Dois Escritores Húngaros | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Asia de volta ao mapa
>>> 7 de Setembro
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
Mais Recentes
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
>>> Ficção e Confissão de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Essencial padre Antônio Vieira: o que o turista deve ver de Vieira, Padre Antônio and Bosi, Alfredo pela Penguin (2020)
>>> Gibi Mônica N°83 A árvore encantada de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2013)
>>> Escravidão - Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2020)
>>> Esaú e Jacó de Assis, Machado de pela Abc (2020)
>>> Gibi Turma da Mônica. N°3 Coleção uma página uma história de Mauricio de Sousa Editora pela Globo (2006)
>>> Em costas negras: uma História do Tráfico de Escravos Entre a áfrica e o rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX) de Manolo Florentino pela Unesp (2020)
>>> Dom João Vl no Brasil de Oliveira Lima pela Topbooks (2020)
>>> Gibi Chico Bento N°34 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Dom Casmurro de Assis, Machado de pela Abc (2020)
>>> Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita de Villa, Marco Antonio pela Leya (2020)
>>> Gibi Turma da Mônica N° 62 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2012)
>>> Diritto internazionale de Cannizzaro, Vincenzo pela la mia Libreria (2020)
>>> Diogo Antônio Feijó de Caldeira, Jorge pela 34 (2020)
>>> Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos de Vários autores; Schwarcz, Lilia Moritz and Gomes, Flávio pela Companhia das Letras (2020)
>>> Diários de Joaquim Nabuco - Volume Único de Evaldo Cabral de Mello pela Bem-te-vi (2020)
>>> Diários da presidência 1997-1998 (volume 2) de Cardoso, Fernando Henrique pela Contraponto (2020)
>>> Diários da presidência 1995-1996 (volume 1) de Cardoso, Fernando Henrique pela Companhia das Letras (2020)
>>> Diário da Navegação. Brasil 500 Anos de Jonas Soares de Souza pela Uspiana Brasil 500 anos (2020)
>>> Diálogo das grandezas do Brasil de Ambrósio Fernandes Brandão pela Cepe (2020)
>>> Vontade de Potência - Edição Bolso de Friedrich Nietzsche pela Vozes de Bolso (2017)
>>> Desenvolvimento E Subdesenvolvimento de Celso Furtado pela Contraponto (2020)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/9/2011
Dois Escritores Húngaros
Ricardo de Mattos

+ de 5200 Acessos


Istvan Sandorfi: O Silêncio de Adèle

"O instante de clareza é aquele em que compreendemos a vida inteira" (Antal Szerb).

Gostaríamos de dedicar esta coluna a dois escritores húngaros: Gyula Krúdy e Antal Szerb. Seus livros vieram para nossa coleção segundo os meios de hábito: reserva e risco. Ou seja, o livro de Krúdy, O companheiro de viagem, adquirimo-lo para leitura posterior, não nos sendo claro agora o motivo exato da reserva. Talvez a intenção de adquirir a totalidade da coleção na qual se encaixa. Já com o de Szerb, O viajante e o mundo da lua, deparamo-nos na estante de um supermercado, em meio à praga de livros sobre emos vampiros. Eis uma nova aplicação para a expressão "lírio crescido em meio ao lodo". Corremos o risco de adquiri-lo e lamentamos que tão boa obra seja lançada no mercado sem maiores cuidados.

As notícias sobre Gyula Krúdy (1878-1933) são contraditórias. Paulo Rónai apresenta-o como autor de livros estranhos, escritos para poucas pessoas. O tradutor Paulo Schiller, como escritor disputado por editores - ainda que esquecido ao final de sua jornada. Ambos convergem a respeito da importância de sua obra na restauração pós-guerra da identidade húngara. Começou a escrever para jornais aos treze anos, o que explica o fato de sua produção registrada ultrapassar várias vezes a casa do milhar. Há entre nós uma expressão que indica dificuldade financeira: vender o almoço para comprar a janta. Krúdy escrevia de dia para pagar o jantar - ou o jogo - da noite. E com isso deu ao público crônicas, ensaios históricos, contos, romances, críticas, biografias e peças teatrais. Schiller refere-se a ele como "poeta que contava sonhos em prosa". Realmente, impressionou-nos sua capacidade de fazer o leitor visualizar "a cabeça vermelha dos galos, o rosado das carnes (que) balançam nas cestas de vime, a torre da cidade (que) parece ter sido lavada com esponja durante a madrugada".

Antal Szerb teve vida curta e obra longa. Rónai - que dividiu com ele uma mesa durante estudos realizados na Biblioteca Nacional de Paris - informa-nos acerca da constante surpresa com "os frutos de uma erudição já então incrivelmente extensa". Szerb legou traduções, contos, ensaios de literatura comparada, três romances e duas obras monumentais com destinação acadêmica: História da literatura húngara e História da literatura universal. Sua raiz cristã e católica não impediu que leis raciais considerassem-no judeu e enviassem-no para o campo de trabalhos forçados de Sopron, na Hungria. Lá, extenuado por atividade inútil e que excedia suas forças, foi abatido a coronhadas.


Gyula Krúdy

Extraímos estas informações biográficas das próprias obras lidas - orelhas, prefácios - mas também de da apresentação que Paulo Rónai fez de cada autor constante de sua Antologia do Conto Húngaro. Esta obra, por si, já merece atenção específica. A seleção e a tradução dos contos são de Paulo Rónai (1907-1992), a quem muito é devido não só pelo que nos trouxe da literatura estrangeira - a obra completa da Balzac, por exemplo - como pelo que mostrou de nossa literatura no exterior - as Memórias de um sargento de milícias. O volume de contos é caprichado: revisão de Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira e prefácio de Guimarães Rosa.

O livro de Krúdy é pequeno. Em 127 páginas de texto, encaixam-se o prefácio de Paulo Schiller, a novela e algumas páginas ficcionais de outro escritor húngaro Sándor Márai, a respeito de Krúdy. Márai fez uma inusitada ligação entre a Hungria e o sertão nordestino brasileiro, ao escrever Veredito em Canudos. Trata-se de romance escrito com base n'Os sertões, de Euclides da Cunha, traduzido entre nós há menos de dez anos. Krúdy assinava suas crônicas na imprensa como "Szindbád", e o texto de Márai, que descreve os últimos dias do colega, intitula-se justamente Szindbád volta para casa.

Escrito no verão de 1918, O companheiro de viagem registra o monólogo pelo qual um velho conquistador narra algumas de suas conquistas num vilarejo do interior húngaro. Seu rol inclui uma dona de casa que cede ao seu primeiro avanço, arrepende-se depois e resiste a qualquer outra investida. Visando resguarda-se, apresenta ao personagem outras mulheres que o mantenham afastado. Contudo, não esconde seu ciúmes quando ele aceita as regras e segue com o jogo. O Don Juan de Krúdy ainda dedica-se a uma jovem vulgar e a uma terceira moça, filha de uma fanática que pretende também fanatizá-la. Quanto à terceira conquista, podemos obter um ponto no tempo e no espaço que, si compararmos com o tempo presente, revela o quanto mudam as mentalidades e os costumes. Fosse hoje publicada uma narrativa na qual um senhor de seus cinqüenta anos descrevesse os passos dados para envolver uma garota de quinze anos, seu autor teria sérios problemas.


Antal Szerb

O livro de Szerb é mais extenso e seu personagem, Mihály, muito mais comportado. Comportou-se demais a vida inteira, aceitou regras demais... Quando em viagem de lua-de-mel pelo interior da Itália, foi soterrado por lembranças do passado liberadas no encontro com um amigo. Quando pensou a respeito do que foi sua vida, ainda que num curto período durante a adolescência, no que foi sua vida adulta até a peregrinação nupcial, e ao cogitar sobre o que poderia ter ocorrido fosse outra a rota seguida, Mihály desbaratina entre cidades seculares, arte e comida. Não se trata, contudo, de um Comer Rezar Amar húngaro da primeira metade do século XX, mesmo porque a melancolia centro-européia parece imprópria para a mensagem otimista do filme.

O primeiro casamento de Mihály é o segundo de sua esposa. Nos primeiros dias do convívio, ele é encontrado por um amigo e, logo depois, recebe uma carta do primeiro marido. Neste ponto do romance o personagem é colocado em cheque pelas lembranças do passado e pelo prognóstico do futuro. O encontro com o amigo faz com que ele relembre fatos de sua juventude com a clareza própria da nostalgia. A carta, por sua vez, escrita com raro cinismo, desnudou-o perante si mesmo. Forçou-o encarar características suas até então despercebidas, negligenciadas, ou mesmo, negadas. Saindo da habitual introspecção, foi com desconforto que se descobriu previsível e, portanto, manipulável.

Zoltán, o primeiro marido, transmite a Mihály verdadeira "bula" sobre a mulher, atingindo detalhes íntimos. Até oferece dinheiro. Faz com que ele perceba que a viagem pela Itália nada mais é, para ela, do que repetição do que fez no casamento anterior. Daí a falta de entusiasmo na exploração de lugares e coisas que permitam ao novo casal estabelecer o próprio núcleo de lembranças. Os parágrafos da carta são numerados como correspondência comercial ou documento forense. Dada a formação religiosa de Szerb, podemos arriscar a dizer que, com esta carta, Mihály passou da condição de marido para a de cúmplice de adultério consentido. Por trás dos votos de felicidade, as entrelinhas avisam: si você acha que não tem competência, devolva.


Paulo Rónai

Dentre as respostas possíveis, Mihály opta pela fuga. Troca providencialmente de ter e erra por cidades carregadas de arte, história e personagens como o médico temeroso do inferno e Millicent, jovem norte-americana. O pequeno affaire vivido com ela não passa de contraponto ao fastio cultural da primeira esposa. "Mihály ganhou a inteira confiança de Millicent. Ao anoitecer, sabia tudo sobre ela; porém não havia nada que valesse a pena saber".

Não chega a ser um romance de formação, tal como os legados por Goethe, Chateaubriant, Sabino e Rolland e que retratam trajetórias. Mihály precisa tornar ao passado e encontrar o ponto de reajuste que lhe permita viver o futuro. Foi necessário rever seus amigos - até que ponto os encontros são reais é algo que o leitor poderá observar - para convencer-se de que eles amadureceram e são outros, embora atendam pelos mesmos nomes. Ou nem isso, no caso de Ervin. O que Mihály não quer, ele sabe. Tanto ele quanto o personagem de Krúdy encontram-se no momento em que a alma realiza certo movimento centrífugo, movimento de quem quer fugir do núcleo e espalhar-se pelo mundo visando dissolver-se. Contudo, o movimento é frustrante, pois si parte do centro, por maior que seja o esforço de afastamento, é impossível abandoná-lo. Assim, os personagens de Szerb e Krúdy procuram no mundo as respostas que não encontram em si; circulam por diversos lugares em busca do "lugar inicial"; procuram em todas as mulheres a primeira mulher.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura, cinema e adaptações de Pilar Fazito
02. Solaris, o romance do pesadelo da ciência de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GUARANI
JOSÉ DE ALENCAR
ÁTICA
(1978)
R$ 12,00
+ frete grátis



É TUDO TÃO SIMPLES
DANUZA LEÃO
HARPER COLLINS BR
(2011)
R$ 6,90



VINCULOS
LUCIA PIMENTEL GÓES
ATUAL
(1993)
R$ 5,00



LIRA DOS VINTE ANOS
ÁLVARES DE AZEVEDO
ESTADÃO
(1999)
R$ 10,00



COMO RESOLVER PROBLEMAS COMPLEXAS
ADAM KANE
SENAC
(2008)
R$ 30,00



TEMPOS EXTREMOS
MÍRIAM LEITÃO
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 21,00



O HOMEM S - UMA GRAMÁTICA DO SUCESSO - MARK CAINE
MARK CAINE
PIONEIRA
(1961)
R$ 5,00



RIOS NO DESERTO: PALESTRAS SOBRE EVANGELIZAÇÃO DE MUÇULMANOS
FEDERICO A. BERTUZZI
SEPAL (SP)
(1993)
R$ 26,82



ORÁCULO DOS ANJOS
STELLARIUS
RECORD
(1994)
R$ 7,99



O FÍSICO - A EPOPÉIA DE UM MÉDICO MEDIEVAL
NOAH GORDON
ROCCO
(1988)
R$ 23,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês