muitas vezes estar ao lado. Sempre intangível.

Em Corpo Presente há uma volúpia constante, como em uma roda gigante na qual o leitor passeia de olhos vendados. Muitas vezes em uma mesma página, o leitor se depara com muitas Carmens, muitas facetas do mesmo e fragmentado mundo de Cuenca.

E o autor sabe muito bem onde quer chegar quando leva o leitor nessa busca. O texto de Cuenca é seguro de si. Confiante, parece saber sempre qual o próximo passo, o destino final daquela busca. O texto se insinua para o leitor, como Carmen para o narrador.

O autor encontra na sua narrativa cheia de realidade brutal, marginalidade e sexo, espaços para exercer um idílio que nem sempre tem vez nas narrativas chocantes e invasivas típicas da literatura urbana atual. Esse é um dos grandes trunfos do livro, que insiste em mostrar um delírio atormentado dos personagens e pelo qual o leitor deve se permitir envolver.

A tensão é crescente, mas não chega a oprimir ou torturar o leitor. Cuenca manipula seu texto com tamanha habilidade que consegue manter o leitor a uma "distância segura" da sua narrativa: nem tão longe que não consiga se envolver, nem tão perto que se sinta oprimido.

A obsessão do narrador por Carmen e a estranha relação que os personagens travam empresta ao livro uma intensidade quase dramática. E Cuenca se vale disso, em um texto que resvala em cinema: muitas cenas são quase um roteiro pronto, com cortes estudados, cenários cheios de significado e diálogos que parecem casuais.

Carmen é um Corpo Presente ao qual se presta reverência. E com ele Cuenca abre passagem no cenário da literatura nacional, com o frescor de estreante e a competência de um veterano das letras.

Para ir além






Renata de Albuquerque
São Paulo, 25/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O melhor de 2008 ― literatura e cinema de Milton Ribeiro
02. A internet não é nada de Fernand Alphen


Mais Renata de Albuquerque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dogmática Cristã: um Manual Sistemático dos Ensinos Bíblicos
John Theodore Mueller
Concórdia
(2004)
R$ 140,00



Que País é Este? e Outros Poemas - 10371
Affonso Romano de Santanna
Civilização Brasileira
(1980)
R$ 7,00



As Sandálias do Pescador 8624
Morris West
Civilização Brasileira
(1964)
R$ 11,00



Impacto Tributário do Novo Código Civil
Eduardo de Carvalho Borges
Quartier Latin
(2004)
R$ 12,00



O Individualismo Uma perspectiva antropológica da ideologia moderna
Louis Dumont
Rocco
(1985)
R$ 40,00



Shakespeare - Uma vida
Park Honan
Companhia das Letras
(2001)
R$ 48,00



Egiptomania - o Egito no Brasil
Margaret Bakos
Paris Editorial
(2004)
R$ 19,90



Pintar a Óleo, Colecção Habitat
John Raynes
Presença
(1995)
R$ 22,33



História Geral a Construção de um Mundo Globalizado
Joana Neves
Saraiva
(2002)
R$ 10,00



Proyecto Enlaces Libro Alumno Con Cd-a & Libro Digital -2
Jenny Valverde
Macmillan Education
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
82505 visitas/dia
2,1 milhões/mês