Serge Daney: o cinema como espelho | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
96458 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bafana Bafana: very good futebol e só
>>> Suspense, Crimes ... e Livros!
>>> Entrevista com Michel Laub
>>> Mensagem do Papai Noel
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Se você quer ser minha namorada
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> Gatos em contos mínimos
>>> Auf! Auf!
Mais Recentes
>>> O Corcunda de Notre Dame de Victor Hugo; Jorge Bastos Cruz pela Cia das Letrinhas (1998)
>>> Nasci pra Dar Certo de Adriano Gonçalves pela Canção Nova (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma Vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo Livros (2010)
>>> Tudo Ou Nada de Roberto Shinyashiki pela Gente (2006)
>>> Trilogia - a Estrela do Lar, a Cerimônia do Adeus e Viagem a Forli de Mauro Rasi pela Relume Dumará (1993)
>>> Mundo dos Animais Peixes 1 de Nova Cultural pela Nova Cultural (1990)
>>> A Cobrança Pelo Uso da Agua na Agricultura de Antonio Thame pela Iqual (2004)
>>> Cartas Entre Amigos - Sobre Ganhar e Perder de Gabriel Chalita - Fábio de Melo pela Globo Livros (2010)
>>> Produção de Sentido Em Fotografia de Lúcio Kürten dos Passos pela Uniuv (2012)
>>> Segredo - sem Julgamentos sem Limites sem Vergonha de L. Marie Adeline pela Globo Livros (2014)
>>> Bake Off Brasil - Mão na Massa de Camila Poli pela On Line (2016)
>>> O Erro de Adam Smith - de Como um Filósofo Moral Inventou a Economia.. de Kenneth Lux pela Nobel (1993)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> Minidicionário Italiano Português de Andrea Benvenuta Bonaccia pela Edelbra
>>> Inferno - 100 Enigmas Diabólicos de Tim Dedopulos pela Coquetel (2013)
>>> As Bases Farmacologicas da terapeutica de Alfred Gilman pela Guanabara (1987)
>>> Conhecendo Histórias, Praticando Conhecimentos: África Em Sala de Aula de Ilton Cesar Martins (coord.) pela Fafi (2012)
>>> Deus e o Anjo Rebelde de Sally P. Dillon pela Cpb Didaticos (2012)
>>> Orações na Dor e na Alegria de Tercio Sarli pela Certeza (2009)
>>> Inferno - 100 Enigmas Diabólicos de Tim Dedopulos pela Coquetel (2013)
>>> Histórias de Pesquisa na Educação - Pesquisas na História da Educação de Maria Celi Chaves Vasconcelos pela Quartet (2013)
>>> Peppa e a Fada dos Dentes de Mark Baker - Nevile Astley pela Salamandra (2014)
>>> Ecologia de Regina Yolanda pela Studio Nobel (1996)
>>> Histórias de Pesquisa na Educação - Pesquisas na História da Educação de Maria Celi Chaves Vasconcelos pela Quartet (2013)
>>> Guia do Bebê e da Mamãe 0 a 1 - da Gravidez ao Primeiro Aninho de Fabio Kataoca e Outros pela Discovery (2015)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/8/2012
Serge Daney: o cinema como espelho
Humberto Pereira da Silva

+ de 4500 Acessos

Serge Daney, um dos grandes críticos de cinema francês, morreu há exatos vinte anos. Jovem, aos 48 anos, marcou presença nos Cahiers du Cinéma, no Libération e criou a Trafic, uma das mais prestigiosas revistas de cinema da atualidade. Nos Cahiers, ao lado de Serge Toubiana no início dos anos 70, rompe com a influência ideológica maoista predominante na revista de 1968 até 1972 e dá início a um processo de refundação, cujo lema basicamente era reatar a herança de André Bazin: uma revista de cinema presta-se a discutir filmes. Entre os anos de 1973 e 1981, quando esteve à frente da direção dos Cahiers, Daney foi o crítico de cinema mais em evidência na França. Por isso, para muitos, sua influência o coloca no mesmo patamar dos grandes críticos dos anos 40 e 50, notadamente Georges Sadoul e André Bazin.

Vinte anos sem Daney e duas instituições simbólicas do cinema francês lhe prestam homenagem. A edição de Junho dos Cahiers du Cinéma lhe dedica textos de Stéphane Delorme, "Daney aujourd´hui", Jean-Sébastien Chauvin, "Le plan manquant", Nicolas Azalbert, "Le visual devient-il schizo?", assim como uma entrevista que deu a Patrice Rollet e a republicação de uma crítica que fez a "Mauvais Sang", de Leos Carax. Além dos Cahiers, A Cinémathèque francaise abre suas portas de 21 de junho a 4 de agosto para lembrá-lo com um ciclo de conferências e filmes que ele viu e criticou, como "Di" e "A Idade da Terra", de Glauber Rocha. Sobre este último, tão questionado no Festival de Veneza, escreveu: "A Idade da Terra não se parece a nada de conhecido. Um filme torrencial e alucinado. Um óvni fílmico, nem mais, nem menos" ("La mort de Glauber Rocha", Libération, August 24, 1981).

Aqui no Brasil, textos do período dos Cahiers estão acessíveis com a publicação de "La rampe: cahier critique", que recebeu o título de "A rampa" - alusão ao espaço arquitetônico da "ribalta" nos antigos teatros transformados em cinemas - e foi editado pela Cosac&Naify e Mostra de Cinema em 2007. Nos textos de "A rampa", temas e cineastas que dão sentido à maneira como Daney entendia a critica de cinema. O livro é organizado em três blocos: plano geral, pontos de vista e perdas de vista. No plano geral, o exorcismo para salvar a tela da violência da publicidade, da lógica do mercado e da automatização; nos pontos de vista, o que há além no cineasta e que enseja discutir militância e moral; nas perdas de vista, um tipo de cinema na contramão das expectativas dominantes.

Em "A rampa", de fato, estão coligidos os pontos principais do pensamento de Daney sobre crítica de cinema. Mas quem quiser maior aproximação com suas ideias e intervenções, a melhor indicação é acorrer aos três caudalosos volumes de "La Maison cinema e le monde". Publicados pelas Editions P.O.L., neles todos os seus escritos, dos anos iniciais nos Cahiers no início dos 60 até os do Libération (aguarda-se um quarto volume sobre o período da Trafic, pouco antes de sua morte), foram organizados por Patrice Rollet.

As homenagens prestadas a Daney se justificam por duas razões principais: a importância que teve na reorientação dos rumos da critica de cinema num momento de fortes tensões políticas; o modo como ele fez crítica de cinema coloca em pauta a discussão sobre o sentido da própria crítica. Para que serve a crítica de cinema? Eis a questão de fundo implícita em seus escritos e intervenções. No que se refere ao embate com o dogmatismo maoista dos Cahiers, Daney se saiu bem e reconduziu os rumos da revista como lhe era oportuno em meados dos 70. Sobre a maneira como seus textos colocam questões para a crítica, valem algumas observações.

A expressão célebre com que Daney resume sua ideia de cinema é cine-fils, ou seja, "cine-filho". Com isso, designar literalmente que o crítico é filho do cinema. Essa relação umbilical entre crítico e cinema o leva a ver no crítico elementos presentes no filme criticado. Uma obra reafirma sua crença na função de espelho que o cinema desempenha ao projetar seu filme pessoal. Em Daney, portanto, o cinema é visto à luz da experiência pessoal, permeada por reflexões que aludem à política, assim como outras esferas da vida. Nisso, no entanto, nenhuma confusão com expressão subjetiva de si, ou com sensações intimas diante de um filme. Mas, sim, um entrelaçamento rigoroso entre vida pessoal e história do cinema.

A crítica, para ele, parte da experiência pessoal que o levou a se aproximar deste ou daquele cineasta, desta ou daquela cinematografia, a partir de sua própria formação cultural, suas inclinações políticas e experiências de vida. Não está em jogo, nesse sentido, a questão do gosto, ou do valor estético, de um filme específico. A escolha pressupõe uma disposição para encarar o cinema e, com isso, revelar uma visão de mundo: para Daney, fazer crítica é se revelar como um cine-fils. E isso ele o faz de duas maneiras: primeiro, nas críticas, propriamente, segundo, por meio de entrevistas e textos nos quais expõe seu pensamento sobre cinema. O que se coloca no fundo é que o gosto não passa de uma máscara que esconde como o crítico entende o cinema e a relação deste com suas experiências pessoais.

Ler Daney estimula uma reflexão que passa ao largo da crítica de cinema que se exime sobre o porquê de certos cineastas, ou cinematografias, serem mais ou menos apreciados. O gosto, com isso, resume-me à mera expressão de subjetividade: tal filme é bom, aquel´outro, não, sem que se reflita sobre o porquê dessa escolha. A estrutura de seus textos indicam caminhos para o leitor destrinchar questões de natureza ética num filme, antes mesmo que estéticas. Com isso, em sua escrita, um estilo que se caracteriza pela contundência de pontos de vista sobre cinema, aliado a um faro aguçado para o que há de mais atual e que se expressa frequentemente de modo dissimulado para leitores desatentos.

No seu estilo de escrita, então, três elementos inseparáveis: insolência, brio e gênio pedagógico. Esses elementos dão a senha para que se possa entender como ele entende o cinema, ao mesmo tempo em que revelam como suas críticas expressam sua trajetória pessoal. Insolência para bater de frente com formulas prontas e com afirmações de gosto. Isso tendo como base um humor cáustico, policiado pelo sentido de uma formula definitiva. O embate com o dogmatismo maoista mostra bem as escolhas de Daney e o sentido que dá a insolência.

Mas a insolência não é suficiente, por isso o brio e a preocupação de se dirigir ao público. Nele o brio é a ponta de lança para o desenvolvimento de seu pensamento, profundo, mas marcado pela concisão sintática e rapidez de intuições; portanto, sem elipses, ou sinuosidades estilísticas que desviam o foco. Como decorrência, sua maneira talentosa de compor retratos dinâmicos de cineastas ou de cinematografias, de problematizar a relação com os filmes e, sobretudo, criar um lugar para o leitor no seio de seus artigos. A concisão de sua expressão, assim como a qualidade sintética de seu pensamento, faz dele um crítico memorável. Seus textos são um reservatório a ser frequentemente procurado, donde uma fácil circulação pública de suas ideias.

As posições de Daney sobre crítica de cinema (ele não foi propriamente um teórico, mas, antes, um agitador, um ativista frequentemente inflamado) são principalmente balizas para quem escreve e acompanha o que se escreve sobre filmes. Balizas que dão um tom para se perceber a relação com o cinema num terreno mais pedregoso do que comumente o senso comum crítico costuma trafegar. Na medida em que essas balizas sejam ignoradas, perde-se muito do que o cinema oferece como arte e cultura. Cai-se no tédio dos chavões, das formulas prontas, na arrogância do veredito definitivo, nas prescrições sobre como um cineasta deve se conduzir, num vazio sobre o sentido do cinema como produto cultural. As ideias de Daney não precisam ser acolhidas e sim discutidas. Se isso for feito, as homenagens que lhe são feitas são plenamente justificadas: poucos críticos foram tão sensíveis aos rumos do cinema como ele. Ideias como as dele são ondas a serem captadas por radares atentos.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 29/8/2012


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Grande Depressão
Ravi Batra
Cultura
(1990)
R$ 5,00



A Prática da Liderança
Áureo dos Santos
Vozes
(2005)
R$ 32,00



A Vida na Floresta Amazônica
Roberto Antonelli Filho
Ftd
(1996)
R$ 5,00



Sérgio Moro A História Do Homem Por Trás Da Lava Jato
Hasselmann,Joice
Universo Dos Livros
R$ 14,00



Cabeça de Papel
Paulo Francis
Círculo do Livro
R$ 15,00



The First Book of Geography - Book I
Logmans
Longmans Green
(1901)
R$ 213,21



As aventuras de Benjamim, O muiraquitã
Camila Franco, Marcela Catunda, Blandina Franco
Companhia das letras
(2004)
R$ 5,00



O Poder da Memória
Harry Lorayne
Papelivros
R$ 10,00



O Príncipe e o Mendigo - Série Reencontro - 3ª Edição
Mark Twain - Adaptação de Cláudia Lopes
Scipione
(2018)
R$ 39,90



Um rapaz adequado
Vikram Seth, Alice Xavier de Lima
Record
(2014)
R$ 7,50





busca | avançada
96458 visitas/dia
2,3 milhões/mês