O que fiz com Tom Jobim | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
COLUNAS >>> Especial Tom Jobim 80

Sexta-feira, 2/2/2007
O que fiz com Tom Jobim
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Música de cabeceira
Desde criança tenho uma fascinação especial pelas "Águas de Março". Embora eu deteste chuva e dirija mal em pista molhada, achava a música um primor.

Além de achar bonita aquela melodia, havia na canção um desafio que me intriga até hoje: decorar a letra. Coisa mais difícil para a memória guardar que pau e pedra são antes da peroba do campo. Ou que João e José estão lá pelas tantas. Nem sei o que é matita pereira. E onde fica mesmo o carro na lama? Letra linda, mas difícil de decorar. Como a melodia é repetitiva (claro, como a chuva), não fica fácil guardar na memória a carreirinha dos versos na ordem certa.

Até certa época, eu pensava que toda música tinha que ter refrão. Assim como há quem pense que poesia tem que rimar ou que a métrica ainda manda no ritmo. Tom Jobim me mostrava que refrão pode cair. E a canção, ainda assim, pode cair no gosto das pessoas. E pode ainda acontecer outra coisa: a música inteira se parecer com um refrão. Ser dessas que a gente assobia, mesmo sem saber direito o que é bossa nova.

Interpretações
Tom Jobim não era muito mencionado na minha casa, na minha rua, no meu bairro, nem no colégio onde estudei. Depois que ele morreu ficou mais famoso do que já era, como acontece com muito artista no Brasil. Com os especiais na tevê, descobri que era ele o compositor de muitas canções que sabíamos. E "Águas de Março" foi uma delas.

A célebre interpretação de Elis Regina, de arrepiar, ficou nos meus ouvidos. Em 2003, no entanto, um amigo, desses que querem aplicar cultura na gente o tempo todo, quis me converter e me deu um CD de presente. Assim, à-toa, um CD de jazz. Abri com curiosidade e ouvi aquela voz feminina durante meses no carro. Era Cassandra Wilson, uma americana meio dissidente do jazz, que gosta de percussão e canta com a garganta. Apaixonei-me pelo vozeirão atípico e, para minha maior alegria, estava lá uma versão de "Waters of March", com um percussionista brasileiro e uma interpretação que fazia supor que Cassandra ouvia Elis.

Marisa Monte também fez essa travessia. Dividiu "Águas de Março" com David Byrne, numa versão bilíngüe bastante interessante. Só consegui a versão na Internet, num desses programas que capturam MP3.

Discos
"Águas de Março" esteve sempre em minha vida, embora não tenha sido trilha de nenhum romance e nem de qualquer momento especial. Foi apenas uma música que me encantou. E há poucas nessa galeria das canções espontâneas, incidentais, essenciais. Acabei me tornando uma pequena colecionadora de versões.

Em minha discoteca há apenas um CD de Tom Jobim. Nem me lembro mais o nome dele. É difícil comprar os CDs do Tom porque há uma profusão de coletâneas e toda sorte de the best of. Mas certa vez, num affair com um poeta, ganhei um CD. Nunca ouvi inteiro. Para falar a verdade, não gostava daqueles coros femininos que as músicas de Jobim têm. Ainda não gosto.

Tom Jobim era um homem belíssimo. Das poucas vezes em que o vi na televisão, achei que via um charmosíssimo coroa. Mais novo, ele seria capaz de me despertar uma paixão platônica. Sim, porque namorar músico dá muito trabalho. Os poetas puros são mais administráveis.

Música popular?
As cenas de Jobim ao piano são todas antológicas e bonitas. São cinema, mesmo quando não o são. Mas não vou dizer que a morte dele me interessou. Lembro das notícias e da comoção mais ou menos nacional. O fato é que a bossa nova, sem tirar a importância do "movimento", não era propriamente "música popular". Há alguns anos eu lia um livro sobre o Tropicalismo (acho complicado quando essas coisas começam a ser chamadas de "movimentos") e o autor dizia lá: quem mudou os costumes da sociedade foi a fútil Jovem Guarda. Ele não dizia isso com essas palavras. Estou sendo bem mais tosca, mas a verdade inscrita nisso tinha fundamento. Com aquele papo machista e pequeno-burguês de carrão, baladinha e namoradinha, a Jovem Guarda é que alterou padrões que variaram do comportamento sexual ao tamanho da saia das moçoilas, dos cabelos do meu tio à atitude da minha mãe (que, aliás, é fã do Rei até hoje e compra aqueles CDs que ele lança no Natal).

Os engajados tiveram importância, claro, mas a mudança que eles provocaram não atingiu as massas, ou pelo menos não tão rapidamente. A Bossa Nova era algo semelhante.

Isso só afirma algo que já sabemos: que o "público" está ligado a uma espécie de "cultura" (no sentido antropológico mais aberto possível) que nem sempre é controlável e nem se garante pela qualidade. A Bossa Nova não era um "movimento" popular. Embora muitas pessoas saibam cantarolar "Águas de Março", não sabem o nome do compositor, se era homem ou mulher, sequer em que década fez sucesso.

As "Águas de Março" fecham o verão, movem moinhos e poderiam fazer milagres no senso estético de muita gente. Apreciar é algo que se aprende. Não é assim tão fácil, nem tão óbvio. É preciso ouvir lentamente, prestar atenção na letra, cantarolar sentindo. Promessa de vida.

Lembrança sem memória
A propósito, alguém aí sabe cantar "Stairway to Heaven" sem titubear?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 2/2/2007


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


Mais Especial Tom Jobim 80
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2007
11h22min
Ana, devo admitir que nunca ouvi Tom Jobim, pelo menos não do jeito certo de ouvir, como você disse, prestando atenção, sentindo a letra. O que mais me atrai no estilo é a interação, às vezes surpreendente, de música e letra. Gostei do que fez com Tom Jobim. Abraços
[Leia outros Comentários de Arthur Alves]
6/2/2007
16h17min
Amei o que li sobre o Tom. Sou um apaixonado por Tom e sua patota. Embora arrisque meus acordes no violão, levo mais jeito para poeta. Amei quando você disse: "Sim, porque namorar músico dá muito trabalho. Os poetas puros são mais administráveis". Sinceramente, Daniel.
[Leia outros Comentários de Daniel Rubens Prado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicación de Masas e Imperialismo Yanqui
Herbert I. Schiller
Gustavo Gili
(1976)



Amor Numa Rua Escura
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1988)



Geração Alpha - Matemática - 8º Ano
Carlos N. C. de Oliveira; Felipe Fugita
Sm Didáticos
(2017)



O Mundo Vai Acabar Em 2012?
Raymond C. Hundley
Thomas Nelson Brasil
(2010)



O eu dividido: estudo existêncial da sanidade e da loucura
R. D. Laing
Vozes
(1987)



Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2013)



Chico Bento Moço- O Manto Misterioso
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2015)



Globalização, Justiça & Segurança Humana - Capacitação para a compreensão dos grandes desafios do
Robério Nunes Dos Anjos Filho (Org.)
Esmpu - série pós-graduação
(2011)



Cebolinha - Pense Em uma Coisa Bem Boa - Nº 95
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Meu Filho é uma Bagunça
Martin L. Kutschere
Harper Collins
(2014)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês