Paulo César Saraceni (1933-2012) | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
Mais Recentes
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1995)
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1999)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática/ SP. (1984)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática/ SP. (2004)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (1989)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (1982)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (2002)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> Desvendando Mistérios - Chacras, Kundalini, os sete corpos e outros de Osho pela Alaúde (2011)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1978)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1988)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1978)
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/4/2012
Paulo César Saraceni (1933-2012)
Humberto Pereira da Silva

+ de 4900 Acessos

Há três nomes essenciais quando se tem em vista o contexto e situação histórica que deram origem ao Cinema Novo: Nelson Pereira dos Santos, Glauber Rocha e Paulo César Saraceni. Desde "Rio, 40 graus" (1955), Nelson desponta como a figura impulsionadora do movimento: um pouco mais velho, torna-se uma espécie de guru da nova geração; já Glauber, principal agitador e idealizador, chamou a atenção internacional com seu primeiro longa metragem, "Barravento" (1962), premiado no Festival de Karlovy Vary, antiga Tchecoslováquia. Nesse mesmo momento, outros nomes merecem atenção - Ruy Guerra, Cacá Diegues, Leon Hirszman e Joaquim Pedro Andrade -, mas a Saraceni, entre os amigos conhecido como Sarra, deve-se dar um destaque especial. Como se pode ver nos arquivos de Glauber Rocha, disponíveis no Tempo Glauber, e no livro de memórias de Sarra, "Por dentro do Cinema Novo" (Nova Fronteira, 1993), é dos papos entre ele e Glauber nos bares da zona sul carioca ou em Salvador, no início dos anos 60, que se pode ter em mente o que os jovens cineastas queriam fazer para revolucionar o cinema brasileiro.

Em 1959, no apartamento da artista plástica Ligia Pape, foram exibidos para uma plateia seleta, que incluía artistas como Amilcar de Castro e Helio Oiticica, os primeiros filmes dos dois: "O Pátio", de Glauber, e "Caminhos", de Sarra. Foi nessa sessão que Reinaldo Jardim, editor do Caderno de Cultura do Jornal do Brasil, propôs abrir espaço para os jovens cineastas e publicar um manifesto com as novas ideias que traziam. A redação do manifesto acabou na intenção, mas em termos práticos é a partir desse incentivo que Glauber volta para a Bahia e filma "Barravento" na praia de Buraquinho, enquanto Sarra vai para o Arraial do Cabo e realiza o documentário "Arraial do Cabo" (1959).

Com esse filme, Sarra ganha uma bolsa para estudar no importante Centro de Cinema Experimental em Roma. Ele leva o filme consigo e o apresenta no Festival de Santa Margherita. "Arraial" causou impressão muito favorável, com suas imagens de forte apelo social, e revelou o que passou a ser em seguida chamado como Cinema Novo. Estimulado pelos debates e discussões suscitadas pelo filme, na volta ao Brasil ele fez "Porto das Caixas" (1962), "Integração Racial" (1964) e, um ano após o golpe de 64, "O Desafio".

Mesmo tendo aberto as portas para o Cinema Novo na Europa, ao contrário de Glauber, Nelson ou Ruy Guerra, esses filmes de Sarra, feitos em sequência, não foram exibidos em festivais importantes (barrado por Carlos Lacerda, então Governador da Guanabara, "O Desafio" foi apresentado clandestinamente no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, em 1965). Não tiveram, portanto, a ressonância de "Deus e o Diabo" (1964), "Vidas Secas" (1963), "Os Fuzis" (1964), respectivamente, que foram exibidos em Cannes e Berlim (Na Berlinale, o filme de Ruy Guerra foi premiado com o Urso de Prata). Depois desses filmes iniciais, a carreira de Sarra segue caminho um tanto errático e pouco profícuo. Ele fez ainda filmes como "Capitu" (1967), adaptação de Machado de Assis, e um projeto que acalentava há muito tempo, "A Casa Assassinada" (1970), baseado no livro de Lucio Cardoso. Mas a obra posterior de Sarra dá sinais de que sua verve criativa e seu espírito inovador se acomodaram. Quando se fala em Cinema Novo, impossível não lhe fazer referência, mas talvez por isso sua importância não seja devidamente considerada.

Com sua morte recente, em 14 de abril, nos cabe então lembrar que "Arraial do Cabo", "Porto das Caixas", "Integração Racial" e "O Desafio" são emblemáticos da estética cinemanovista. Mais que isso, são filmes deflagradores: "Arraial" antecipa "Aruanda" (1960), de Linduarte Noronha, "Porto das Caixas" toca a questão da mulher oprimida como o fará Leon Hirszman em "A Falecida" (1965) e "O Desafio", como "Terra em Transe" (1967), de Glauber, coloca em pauta o papel do intelectual diante da ditadura. Ou seja, a estética e os conteúdos social e político nesses filmes oferecem o germe para a filmografia por vir. Nesse sentido, Sarra é, de fato, aquele que abriu fendas, que se colocou adiante e, com isso, contaminou Glauber e outros ao redor para o desafio de se fazer cinema em transe.

Quando exibiu "Arraial" na Itália, ouviu do cineasta Jean Rouche que a nova onda era fazer cinema com "a câmara na mão". Rápido, escreveu para Glauber e lhe transmitiu essa ideia. Este, sensível, acolheu o sentido do que Sarra transmitiu e na 6ª Bienal de São Paulo, em 1961, expôs que o propósito de sua geração era o de fazer cinema com "uma câmara na mão e uma ideia na cabeça". Sem um manifesto formal, surge assim aquele que é o principal movimento do cinema brasileiro e um dos pontos altos de nossa história cultural.

Os filmes de inicio de carreira de Saraceni, hoje, são de difícil acesso (indisponíveis em DVD, podem ser vistos em acervos públicos, como na Biblioteca da ECA, ou sequências fragmentadas pelo you tube). Como decorrência, sua importância não é devidamente enfatizada: Sarra praticamente não é visto pelas novas gerações. É uma pena, pois "O Desafio", com suas imagens sombreadas, clima blasé e diálogos angustiantes, perfila-se entre as obras primas do cinema nacional nos anos 60. Ao lado de "Terra em Transe", reflete de modo intenso o impasse da intelectualidade brasileira diante da realidade da ditadura que se impôs. Assim como o filme glauberiano, "O Desafio", feito no calor da hora, revela a grande intuição de Sarra para sentir e expressar por meio de uma obra de arte o que foi o golpe de 64.

Sintomático desse sentimento é o plano que exibe o pôster de "Guernica", de Picasso, no quarto em que o casal protagonista conversa sobre a situação do país e a impossibilidade de uma relação amorosa naquelas condições. Mero elemento cenográfico, tão repleto de sentido quando se pensa nas razões que levaram Picasso a pintar o bombardeio de uma população indefesa durante a guerra civil espanhola. Enfim, Sarra se foi; fica sua obra, "O Desafio" do filme e, para nós, o de preservar a memória de um gigante de nossa cultura.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 25/4/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro
02. A Banda Mais Bonita da Internet e a Memética de Noah Mera
03. Tipos brasileiros de Guilherme Pontes Coelho
04. Amantes, tranquila inconsciência de Vicente Escudero
05. My fair opinion de Eduardo Mineo


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TODAS AS LÚCIAS DO MUNDO
ANGÉLICA COUTINHO
MAMC
(2001)
R$ 14,00



PAULA
ISABEL ALLENDE
BERTRAND
(1997)
R$ 10,80



CONTOS DE HOJE - NARRATIVAS
ABILIO PACHECO E DEURILENE SOUSA COORD.
LITERA CIDADE
(2012)
R$ 11,00



MÍSTICA E ESPIRITUALIDADE (6462)
LEONARDO BOFF E FREI BETTO
ROCCO
(1994)
R$ 14,00



WATCH YOUR MOUTH: DICIONÁRIO DE VULGARISMOS INSULTOS E XINGAMENTOS...
MARK G. NASH E WILLIANS R. FERREIRA (5230)
DISAL
(2010)
R$ 36,00



O PENÚLTIMO DRAGÃO BRANCO
MARCIO TRIGO, ROGER MELLO
ÁTICA
(1997)
R$ 10,00



TUDO POR UM NAMORADO
THALITA REBOUÇAS
ROCCO
(2005)
R$ 17,00



SAXOPHONE TECHNIQUE
DANNY WILENSKY
AMSCO PUBLICATIONS
(1989)
R$ 80,00



A UMA SOMBRA E OUTROS ENSAIOS (6947)
JAYRO SCHMIDT
BERNÚNCIA
(1998)
R$ 16,00



AVIADOR
EOIN COLFER
GALERA RECORD
(2009)
R$ 20,00
+ frete grátis





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês