O caso da cenoura | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
Mais Recentes
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
>>> Um Espírito Demoníaco de Morris Cerulo pela Imprensa da Fé (1998)
>>> Assassins Creed de Christie Golden pela Galera (2020)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> A Canção do Sangue de Anthony Ryan pela Leya (2014)
>>> Memórias de um Suicida (Obra Mediúnica) de Yvonne do Amaral Pereira pela Federação Espírita Brasileira (2003)
>>> Mundo Como Vontade e Como Representação - I Tomo de Arthur Schopenhauer pela Unesp (2005)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/8/2012
O caso da cenoura
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3100 Acessos


foto: Sissy Eiko

É um mistério como ela surgiu, tanto quanto como ela sumiu. Na verdade, o que eu mais queria era que ela desaparecesse o quanto antes. Não posso reclamar, pois com nenhum esforço posso dizer que meu desejo mais que se realizou. Desde que a percebi não havia tranquilidade em casa. Havia algo, ela, que me perturbava, como se pudesse ser uma moradora a mais, anexa, subalterna mas exigente, e que passasse frio nas noites de inverno. Ela, ainda que estática e solitária, me incomodava. As visitas que eu trazia em casa se apercebiam certeiramente dela. Não sei porque, havia algo magnético, quem sabe ostensivo e direto, pois os olhares baixavam à sua cata, direcionavam-se certeiros e incisivos em sua presença rasteira. E que material esdrúxulo era aquele, que tipo de casa então seria a minha em que um tubérculo repousa displicente no alpendre?

O fato é que na marquise que margeia o pequeno balcão em que consiste minha sacada, rodeada pelo lado esquerdo por uma frondosa árvore, cujas folhas caem longamente em ambas, uma manhã reparei na existência de uma cenoura. Não era uma rodela, nem uns fiapos ralados de salada, antes uma cenoura de verdade (mas sem as folhas), avolumada, talvez pronta para ser consumida. Parecia-me que já tinham lhe passado a faca, tendo, portanto, sido limpa. Ela apenas, provavelmente, aguardava seu consumo quando tombou em minha casa.

Pensei em, com o golpe de um cabo de vassoura, me livrar dela, fazendo com que delicadamente rolasse do primeiro andar para o chão. Não seria uma grande queda e facilmente eu a acharia pousada na calçada e, munida de um saco plástico, finalmente a retiraria das minhas vistas. É claro que a operação seria meio que às escondidas, de madrugada, quando não houvesse transeunte, nem observadores, porque ela poderia cair na cabeça de alguém e porque todos que passem olham para a minha varanda, e isso não é mania de perseguição.

A questão então era: como esta cenoura foi parar na marquise? De onde teria ela caído, ou teria alguém a jogado propositalmente? Um bicho a havia escondido ali para depois, na solidão da madrugada, se abraçar a ela com delícia? Ou, ainda, teria em qual situação ela escapado? Estava claro que ela só poderia ter caído de um dos dois andares de cima do prédio. Apesar de sua súbita onipresença e, de fato, sua presença me aborrecia, nada fiz − talvez por preguiça, por temer me estender na sacada com a vassoura e não ter ajuda noite adentro para resgatá-la −, e assim mantendo a cenoura tal como estava em seu canto, imóvel, iniciei uma enquete.

Primeiro disseram que alguém poderia estar com a cenoura no próprio balcão, haveria legumes a serem cortados, quando de repente a cenoura caiu e pronto. Com isso devemos admitir que deve se tratar de uma mulher, uma senhora, pois não imagino um homem entrando no quarto de dormir munido de tábua de cortar, faca e cenouras, para então acessar a varanda, de lá observar o movimento da rua enquanto corta seus legumes para o almoço, depois entrar de novo pelo quarto e se dirigir à cozinha. Outra hipótese, ainda da cenoura vindo do alto: alguém, recostado na varanda, a comia, quando de repente a cenoura (crua e ainda praticamente inteira) escorrega das mãos para tombar diretamente na marquise logo abaixo do primeiro andar do prédio, ou seja, num território sobre minha jurisdição e, pra piorar, controle da limpeza.

Um parênteses: o que mais me impressiona nestas duas hipóteses, sugeridas por parentes e amigos, é que meu suposto vizinho não me avisou do que acontecera. Ou seja, não fiquei tão chocada com a originalidade de ambas as soluções pitorescas, antes com a falta de solidariedade entre vizinhos, o acabrunhamento que se instala entre seres vivendo tão próximos. Ou será que ele(s) não se apercebeu(ram) o destino da cenoura tombada? Poderia(m) ter tocado a campainha e dito "desculpe, estava picando uns legumes e deixei cair uma cenoura próximo à sua sacada". Teria sido suficiente o pedido de desculpas ou será que foi melhor deixar tudo como estava? - um silêncio coroando uma relação inexistente.

Há pouco pensamos na possibilidade de alguém, passando pela rua, ter simplesmente lançado a cenoura, que, por azar, foi cair bem no meu andar. O que não seria de todo difícil pois com pouca força seria possível acessá-lo. Mas o que então motivaria tal empresa? O prazer de jogar uma cenoura-bomba numa inofensiva morada? Quem sabe a rua, um lugar de pouco, embora de fácil acesso, tenha uma presença mais estranha neste mês de festas juninas, estando logo ao lado da igreja. Hipóteses, apenas hipóteses num mar de dúvidas.

Por último, resta a cenoura ter partido de dentro de meu apartamento. Então, teria eu, fora de mim, num momento qualquer lançado aquela cenoura avante? Mas como, se eu não havia nunca comprado uma cenoura, ao menos meu coração assim dizia. E mesmo ainda havia a hipótese de alguém, dentro da minha própria casa, por algum motivo ter jogado aquela cenoura no alpendre, quem sabe por brincadeira, ou para escondê-la.

Este seria talvez o intento de algum bicho arisco e escalador, que tivesse se agarrado ao caule da árvore ao lado, equilibrado-se nos galhos mais finos da ponta e pulado na marquise, sempre com a cenoura nas patas, ou à boca, para então dispô-la. Ou então o animal fora surpreendido no momento em que transitava por lá e, no susto, deixara a cenoura de lado. Um dia iria buscá-la?

Resumindo, qualquer uma das hipóteses acima me parecem um tanto fantasiosas, pela disponibilidade da ação das pessoas ou animais supostamente envolvidos, da minha ou da de terceiros próximos a mim. De modo que, já acostumado com a presença do vegetal, nesta tarde ensolarada de inverno abro todas as janelas da casa, abro também as cortinas, as portas de vidro e as venezianas da varanda. Resolvo ver o estado em que se encontra a cenoura. Há três semanas ela lá se encontrava já com uma camada negra de bolor, depois de tanto tempo exposta e dos dias chuvosos que se antecederam a este tempo bom.

Qual não é minha supresa quando um novo mistério se avizinha. A cenoura desaparecera. O ralo não poderia tê-la engolido, a chuva não a teria levado. É possível que ela tenha se desintegrado? Mas uma cenoura gorda e grande! Restara apenas um rastro meio cinza marcado na amplitude do espaço que ocupara no concreto rugoso. Não tenho coragem de olhar novamente para colher mais informações.

Logo pensei, ao adentrar e recostar a porta de vidro: um rato. Sim, um rato, por diversas noites, havia roído silenciosamente, estalando a língua, a cenoura, até que ela acabasse. E esperava por mais, ansiava por mais cenoura fresca. Ou mofada, como era o caso daquela já no adiantado do correr dos dias. Corro ao telefone com esta iminente e simpática ameaça. Minha tia é peremptória: Rato não gosta de cenoura. Como não? Não gosta. Tem certeza, ele não roeria uma cenoura? Acho que não, procura na internet.

Deixei de lado. Outra ligação: Foram passarinhos e as pombas que foram bicando a cenoura. Minha incredulidade aumenta. Como uns bicos pequeninos teriam tão rapidamente dado cabo à grande cenoura sem deixar rastros, sem que eu nunca os visse lá pousados? De noite. Mas este não é o horário dos pássaros dormirem? Minha mãe, ainda sonâmbula, pela manhã, tende a concordar com a conjectura do rato comilão: Isso é. Todo lugar tem um ratinho pequenininho. Inclusive outro dia, lá perto, veio um no meu pé, diante daquele terreno que começaram a jogar potinhos de sorvete depois que demoliram as casas.

Por fim, numa última ligação relato o sumiço da cenoura, refazemos mentalmente todas as possibilidades por nós e por outrem pensadas - qual das alternativas apontadas pode explicar seu advento e desaparecimento? Ao que me dizem do outro lado do fone, para minha aflição e ternura imensas: Pode não ser nenhuma delas, né?


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 16/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa de Marcelo Miranda
02. Pais e filhos, maridos e esposas de Fabrício Carpinejar


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISICA VOAZ BOX COMPLETO
ANTONIO MAXIMO BEATRIZ ALVARENGA
SCIPIONE
(2012)
R$ 39,90



HISTÓRIA ORAL: COMO FAZER, COMO PENSAR
JOSÉ CARLOS S. B. MEIHY E FABÍOLA HOLANDA
CONTEXTO
(2007)
R$ 30,00



TEORIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO
NORBERTO BOBBIO
UNB
(1999)
R$ 26,00



OS TRABALHADORES DO MAR (LITERATURA FRANCESA)
VICTOR HUGO
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 30,00



ANIMAIS PRÉ- HISTÓRICOS - SÉRIE PRISMA
BARRY COX
MELHORAMENTOS
(1975)
R$ 6,90



AETHER
EMBLA RHODES
FUNALFA
(2007)
R$ 12,00



HISTÓRIAS DE HOMENS CASADOS
MARCELO BIRMAJER
PLANETA
(2006)
R$ 28,00



INTRODUCTION TO INSTRUMENTATION IN SPEECH AND HEARING
EDWARD CUDAHY (CAPA DURA)
WILLIAMS & WILKINS
(1988)
R$ 48,28



SEXUALIDADE DIVINA DESCOBRINDO A ALEGRIA DO TANTRA
MAHASATVAA MA E ANANDA SARITA/ PH. D.
MADRAS
(2012)
R$ 74,11



BENTO QUE BENTO É O FRADE
ANA MARIA MACHADO
SALAMANDRA
(2006)
R$ 21,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês