Entre a folia e o Oscar | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
36145 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
>>> O céu sem o azul
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Troca-troca
>>> Harry, Rony e Hermione
>>> A comédia de um solteiro
>>> O palhaço, de Selton Mello
>>> Ronnie James Dio (1942-2010)
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> 7 de Setembro
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
Mais Recentes
>>> E Se Fosse Com Você? de Sandra Saruê pela Melhoramentos (2011)
>>> Deu no New York Times de Larry Rohter pela Objetiva (2007)
>>> Mega Dicionário de Termos Técnicos e Populares: da Saúde de Eduardo Nogueira pela Rovelle (2007)
>>> Rosas do Brasil de Sérgio Schaefer pela Edunisc (2006)
>>> Rosas do Brasil de Sérgio Schaefer pela Edunisc (2006)
>>> Novo Curso de Direito Civil Volume I Parte Geral de Pablo Stolze Gangliano e Rodolfo Pamplona Filho pela Saraiva (2007)
>>> Uma Execucao na Familia: a Jornada de um Filho de Pais Condenados A... de Robert Meeropol pela Casa Amarela (2006)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Economia (2002)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Economia (2002)
>>> Vexame -os Bastidores do Fmi na Crise Que Abalou o Sistema Financeiro de Paul Blustein pela Record (2002)
>>> A Dinâmica da Estratégia Competitiva de George S. Day e Outros pela Campus (1999)
>>> Travessia do Pantanal de Luís M. Neto - Maria T. Büchele pela Nova Letra (2006)
>>> Veronika Decide Morrer e o Zahir - Dois Livros de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Direito Constitucional e Direito Administrativo de Aglair Figueiredo Villas Couto pela Impactus (2006)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia - Historias de Deuses e Herois de Thomas Bulfinch pela Agir (2019)
>>> Guia Vip de Estilo / o Livro Definitivo da Moda Masculina 2013 de Editora Abril Cultural pela Abril (2013)
>>> Engano Mortal de J. A. Jance pela Sedna (2009)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2010)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela Prazer de Ler (2010)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela Prazer de Ler (2010)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Prazer de Ler (2010)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Saraiva (2010)
>>> O Presente da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2007)
>>> Macário e Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Saraiva (2010)
>>> Caco de Gilberto Mattje pela Alvorada (2014)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Saraiva (2008)
>>> Ubirajara de José de Alencar pela Melville House (2015)
>>> O Uraguai de Basílio da Gama pela Martin Claret (2009)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Via Leitura (2017)
>>> Fogo Estranho de John MacArthur pela Thomas Nelson (2019)
>>> O ministério da palavra de Deus de Watchman nee pela Clássicos (2011)
>>> A fé cristã normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry (2016)
>>> Osso do seu Osso de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
>>> A borboleta em você de Milt rodriguez pela Restauração (2008)
>>> Retendo a cabeça de Romeu pela Restauração (2012)
>>> O templo Interior de Milt Rodriguez pela Restauração (2004)
>>> A vida comunitaria de Deus de Milt Rodriguez pela Restauração (2009)
>>> Chamados À Comunhão De Seu Filho de Stephen Kaung pela dos Clássicos (2011)
>>> O Testemunho Do Senhor E A Necessidade Do Mundo de T. Austin-Sparks pela Clássicos (2017)
>>> Igreja e Israel no Novo Testamento de Daniel Juster e Keith Mathison pela Impacto Publicações (2019)
>>> Preparados para o Fim? de Harold Walker pela Impacto Publicações (2019)
>>> Grandes Doutrinas Bíblicas - Vol. 2 Deus o Espírito Santo (enc) de D. Martyn Lloyd-jones pela Publicações Evangélicas Selecionadas
>>> randes Doutrinas Bíblicas - Vol. 1 Deus o Pai, Deus o Filho (bro) de D. Martyn Lloyd-jones pela Publicações Evangélicas Selecionadas (1997)
>>> Casa de Oração – Vol.2 de Lance Lambert pela dos Clássicos (2013)
>>> Preparando-nos Para o Preparador de Harold Walker pela Impacto Publicações (2019)
>>> Amigos do Mestre de Pedro Arruda pela Impacto Publicações (2019)
>>> O Grande Abalo de Harold Walker pela Impacto Publicações (2017)
>>> A Comunhão Nossa de Cada Dia (2ª Edição) de Pedro Arruda pela Clássicos
>>> O Mistério da Oliveira de Johannes Fichtenbauer pela Impacto Publicações (2019)
>>> Playboy N°80 Sofia Clerici Charlie Sheen Maricel Alvarez de Revista argentina pela Playboy (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/2/2009
Entre a folia e o Oscar
Marta Barcellos

+ de 2700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Só depois que o bloco passa percebo as cores tristes dos confetes: verde musgo, amarelo ocre, lilás opaco. Eles ficam entranhados entre as pedras portuguesas, até que a próxima chuva de verão os leve ― provavelmente para algum bueiro. O forte odor de urina completaria o cenário de desolação de uma quarta-feira de cinzas, não fosse o fato de o carnaval estar apenas começando. Outro bloco já já vai passar. Melhor deixar de ser ranzinza, esquecer que na véspera fiquei presa no congestionamento, atrás de um carro de som, e festejar a volta do carnaval de rua ao Rio de Janeiro.

Não há dúvida de que a festa é hoje exemplo de evento popular repleto de criatividade e espontaneidade, daqueles que a gente ainda pode chamar de "autêntico". A música que vai bombar, entre os foliões, não será a "de trabalho", escolhida pela cantora do momento e sua gravadora. As fantasias não seguirão o enredo definido pelo patrocinador da escola de samba. As ideias sugiram das mesas dos botecos cariocas, entre rodadas de chope: uma ala de marmanjos vestidos de Dilma Rousseff, uma alegoria de papelão satirizando a eleição de Sarney para a presidência do Senado, um samba que rima Obama com Brahma.

Sim, pode ser que por trás da rima exista alguma intenção de buscar patrocínio da cervejaria. Mas esqueça os acordos tradicionais que acontecem nesses casos. Nada garante que a sátira não esteja presente, para o bem ou para o mal da marca de cerveja. Nos tempos em que ainda não pertencia a uma multinacional (AmBev, controlada pela belga InBev), a Brahma costumava ser fornecedora dos poucos blocos do Rio. Reza a lenda que, no carnaval em que a empresa decidiu suspender o "apoio", deparou-se com uma enorme faixa no meio da multidão: "Brahma dá dor de cabeça". No ano seguinte, teria voltado às boas com os organizadores dos blocos. Mesmo assim, a fama em torno do tal efeito colateral perseguiu a cerveja por alguns bons carnavais, como aquelas marchinhas do programa do Chacrinha, que a gente nunca mais esquece.

Os sambas e marchinhas dos blocos revelam todo ano centenas de compositores no Rio (por tradição, todos os presentes na mesa do bar tornam-se co-autores). Mas eles não ficarão famosos, e nem mesmo almejam algo além da boa reputação de boêmio, em plena forma carnavalesca e etílica. É ali, nas últimas rodadas de chope, que surgem também as dissidências ou os filhotes de blocos já consagrados. Às vezes tenho a impressão de que a ideia de uma nova agremiação vinga apenas porque alguém bolou um nome impagável. É preciso montar o bloco, rápido, para fazer jus ao nome irreverente. Se fossem blogueiros, saíam por aí registrando domínios.

O desafio para inventar um bom nome de bloco não é pequeno. A volta do carnaval de rua ao Rio começou, na década de 80 ― no contexto da abertura política e da campanha das Diretas Já ―, com duas agremiações que até hoje são referência na cidade: "Simpatia é quase amor" e "Suvaco do Cristo" (que desfila no Jardim Botânico, precisamente nas axilas do cartão postal carioca). Diante das duas denominações, simplesmente geniais, eu ficaria calada, e não sugeriria nome algum para um bloco novo, mesmo na enésima rodada. Mas não é que os foliões, a cada ano, conseguem se superar e chegar perto?

Há os blocos que evocam em seus nomes a nostalgia e o lirismo o carnaval ingênuo, como "Volta Alice", "Céu na terra", "Meu bem, volto já", "Gigantes da lira" (infantil). Mas o carioca é bom mesmo é na malícia. Nessa categoria, difícil é escolher os melhores: "Se me der, eu como", "Vem ni mim que sou facinha", "Que merda é essa?", "Cutucano atrás", "Empurra que pega", "Chupa mas não baba", "Rola preguiçosa", "Concentra mas não sai", "Quem não guenta bebe água", "Espreme que sai". No quesito "especialização", a criatividade vai ainda mais longe. O pessoal do cinema, por exemplo, se reúne no "Me beija que eu sou cineasta" e os jornalistas já seguiram (no pré-carnaval) o "Imprensa que eu gamo". Os alpinistas do bairro da Urca batizaram sua agremiação de nada menos que "Só o cume interessa". Com chave de ouro, na quarta-feira de cinzas, sai da frente do cemitério de São João Batista o "Meu bem, não volto mais" (sutil homenagem ao "Meu bem, volto já").

Com estandartes como esses no caminho, é impossível não ter paciência diante dos (muitos) transtornos causados pelo (cada vez mais) efervescente carnaval de rua da cidade maravilhosa. Saindo do cinema, ainda sob o impacto do olhar autoritário de Meryl Streep, lembro-me de imbuir-me da condescendência que faltava à freira de "Dúvida", para encarar o trajeto de volta para casa. Os confetes grudados na calçada mostram que o bloco e a chuva já passaram, mas é preciso calcular os próximos passos, para não ser atropelada pelo turbilhão carnavalesco. No caminho, acho graça de dois rapazes, de quase dois metros de altura, enfiados em bóias amarelas de patinho, andando calmamente pela rua agora deserta. É o suficiente para meu marido fazer a expressão "nem pense nisso". Ou seja, nada de capitular, diante da primeira promessa de folia pagã. Pelo menos nesse carnaval, vamos manter o plano de colocar o cinema em dia e assistir a entrega do Oscar, em vez do desfile das escolas de samba. Já no ano que vem, quem sabe...

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/2/2009


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/2/2009
22h13min
O bate-papo carioca é incrivelmente relaxante (eu acho). Li o texto e me senti conversando em algum quiosque, mesmo a autora tendo "me levado" à sala pra ver o Oscar. (Este texto me lembrou "Carnaval no fogo", do Ruy Castro.)
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
20/2/2009
08h39min
Penso que o Oscar é uma festinha americana. Gramado, que é do Brasil, a gente já nem fala mais. Quanto à folia, pouco a pouco vai virando uma festinha de Axé qualquer. Estamos conseguindo matar o nosso carnaval. A cidade que resido tem quatrocentos e cinquenta mil habitantes e, este ano, o carnaval popular resume-se a um bailinho contratado pela prefeitura. Conseguimos acabar com o Carnaval que mantinha inclusive uma verba oficial da secretaria do Turismo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUSEU DE ARTE SACRA DA BAHIA
NÃO DEFINIDO
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
R$ 100,00



O CACHORRO DOS MORTOS
LEANDRO GOMES DE BARROS
LUZEIRO LTDA
R$ 7,00



TERMINANDO BEM SEU DIA DEVOCIONAIS PARA CADA NOITE DO ANO
JOYCE MEYER
BELLO PUBLICAÇÕES
(2011)
R$ 28,00



MINHA PRIMEIRA PAIXÃO
ELENICE MACHADO DE ALMEIDA - PEDRO BANDEIRA
FTD
(1992)
R$ 8,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00



OS FUNDAMENTOS DA FÍSICA - ELETRICIDADE 3
RAMALHO IVAN NICOLAU TOLEDO
MODERNA
(1982)
R$ 30,00



COMO RECUPERAR CLIENTES PERDIDOS - ELES VALEM OURO!
JOAN KOOB CANNIE
NOBEL
(1999)
R$ 23,00



MINHA TERRA E MEU POVO
DALAI LAMA XI
SEXTANTE
(2001)
R$ 10,00



MITOS GREGOS
PAULO SÉRGIO DE VASCONCELLOS
SOL
R$ 12,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
ED. SARAIVA
(2002)
R$ 5,00





busca | avançada
36145 visitas/dia
1,3 milhão/mês