O que fiz com Tom Jobim | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alicia En El País de los Sueños - una Mirada Desde El Psicodrama de Gloria Reyes Contreras pela Do Autor
>>> Aplicação Prática de Gestão de Pessoas por Competências de Rogerio Leme pela Qualitymark (2005)
>>> Goosebumps Horrorland- a Vingança do Boneco Vivo - Vol-1 de R. L. Stine pela Fundamento (2010)
>>> Édipo Claudicante: do Mito ao Complexo de Antonio Carlos Farjani pela Edicon (1987)
>>> Geografia do Brasil - Dinamica e Contrastes de Helio Carlos Garcia e Tito Marcio Garavello pela Scipione (1992)
>>> O Último dos Moicanos Coleção: Clássicos de Bolso de J. Fenimore Cooper pela Ediouro
>>> Viagem ao Inonsciente de W. A. Mambert pela Nordica (1973)
>>> O Mundo Mágico de J. K. Rowling - a Magia do Cinema de Jody Revenson pela Panini Books
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Direitos do Torcedor e Temas Polêmicos do Futebol de Décio Luiz Jose Rodrigues pela Rideel (2003)
>>> Groo: Amigos e Inimigos (volume 1) (lacrado) de Sergio Aragonés pela Mythos Books
>>> Fundações Direito de Edson José Rafael pela Melhoramentos (1997)
>>> Psicometria Genética de Sara Paín pela Casa do Psicólogo (1992)
>>> O Caminho Rumo a Tamanrasset de Charles de Foucauld pela Paulinas (2009)
>>> A Gata Borralheira Clássicos Recontados de Charles Perrault pela Melhoramentos (2013)
>>> Política de Segurança: os Desafios de uma Reforma de Guaracy Mingardi (orgs.) pela Fund. Perseu Abramo (2013)
>>> Reengenharia Revolucionando a Empresa de Michael Hmmer pela Campus (1994)
>>> Zeus e a Conquista do Olimpo de Hélène Montarde pela Cia. das Letras (2012)
>>> Técnicas para uma Leitura Rápida e Eficaz de Donald Weiss pela Nobel (1992)
>>> Engenharia dos Quadrados Mágicos de Ordem Impar de Roberto Ferreira Filho pela Imprensa Universitária (2017)
>>> Coaching para Alta Performance e Excelência na Vida Pessoal de André Percia/ Bruno Juliani/ Mauricio Sita pela Ser Mais (2014)
>>> Além do Quintal: Poemas e Aquarelas - Autografado de Marlene Edir Severin pela Papa Terra (2011)
>>> Fotografia Digital - Aprendendo a Fotografas Com Qualidade de Enio Leite pela Viena (2015)
>>> O Retrato do Rei de Ana Miranda pela Cia das Letras (1991)
COLUNAS >>> Especial Tom Jobim 80

Sexta-feira, 2/2/2007
O que fiz com Tom Jobim
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Música de cabeceira
Desde criança tenho uma fascinação especial pelas "Águas de Março". Embora eu deteste chuva e dirija mal em pista molhada, achava a música um primor.

Além de achar bonita aquela melodia, havia na canção um desafio que me intriga até hoje: decorar a letra. Coisa mais difícil para a memória guardar que pau e pedra são antes da peroba do campo. Ou que João e José estão lá pelas tantas. Nem sei o que é matita pereira. E onde fica mesmo o carro na lama? Letra linda, mas difícil de decorar. Como a melodia é repetitiva (claro, como a chuva), não fica fácil guardar na memória a carreirinha dos versos na ordem certa.

Até certa época, eu pensava que toda música tinha que ter refrão. Assim como há quem pense que poesia tem que rimar ou que a métrica ainda manda no ritmo. Tom Jobim me mostrava que refrão pode cair. E a canção, ainda assim, pode cair no gosto das pessoas. E pode ainda acontecer outra coisa: a música inteira se parecer com um refrão. Ser dessas que a gente assobia, mesmo sem saber direito o que é bossa nova.

Interpretações
Tom Jobim não era muito mencionado na minha casa, na minha rua, no meu bairro, nem no colégio onde estudei. Depois que ele morreu ficou mais famoso do que já era, como acontece com muito artista no Brasil. Com os especiais na tevê, descobri que era ele o compositor de muitas canções que sabíamos. E "Águas de Março" foi uma delas.

A célebre interpretação de Elis Regina, de arrepiar, ficou nos meus ouvidos. Em 2003, no entanto, um amigo, desses que querem aplicar cultura na gente o tempo todo, quis me converter e me deu um CD de presente. Assim, à-toa, um CD de jazz. Abri com curiosidade e ouvi aquela voz feminina durante meses no carro. Era Cassandra Wilson, uma americana meio dissidente do jazz, que gosta de percussão e canta com a garganta. Apaixonei-me pelo vozeirão atípico e, para minha maior alegria, estava lá uma versão de "Waters of March", com um percussionista brasileiro e uma interpretação que fazia supor que Cassandra ouvia Elis.

Marisa Monte também fez essa travessia. Dividiu "Águas de Março" com David Byrne, numa versão bilíngüe bastante interessante. Só consegui a versão na Internet, num desses programas que capturam MP3.

Discos
"Águas de Março" esteve sempre em minha vida, embora não tenha sido trilha de nenhum romance e nem de qualquer momento especial. Foi apenas uma música que me encantou. E há poucas nessa galeria das canções espontâneas, incidentais, essenciais. Acabei me tornando uma pequena colecionadora de versões.

Em minha discoteca há apenas um CD de Tom Jobim. Nem me lembro mais o nome dele. É difícil comprar os CDs do Tom porque há uma profusão de coletâneas e toda sorte de the best of. Mas certa vez, num affair com um poeta, ganhei um CD. Nunca ouvi inteiro. Para falar a verdade, não gostava daqueles coros femininos que as músicas de Jobim têm. Ainda não gosto.

Tom Jobim era um homem belíssimo. Das poucas vezes em que o vi na televisão, achei que via um charmosíssimo coroa. Mais novo, ele seria capaz de me despertar uma paixão platônica. Sim, porque namorar músico dá muito trabalho. Os poetas puros são mais administráveis.

Música popular?
As cenas de Jobim ao piano são todas antológicas e bonitas. São cinema, mesmo quando não o são. Mas não vou dizer que a morte dele me interessou. Lembro das notícias e da comoção mais ou menos nacional. O fato é que a bossa nova, sem tirar a importância do "movimento", não era propriamente "música popular". Há alguns anos eu lia um livro sobre o Tropicalismo (acho complicado quando essas coisas começam a ser chamadas de "movimentos") e o autor dizia lá: quem mudou os costumes da sociedade foi a fútil Jovem Guarda. Ele não dizia isso com essas palavras. Estou sendo bem mais tosca, mas a verdade inscrita nisso tinha fundamento. Com aquele papo machista e pequeno-burguês de carrão, baladinha e namoradinha, a Jovem Guarda é que alterou padrões que variaram do comportamento sexual ao tamanho da saia das moçoilas, dos cabelos do meu tio à atitude da minha mãe (que, aliás, é fã do Rei até hoje e compra aqueles CDs que ele lança no Natal).

Os engajados tiveram importância, claro, mas a mudança que eles provocaram não atingiu as massas, ou pelo menos não tão rapidamente. A Bossa Nova era algo semelhante.

Isso só afirma algo que já sabemos: que o "público" está ligado a uma espécie de "cultura" (no sentido antropológico mais aberto possível) que nem sempre é controlável e nem se garante pela qualidade. A Bossa Nova não era um "movimento" popular. Embora muitas pessoas saibam cantarolar "Águas de Março", não sabem o nome do compositor, se era homem ou mulher, sequer em que década fez sucesso.

As "Águas de Março" fecham o verão, movem moinhos e poderiam fazer milagres no senso estético de muita gente. Apreciar é algo que se aprende. Não é assim tão fácil, nem tão óbvio. É preciso ouvir lentamente, prestar atenção na letra, cantarolar sentindo. Promessa de vida.

Lembrança sem memória
A propósito, alguém aí sabe cantar "Stairway to Heaven" sem titubear?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 2/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
02. Quem Resenha as Resenhas de Som? de Stan Molina
03. Haverá sangue de David Donato


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


Mais Especial Tom Jobim 80
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2007
11h22min
Ana, devo admitir que nunca ouvi Tom Jobim, pelo menos não do jeito certo de ouvir, como você disse, prestando atenção, sentindo a letra. O que mais me atrai no estilo é a interação, às vezes surpreendente, de música e letra. Gostei do que fez com Tom Jobim. Abraços
[Leia outros Comentários de Arthur Alves]
6/2/2007
16h17min
Amei o que li sobre o Tom. Sou um apaixonado por Tom e sua patota. Embora arrisque meus acordes no violão, levo mais jeito para poeta. Amei quando você disse: "Sim, porque namorar músico dá muito trabalho. Os poetas puros são mais administráveis". Sinceramente, Daniel.
[Leia outros Comentários de Daniel Rubens Prado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Grande Desafio / 4ª Ed - Confira !!!
Pedro Bandeira
Ática
(1999)



Fundamentos Da Filosofia - História e grandes Temas
Gilberto Cotrim
Saraiva
(2006)



Livro - Escute Seu Coração
Osho
Gente
(2006)



Turma da Mônica Princesas & Princesas - Branca de Neve: Cinderela
Robson Barreto de Lacerda
Girassol
(2012)



Evangelii Gaudium - a Alegria do Evangelho
Jorge Mario (papa Francisco) Bergoglio
Paulus
(2013)



Livro - A Física e o Nosso Mundo
Hans Christensen Von Baeyer
Campus
(2004)



Dezesseis Luas
Margaret Stohl/Kami Garcia
Record
(2011)



Tratado de Clínica Psiquiátrica
Isaías Paim
epu
(1991)



Ninguém Morre Duas Vezes
Luiz Lopes Coelho
De Mão Em Mão
(2012)



A Nova Contabilidade Social: uma Introdução À Macroeconomia
Leda Paulani e Márcio Bobik Braga
Saraiva
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês