A Nouvelle Vague e Godard | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/2/2012
A Nouvelle Vague e Godard
Humberto Pereira da Silva

+ de 4800 Acessos

Estudos, debates ou balanços sobre a produção cinematográfica internacional ocupam espaço tímido nas prateleiras das livrarias no Brasil. Grande parte das informações sobre o que ocorre no cenário mundial do cinema, assim como a relevância dos grandes diretores, suas biografias, circula de modo fragmentado; hoje em dia, principalmente pela internet: publicações sobre movimentos importantes como o Neorealismo, a Nouvelle Vague ou o Novo Cinema alemão são esparsas. Louve-se por isso a iniciativa de traduzir "A Nouvelle Vague e Godard" (Papirus Editora, 264 pág.), do francês Michel Marie, inserido na Coleção Campo Imagético.

A publicação do livro de Michel Marie - juntamente com "Cinefilia", de Antoine Baecque (Cosac&Naify, 2010) -, oferece aos leitores um amplo painel do contexto histórico, diretores, editores de revistas, personagens e o caldo de cultura que assinalam um dos momentos mais marcantes do cinema entre os anos 50 e 60 na França. É nesse período que críticos dos Cahiers du Cinéma tomam a câmara e iniciam a "nova onda" na arte de fazer cinema. "A Nouvelle Vague e Godard" ilumina, então, aspectos essenciais para se entender simultaneamente a importância do movimento e o papel de um de seus mais destacados representantes: J. L. Godard, que ao realizar "Acossado" ("A bout de souffle", 1960) exibiu aquele que para Michel Marie é o filme manifesto da Nouvelle Vague.

Antes de passar ao livro, no entanto, faço um alerta aos leitores da edição da Papirus. Trata-se da fusão de dois livros: "Comprendre Godard: travelling avant sur A bout de souffle et Les Mépris" (2006) e "La nouvelle vague: une école artistique" (2007), ambos publicados pela Armand Colin. A Papirus dividiu sua edição em duas partes, a primeira corresponde ao livro que foi publicado originalmente em seguida. Essa advertência é importante porque a fusão dos livros não foi explicitada e também porque, se do ponto de vista editorial a ordem dada aos textos se justifica, o que versa sobre Godard veio a público antes do da Nouvelle Vague. Há ainda o inconveniente de o leitor menos atento imaginar-se diante de uma única obra de Michael Marie, o que não corresponde à verdade. Isso em si não seria mau - teríamos 2 livros em 1 -, mas justamente a parte II da Papirus, dedicada a Godard, não traz a análise de "O Desprezo" ("Le Mépris", 1964). Portanto, nesse sentido, faltou à coordenação da Campo Imagético cuidado editorial no quesito de esclarecimento sobre o livro traduzido.

Feita a advertência, passemos a "A Nouvelle Vague e Godard". O que se tem inicialmente é a exposição da origem da expressão "Nouvelle Vague". Michel Marie ressalta que ela não tem origem no cinema e sim em pesquisas sociológicas sobre questões de gerações publicadas pela revista L´Express em 1957. Em seguida, numa exposição clara e contextualizada, ele mostra como a expressão foi assimilada pelos críticos dos Cahiers du Cinéma, que veem nos filmes de Claude Chabrol, "Nas garras do vício" (1957) e "Os primos" (1958), os sinais da nova onda cinematográfica, na contramão do chamado cinema francês de qualidade, objeto de crítica de François Truffaut em artigo de 1954: "Uma certa tendência do cinema francês".

Michel Marie mostra como era o cinema francês entre os anos de 1958 e 1959 e como os primeiros filmes de Chabrol, assim como "Os amantes", de Louis Malle (1959) e "Os incompreendidos" (1959), de Truffaut, expressam uma brutal ruptura com o que se fazia na época. No momento em que esses filmes surgiram, o cinema francês se movia pelos imperativos do mercado: produzidos invariavelmente com a finalidade de propiciar espetáculos para distrair e acumular lucros. No final da década, com a Nouvelle Vague, essa perspectiva mudou. Com os filmes dos jovens diretores egressos dos Cahiers du Cinéma, ocorre uma súbita mudança de função social e o cinema torna-se um meio de expressão artística, antes de produto para entretenimento. O sinal mais evidente dessa transformação se dá com o surgimento de dezenas de centenas de cineclubes, veículos de circulação desses filmes, que caracterizam a vida cultural desses anos e contribuem para impulsionar o movimento.

Mas "Nouvelle Vague e Godard" não mostra apenas a mudança de comportamento em relação ao cinema no início da V República francesa, quando os filmes da Nouvelle Vague, feitos com baixo orçamento, arejados, provocativos, antenados aos problemas sociais e individuais numa sociedade de consumo, se constituíram num fenômeno cultural. Michel Marie procura igualmente mostrar que a Nouvelle Vague foi uma corrente artística intimamente ligada a um conjunto de conceitos críticos comuns a um grupo bem coerente. De modo didático, ele exibe como Truffaut, Godard, Chabrol, Éric Rohmer e Jacques Rivette, núcleo essencial do movimento, se orientam em torno da chamada "política dos autores": só há um único autor de filmes e este é o diretor; alguns diretores são autores - Jean Renoir, Max Ophuls etc. -, mas nem todos são autores; não há obras, só há autores.

Um filme deve ser expressão da visão de mundo de um autor. O que se tem com isso é a inseparabilidade entre o que se vê e o que o diretor pensa. O que está fora de propósito é que um filme, concebido como meio de expressão artística, seja desvinculado de quem o realizou. Esse é o ponto chave que liga as duas partes do livro e leva Michel Marie a sustentar que Godard, autor de "Acossado", com esse filme projeta na tela o manifesto da Nouvelle Vague. Para ele, "Acossado" tem o mesmo peso histórico que "O encouraçado Potemkin" (1925), de Serge Eisenstein, e "Cidadão Kane" (1940), de Orson Wells.

A segunda parte do livro, então, é dedicada à "compreensão de Godard", especificamente de "Acossado". Em minúcias, Michel Marie mostra a gênese do filme, o contexto em que foi realizado, os problemas do roteiro, atribuído a Truffaut, mas que foi enormemente modificado por Godard durante as filmagens, a estrutura narrativa, as inovações técnicas, a análise rigorosa das sequências, temas, personagens e a recepção crítica. Apreende-se, então, que Godard acompanha os passos de seus colegas de geração e que a produção de "Acossado" foi possível em grande parte devido ao contexto receptivo de "Os incompreendidos" no Festival de Cannes de 1959. Ou seja, embora não tivesse em vista fazer de seu filme o veículo que manifestasse a estética da Nouvelle Vague, Godard tinha plena consciência de com ele tudo era permitido, que se podia refazer todo o cinema que fora feito como se fosse pela primeira vez.

Num nível mais ousado que seus colegas, notadamente Truffaut, Godard traduz em "Acossado" o que foi o espírito da Nouvelle Vague. Daí que, para Michel Marie, as inovações técnicas que ele trouxe situam seu filme num plano que não seria alcançado por "Os incompreendidos". Em Godard, desde a construção da psique dos personagens, a indumentária, até meros detalhes como a abertura em iris, o salto de imagem (jump cut), uso de raccord no mesmo eixo, falso raccord, confluem para que se tenha o espírito de transgressividade da época por meio de um filme. Assim, por que mais que qualquer outro exiba recursos de linguagem com o fim de trazer a "nova onda", para Michel Marie "Acossado" se revela como o verdadeiro filme manifesto da Nouvelle Vague.

Para os cinéfilos ávidos por leituras sobre o cinema francês em fins dos 50 e começo dos 60, "A Nouvelle Vague e Godard" é um livro obrigatório para se ter na estante. Trata-se de um livro que instiga ver, ou rever, um dos filmes mais cultuados da história do cinema. Com isso, perceber aspectos que, num primeiro contato com "Acossado", passam despercebidos. E, para um leitor atento ao livro e ao filme, se dar conta de deslizes da tradução. Na análise das sequências, ao comentar a 7ª, momento em que o casal Michael Poiccard (Jean-Paul Belmondo) e Patricia Franchini (Jean Seberg) está num quarto de hotel e conversa sobre relação amorosa, vida, literatura, Michel Marie faz menção às provocações verbais e gestuais do casal. Na tradução lê-se: "ele finge se estrangular para fazer Patrícia sorrir, e conta de maneira bem pessoal..." (p. 214). Quem vir o filme notará que ele não finge se estrangular e sim estrangulá-la. Mas mesmo que não se veja o filme, pode-se notar que a tradução se corrige em seguida: "ela sorri quando Michel brinca, tentando estrangulá-la" (p. 222). Trata-se da mesma cena, e aqui, depois da análise das sequências, a ênfase no narcisismo dos personagens.

Deslizes assim ocorrem e, nesse caso, possivelmente por descuido com os pronomes. Mas nessa menção nenhum pedantismo inoportuno; ela visa tão somente estimular a leitura do livro e, na sequência, confrontá-la com as imagens; ou seja, lembrar que para a apreciação do livro é inevitável ver e rever sempre o irreverente J. J. Godard. Esse, aliás, um conselho a ser exercitado constantemente quando se tem em vista filmes cujo propósito é o de levar o espectador à fruição estética.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 15/2/2012


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MAIS COM MAIS DÁ MENOS
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS
RHJ
(2001)
R$ 6,90



A COMPANHEIRA DE VIAGEM
FERNANDO SABINO (CAPA DURA) 8ª EDIÇÃO
RECORD
(1984)
R$ 10,00



CAT
B. KLIBAN
WORKMAN PUBLISHING CO
(1975)
R$ 14,00



AS ORIGENS DA ALMA - OS GREGOS E O CONCEITO ALMA HOMERO A ARISTÓTELES
THOMAS M. ROBINSON
ANNABLUME
(2010)
R$ 119,90



VIAGEM PELO TERRITÓRIO DAS LETRAS
MARISA VIEIRA FERRAZ CUNHA NUBILE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



A SELVA ESCURA
WALMIR AYALA
ATHENEU CULTURA
(1990)
R$ 15,00



SEGREDOS DO MERCADO DE AÇÕES
MARCUS PADLEY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 75,00



DESORDEM DOS FATORES, A
ARON KREMER
ORNITORRINCO
(2016)
R$ 31,84



BRASIL 110 COLORFOTOS
ALPINA
ALPINA
R$ 12,00



SEREIAS SENSUAIS DO CINEMA
DAVE WORRALL, LEE PFEIFFER
MADRAS
(2012)
R$ 70,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês