Serge Daney: o cinema como espelho | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/8/2012
Serge Daney: o cinema como espelho
Humberto Pereira da Silva

+ de 4200 Acessos

Serge Daney, um dos grandes críticos de cinema francês, morreu há exatos vinte anos. Jovem, aos 48 anos, marcou presença nos Cahiers du Cinéma, no Libération e criou a Trafic, uma das mais prestigiosas revistas de cinema da atualidade. Nos Cahiers, ao lado de Serge Toubiana no início dos anos 70, rompe com a influência ideológica maoista predominante na revista de 1968 até 1972 e dá início a um processo de refundação, cujo lema basicamente era reatar a herança de André Bazin: uma revista de cinema presta-se a discutir filmes. Entre os anos de 1973 e 1981, quando esteve à frente da direção dos Cahiers, Daney foi o crítico de cinema mais em evidência na França. Por isso, para muitos, sua influência o coloca no mesmo patamar dos grandes críticos dos anos 40 e 50, notadamente Georges Sadoul e André Bazin.

Vinte anos sem Daney e duas instituições simbólicas do cinema francês lhe prestam homenagem. A edição de Junho dos Cahiers du Cinéma lhe dedica textos de Stéphane Delorme, "Daney aujourd´hui", Jean-Sébastien Chauvin, "Le plan manquant", Nicolas Azalbert, "Le visual devient-il schizo?", assim como uma entrevista que deu a Patrice Rollet e a republicação de uma crítica que fez a "Mauvais Sang", de Leos Carax. Além dos Cahiers, A Cinémathèque francaise abre suas portas de 21 de junho a 4 de agosto para lembrá-lo com um ciclo de conferências e filmes que ele viu e criticou, como "Di" e "A Idade da Terra", de Glauber Rocha. Sobre este último, tão questionado no Festival de Veneza, escreveu: "A Idade da Terra não se parece a nada de conhecido. Um filme torrencial e alucinado. Um óvni fílmico, nem mais, nem menos" ("La mort de Glauber Rocha", Libération, August 24, 1981).

Aqui no Brasil, textos do período dos Cahiers estão acessíveis com a publicação de "La rampe: cahier critique", que recebeu o título de "A rampa" - alusão ao espaço arquitetônico da "ribalta" nos antigos teatros transformados em cinemas - e foi editado pela Cosac&Naify e Mostra de Cinema em 2007. Nos textos de "A rampa", temas e cineastas que dão sentido à maneira como Daney entendia a critica de cinema. O livro é organizado em três blocos: plano geral, pontos de vista e perdas de vista. No plano geral, o exorcismo para salvar a tela da violência da publicidade, da lógica do mercado e da automatização; nos pontos de vista, o que há além no cineasta e que enseja discutir militância e moral; nas perdas de vista, um tipo de cinema na contramão das expectativas dominantes.

Em "A rampa", de fato, estão coligidos os pontos principais do pensamento de Daney sobre crítica de cinema. Mas quem quiser maior aproximação com suas ideias e intervenções, a melhor indicação é acorrer aos três caudalosos volumes de "La Maison cinema e le monde". Publicados pelas Editions P.O.L., neles todos os seus escritos, dos anos iniciais nos Cahiers no início dos 60 até os do Libération (aguarda-se um quarto volume sobre o período da Trafic, pouco antes de sua morte), foram organizados por Patrice Rollet.

As homenagens prestadas a Daney se justificam por duas razões principais: a importância que teve na reorientação dos rumos da critica de cinema num momento de fortes tensões políticas; o modo como ele fez crítica de cinema coloca em pauta a discussão sobre o sentido da própria crítica. Para que serve a crítica de cinema? Eis a questão de fundo implícita em seus escritos e intervenções. No que se refere ao embate com o dogmatismo maoista dos Cahiers, Daney se saiu bem e reconduziu os rumos da revista como lhe era oportuno em meados dos 70. Sobre a maneira como seus textos colocam questões para a crítica, valem algumas observações.

A expressão célebre com que Daney resume sua ideia de cinema é cine-fils, ou seja, "cine-filho". Com isso, designar literalmente que o crítico é filho do cinema. Essa relação umbilical entre crítico e cinema o leva a ver no crítico elementos presentes no filme criticado. Uma obra reafirma sua crença na função de espelho que o cinema desempenha ao projetar seu filme pessoal. Em Daney, portanto, o cinema é visto à luz da experiência pessoal, permeada por reflexões que aludem à política, assim como outras esferas da vida. Nisso, no entanto, nenhuma confusão com expressão subjetiva de si, ou com sensações intimas diante de um filme. Mas, sim, um entrelaçamento rigoroso entre vida pessoal e história do cinema.

A crítica, para ele, parte da experiência pessoal que o levou a se aproximar deste ou daquele cineasta, desta ou daquela cinematografia, a partir de sua própria formação cultural, suas inclinações políticas e experiências de vida. Não está em jogo, nesse sentido, a questão do gosto, ou do valor estético, de um filme específico. A escolha pressupõe uma disposição para encarar o cinema e, com isso, revelar uma visão de mundo: para Daney, fazer crítica é se revelar como um cine-fils. E isso ele o faz de duas maneiras: primeiro, nas críticas, propriamente, segundo, por meio de entrevistas e textos nos quais expõe seu pensamento sobre cinema. O que se coloca no fundo é que o gosto não passa de uma máscara que esconde como o crítico entende o cinema e a relação deste com suas experiências pessoais.

Ler Daney estimula uma reflexão que passa ao largo da crítica de cinema que se exime sobre o porquê de certos cineastas, ou cinematografias, serem mais ou menos apreciados. O gosto, com isso, resume-me à mera expressão de subjetividade: tal filme é bom, aquel´outro, não, sem que se reflita sobre o porquê dessa escolha. A estrutura de seus textos indicam caminhos para o leitor destrinchar questões de natureza ética num filme, antes mesmo que estéticas. Com isso, em sua escrita, um estilo que se caracteriza pela contundência de pontos de vista sobre cinema, aliado a um faro aguçado para o que há de mais atual e que se expressa frequentemente de modo dissimulado para leitores desatentos.

No seu estilo de escrita, então, três elementos inseparáveis: insolência, brio e gênio pedagógico. Esses elementos dão a senha para que se possa entender como ele entende o cinema, ao mesmo tempo em que revelam como suas críticas expressam sua trajetória pessoal. Insolência para bater de frente com formulas prontas e com afirmações de gosto. Isso tendo como base um humor cáustico, policiado pelo sentido de uma formula definitiva. O embate com o dogmatismo maoista mostra bem as escolhas de Daney e o sentido que dá a insolência.

Mas a insolência não é suficiente, por isso o brio e a preocupação de se dirigir ao público. Nele o brio é a ponta de lança para o desenvolvimento de seu pensamento, profundo, mas marcado pela concisão sintática e rapidez de intuições; portanto, sem elipses, ou sinuosidades estilísticas que desviam o foco. Como decorrência, sua maneira talentosa de compor retratos dinâmicos de cineastas ou de cinematografias, de problematizar a relação com os filmes e, sobretudo, criar um lugar para o leitor no seio de seus artigos. A concisão de sua expressão, assim como a qualidade sintética de seu pensamento, faz dele um crítico memorável. Seus textos são um reservatório a ser frequentemente procurado, donde uma fácil circulação pública de suas ideias.

As posições de Daney sobre crítica de cinema (ele não foi propriamente um teórico, mas, antes, um agitador, um ativista frequentemente inflamado) são principalmente balizas para quem escreve e acompanha o que se escreve sobre filmes. Balizas que dão um tom para se perceber a relação com o cinema num terreno mais pedregoso do que comumente o senso comum crítico costuma trafegar. Na medida em que essas balizas sejam ignoradas, perde-se muito do que o cinema oferece como arte e cultura. Cai-se no tédio dos chavões, das formulas prontas, na arrogância do veredito definitivo, nas prescrições sobre como um cineasta deve se conduzir, num vazio sobre o sentido do cinema como produto cultural. As ideias de Daney não precisam ser acolhidas e sim discutidas. Se isso for feito, as homenagens que lhe são feitas são plenamente justificadas: poucos críticos foram tão sensíveis aos rumos do cinema como ele. Ideias como as dele são ondas a serem captadas por radares atentos.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 29/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
02. A viagem e a experiência de Marta Barcellos
03. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
04. Margarida e Antônio, Sueli e Israel de Duanne Ribeiro
05. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL PRÁTICO DO HORÓSCOPO CHINÊS
MINAMI KEIZI
TRAÇO
(1988)
R$ 15,00



MUITO ALÉM DO CORPO- A CONSTRUÇÃO NARRATIVA DA SAÚDE
FERNANDO LOLAS STEPKE
LOYOLA
(2006)
R$ 13,90



101 NOITES DE NATAL - UMA ANTOLOGIA LITERÁRIA
FERNANDO PESSOA E OUTROS
101 NOITES PROD.CULT.
(2001)
R$ 50,00



O NACIONALISMO NA ATUALIDADE BRASILEIRA
HELIO JAGUARIBE
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2013)
R$ 35,90



GAFE, NÃO É PECADO
CLAÚDIA MATARAZZO
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 4,00



BOLOFOFOS E FINIFINOS
FERNANDO SABINO
EDIOURO
(2004)
R$ 7,00



COMO FAZER APRESENTAÇÕES
TIN HINDLE
PUBLI FOLHA
(1998)
R$ 10,00



CONVERSAS COM GERDA ALEXANDER
VIOLETA HEMSY DE GAINZA
SUMMUS
(1997)
R$ 50,00



INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA EDUCACIONAL
RUY DE AYRES BELLO -2ª EDIÇÃO
BRASIL
(1964)
R$ 8,00



AS 100 TURMAS DA MEDICINA DA USP 3530
DIVERSOS
CASA DE SOLUÇÕES
(2012)
R$ 19,00





busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês