A Nouvelle Vague e Godard | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/2/2012
A Nouvelle Vague e Godard
Humberto Pereira da Silva

+ de 5300 Acessos

Estudos, debates ou balanços sobre a produção cinematográfica internacional ocupam espaço tímido nas prateleiras das livrarias no Brasil. Grande parte das informações sobre o que ocorre no cenário mundial do cinema, assim como a relevância dos grandes diretores, suas biografias, circula de modo fragmentado; hoje em dia, principalmente pela internet: publicações sobre movimentos importantes como o Neorealismo, a Nouvelle Vague ou o Novo Cinema alemão são esparsas. Louve-se por isso a iniciativa de traduzir "A Nouvelle Vague e Godard" (Papirus Editora, 264 pág.), do francês Michel Marie, inserido na Coleção Campo Imagético.

A publicação do livro de Michel Marie - juntamente com "Cinefilia", de Antoine Baecque (Cosac&Naify, 2010) -, oferece aos leitores um amplo painel do contexto histórico, diretores, editores de revistas, personagens e o caldo de cultura que assinalam um dos momentos mais marcantes do cinema entre os anos 50 e 60 na França. É nesse período que críticos dos Cahiers du Cinéma tomam a câmara e iniciam a "nova onda" na arte de fazer cinema. "A Nouvelle Vague e Godard" ilumina, então, aspectos essenciais para se entender simultaneamente a importância do movimento e o papel de um de seus mais destacados representantes: J. L. Godard, que ao realizar "Acossado" ("A bout de souffle", 1960) exibiu aquele que para Michel Marie é o filme manifesto da Nouvelle Vague.

Antes de passar ao livro, no entanto, faço um alerta aos leitores da edição da Papirus. Trata-se da fusão de dois livros: "Comprendre Godard: travelling avant sur A bout de souffle et Les Mépris" (2006) e "La nouvelle vague: une école artistique" (2007), ambos publicados pela Armand Colin. A Papirus dividiu sua edição em duas partes, a primeira corresponde ao livro que foi publicado originalmente em seguida. Essa advertência é importante porque a fusão dos livros não foi explicitada e também porque, se do ponto de vista editorial a ordem dada aos textos se justifica, o que versa sobre Godard veio a público antes do da Nouvelle Vague. Há ainda o inconveniente de o leitor menos atento imaginar-se diante de uma única obra de Michael Marie, o que não corresponde à verdade. Isso em si não seria mau - teríamos 2 livros em 1 -, mas justamente a parte II da Papirus, dedicada a Godard, não traz a análise de "O Desprezo" ("Le Mépris", 1964). Portanto, nesse sentido, faltou à coordenação da Campo Imagético cuidado editorial no quesito de esclarecimento sobre o livro traduzido.

Feita a advertência, passemos a "A Nouvelle Vague e Godard". O que se tem inicialmente é a exposição da origem da expressão "Nouvelle Vague". Michel Marie ressalta que ela não tem origem no cinema e sim em pesquisas sociológicas sobre questões de gerações publicadas pela revista L´Express em 1957. Em seguida, numa exposição clara e contextualizada, ele mostra como a expressão foi assimilada pelos críticos dos Cahiers du Cinéma, que veem nos filmes de Claude Chabrol, "Nas garras do vício" (1957) e "Os primos" (1958), os sinais da nova onda cinematográfica, na contramão do chamado cinema francês de qualidade, objeto de crítica de François Truffaut em artigo de 1954: "Uma certa tendência do cinema francês".

Michel Marie mostra como era o cinema francês entre os anos de 1958 e 1959 e como os primeiros filmes de Chabrol, assim como "Os amantes", de Louis Malle (1959) e "Os incompreendidos" (1959), de Truffaut, expressam uma brutal ruptura com o que se fazia na época. No momento em que esses filmes surgiram, o cinema francês se movia pelos imperativos do mercado: produzidos invariavelmente com a finalidade de propiciar espetáculos para distrair e acumular lucros. No final da década, com a Nouvelle Vague, essa perspectiva mudou. Com os filmes dos jovens diretores egressos dos Cahiers du Cinéma, ocorre uma súbita mudança de função social e o cinema torna-se um meio de expressão artística, antes de produto para entretenimento. O sinal mais evidente dessa transformação se dá com o surgimento de dezenas de centenas de cineclubes, veículos de circulação desses filmes, que caracterizam a vida cultural desses anos e contribuem para impulsionar o movimento.

Mas "Nouvelle Vague e Godard" não mostra apenas a mudança de comportamento em relação ao cinema no início da V República francesa, quando os filmes da Nouvelle Vague, feitos com baixo orçamento, arejados, provocativos, antenados aos problemas sociais e individuais numa sociedade de consumo, se constituíram num fenômeno cultural. Michel Marie procura igualmente mostrar que a Nouvelle Vague foi uma corrente artística intimamente ligada a um conjunto de conceitos críticos comuns a um grupo bem coerente. De modo didático, ele exibe como Truffaut, Godard, Chabrol, Éric Rohmer e Jacques Rivette, núcleo essencial do movimento, se orientam em torno da chamada "política dos autores": só há um único autor de filmes e este é o diretor; alguns diretores são autores - Jean Renoir, Max Ophuls etc. -, mas nem todos são autores; não há obras, só há autores.

Um filme deve ser expressão da visão de mundo de um autor. O que se tem com isso é a inseparabilidade entre o que se vê e o que o diretor pensa. O que está fora de propósito é que um filme, concebido como meio de expressão artística, seja desvinculado de quem o realizou. Esse é o ponto chave que liga as duas partes do livro e leva Michel Marie a sustentar que Godard, autor de "Acossado", com esse filme projeta na tela o manifesto da Nouvelle Vague. Para ele, "Acossado" tem o mesmo peso histórico que "O encouraçado Potemkin" (1925), de Serge Eisenstein, e "Cidadão Kane" (1940), de Orson Wells.

A segunda parte do livro, então, é dedicada à "compreensão de Godard", especificamente de "Acossado". Em minúcias, Michel Marie mostra a gênese do filme, o contexto em que foi realizado, os problemas do roteiro, atribuído a Truffaut, mas que foi enormemente modificado por Godard durante as filmagens, a estrutura narrativa, as inovações técnicas, a análise rigorosa das sequências, temas, personagens e a recepção crítica. Apreende-se, então, que Godard acompanha os passos de seus colegas de geração e que a produção de "Acossado" foi possível em grande parte devido ao contexto receptivo de "Os incompreendidos" no Festival de Cannes de 1959. Ou seja, embora não tivesse em vista fazer de seu filme o veículo que manifestasse a estética da Nouvelle Vague, Godard tinha plena consciência de com ele tudo era permitido, que se podia refazer todo o cinema que fora feito como se fosse pela primeira vez.

Num nível mais ousado que seus colegas, notadamente Truffaut, Godard traduz em "Acossado" o que foi o espírito da Nouvelle Vague. Daí que, para Michel Marie, as inovações técnicas que ele trouxe situam seu filme num plano que não seria alcançado por "Os incompreendidos". Em Godard, desde a construção da psique dos personagens, a indumentária, até meros detalhes como a abertura em iris, o salto de imagem (jump cut), uso de raccord no mesmo eixo, falso raccord, confluem para que se tenha o espírito de transgressividade da época por meio de um filme. Assim, por que mais que qualquer outro exiba recursos de linguagem com o fim de trazer a "nova onda", para Michel Marie "Acossado" se revela como o verdadeiro filme manifesto da Nouvelle Vague.

Para os cinéfilos ávidos por leituras sobre o cinema francês em fins dos 50 e começo dos 60, "A Nouvelle Vague e Godard" é um livro obrigatório para se ter na estante. Trata-se de um livro que instiga ver, ou rever, um dos filmes mais cultuados da história do cinema. Com isso, perceber aspectos que, num primeiro contato com "Acossado", passam despercebidos. E, para um leitor atento ao livro e ao filme, se dar conta de deslizes da tradução. Na análise das sequências, ao comentar a 7ª, momento em que o casal Michael Poiccard (Jean-Paul Belmondo) e Patricia Franchini (Jean Seberg) está num quarto de hotel e conversa sobre relação amorosa, vida, literatura, Michel Marie faz menção às provocações verbais e gestuais do casal. Na tradução lê-se: "ele finge se estrangular para fazer Patrícia sorrir, e conta de maneira bem pessoal..." (p. 214). Quem vir o filme notará que ele não finge se estrangular e sim estrangulá-la. Mas mesmo que não se veja o filme, pode-se notar que a tradução se corrige em seguida: "ela sorri quando Michel brinca, tentando estrangulá-la" (p. 222). Trata-se da mesma cena, e aqui, depois da análise das sequências, a ênfase no narcisismo dos personagens.

Deslizes assim ocorrem e, nesse caso, possivelmente por descuido com os pronomes. Mas nessa menção nenhum pedantismo inoportuno; ela visa tão somente estimular a leitura do livro e, na sequência, confrontá-la com as imagens; ou seja, lembrar que para a apreciação do livro é inevitável ver e rever sempre o irreverente J. J. Godard. Esse, aliás, um conselho a ser exercitado constantemente quando se tem em vista filmes cujo propósito é o de levar o espectador à fruição estética.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 15/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A redoma de vidro de Sylvia Plath de Renato Alessandro dos Santos
02. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
03. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos
04. Have a nice day de Adriane Pasa
05. O Amor é Sexualmente Transmissível de Isabella Ypiranga Monteiro


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ÁLBUM DAS GAROTAS
LYNDA MADARAS AREA MADARAS
MARCO ZERO
(1993)
R$ 12,00



LEIS COMPLEMENTARES
MARIA ALESSANDRA BRASILEIRO DE OLIVEIRA
LETRA LEGAL
(2004)
R$ 9,00



INSIDE GIRL - PROBLEMAS NO PARAÍSO 3
J. MINTER
ID
(2012)
R$ 12,00



O AMANTE DE LADY CHATTERLEY
D. H. LAWRENCE
EDIOURO
(1985)
R$ 12,00



D. MARIA AUGUSTA RUI BARBOSA (DOIS DEPOIMENTOS)
MEC
MEC
R$ 23,28



SEKRETOJ DE LA MARESTAĵOJ
PETAR GIUNIO
KROATIA ESPERANTO-SERVO
(1960)
R$ 28,00



CARTAS CHILENAS
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
MARTIN CLARET
(2007)
R$ 16,00



HISTÓRIA DA MORTE NO OCIDENTE
PHILIPPE ARIÈS
SARAIVA
(2012)
R$ 70,00



A NOITE MAIS DENSA 6 DC
DC
PANINI
(2010)
R$ 5,00



ASSOCIATIVISMO DOCENTE E CONSTRUÇÃO DEMOCRÁTICA - BRASIL- PORTUGAL: 1950-1980
LIBANIA XAVIER
EDUERJ - FAPERJ
(2013)
R$ 25,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês