Dois Escritores Húngaros | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/9/2011
Dois Escritores Húngaros
Ricardo de Mattos

+ de 5000 Acessos


Istvan Sandorfi: O Silêncio de Adèle

"O instante de clareza é aquele em que compreendemos a vida inteira" (Antal Szerb).

Gostaríamos de dedicar esta coluna a dois escritores húngaros: Gyula Krúdy e Antal Szerb. Seus livros vieram para nossa coleção segundo os meios de hábito: reserva e risco. Ou seja, o livro de Krúdy, O companheiro de viagem, adquirimo-lo para leitura posterior, não nos sendo claro agora o motivo exato da reserva. Talvez a intenção de adquirir a totalidade da coleção na qual se encaixa. Já com o de Szerb, O viajante e o mundo da lua, deparamo-nos na estante de um supermercado, em meio à praga de livros sobre emos vampiros. Eis uma nova aplicação para a expressão "lírio crescido em meio ao lodo". Corremos o risco de adquiri-lo e lamentamos que tão boa obra seja lançada no mercado sem maiores cuidados.

As notícias sobre Gyula Krúdy (1878-1933) são contraditórias. Paulo Rónai apresenta-o como autor de livros estranhos, escritos para poucas pessoas. O tradutor Paulo Schiller, como escritor disputado por editores - ainda que esquecido ao final de sua jornada. Ambos convergem a respeito da importância de sua obra na restauração pós-guerra da identidade húngara. Começou a escrever para jornais aos treze anos, o que explica o fato de sua produção registrada ultrapassar várias vezes a casa do milhar. Há entre nós uma expressão que indica dificuldade financeira: vender o almoço para comprar a janta. Krúdy escrevia de dia para pagar o jantar - ou o jogo - da noite. E com isso deu ao público crônicas, ensaios históricos, contos, romances, críticas, biografias e peças teatrais. Schiller refere-se a ele como "poeta que contava sonhos em prosa". Realmente, impressionou-nos sua capacidade de fazer o leitor visualizar "a cabeça vermelha dos galos, o rosado das carnes (que) balançam nas cestas de vime, a torre da cidade (que) parece ter sido lavada com esponja durante a madrugada".

Antal Szerb teve vida curta e obra longa. Rónai - que dividiu com ele uma mesa durante estudos realizados na Biblioteca Nacional de Paris - informa-nos acerca da constante surpresa com "os frutos de uma erudição já então incrivelmente extensa". Szerb legou traduções, contos, ensaios de literatura comparada, três romances e duas obras monumentais com destinação acadêmica: História da literatura húngara e História da literatura universal. Sua raiz cristã e católica não impediu que leis raciais considerassem-no judeu e enviassem-no para o campo de trabalhos forçados de Sopron, na Hungria. Lá, extenuado por atividade inútil e que excedia suas forças, foi abatido a coronhadas.


Gyula Krúdy

Extraímos estas informações biográficas das próprias obras lidas - orelhas, prefácios - mas também de da apresentação que Paulo Rónai fez de cada autor constante de sua Antologia do Conto Húngaro. Esta obra, por si, já merece atenção específica. A seleção e a tradução dos contos são de Paulo Rónai (1907-1992), a quem muito é devido não só pelo que nos trouxe da literatura estrangeira - a obra completa da Balzac, por exemplo - como pelo que mostrou de nossa literatura no exterior - as Memórias de um sargento de milícias. O volume de contos é caprichado: revisão de Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira e prefácio de Guimarães Rosa.

O livro de Krúdy é pequeno. Em 127 páginas de texto, encaixam-se o prefácio de Paulo Schiller, a novela e algumas páginas ficcionais de outro escritor húngaro Sándor Márai, a respeito de Krúdy. Márai fez uma inusitada ligação entre a Hungria e o sertão nordestino brasileiro, ao escrever Veredito em Canudos. Trata-se de romance escrito com base n'Os sertões, de Euclides da Cunha, traduzido entre nós há menos de dez anos. Krúdy assinava suas crônicas na imprensa como "Szindbád", e o texto de Márai, que descreve os últimos dias do colega, intitula-se justamente Szindbád volta para casa.

Escrito no verão de 1918, O companheiro de viagem registra o monólogo pelo qual um velho conquistador narra algumas de suas conquistas num vilarejo do interior húngaro. Seu rol inclui uma dona de casa que cede ao seu primeiro avanço, arrepende-se depois e resiste a qualquer outra investida. Visando resguarda-se, apresenta ao personagem outras mulheres que o mantenham afastado. Contudo, não esconde seu ciúmes quando ele aceita as regras e segue com o jogo. O Don Juan de Krúdy ainda dedica-se a uma jovem vulgar e a uma terceira moça, filha de uma fanática que pretende também fanatizá-la. Quanto à terceira conquista, podemos obter um ponto no tempo e no espaço que, si compararmos com o tempo presente, revela o quanto mudam as mentalidades e os costumes. Fosse hoje publicada uma narrativa na qual um senhor de seus cinqüenta anos descrevesse os passos dados para envolver uma garota de quinze anos, seu autor teria sérios problemas.


Antal Szerb

O livro de Szerb é mais extenso e seu personagem, Mihály, muito mais comportado. Comportou-se demais a vida inteira, aceitou regras demais... Quando em viagem de lua-de-mel pelo interior da Itália, foi soterrado por lembranças do passado liberadas no encontro com um amigo. Quando pensou a respeito do que foi sua vida, ainda que num curto período durante a adolescência, no que foi sua vida adulta até a peregrinação nupcial, e ao cogitar sobre o que poderia ter ocorrido fosse outra a rota seguida, Mihály desbaratina entre cidades seculares, arte e comida. Não se trata, contudo, de um Comer Rezar Amar húngaro da primeira metade do século XX, mesmo porque a melancolia centro-européia parece imprópria para a mensagem otimista do filme.

O primeiro casamento de Mihály é o segundo de sua esposa. Nos primeiros dias do convívio, ele é encontrado por um amigo e, logo depois, recebe uma carta do primeiro marido. Neste ponto do romance o personagem é colocado em cheque pelas lembranças do passado e pelo prognóstico do futuro. O encontro com o amigo faz com que ele relembre fatos de sua juventude com a clareza própria da nostalgia. A carta, por sua vez, escrita com raro cinismo, desnudou-o perante si mesmo. Forçou-o encarar características suas até então despercebidas, negligenciadas, ou mesmo, negadas. Saindo da habitual introspecção, foi com desconforto que se descobriu previsível e, portanto, manipulável.

Zoltán, o primeiro marido, transmite a Mihály verdadeira "bula" sobre a mulher, atingindo detalhes íntimos. Até oferece dinheiro. Faz com que ele perceba que a viagem pela Itália nada mais é, para ela, do que repetição do que fez no casamento anterior. Daí a falta de entusiasmo na exploração de lugares e coisas que permitam ao novo casal estabelecer o próprio núcleo de lembranças. Os parágrafos da carta são numerados como correspondência comercial ou documento forense. Dada a formação religiosa de Szerb, podemos arriscar a dizer que, com esta carta, Mihály passou da condição de marido para a de cúmplice de adultério consentido. Por trás dos votos de felicidade, as entrelinhas avisam: si você acha que não tem competência, devolva.


Paulo Rónai

Dentre as respostas possíveis, Mihály opta pela fuga. Troca providencialmente de ter e erra por cidades carregadas de arte, história e personagens como o médico temeroso do inferno e Millicent, jovem norte-americana. O pequeno affaire vivido com ela não passa de contraponto ao fastio cultural da primeira esposa. "Mihály ganhou a inteira confiança de Millicent. Ao anoitecer, sabia tudo sobre ela; porém não havia nada que valesse a pena saber".

Não chega a ser um romance de formação, tal como os legados por Goethe, Chateaubriant, Sabino e Rolland e que retratam trajetórias. Mihály precisa tornar ao passado e encontrar o ponto de reajuste que lhe permita viver o futuro. Foi necessário rever seus amigos - até que ponto os encontros são reais é algo que o leitor poderá observar - para convencer-se de que eles amadureceram e são outros, embora atendam pelos mesmos nomes. Ou nem isso, no caso de Ervin. O que Mihály não quer, ele sabe. Tanto ele quanto o personagem de Krúdy encontram-se no momento em que a alma realiza certo movimento centrífugo, movimento de quem quer fugir do núcleo e espalhar-se pelo mundo visando dissolver-se. Contudo, o movimento é frustrante, pois si parte do centro, por maior que seja o esforço de afastamento, é impossível abandoná-lo. Assim, os personagens de Szerb e Krúdy procuram no mundo as respostas que não encontram em si; circulam por diversos lugares em busca do "lugar inicial"; procuram em todas as mulheres a primeira mulher.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
04. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
05. Vinicius de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MÁQUINAS ELÉTRICAS ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO
SENAI
SENAI
(1998)
R$ 20,00



SUONO E RITMO
EMILIA GUBITOSI
CURCI
(1950)
R$ 40,85



CONTROLE EXTERNO ESTUDOS TEMÁTICOS
EVANDRO MARTINS GUERRA SEBASTIÃO HELVELCIO RAMOS
FORUM
(2007)
R$ 12,00



PSICOLOGIA MODERNA
ANTÔNIO XAVIER TELES
ÁTICA
(1985)
R$ 5,00



AS MAIS BELAS ORAÇÕES DE TODOS OS TEMPOS
ROSE MARIE MURARO/RAIMUNDO CINTRA SELEÇÃO E TRADUÇ
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1970)
R$ 7,00



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
SEDEGRA
(1963)
R$ 50,00



FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO VOLUME 3 - ELETRICIDADE, FÍSICA MODERNA
KAZUHITO YAMAMOTO / LUIZ FELIPE FUKE
SARAIVA
(2010)
R$ 5,00



MAR DE HISTÓRIAS - ANTOLOGIA DO CONTO MUNDIAL - VOLUME 3: ROMANTISMO
AURÉLIO BUARQUE DE HOLLANDA E PAULO RONAI (ORG.)
NOVA FRONTEIRA
(1980)
R$ 12,00



TIRA DÚVIDAS DE PORTUGUÊS
MARIA DA CONCEIÇÃO
EUROPA
(1990)
R$ 5,00



UM CERTO CAPITÃO RODRIGO
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1981)
R$ 6,00





busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês