'O sal da terra': um filme à margem | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/6/2012
'O sal da terra': um filme à margem
Humberto Pereira da Silva

+ de 6700 Acessos

"O sal da terra", filme americano de 1954, foi lançado recentemente em DVD pela Platina Filmes. Por aqui, o lançamento não mereceu destaque nos cadernos de cultura dos principais jornais. Para a maioria das pessoas esse filme, apesar da celeuma quando de seu lançamento, permanece desconhecido. As razões são as mais variadas. Algumas indicações serão sugeridas adiante.

Antes, porém, por que "O sal da terra" gerou celeuma em 1954? Lembremos que os anos 50 são marcados pela Guerra Fria e, nos EUA, pelo macarthismo e a lista negra de artistas identificados com a ideologia comunista. Nesse período de "caça às bruxas", figuram diretores, e atores hollywoodianos importantes. O caso mais famoso é o do cineasta Elia Kazan, que, convocado a depor, teria delatado alguns de seus colegas. É nesse momento que surge "O sal da terra", exibido no mesmo ano que "Sindicato de Ladrões", de Kazan, e, como este, trata das condições de trabalho num ambiente de tensão.

Enquanto "Sindicato de Ladrões" aborda a corrupção e a delação entre estivadores, "O sal da terra" tem como foco uma greve de mineiros numa cidade do Novo México. Na trama, as condições de vida e de trabalho impostas pelos encarregados da mina. No centro da narrativa, um casal de origem hispânica. O foco de tensão é a firme determinação do marido de impedir que sua mulher se envolva no encaminhamento da greve. No entanto, ele enfrenta da parte dela forte determinação para, com outras companheiras, participar do movimento grevista. Mas o que se torna o ponto dramático do filme é o tenso e amargo conflito entre os membros do próprio sindicato. Em pauta, a questão da igualdade de expressão e participação entre homens e mulheres. É nesse horizonte que Michael Wilson, o diretor, matiza o drama pessoal e as injunções coletivas numa situação que separa opressores e oprimidos.

Concebido num ambiente de perseguição àqueles que estariam traindo valores americanos, "O sal da terra" foi rapidamente identificado como filme comunista em pleno macarthismo. A se imaginar, portanto, os mais diversos problemas que enfrentou para sua realização. Rosaura Revueltas, a atriz mexicana que interpreta o papel principal, foi presa durante a realização do filme. A organização que o patrocinou, A Internation Union of Mine, Mill and Smeller Workers foi expulsa do Congresso das Organizações Industriais sob a acusação de alinhamento com a extrema esquerda.

Com esses ingredientes, ficam algumas perguntas sobre o porquê de esse filme não ter a atenção de tantos que ocupam críticos e espaço dos principais cadernos de cultura: Kazan até hoje gera controvérsia, quando é lembrada sua atuação à época. Uma primeira sugestão é sobre seu caráter propagandístico. Ou, de outra forma, sua mensagem ideológica. Se seguirmos a recomendação de Hegel, o valor de uma obra de arte não se impõe em função de seu propósito educativo, ou de fábula moral e política. Se assim for entendido, o problema de "O sal da terra" estaria no fato de que seu propósito primeiro não seria o de se apresentar como uma obra artística conforme os cânones burgueses (o mesmo não se pode dizer de "Sindicato de Ladrões", daí sua fortuna crítica). O valor do filme, com isso, ficaria confinado à mensagem. Portanto, antes de uma obra de arte, um panfleto concebido com a finalidade de despertar a consciência para uma realidade social ou política.

Assim sendo, nos termos de Lukács, uma obra orgânica, na contramão, portanto, das inovações formais da estética cinematográfica em voga. "O sal da terra", então, deveria ser visto ao lado de filmes do Realismo Socialista nos anos stalinistas. Sua força estaria na mensagem, por isso, não se coloca em nenhum momento que se sirva para entreter. Ocorre que se trata de um filme americano, inevitável, pois, que se apresente o problema do público a que se destina. A esse respeito, um problema similar com a recepção pela classe média do cinema brasileiro. O público de classe média que vai ao cinema, em geral o concebe como lugar de lazer e não para incursões sociológicas e políticas. "O sal da terra", com isso, sofreria do clichê que identifica muitos filmes que carregam mensagem política ou ideológica ao chamado filme de tese.

Esse clichê carrega no fundo a questão da divisão de classes e a manipulação ideológica sobre o que separa obra de arte e entretenimento. Na medida em que esses temas não podem ser desprezados, "O sal da terra" deixa questões que precisam ser consideradas. Se seguirmos Hegel, não precisamos pensá-lo a partir de seu conteúdo, mas se reflete o espírito da época. Ao deslocarmos o foco da questão, é difícil imaginar que não espelhe os conflitos do período. Ao lado do macarthismo, os anos 50 são também aqueles em que despontam os movimentos pelos direitos civis e o movimento feminista. Nesse sentido específico, trata-se de um filme premonitório.

Outra questão diz respeito ao público alvo. Na mesma medida em não se propõe como filme para lazer, "O sal da terra" segue uma narrativa clássica, com todas as concessões dramáticas encontradas em qualquer filme para entretenimento. Ou seja, um filme didático, centrado no drama pessoal, com uma caracterização de personagens que acentuam maniqueísmos. A narrativa de "O sal da terra" não escapa ao padrão de filme americano que separa mocinhos e bandidos. Não há ousadia formal que o emularia ao neorrealismo italiano ou, mesmo, aos novos cinemas emergentes em países como Polônia, Hungria e o Brasil com o Cinema Novo. Só que, aqui, a identificação se torna difícil, num ambiente ideológico adverso, caso, das sociedades americana e brasileira.

Ao optar pela convenção narrativa, "O sal da terra" ficou à margem dos debates sobre cinema em voga na época. Além disso, sua mensagem, em função da forte manipulação ideológica na indústria cultural, não teve apelo para superar problemas de divulgação e distribuição e se impor num cenário de forte polarização. Essas questões, como se percebe com seu recente lançamento em DVD, se refletem na pouca atenção dada pela crítica atual.

As questões destacada aqui, no entanto, realçam a importância de pensar o cinema para além de valores artísticos e de entretenimento. "O sal da terra" é um filme que, hoje, merece ser visto e discutido, mesmo que a ele não seja dada a etiqueta de cult movie. Isso porque um filme oferece muito mais do que imagens que simplesmente agradam, desagradam ou rompem convenções formais. Fora da indústria cultural e do metiê cult, "O sal da terra" deriva à margem e, sem ser visto, traz à tona o problema da manipulação ideológica externa às suas imagens.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 27/6/2012


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRE DE CAVE ET DE DÉGUSTATION
L ATELIER DU VIN
L ATELIER DU VIN
(2000)
R$ 110,00



PRELÚDIO DA CACHAÇA - ETNOLOGIA, HISTÓRIA E SOCIOLOGIA DO AGUARDENTE
LUIS DA CAMARA CASCUDO
ITATIAIA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



NA MIRA DO VAMPIRO SÉRIE VAGA LUME
LOPES DOS SANTOS
ÁTICA
(2006)
R$ 11,00



DA NACIONALIDADE: BRASILEIROS NATOS E NATURALIZADOS
WILBA LÚCIA MAIA BERNARDES
DEL REY (BH)
(1996)
R$ 28,82



ONDE ESTÁ OSAMA BIN LADEN?
MORGAN SPURLOCK
INTRINSECA
(2008)
R$ 10,00



WRITING WITH A PURPOSE
MCCARIMMON
HM CO
(1967)
R$ 12,00



AS CONSEQÜÊNCIAS MORAIS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO
BENJAMIN M. FRIEDMAN
RECORD
(2009)
R$ 15,00



BREVÍSSIMA INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA CRÍTICA
GILSON DANTAS E OUTROS
ISKRA
(2013)
R$ 20,00



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
FTD
R$ 13,50



O TEMPLO DA AURORA
YUKIO MISHIMA
EDITORA BRASILIENSE
(1988)
R$ 30,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês