Entre a folia e o Oscar | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
Mais Recentes
>>> A arquitectura do universo de Robert Jastrow pela Edições 70 (1971)
>>> Conselho De Amiga de Siobhan Vivian pela Novo Conceito (2012)
>>> As Quatro Leis da Multiplicação Financeira de Arão Henrique Xavier pela Ministerio Prospere (2008)
>>> Focus 2 de Sue Kay, Vaughan Jones, Daniel Brayshaw pela Pearson (2021)
>>> Arcanos e Mitos Herméticos de Vera Facciollo pela Do autor (2006)
>>> Psicologia e Educação de Anna Maria Baeta pela Forma & Ação (2006)
>>> O giz vermelho de Iris Van Der Heide pela Martins Fontes (2006)
>>> Titi E Tati Um Dia Na Escola de Claudia Lins pela Mundo Leitura (2022)
>>> Idéias - Como Usá-las Para Renovar Seus Negócios, Sua Carreira E... de Joey Reiman pela Futura (2004)
>>> O Jardim Das Aflicoes de Olavo De Carvalho pela Vide editorial (2019)
>>> Tecendo A Cidadania de Vera Maria Candau pela Vozes (1995)
>>> Kalki de Gore Vidal pela Rocco (2000)
>>> Tem um monstro no meu jardim de Janaina Tokitaka pela Cata Sonho (2011)
>>> Seu Futuro Astrológico de Linda Goodman pela Record (1993)
>>> The Beautiful and Damned - Penguin Classics (Capa Dura) de F. Scott Fitzgerald pela Penguin Classics (2010)
>>> Washington D.C de Gore Vidal pela Rocco (1993)
>>> Memoria De Mis Putas Tristes de Gabriel García Márquez pela Sudamericana (2004)
>>> Documentário: Contribuilçao à Memória da Comunidade Judaica Brasileira de Samuel Malamud pela Imago (1992)
>>> Cachinhos de Ouro de Robert Southey pela Ftd (2013)
>>> Documentário: Contribuilçao à Memória da Comunidade Judaica Brasileira de Samuel Malamud pela Imago (1992)
>>> O Lobo De Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2008)
>>> Juliano de Gore Vidal pela Rocco (1986)
>>> Sapo Comilão de Fernando Vilela pela Dcl (2012)
>>> Eu E Você No Fim Do Mundo de Siobhan Vivian pela Intrinseca (2017)
>>> Transitos Astrologicos - Um Caminho Para O Autoconhecimento de Nezilda Passos pela Roca (1994)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/2/2009
Entre a folia e o Oscar
Marta Barcellos
+ de 3800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Só depois que o bloco passa percebo as cores tristes dos confetes: verde musgo, amarelo ocre, lilás opaco. Eles ficam entranhados entre as pedras portuguesas, até que a próxima chuva de verão os leve ― provavelmente para algum bueiro. O forte odor de urina completaria o cenário de desolação de uma quarta-feira de cinzas, não fosse o fato de o carnaval estar apenas começando. Outro bloco já já vai passar. Melhor deixar de ser ranzinza, esquecer que na véspera fiquei presa no congestionamento, atrás de um carro de som, e festejar a volta do carnaval de rua ao Rio de Janeiro.

Não há dúvida de que a festa é hoje exemplo de evento popular repleto de criatividade e espontaneidade, daqueles que a gente ainda pode chamar de "autêntico". A música que vai bombar, entre os foliões, não será a "de trabalho", escolhida pela cantora do momento e sua gravadora. As fantasias não seguirão o enredo definido pelo patrocinador da escola de samba. As ideias sugiram das mesas dos botecos cariocas, entre rodadas de chope: uma ala de marmanjos vestidos de Dilma Rousseff, uma alegoria de papelão satirizando a eleição de Sarney para a presidência do Senado, um samba que rima Obama com Brahma.

Sim, pode ser que por trás da rima exista alguma intenção de buscar patrocínio da cervejaria. Mas esqueça os acordos tradicionais que acontecem nesses casos. Nada garante que a sátira não esteja presente, para o bem ou para o mal da marca de cerveja. Nos tempos em que ainda não pertencia a uma multinacional (AmBev, controlada pela belga InBev), a Brahma costumava ser fornecedora dos poucos blocos do Rio. Reza a lenda que, no carnaval em que a empresa decidiu suspender o "apoio", deparou-se com uma enorme faixa no meio da multidão: "Brahma dá dor de cabeça". No ano seguinte, teria voltado às boas com os organizadores dos blocos. Mesmo assim, a fama em torno do tal efeito colateral perseguiu a cerveja por alguns bons carnavais, como aquelas marchinhas do programa do Chacrinha, que a gente nunca mais esquece.

Os sambas e marchinhas dos blocos revelam todo ano centenas de compositores no Rio (por tradição, todos os presentes na mesa do bar tornam-se co-autores). Mas eles não ficarão famosos, e nem mesmo almejam algo além da boa reputação de boêmio, em plena forma carnavalesca e etílica. É ali, nas últimas rodadas de chope, que surgem também as dissidências ou os filhotes de blocos já consagrados. Às vezes tenho a impressão de que a ideia de uma nova agremiação vinga apenas porque alguém bolou um nome impagável. É preciso montar o bloco, rápido, para fazer jus ao nome irreverente. Se fossem blogueiros, saíam por aí registrando domínios.

O desafio para inventar um bom nome de bloco não é pequeno. A volta do carnaval de rua ao Rio começou, na década de 80 ― no contexto da abertura política e da campanha das Diretas Já ―, com duas agremiações que até hoje são referência na cidade: "Simpatia é quase amor" e "Suvaco do Cristo" (que desfila no Jardim Botânico, precisamente nas axilas do cartão postal carioca). Diante das duas denominações, simplesmente geniais, eu ficaria calada, e não sugeriria nome algum para um bloco novo, mesmo na enésima rodada. Mas não é que os foliões, a cada ano, conseguem se superar e chegar perto?

Há os blocos que evocam em seus nomes a nostalgia e o lirismo o carnaval ingênuo, como "Volta Alice", "Céu na terra", "Meu bem, volto já", "Gigantes da lira" (infantil). Mas o carioca é bom mesmo é na malícia. Nessa categoria, difícil é escolher os melhores: "Se me der, eu como", "Vem ni mim que sou facinha", "Que merda é essa?", "Cutucano atrás", "Empurra que pega", "Chupa mas não baba", "Rola preguiçosa", "Concentra mas não sai", "Quem não guenta bebe água", "Espreme que sai". No quesito "especialização", a criatividade vai ainda mais longe. O pessoal do cinema, por exemplo, se reúne no "Me beija que eu sou cineasta" e os jornalistas já seguiram (no pré-carnaval) o "Imprensa que eu gamo". Os alpinistas do bairro da Urca batizaram sua agremiação de nada menos que "Só o cume interessa". Com chave de ouro, na quarta-feira de cinzas, sai da frente do cemitério de São João Batista o "Meu bem, não volto mais" (sutil homenagem ao "Meu bem, volto já").

Com estandartes como esses no caminho, é impossível não ter paciência diante dos (muitos) transtornos causados pelo (cada vez mais) efervescente carnaval de rua da cidade maravilhosa. Saindo do cinema, ainda sob o impacto do olhar autoritário de Meryl Streep, lembro-me de imbuir-me da condescendência que faltava à freira de "Dúvida", para encarar o trajeto de volta para casa. Os confetes grudados na calçada mostram que o bloco e a chuva já passaram, mas é preciso calcular os próximos passos, para não ser atropelada pelo turbilhão carnavalesco. No caminho, acho graça de dois rapazes, de quase dois metros de altura, enfiados em bóias amarelas de patinho, andando calmamente pela rua agora deserta. É o suficiente para meu marido fazer a expressão "nem pense nisso". Ou seja, nada de capitular, diante da primeira promessa de folia pagã. Pelo menos nesse carnaval, vamos manter o plano de colocar o cinema em dia e assistir a entrega do Oscar, em vez do desfile das escolas de samba. Já no ano que vem, quem sabe...

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/2/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do Paraná à Paraíba de Adriana Baggio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/2/2009
22h13min
O bate-papo carioca é incrivelmente relaxante (eu acho). Li o texto e me senti conversando em algum quiosque, mesmo a autora tendo "me levado" à sala pra ver o Oscar. (Este texto me lembrou "Carnaval no fogo", do Ruy Castro.)
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
20/2/2009
08h39min
Penso que o Oscar é uma festinha americana. Gramado, que é do Brasil, a gente já nem fala mais. Quanto à folia, pouco a pouco vai virando uma festinha de Axé qualquer. Estamos conseguindo matar o nosso carnaval. A cidade que resido tem quatrocentos e cinquenta mil habitantes e, este ano, o carnaval popular resume-se a um bailinho contratado pela prefeitura. Conseguimos acabar com o Carnaval que mantinha inclusive uma verba oficial da secretaria do Turismo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Masters of cinema
Steven Spielberg
Cahiers du cinema
(2007)



Livro Esoterismo Feng Shui para Harmonizar Seu Lar a Sua Vida
Pier Campadello
Madras
(1998)



Crônicas de um Intercessor
Paulo Lima
Jocum
(2018)



Livro de Bolso Religião Pílulas de Confiança
Andrei Moreira
Ame



A Filosofia Na Era Trágica Dos Gregos
Friedrich Nietzsche
L&Pm Pocket
(2012)



Morte Dos Reis 06
Bernard Cornwell
Record
(2015)



El Lenguaje Corporal del Niño Preescolar
Perla Jaritonsky Carlos Gianni
Ricordi
(1978)



A Menina Que Brincava Com Fogo
Nd
Companhia das Letras
(2009)



A física e os livros
Wagner Wuo
Fapesp
(2000)
+ frete grátis



O país dos petralhas - 2vols
Reinaldo Azevedo
Record
(2008)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês