O caso da cenoura | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
Mais Recentes
>>> Ciências - Entendendo a Natureza 8ª - DO PROFESSOR de César, Sezar e Bedaque pela Saraiva (2001)
>>> Ciências - A Vida na Terra 7º ano - DO PROFESSOR de Fernando Gewandsznajder pela Ática (2011)
>>> Com Direito à Palavra: Dicionários em sala de aula de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2012)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Caderno 1 de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Educação Inclusiva de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Jogos na Alfabetização Matemática de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática -Educação Matemática do Campo de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Orpheus Histoire Générale des Religions - 1909 de Salomon Reinach pela Motterz et Martinet (1909)
>>> Vontade de Saber Matemática 8º ano - DO PROFESSOR de Joamir Souza e Patricia Moreno Pataro pela FTD (2009)
>>> Cartas - Tomo I - 1856 de Alexandre Herculano pela Bertrand (1856)
>>> Projeto Teláris - Geografia 7 - o espaço social e o espaço brasileiro - DO PROFESSOR de J. William Vesentini e Vânia Vlach pela Ática (2013)
>>> Les Liaisons Dangereuses volumes I e II de De Laclos pela Librairie Grund (1936)
>>> Epitome de Historia Universal - 1931 de Jonathas Serrano pela Livr. Francisco Alves (1931)
>>> Gli Eroi Del Cielo, Della Terra e Del Mare de Socrate Ciccarelli pela A.Mondadori (1927)
>>> Interagindo com a Matemática 2 - DO PROFESSOR de Adilson Longen pela do Brasil
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 1 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2012)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 1 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2012)
>>> Noveau Formulaire Magistral de Thérapeutique Clinique... de Dr.Odilon Martin pela Librairie J.B.Baillière (1920)
>>> Facundo - 1942 de Domingo Faustino Sarmiento pela Editorial Losada (1942)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 4 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2012)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 5 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2013)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 5 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2013)
>>> História e Geografia 1 - Porta Aberta - DO PROFESSOR de Mirna Lima pela FTD (2002)
>>> Uma temporada no Inferno e Iluminações - 1957 de Arthur Rimbaud pela Civilização Brasileira (1957)
>>> Nossa Senhora de Paris - 1º volume - Colecção Lusitánia de Victor Hugo pela Livraria Chardron
>>> Rayons X et la Photographie a travers les corps opaques - 1896 de Ch. - D. Guillaume pela Gauthier-Villars et fils (1896)
>>> Normas da Alimentação de Neila Mara pela Ufpel (1994)
>>> Quimioterapia do Tracoma - 1940 de Octacilio Lopes (autografado) pela Revista dos Tribunais (1940)
>>> Língua Portuguesa 3 - Porta Aberta - DO PROFESSOR de Isabella Carpaneda e Angiolina Bragança pela FTD (2003)
>>> Psicologia do Homem - Psicologia da Mulher Introdução ao... de Grupo Gente Nova pela Grupo Gente Nova
>>> A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins de Robert C. Atkins, M.D. pela Record (2001)
>>> A herdeira de Sidney Sheldon pela Círculo do livro
>>> Retrato Num Espelho - 1948 de Charles Morgan pela Globo (1948)
>>> Les Grands Auteurs de La Sociologie de Henri Mendas ; Jean Étienne pela Hatier (1997)
>>> Como Administrar o Tempo de Tim Hindle pela Publifolha (1999)
>>> Sono - Cuide Bem de Sua Saúde de Edzard Ernst professor pela Vitória Régia (2000)
>>> Matemática nos Novos Tempos - Registrando Descobertas 4 - DO PROFESSOR de Maria Apparecida Barroso de Lima pela FTD (2003)
>>> Sistema Integrado de Educação - Planejamento Diário do Professor -2 anos - Educação Infantil de Maria Clara Medeiros pela Formando Cidadãos
>>> Gato Preto em Campo de Neve - 1947 - Ilustrado de Erico Verissimo pela O Globo (1947)
>>> Chamado da Selva (Tã - Tã) - Caminhos da Vida de Attilio Gatti pela Melhoramentos (1957)
>>> Sistema Integrado de Educação - Planejamento Diário do Professor - 5º ano de Maria Clara Medeiros pela Formando Cidadãos
>>> Curumim sem nome - Coleção Estórias do meu Brasil de Baltazar de Godoy Moreira pela Do Brasil
>>> Sistema Integrado de Educação - Matemática 3º ano - Ensino Fundamental - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Clara Medeiros pela Formando Cidadãos
>>> Revista do Livro - Ano 6 Março; Junho 1961 - nº 21 - 22 de Augusto Meyer (Diretor) pela Imprensa Oficial (1961)
>>> Sistema Integrado de Educação - Ciências 3º ano - Ensino Fundamental - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Clara Medeiros pela Formando Cidadãos
>>> Obras de Eça de Queiroz - Vol. VI Edição do Centenário 1947 - Formato Grande de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão Editores (1947)
>>> Obras de Eça de Queiroz - Vol. V Edição do Centenário - 1946 - Formato Grande de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão Editores (1946)
>>> Novas poesias para moças e crianças nativistas: invernadas mirim, juvenil e das prendas de Dimas Costa pela Martins Livreiro (1995)
>>> Porta Aberta - Guia Interdisciplinar 3 - DO PROFESSOR de FTD pela FTD (2003)
>>> Oceanos - Portugueses no Brasil Independente de Joaquim Romero Magalhães (Director) pela Bertrand (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/8/2012
O caso da cenoura
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2800 Acessos


foto: Sissy Eiko

É um mistério como ela surgiu, tanto quanto como ela sumiu. Na verdade, o que eu mais queria era que ela desaparecesse o quanto antes. Não posso reclamar, pois com nenhum esforço posso dizer que meu desejo mais que se realizou. Desde que a percebi não havia tranquilidade em casa. Havia algo, ela, que me perturbava, como se pudesse ser uma moradora a mais, anexa, subalterna mas exigente, e que passasse frio nas noites de inverno. Ela, ainda que estática e solitária, me incomodava. As visitas que eu trazia em casa se apercebiam certeiramente dela. Não sei porque, havia algo magnético, quem sabe ostensivo e direto, pois os olhares baixavam à sua cata, direcionavam-se certeiros e incisivos em sua presença rasteira. E que material esdrúxulo era aquele, que tipo de casa então seria a minha em que um tubérculo repousa displicente no alpendre?

O fato é que na marquise que margeia o pequeno balcão em que consiste minha sacada, rodeada pelo lado esquerdo por uma frondosa árvore, cujas folhas caem longamente em ambas, uma manhã reparei na existência de uma cenoura. Não era uma rodela, nem uns fiapos ralados de salada, antes uma cenoura de verdade (mas sem as folhas), avolumada, talvez pronta para ser consumida. Parecia-me que já tinham lhe passado a faca, tendo, portanto, sido limpa. Ela apenas, provavelmente, aguardava seu consumo quando tombou em minha casa.

Pensei em, com o golpe de um cabo de vassoura, me livrar dela, fazendo com que delicadamente rolasse do primeiro andar para o chão. Não seria uma grande queda e facilmente eu a acharia pousada na calçada e, munida de um saco plástico, finalmente a retiraria das minhas vistas. É claro que a operação seria meio que às escondidas, de madrugada, quando não houvesse transeunte, nem observadores, porque ela poderia cair na cabeça de alguém e porque todos que passem olham para a minha varanda, e isso não é mania de perseguição.

A questão então era: como esta cenoura foi parar na marquise? De onde teria ela caído, ou teria alguém a jogado propositalmente? Um bicho a havia escondido ali para depois, na solidão da madrugada, se abraçar a ela com delícia? Ou, ainda, teria em qual situação ela escapado? Estava claro que ela só poderia ter caído de um dos dois andares de cima do prédio. Apesar de sua súbita onipresença e, de fato, sua presença me aborrecia, nada fiz − talvez por preguiça, por temer me estender na sacada com a vassoura e não ter ajuda noite adentro para resgatá-la −, e assim mantendo a cenoura tal como estava em seu canto, imóvel, iniciei uma enquete.

Primeiro disseram que alguém poderia estar com a cenoura no próprio balcão, haveria legumes a serem cortados, quando de repente a cenoura caiu e pronto. Com isso devemos admitir que deve se tratar de uma mulher, uma senhora, pois não imagino um homem entrando no quarto de dormir munido de tábua de cortar, faca e cenouras, para então acessar a varanda, de lá observar o movimento da rua enquanto corta seus legumes para o almoço, depois entrar de novo pelo quarto e se dirigir à cozinha. Outra hipótese, ainda da cenoura vindo do alto: alguém, recostado na varanda, a comia, quando de repente a cenoura (crua e ainda praticamente inteira) escorrega das mãos para tombar diretamente na marquise logo abaixo do primeiro andar do prédio, ou seja, num território sobre minha jurisdição e, pra piorar, controle da limpeza.

Um parênteses: o que mais me impressiona nestas duas hipóteses, sugeridas por parentes e amigos, é que meu suposto vizinho não me avisou do que acontecera. Ou seja, não fiquei tão chocada com a originalidade de ambas as soluções pitorescas, antes com a falta de solidariedade entre vizinhos, o acabrunhamento que se instala entre seres vivendo tão próximos. Ou será que ele(s) não se apercebeu(ram) o destino da cenoura tombada? Poderia(m) ter tocado a campainha e dito "desculpe, estava picando uns legumes e deixei cair uma cenoura próximo à sua sacada". Teria sido suficiente o pedido de desculpas ou será que foi melhor deixar tudo como estava? - um silêncio coroando uma relação inexistente.

Há pouco pensamos na possibilidade de alguém, passando pela rua, ter simplesmente lançado a cenoura, que, por azar, foi cair bem no meu andar. O que não seria de todo difícil pois com pouca força seria possível acessá-lo. Mas o que então motivaria tal empresa? O prazer de jogar uma cenoura-bomba numa inofensiva morada? Quem sabe a rua, um lugar de pouco, embora de fácil acesso, tenha uma presença mais estranha neste mês de festas juninas, estando logo ao lado da igreja. Hipóteses, apenas hipóteses num mar de dúvidas.

Por último, resta a cenoura ter partido de dentro de meu apartamento. Então, teria eu, fora de mim, num momento qualquer lançado aquela cenoura avante? Mas como, se eu não havia nunca comprado uma cenoura, ao menos meu coração assim dizia. E mesmo ainda havia a hipótese de alguém, dentro da minha própria casa, por algum motivo ter jogado aquela cenoura no alpendre, quem sabe por brincadeira, ou para escondê-la.

Este seria talvez o intento de algum bicho arisco e escalador, que tivesse se agarrado ao caule da árvore ao lado, equilibrado-se nos galhos mais finos da ponta e pulado na marquise, sempre com a cenoura nas patas, ou à boca, para então dispô-la. Ou então o animal fora surpreendido no momento em que transitava por lá e, no susto, deixara a cenoura de lado. Um dia iria buscá-la?

Resumindo, qualquer uma das hipóteses acima me parecem um tanto fantasiosas, pela disponibilidade da ação das pessoas ou animais supostamente envolvidos, da minha ou da de terceiros próximos a mim. De modo que, já acostumado com a presença do vegetal, nesta tarde ensolarada de inverno abro todas as janelas da casa, abro também as cortinas, as portas de vidro e as venezianas da varanda. Resolvo ver o estado em que se encontra a cenoura. Há três semanas ela lá se encontrava já com uma camada negra de bolor, depois de tanto tempo exposta e dos dias chuvosos que se antecederam a este tempo bom.

Qual não é minha supresa quando um novo mistério se avizinha. A cenoura desaparecera. O ralo não poderia tê-la engolido, a chuva não a teria levado. É possível que ela tenha se desintegrado? Mas uma cenoura gorda e grande! Restara apenas um rastro meio cinza marcado na amplitude do espaço que ocupara no concreto rugoso. Não tenho coragem de olhar novamente para colher mais informações.

Logo pensei, ao adentrar e recostar a porta de vidro: um rato. Sim, um rato, por diversas noites, havia roído silenciosamente, estalando a língua, a cenoura, até que ela acabasse. E esperava por mais, ansiava por mais cenoura fresca. Ou mofada, como era o caso daquela já no adiantado do correr dos dias. Corro ao telefone com esta iminente e simpática ameaça. Minha tia é peremptória: Rato não gosta de cenoura. Como não? Não gosta. Tem certeza, ele não roeria uma cenoura? Acho que não, procura na internet.

Deixei de lado. Outra ligação: Foram passarinhos e as pombas que foram bicando a cenoura. Minha incredulidade aumenta. Como uns bicos pequeninos teriam tão rapidamente dado cabo à grande cenoura sem deixar rastros, sem que eu nunca os visse lá pousados? De noite. Mas este não é o horário dos pássaros dormirem? Minha mãe, ainda sonâmbula, pela manhã, tende a concordar com a conjectura do rato comilão: Isso é. Todo lugar tem um ratinho pequenininho. Inclusive outro dia, lá perto, veio um no meu pé, diante daquele terreno que começaram a jogar potinhos de sorvete depois que demoliram as casas.

Por fim, numa última ligação relato o sumiço da cenoura, refazemos mentalmente todas as possibilidades por nós e por outrem pensadas - qual das alternativas apontadas pode explicar seu advento e desaparecimento? Ao que me dizem do outro lado do fone, para minha aflição e ternura imensas: Pode não ser nenhuma delas, né?


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 16/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Criatividade é transbordamento de Carla Ceres
02. Adeus, Belas Artes de Elisa Andrade Buzzo
03. A vida subterrânea que mora em frente de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
03. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ASSALTO À BRASILEIRA
DOMINGOS PELLEGRINI
BUSCA VIDA
(1988)
R$ 50,00



CURSO DE DIREITO DO TRABALHO 12ª EDIÇÃO
MAURÍCIO GODINHO DELGADO
LTR (SP)
(2013)
R$ 28,82



GRANDES QUESTÕES SOBRE SEXO
JOHN STOTT
VINDE
(1993)
R$ 68,00



STAR WARS: A PRINCESA, O CAFAJESTE E O GAROTO DA FAZENDA
ALEXANDRA BRACKEN
SEGUINTE
(2015)
R$ 20,00



O HOMEM VERMELHO
DOMINGOS PELLEGRINI
LEITURA
(2007)
R$ 8,00



FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA - DEBATES E INFLUÊNCIAS
VERILDA SPERIDIÃO KLUTH (ORG.)
CENTAURO
(2009)
R$ 46,00



LÂME SEULE
HERVÉ VILARD
FAYARD
(2006)
R$ 32,28



PSICOTERAPIA E PSICOLOGIA
JACOB PINHEIRO GOLDBERG
N / D
(1979)
R$ 16,00



OS PENSADORES: SCHLICK & CARNAP
MORITZ SCHLICK & RUDOLF CARNAP
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 20,00



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL A. DE ALMEIDA
NUCLEO
(1995)
R$ 6,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês