A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/12/2011
A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal
Ricardo de Mattos

+ de 7300 Acessos

"Por que eles conseguiram atravessar a guerra escondidos quando tanta gente se escondeu e não conseguiu?" (Edmund de Waal).

O professor e ceramista inglês Edmund de Waal (1964) é autor de um daqueles felizes livros em que o tema inicial é por vezes esquecido e a narrativa espraia-se tanto, que podemos abrir um volume de memórias e fechar um de História. Ou começarmos lendo sobre uma jornada familiar e terminarmos melhor informados a respeito do movimento Impressionista francês. N'A lebre com olhos de âmbar, acompanhamos o roteiro de sua família e, ao encerrarmos a leitura, restou-nos a sensação de termos mergulhado com o autor num universo ficcional do qual gradativamente emergimos de volta à realidade. Ele mesmo assim expressa-se: "Já não sei mas se o livro é sobre minha família, sobre a memória ou sobre mim mesmo, ou ainda se é um livro sobre pequenos objetos japoneses".

Os "pequenos objetos japoneses" são os netsuquês, peças de marfim ou de madeira, esculpidas de forma a representar pessoas, animais ou plantas. As pessoas são representadas num minúsculo contexto, como o monge adormecido, a menina que se banha, o menino reclinado sobre um búfalo... Segundo Waal, sua coleção tem 264 destas peças e nenhuma ultrapassa "o tamanho de uma caixa de fósforos". Foram esculpidas por deleite ou para servirem de fecho para sacolas, com furos onde passassem o cordão. Contudo, para levantar o percurso delas em sua família, Waal realizou pesquisas em Paris, Viena, Japão e Odessa.

O autor é descendente direto da família Ephrussi, de negociantes judeus. Originários da Ucrânia o patriarca Charles Joachim Efrussi - a grafia com "ph" viria mais tarde - envia seus filhos a Paris e Viena, incumbindo-os de estabelecer a família e os negócios fora dos limites pátrios, ampliando assim o campo de atuação. Dos seus netos parisienses, seu homônimo Charles foi aquele que se dedicou totalmente à Arte. Não como artista, mas como estudioso, colecionador, e patrocinador. Mecenas, numa só palavra. Quando na França sobreveio a onda de interesse pela cultura japonesa, decorrente da abertura promovida no século XIX pela dinastia Meiji, Charles - neto - adquiriu caixas de laca, gravuras e os cobiçados netsuquês. Desfez-se deles apenas quando seu primo Viktor casou-se em Viena, enviando-lhe como presente nupcial.

Em Viena, a coleção sobreviveu às duas guerras mundiais. Seguiu para a Inglaterra, onde estagiou até ser levada para Tóquio por Iggy, tio-avô de Waal. Atualmente encontra-se de volta a Londres, instalada na casa do autor. A estes objetos reunidos por Charles no século XIX agregou-se todo um histórico familiar. Como se diz em Direito Civil, encontra-se agora entre as "coisas fora do comércio".

A primeira parte do livro é dedicada a Charles Ephrussi. Discorrendo sobre este colateral da terceira geração, Waal descreve o cenário em que ele viveu, o contato que teve com pintores como Renoir, Manet e Monet. O autor foi minucioso: visitou os imóveis que pertenceram à família, leu cartas, diários e livros de autores da época. Visitou arquivos oficiais e pediu o auxílio de acadêmicos para o que estava fora de seu alcance. Antes de escrever, esforçou-se por reconstruir a ambiência. Traz revelações diversas, nem sempre alegres. Exemplo disso envolve o quadro Rosa e Azul, de Renoir, exposto no MASP. É das obras mais famosas do pintor. O que poucos devem saber é que a menina de faixa azul foi uma das vítimas de Auschwitz.


Rosa e Azul, por Renoir

A vida literária também tem presença viva. Começa com Marcel Proust, secretário de Charles, com quem conviveu o suficiente para incluí-lo na modelagem da qual resultou seu personagem Swann. Há o implicante Edmond de Goncourt, que nomeia um prêmio literário francês. Os livros de Arthur Schnitzler - ora editados no Brasil - nortearam Waal a respeito da Viena saída do século XIX. A avó paterna de Waal, Elisabeth, filha de Viktor Ephrussi, nutriu sincera adoração pelo poeta Rilke, enviando-lhe seus versos e recebendo inéditos dele. Somos remetidos a Hannah Arendt quando mencionado certo Eickmann, eficiente burocrata.
Viena é objeto das partes II e III, quando a cena é ocupada por Viktor e sua família.Para uma parcela do povo de Israel daquele tempo, ser judeu significou distanciar-se de suas raízes hebraicas, mas não encontrar total assimilação no meio germânico cristão. Seja por pacificidade natural, seja para não se exporem em conflitos e assim dar munição ao adversário - difícil precisar - as medidas antissemitas tiveram livre e progressivo curso, resultando na morte, prisão, tortura e expropriação de bens de milhares de pessoas. Waal não carrega nas cores, nem seu livro tem feição trágica - muito pelo contrário. Contudo, certas ocorrências, por si sós, são tão terríveis que nenhuma narrativa resulta neutra. Afetou-nos vivamente a descrição da tomada da casa e recolhimento da biblioteca de livros raros de Viktor. Ele foi banqueiro por força das circunstâncias. Teria sido mais feliz como leitor erudito e colecionador. Este ponto do livro de Waal complementa a leitura d'A biblioteca esquecida de Hitler, de Timothy Ryback.

O envolvimento cultural dos Ephrussi não era uma tentativa de forçar a assimilação nos países aos quais chegavam. Em visita e pesquisa em Odessa, Waal identificou também uma rica atmosfera cultural que não era estranha à família. A última parte do livro parece um pouco "corrida", talvez pelo retorno à realidade referido acima.

Redigimos esta coluna no banco do jardim de casa, com o Sol reaparecendo após breve chuva. Um bando de maritacas debate na árvore do vizinho dianteiro. As cadelas vêm conferir si ainda estamos aqui e aproveitam para solicitar o centésimo cafuné do dia. Levantando os olhos da prancha, identificamos no jardim molhado os alvos dos trabalhos da próxima semana. Na sala, o presépio armado aguarda acabamento antes da visita dos foliões. Não é agradável imaginar a invasão por uma horda que tudo chute e destrua. Não possuímos nenhum incunábulo, nenhum quadro de "Velho Mestre". Todavia, não queremos revirado o que temos, em busca de "provas".

Respondendo à pergunta epigrafada, por que as peças foram salvas e tantas pessoas não? Por causa de Anna, empregada da família Ephrussi, que conviveu com a avó e os tios-avôs de Waal. Porque entre aderir às ordens dos burocratas e oficiais nazistas e enfrentá-los, ela preferiu uma atuação anódina como funcionária na casa de seus antigos patrões, onde foi instalado um departamento qualquer. Com isso, salvou cada um dos netsuquês, pois para ela eram os "brinquedinhos" com os quais suas crianças gostavam de brincar enquanto a mãe deles vestia-se para os compromissos sociais. Escondia-os no bolso do avental e depois no próprio colchão, dormindo sobre eles. Si hoje a única ajuda que podemos esperar dos empregados é a necessária para subir ao patíbulo da guilhotina, Anna deve ser incluída entre aqueles casos em que bons sentimentos desafiam e superam os rígidos cálculos da maldade.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 5/12/2011



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
04. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol
05. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL PRÁTICO DO HORÓSCOPO CHINÊS
MINAMI KEIZI
TRAÇO
(1988)
R$ 15,00



MUITO ALÉM DO CORPO- A CONSTRUÇÃO NARRATIVA DA SAÚDE
FERNANDO LOLAS STEPKE
LOYOLA
(2006)
R$ 13,90



101 NOITES DE NATAL - UMA ANTOLOGIA LITERÁRIA
FERNANDO PESSOA E OUTROS
101 NOITES PROD.CULT.
(2001)
R$ 50,00



O NACIONALISMO NA ATUALIDADE BRASILEIRA
HELIO JAGUARIBE
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2013)
R$ 35,90



GAFE, NÃO É PECADO
CLAÚDIA MATARAZZO
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 4,00



BOLOFOFOS E FINIFINOS
FERNANDO SABINO
EDIOURO
(2004)
R$ 7,00



COMO FAZER APRESENTAÇÕES
TIN HINDLE
PUBLI FOLHA
(1998)
R$ 10,00



CONVERSAS COM GERDA ALEXANDER
VIOLETA HEMSY DE GAINZA
SUMMUS
(1997)
R$ 50,00



INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA EDUCACIONAL
RUY DE AYRES BELLO -2ª EDIÇÃO
BRASIL
(1964)
R$ 8,00



AS 100 TURMAS DA MEDICINA DA USP 3530
DIVERSOS
CASA DE SOLUÇÕES
(2012)
R$ 19,00





busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês